A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sustentabilidade de TI Tereza Cristina M. B. Carvalho Diretoria CCE-USP

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sustentabilidade de TI Tereza Cristina M. B. Carvalho Diretoria CCE-USP"— Transcrição da apresentação:

1 Sustentabilidade de TI Tereza Cristina M. B. Carvalho Diretoria CCE-USP

2 Agenda Sustentabilidade Lixo Eletrônico Ações CCE-USP – Selo Verde – Centro de Descarte, Reuso e Reciclagem de Lixo Eletrônico. – Data Center Mais Verde Outras Ações USP

3 "Atender as necessidades da geração atual sem comprometer os recursos naturais para as gerações futuras Brundtland 1987 Foto: Ira Margarido

4 Sustentabilidade Práticas sustentáveis são aquelas que garantem que os recursos são utilizados na mesma taxa em que é possível recuperá-los, naturalmente ou através de ações específicas (Por ex.: aproveitamento de lixo eletrônico).

5 Sustentabilidade No World Summit 2005 da ONU, foram definidos três pilares de sustentabilidade: – Econômico. – Social. – Ambiental.

6 Lixo eletrônico

7 O que é lixo eletrônico? O lixo eletrônico é tudo o que é enviado para o lixo proveniente de pe ç as e equipamentos eletro-eletrônicos.

8 PCs, Teclados Impressoras Mouses Hard Disks & Drives Exemplos de Lixo Eletrônico

9 Foram coletadas 5 toneladas de equipamentos num único dia! No dia 5 de Junho (Dia Mundial de Meio Ambiente),

10 Situação Atual - Brasil Em 2007 – Computadores: Venda de 10,5 milhões. Total de 50 milhões (63 milhões em Dezembro de 2008). Tempo de Vida Médio: 3 a 4 anos (FGV-SP). – Celulares: Venda de 21 milhões de aparelhos. 120,98 milhões de assinantes (Anatel) -> 152 milhões (janeiro de 2009) Tempo de Vida Médio: 1 a 1,5 anos.

11 Situação Atual - Brasil No Brasil, – milhões de pilhas/ano. 800 milhões de pilhas certificadas/ano – 0,02 mg de mercúrio. 400 milhões de pilhas pirata/ano. – 80 mg de mercúrio (32 toneladas/ano).

12 Legislação e Desafios

13 Legislação Europa: – União Européia (UE) e o Parlamento Europeu (EU) em 11 de outubro de 2002, duas diretrizes: Lixo eletrônico: – WEEE (Waste Electrical and Electronic Equipment) (2002/96/EC). Produção de Sistemas Verdes: – ROHS (Restriction of Certain Hazardous Substances) (2002/95/EC)

14 Legislação EUA: – Apenas 6 estados estão processo de certificação ROHS. – O governo federal adotou EPEAT(Electronic Product Environmental Assessment Tool) Brasil: – Nível Federal: Setembro de Projeto de Lei (PL) 1991/2007 institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. – Nível Estadual: Em processo de regulamentação, Lei /06 institui a Política Estadual de Resíduos Sólidos do Estado de São Paulo. – Não há menção sobre resíduos eletro-eletrônicos.

15 Desafios Inexistência de legislação brasileira que: – Regulamente a produção de sistemas verdes. – Responsabilize os produtores pela reciclagem ou destino sustentável dos bens por ele produzidos. – No dia 4/6, a Assembléia Legislativa de São Paulo aprovou o Projeto de Lei (PL) 33/2008 : Institui procedimentos para reciclagem, gerenciamento e destino final de lixo tecnológico. Aplicável a equipamentos eletroeletrônicos de usos doméstico, industrial, comercial e de serviços: – Computadores, monitores e televisores, baterias em geral e produtos magnetizados. Importância da Conscientização e Ação dos usuários.

16 O que podemos fazer? Usuários: – Exigir sistemas sustentáveis no processo de compra. – Realizar tratamento de lixo eletrônico. Midia: – Divulgar a importância de sustentabilidade.

