A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sílvia Maria Amado João Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da USP 2014

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sílvia Maria Amado João Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da USP 2014"— Transcrição da apresentação:

1 Sílvia Maria Amado João Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da USP 2014

2

3 Estabelece e mantém o eixo longitudinal do corpo; Os movimentos da coluna vertebral ocorrem como resultado de movimentos combinados das vértebras individuais.

4 FUNÇÕES: Fornecer um ponto de articulação para o movimento e sustentação da cabeça na região cervical; Fornecer proteção para a medula e raízes dos nervos espinhais; Permitir movimento por ser multiarticulada, contribuindo para a locomoção; Fixar músculos que estabilizam ou movem os MM. Fornecer absorção e transmissão de choques eficientes.

5

6 Coluna Cervical

7 Qual a idade do paciente? Qual é a ocupação? Qual a gravidade dos sintomas? Qual foi o mecanismo da lesão? Qual é a atividade ou o lazer habitual do paciente? O que o paciente é capaz de fazer funcionalmente? Os sintomas surgiram imediatamente? Quais são os locais e limites da dor? Há irradiação? É profunda? Superficial? Em pontada? Em queimação? É contínua?

8

9 O paciente tem dores de cabeça? Há parestesias? Formigamento nas extremidades? O paciente tem problemas de equilíbrio, tontura ou desmaios? O paciente exibe ou queixa-se de qualquer sintoma simpático? Existem posturas ou ações que aumentam ou diminuem a dor? Qual a posição de dormir do paciente? O paciente respira pela boca?

10

11 Sinais de cefaléias que têm origem cervical: Cefaléia com componente occipital ou suboccipital; Movimento do pescoço aumenta a dor; Movimento do pescoço com limitação dolorosa; Postura anormal da cabeça; Dor à palpação suboccipital ou na região da nuca; Mobilidade anormal entre C0-C1.

12 Síndrome do Desfiladeiro Torácico Resulta da compressão ou estiramento do tronco inferior do plexo braquial por costela cervical, banda fibrosa ou processo transverso da sétima vértebra cervical alongado. Os sintomas mais comuns são história de dor em membro superior, fraqueza e atrofia progressiva dos músculos do membro que podem ser confirmados por exames eletrofisiológicos. Investigação radiológica deve ser realizada para descartar presença de costela cervical.

13 Exame das outras articulações adjacentes, acrescentando uma avaliação postural global; Evidência de dano tecidual, edema, temperatura, hipersensibilidade, estalido ou crepitações.

14 Postura Global da Coluna Vertebral O paciente deve ser examinado na postura relaxada habitual; A postura do paciente pode ser observada nas vistas anterior, posterior e lateral: postura da cabeça e pescoço, nível dos ombros, espasmo muscular ou qualquer assimetria, expressão facial, contornos ósseos, evidência de isquemia nos MMSS; Exame de Exploração das Articulações Periféricas: artic. temporomandibulares, cintura escapular, cotovelos, punho e mão.

15 deformidades; alteração da curvatura (postura); atitudes antálgicas; trofismo e tônus muscular; alterações cutâneas; sinais de traumatismos; assimetrias nas escápulas.

16

17

18

19 Procedimentos: Mensuração dos ângulos com auxílio do SAPO v ® Å Å Ângulo de protrusão da cabeça Ângulo de inclinação da cabeça

20 FACE POSTERIOR: Protuberância occipital externa; Processos espinhosos e processos articulares das vértebras cervicais; Processo mastóideo. FACE LATERAL: Processos transversos das vértebras cervicais; Artic. Temporamandibulares e mandíbula FACE ANTERIOR: 3 primeiras costelas; Fossa supraclavicular.

21

22

23 Triagem para amplitude de movimento: Se forem identificadas limitações na amplitude de movimento articular, deverá ser realizado um teste goniométrico específico para se obter um quadro das restrições, estabilização e registro das limitações; Movimentos ativos; Movimentos passivos.

