A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Poluição do Ar no Estado de São Paulo e Perspectivas Frente aos Novos Padrões de Qualidade do Ar 1º Simpósio Internacional sobre Epidemiologia e Saúde.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Poluição do Ar no Estado de São Paulo e Perspectivas Frente aos Novos Padrões de Qualidade do Ar 1º Simpósio Internacional sobre Epidemiologia e Saúde."— Transcrição da apresentação:

1 Poluição do Ar no Estado de São Paulo e Perspectivas Frente aos Novos Padrões de Qualidade do Ar 1º Simpósio Internacional sobre Epidemiologia e Saúde Ambiental – dez/2011 Maria Helena Martins Divisão de Qualidade do Ar – CETESB eqq@cetesbnet.sp.gov.br

2 Configuração da Rede Automática Poluentes: SO 2 MP 10 MP 2,5 O 3 NO/NOx/NO 2 CO Parâmetros Meteorológicos: DV, VV Temperatura Umidade Pressão Radiação (UV,Total)

3 Configuração da Rede Manual Parâmetros SO 2 MP 2,5 MP 10 Fumaça PTS

4 Padrões Nacionais de qualidade do ar Res. CONAMA n° 03 de 28/06/90 * Legisla ç ão estadual

5 Região Metropolitana de São Paulo Características Urbanas Área 8.000 km² Nº de municípios 39 População total ~ 20.000.000 População cidade SP ~ 11.000.000 Indústrias Frota Gasóol ~ 3.000.000 Álcool ~ 240.000 Flex ~ 2.000.000 Diesel ~ 340.000 Motos ~ 770.000

6 Emissões relativas de poluentes por tipo de fonte - RMSP - 2010 Ind- 64% SO 2

7 SO 2 - Evolução das concentrações médias anuais RMSP

8 CO - Nº de ultrapassagens do padrão e nível de atenção por ano - RMSP n° de ultrapassagens Padrão – 9ppm

9 Fatores de emissão de CO para veículos leves novos

10 CO – Concentrações médias anuais das máximas diárias (médias de 8 horas)

11 MP 10 - Evolução das Concentrações Anuais - RMSP 1979- Início do controle de MP industrial 2003 - 1ª meta do PROMOT 1987 - Inicio do controle de MP pelo PROCONVE 1996 - Início substituição óleo p/ gas natural na industria 1999 - início do GasBol 1988 - Inclusão dos veículos na Operação Inverno 1979- Início do PROALCOOL

12 MP 10 - nº de ultrapassagens do padrão por ano - RMSP Padrão 150 ug/m³

13 MP 2,5 - Evolução das concentrações médias anuais RMSP

14 MP 2,5 - Concentrações máximas diárias - RMSP

15 MP 2,5 - Modelo Receptor C.César - 1997 RUA = poeira ressuspensa COMBIO = combustão de biomassa VEIC = veículos CARSEC = carbono secundário SULSEC = sulfato secundário NITSEC = nitrato secundário

16 O 3 - Evolução do nº de dias de ultrapassagens do padrão - RMSP Base: Todas as estações fixas, além das móveis Horto-Florestal e Itaquera

17 Ozônio – máximas concentrações horárias Comparação com outras Regiões Metropolitanas

18 3 km V. Parisi Centro V. Mogi

19 MP 10 - Evolução das Concentrações Médias Anuais - Cubatão

20 O 3 - Evolução do nº de ultrapassagens do padrão - Cubatão-Centro

21 MP 10 - Evolução das Concentrações Médias Anuais - Interior

22 O 3 - Classificação do nº de dias com ultrapassagem do padrão e do nível de atenção em 2010 - Outras UGRHIs Ribeirão Preto, Araraquara e Catanduva: não houve ultrapassagem do padrão.