17 Ações CCE - USP

18 Selo Verde

19 Motivação Aquisição de Sistemas de TI Como criar mecanismos para aprimorar o processo de compra em direção a aquisições mais sustentáveis: – Por exemplo, placas eketrônicas sem chumbo (lead free) e outras substâncias tóxicas para saúde. Desafios: – Aprimorar os processos de pregões para não permitir a participaão de fornecdores de soluções não-verdes: – Necessidade de pelo menos 3 fornecedores;: – Fornecedores locais: Itautec. – Feornecdores Multinacionais: Dell, IBM & HP.

20 Ações USP Criação do Selo Verde – Concedido para Sistemas Verdes Inexistência de Chumbo. Economia de Energia Elétrica. Todos componentes sustentáveis, inclusive a embalagem. Alinhamento com as normas ISO e ISO Aderência ao ROHS ( Restriction of Certain Hazardous Substances ).

21

22 Ações CCE - USP

23 Tratamento Sustentável de Lixo Eletrônico

24 Ações USP Criação de um Centro de Descarte, Reuso e Reciclagem Sustentável. – Identificar e classificar o lixo eletrônico USP. – Especificar processos de descarte e reciclagem. – Realizar estudo e análise da viabilidade do centro: Especificar investimento e recursos necessários. Identificar parceiros (Ex: CETESB, Itautec, ONGs). – Expandir a iniciativa para toda USP. – Formar técnicos. Parceria com MIT S-lab e L-Lab.

25

26 Premissas Destino sustentável de todos componentes eletro-eletrônicos. Não existe legislação estadual e federal adequada para tratamento de resíduos eletro- eletrônicos. A indústria de reciclagem é especializada e envolve processos caros: – Não existe empresa que recicle todos componentes de um equipamento eletro-eletrônico: Parte reciclada e parte descartada (lixão). Retorno financeiro maior para componentes classificados e compactados.

27 Informação de Rodapé Comunidade USP e Sociedade A equipe do CEDR faz a triagem para reuso ou reciclagem Reciclagem CEDR Os resíduos são separados, descaracterizados e pesados Os fragmentos de placas são acondicionados em caixas e depois embalados para transporte Processadores de metais, plásticos, lixo eletrônico, tubos, etc... Recicladores Os materiais do lixo eletrônico são triturados e sofrem o tratamento para a recuperação de metais ou transformação em óxidos e sais metálicos Indústria Destinação Projetos Sociais

28 Informação de Rodapé Fluxograma - Descarte de equipamentos no CEDR Comunidade USP e Sociedade Entrada do material eletrônico no CEDR Envio para Projetos Sociais Triagem Sim Ainda pode ser utilizado ? Não Terminou Ciclo de Vida? Sim Não Projetos Sociais Coleta e Triagem Desmontagem Separação dos Componentes Compactação e acondicionamento Pesagem Envio a parceiros Descaracterização Pesagem total do material Matéria prima para indústria Recicladores Categorização Reciclagem

29 Informação de Rodapé Campi da USP

30 Informação de Rodapé Bauru Piracicaba São Carlos Escola de Medicina São Paulo Museu Paulista - São Paulo Ribeirão Preto São Paulo Pirassununga

31 Informação de Rodapé Campi da USP São Paulo São Paulo Piracicaba Piracicaba São Carlos São Carlos Ribeirão Preto Ribeirão Preto Pirassununga Pirassununga Bauru Bauru Lorena Lorena Centros de Informática Setores de Informática

32 Informação de Rodapé Balanço Financeiro

33 Informação de Rodapé Campi da USP Primeira Fase (Até 2o. Semestre de 2009). – Operações de Coleta, Triagem, Categorização Campus Cidade de São Paulo – Operações de Coleta e Triagem Campus com Centros de Informática: – Ribeirão Preto, São Carlos e Piracicaba. Segunda Fase (A partir de 2o. Semestre de 2009). – Operações de Coleta e Triagem Campus com Setores de Informática – Bauru, Pirassununga e Lorena.