24 Lateralização cervical direita Lateralização cervical esquerda Extensão cervical Rotação cervical direita Rotação cervical esquerda Flexão cervical

25 Flexão da coluna cervical: Ocorre no plano sagital; Amplitude articular: 0°- 65° (Marques, 2003); 0°- 80°/90° (Magee, 2002); Precauções: evitar a flexão de tronco, rotação e flexão lateral da coluna cervical.

26 Extensão da coluna cervical: Ocorre no plano sagital; Amplitude articular: 0°-50° (Marques, 2003); 0°-70° (Magee, 2002); Precauções: evitar a extensão do tronco, flexão lateral e rotação da coluna cervical.

27 Flexão lateral da coluna cervical: Ocorre no plano frontal; Amplitude articular: 0°- 40° (Marques, 2003); 0°- 20°/45° (Magee, 2002); Precauções: evitar a flexão, extensão e rotação de tronco e a elevação do ombro do lado testado.

28 Rotação da coluna cervical: Ocorre no plano transversal; Amplitude articular: 0°-55° (Marques, 2003); 0°- 70°/90° (Magee, 2002); Precauções: evitar a flexão, extensão e a flexão lateral e rotação do tronco.

29 A finalidade da avaliação do comprimento muscular (flexibilidade) consiste em determinar se a ADM que ocorre em uma articulação é limitada ou excessiva em virtude das estruturas articulares intrínsecas ou dos músculos que cruzam as articulações. Músculos: Flexão lateral cervical (inclinação lateral): Músculo levantador da escápula; escalenos anterior, médio e posterior; esternocleidomastóideo, trapézio, esplênios da cabeça e do pescoço. Músculos flexores cervicais; Músculos extensores cervicais.

30

31 parte integrante do exame físico, fornecendo informações úteis no diagnóstico diferencial, prognóstico e tratamento de patologias musculoesqueléticas e neuromusculares; A avaliação da força muscular manual deve ocorrer quando forem descartadas outras limitações articulares ou musculares (encurtamentos) impedindo ou dificultando o movimento; Músculos: esternocleidomastóideo, escalenos anterior, médio e posterior; músculo longo do pescoço e músculo longo da cabeça.

32

33 Tabelas de escores numéricos podem ser utilizadas para determinar o grau de dor causado pela patologia ou incapacidade da coluna cervical; Atividades de Vida Diária; Quadro de contagem numérica. Testagem de força Funcional da Coluna Cervical ( M. L. Palmer & M EplerClinical Assessment Procedures in Physical Therapy, 1990).

34 Teste de Compressão Foraminal (Spurling); Teste de Distração (tração- separação); Teste de Depressão do Ombro; Teste de Abdução do Ombro.

35 Teste de Stibor

36

37 1. Costela 2. Processo transverso 3. Pedículo 4. Processo espinhoso 5. Osso sacro 6. Articulação sacro-ilíaca

38 Radiografia da coluna cervical: vista anterior. 1. Clavícula 2. Primeira costela 3. Traquéia 4. Processo Espinhoso (C7) 5. Corpo Vertebral (C5) 6. Unco do corpo (processo Uncinado)

39 Radiografias em perfil dinâmico da coluna cervical (A- hiperextensão e B- hiperflexão).

40 Costela cervical esquerda em paciente que apresentava sintomatologia de síndrome do desfiladeiro torácico.

41 Hérnias Discais em C5-C6 e C6-C7

42 OA de coluna cervical

43 A coluna lombossacra é formada por cinco peças ósseas, mais o osso sacro e um terminal de ossos que se chama cóccix. 1) Corpo Vertebral Lombar 2) Disco intervetebral 3) Raiz nervosa 4) Foramen de Conjugação 5) Apófise Espinhosa 6) Sacro 7) Cóccix

44 Qual é a idade e ocupação do paciente; Qual foi o mecanismo da lesão; Dor: qual a intensidade e o horário de seu aparecimento; Se há irradiação da dor; Qual a relação da dor e a atividade corporal e/ou repouso. A dor é profunda? Superficial? Queimante? Contínua?