34 Extensão do Projeto

35 Informação de Rodapé Extensão do Projeto

36 Informação de Rodapé Extensão do Projeto A primeira Fase do Projeto estará organizada em diferentes etapas com campanhas de coleta: – Etapa 1 – Unidades da USP (São Paulo, Ribeirão Preto, São Carlos e Piracicaba). – Etapa 2 – Extensão a familiares de funcionários, alunos e docentes. – Etapa 3 – Extensão para o Público em Geral. Potencial parceria com CETESB.

37 Balanço Financeiro

38 Informação de Rodapé Balanço Financeiro

39 Ações CCE - USP

40 Data Center Verde

41 Data Center Mais Verde Virtualização de Servidores – Fase de testes de soluções de virtualização – Investimento da ordem de R$ 500K – Redução Estimada de Consumo de Energia Elétrica: 30% Redução do Número de Máquinas de Ar Condicionado. – Controle de Temperatura através de uma rede de sensores. – Remanejamento da Localização Física dos Servidores

42

43 Data Center Mais Verde Centralização dos Recursos Computacionais: – Incentivar a hospedagem de máquinas no IDC das unidades de ensino e institutos. – Reduzir o gasto com infra-estrutura nas unidades. – Investimento na Infra-estrutura centralizada do IDC: No-Break & Gerador Alimentação de Entrada do CCE. Ar-Condicionado Gasto estimado R$ k Criação de um Data Center Back-UP Verde – Alimentação por luz solar.

44 Ações USP MBA em Gestão Sustentável de Inovação em TI

45 MBA TI Sustentável Objetivos: – Formação de lideres de TI com visão e conhecimento em sustentabilidade em sentido amplo (Ambiente, Financeiro, Comunidade). Os cursos estão organizados em três áreas: – TI (Tecnologia de Informação). – Gestão. – Humanidades.

46 MBA TI Sustentável Curso Básico: Introdução à Sustentabilidade. Área de TI: – Arquitetura de TI. – Infra-Estrutura de Rede. – Redes Sem fio. – Serviços e Aplicações Interativas. – Data Centers I e II. – Segurança I e II. – Gerenciamento Computacional, de Redes e Sistemas – Modelagem de Arquitetura Corporativa. – TI Verde. – Inovação Tecnológica e Sustentabilidade

47 MBA – TI Sustentável Área Gestão: – Gestão Estratégica e Sustentabilidade. – Governança de TI e Sustentabilidade – Gestão Sustentável de Projetos – Gestão de Carreiras Sustentáveis – Gestão Sustentável de Finanças

48 MBA – TI Sustentável Área Gestão: – Ética e Tecnologia – Ambiente Sócio-político para a Tecnologia Liderança e Tecnologia. – Responsabilidade Social Empresarial – Políticas Públicas em Tecnologia de Informação.

49 Considerações Finais

50 Informação de Rodapé Considerações Finais Compras Centralizadas – Redução do número de micro-computadores montados. – Possibilidade de compartilhar RH (não haverá custo adicional de mão de obra para a USP). Sustentabilidade financeira do CDR depende de fluxo contínuo de lixo eletrônico: – Maior retorno se houver extensão do projeto para Público em Geral e, também, para a indústria local.

51 Considerações Finais Contribui ç ão Social: Suporte a Projetos Sociais. Conscientiza ç ão sobre a importância do destino final correto aos eletro-eletrônicos. Atividades de Divulga ç ão: Semin á rio de Sustentabilidade, Cursos e Worshops. Incentivo à ind ú stria local de reciclagem. Garantia de destino sustent á vel para todos componentes do equipamento eletro- eletrônico.

52 Considerações Finais Data Center Mais Verde Avaliação de Sistemas de Virtualização de Desktop. Criação de Cursos na Área – MBA em Gestão Sustentável de Inovação Tecnológica TI (Data Center Verde, Governança Sustentável de TI) Gestão (Liderança Sustentável) Humanismo (Politicas Públicas Sustentáveis)

53 Muito Obrigada! Perguntas?


Carregar ppt "Sustentabilidade de TI Tereza Cristina M. B. Carvalho Diretoria CCE-USP"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google