45 A dor é pior pela manhã ou à noite? Que movimentos doem? Está presente parestesia? Qual a atividade ou lazer habitual do paciente? Qual é a posição de dormir do paciente? Que tipo de sapatos o paciente usa? O paciente está utilizando alguma medicação?

46

47 Postura Global da Coluna Vertebral O paciente deve ser examinado na posição em pé e depois sentado; Observar o paciente caminhando. Posição antálgica. O paciente deve ser observado nas vistas anterior, posterior e lateral. Postura: observar obliqüidade pélvica e simetria de sustentação de peso; Observar marcas cutâneas ou presença de lesões na pele.

48

49

50

51

52

53 Desvio lateral da coluna

54 Lordose Lombar (Tesch e Fornasari, 2004; Willner, 1981; Leroux, 2000). LORDOSE LOMBAR Lordose normal (65,47° ± 10,99°) = 68% (34) Hipolordose (a partir de 54,47°) = 18% (9) Hiperlordose (a partir de 76,47) = 14% (7)

55 Existe uma considerável lordose no nível L5-S1 e dois terços da lordose de L1-S1 estão distribuídas abaixo de L4. (Jackson & McManus, 1994) O intervalo entre T12 –S1 foi a medida que apresentou melhor reprodutibilidade intra- observador. (Polly et al, 1996)

56 Observar deformidade em grau ao nível da coluna lombar; Cor e textura da pele, cicatrizes, fístulas, etc. Observar anormalidade dos contornos ósseos e dos tecidos moles; Exame das articulações periféricas: artic. sacroilíacas, do quadril, dos joelhos; tornozelos e dos pés.

57 Durante a palpação do quadril e músculos associados, o fisioterapeuta deve observar qualquer dor à palpação, temperatura, espasmo muscular ou outros sinais e sintomas. Face Anterior: Crista Ilíaca, EIAS Face Posterior: Crista Ilíaca, EIPS, processos espinhosos da coluna lombar, Sacro, Crista Ilíaca, Túber Isquiático e Nervo Ciático.

58

59 Triagem para amplitude de movimento: Consiste em determinar onde e se é necessária uma avaliação goniométrica específica; Se forem identificadas limitações na amplitude de movimento articular, deverá ser realizado um teste goniométrico específico para se obter um quadro das restrições, estabilização e registro das limitações; Movimentos Ativos; Movimentos Passivos.

60

61

62

63 Flexão da coluna lombar: Ocorre no plano sagital; Amplitude articular: 0°-95° (Marques, 2003) e 0°-40º/60° (Magee, 2002); Precauções: Evitar a flexão dos joelhos.

64

65 Extensão da coluna lombar: Ocorre no plano sagital; Amplitude articular: 0°-35° (Marques, 2003) e 0º-20°/35° (Magee, 2002); Precauções: Evitar a hiperextensão dos joelhos.

66 Flexão lateral da coluna lombar: Ocorre no plano frontal; Amplitude articular: 0°-40° (Marques, 2003) e 0°-15°/20° (Magee, 2002); Precauções: Evitar flexão, extensão, rotação de tronco e a inclinação lateral da pelve.

67 Rotação da coluna lombar: Ocorre no plano transverso; Amplitude articular: 0°-35° (Marques, 2003) e 0°-3°/18° (Magee, 2002); Precauções: Evitar a rotação da coluna cervical, rotação pélvica, flexão, extensão e flexão lateral do tronco.

68

69 A finalidade da avaliação do comprimento muscular (flexibilidade) consiste em determinar se a ADM que ocorre em uma articulação é limitada ou excessiva em virtude das estruturas articulares intrínsecas ou dos músculos que cruzam as articulações; Extensores lombares (músculo eretor da espinha, transverso-espinal e quadrado do lombo).

70 Parte integrante do exame físico, fornecendo informações úteis no diagnóstico diferencial, prognóstico e tratamento de patologias musculoesqueléticas e neuromusculares; A avaliação da força muscular manual deve ocorrer quando forem descartadas outras limitações articulares ou musculares (encurtamentos) impedindo ou dificultando o movimento.

71 Flexão: Psoas Maior, Reto do abdome, Oblíquo externo do abdome, Oblíquo interno do abdome, Transverso do abdome; Extensão: Grande Dorsal, Eretor da espinha, Transverso-espinal, Interespinais, Quadrado do lombo; Flexão Lateral: Grande Dorsal, Eretor da espinha, Transverso-espinal, Intertransversários, Quadrado do lombo, Psoas Maior, Oblíquo externo do abdome.

72 A lesão da coluna lombar pode afetar amplamente a capacidade funcional; Tabelas de escores numéricos podem ser utilizadas para determinar o grau de dor causado por patologia ou incapacidade da coluna lombar; Índice de Incapacidade de Oswestry (Physiotherapy 66: , 1980); Teste de Triagem de 10 min. de Hendler para pacientes com lombalgia crônica (Psychosomatics 20: , 1979); Lehman e col. Graduação de disfunção lombar (Spine 8:309, 1983).

73 Tossindo ou fazendo força: 5 a 35%; Andando: 15%; Flexão Lateral: 25%; Pequenos saltos: 40%; Flexão para a frente: 150%; Rotação: 20%; Levantando um peso de 20kg com as costas retas e os joelhos dobrados: 73%; Levantando um peso de 20kg com as costas flexionadas e os joelhos retos: 169%.

74 Testes para disfunção neurológica (testes neurodinâmicos): Teste de elevação da perna reta; Teste de derrear-se.

75 Teste de Schober

76 TESTE DO 3 DEDO AO CHÃO

77 Escoliômetro: simples, baixo custo, não invasivo e utilizado para mensurar curvas laterais da coluna (ATR de 5º identificam curvas laterais de 20º ou + de ângulo de Cobb) (Bunnell, 1984; Amendt et al., 1990). Função: fornece informações objetivas sobre a magnitude das distorções visivelmente aparentes incluindo a gibosidade, a assimetria escapular e dos ombros.

78 Ângulo de Cobb : radiografias 2D para avaliar deformidade 3D (escoliose): Variabilidade de 5º na mesma radiografia. Variabilidade inter-observador : 7.2º Variabilidade intra-observador: 4.9º Clinical Radiology (2002) 57: Clinical Radiology (2002) 57:

79

80 Radiografia Simples: Correlacionar os achados clínicos com os achados radiológicos. Vista ântero-posterior: forma das vértebras, acunheamento das vértebras, espaços discais, deformidade vertebral, lombarização de S1, sacralização de L5, espinha bífida, etc. Incidência Lateral: evidência de espondilólise ou espondilolistese, lordose, presença de acunheamento das vértebras, alinhamento das vértebras, formação osteofítica. Incidência Oblíqua: espondilolistese.

81

82

83

84

85

86 A - Osteófitos ; B – disco degenerado + diminuição do espaço intervertebral

87 A) Bicos de papagaio no Corpo Vertebral B) Estenose do Canal C) Bico de papagaio invadindo o Canal Medular. O contorno do Canal está deformado.

88 1. Marques AP. Ângulos articulares da coluna vertebral. In: Manual de Goniometria. 2 ed. São Paulo: Editora Manole. 2003, p Amado-João, SM. Avaliação da Coluna Cervical e Lombar. In: Métodos de Avaliação Clínica e Funcional em Fisioterapia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006, p Kendall, FP; McCreary, EK. Músculos Provas e Funções. Editora Manole, São Paulo, Magee DJ. Disfunção Musculoesquelética. 3ª ed – São Paulo, Editora Manole,


Carregar ppt "Sílvia Maria Amado João Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da USP 2014"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google