23 A SOLUÇÃOO PROBLEMA CONTROLE LEGAL FONTES METEOROLOGIA E TOPOGRAFIA QUALIDADE DO AR EXISTENTE EFEITOS QUALIDADE DO AR DESEJADA TÉCNICAS DE CONTROLE CONSIDERAÇÕES ECONÔMICO-SOCIAIS

24 NOVOS PADRÕES DE QUALIDADE DO AR RECOMENDAÇÃO OMS DE 2005 - Seminário Internacional – CETESB/SMA - 2008 - Deliberação CONSEMA 22/2009 – 26/05/2009 - Resolução SES/SMA 004 - 01/12/2009 – Institui o Grupo Interinstitucional - Resolução SS/SMA 001 - 30/03/2010 – Estabelece a composição do grupo. - GT envia aos Secretários relatório - 31/11/2010. - Deliberação CONSEMA 19/2011 - aprova relatório 25/05/2011. - Resolução SMA 34 – Institui grupo GT para apresentar Minuta de Decreto

25 P1 - Relativas às recomendações da OMS....os padrões nacionais variarão de acordo com a abordagem adotada para balancear riscos à saúde, viabilidade técnica, considerações econômicas, e vários outros fatores políticos e sociais,…………….os governos devem considerar cuidadosamente suas circunstâncias locais antes de adotarem os valores-guia diretamente como padrões legais nacionais. … o processo de estabelecimento de padrões visa atingir as menores concentrações possíveis no contexto de limitações locais, capacidade técnica e prioridades em termos de saúde pública. Premissas do trabalho.

26 Composição do Grupo de Trabalho. (coordenação dupla) - Secretaria de Estado da Saúde – SES - Secretaria de Estado do Meio Ambiente – SMA - Conselho Estadual do Meio Ambiente – CONSEMA; - Federação das Indústrias do E.S.P – FIESP; - Secretaria de Desenvolvimento do E.S.P – SD; - Secretaria de Transportes Metropolitanos do E.S.P. – STM; - Ministério do Meio Ambiente – MMA; - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – FM-USP; - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo – FSP; - Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo – SVMA; - Secretaria Municipal de Transportes de São Paulo – SMT; - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – ANP; - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores – A NFAVEA.

27 P2 - Relativas à legislação. - Resolução CONAMA nº 3/90 - Decreto Estadual nº 8468/76. - Legislação internacional: padrões dos Estados Unidos e da União Européia. P3 - Relativas aos parâmetros auxiliares na averiguação da Qualidade do Ar. Outros poluentes destacados pela CETESB com importância para a avaliação de condições específicas – análisados e incorporados na proposição final. P4 - Relativas à divulgação de dados. A estruturação dos padrões de qualidade do ar deve manter as formas de divulgação o mais próximo possível das práticas até hoje adotadas.

28 Valores OMS/CONAMA ValorMP 10 24h µg/m³ MP 10 anual µg/m³ MP 2,5 24h µg/m³ MP 2,5 anual µg/m³ O 3 8h µg/m³ NO 2 Anual µg/m³ NO 2 1h µg/m³ SO 2 24h µg/m³ SO 2 anual µg/m³ SO 2 10min µg/m³ CO 8h ppm Conama 15050 160 (1h) 100320365809 M1 150707535160125 M2 10050 2550 M3 753037,515 Valor Guia 5020251010040200205009

29 SO 2 - N° de Ultrapassagem - Média de 24h (µg/m³) SO 2 RMSPPaulínia Cubatão Centro Cubatão V. Parisi Total 2008200920082009200820092008200920082009 365 Conama 0000000000 60 (125) M1 0000036767 40 (50) M2 00006930333642 30 (NR) M3 030019205776 99 20 Guia 1550306470108159190279

30 MP 10 - N° de Ultrapassagem - Média de 24h (µg/m³) - RMSP MP 10 150 (Conama) 120 M1 100 M2 75 M3 50 (OMS) 2008200920082009200820092008200920082009 Diadema0000001206521 Guarulhos20501704859838 Mauá0000422184134 Osasco0040142401111853 Santo André 00000000327 São Bernardo 0020142461110566 São Caetano 0000101023227 São Paulo016146620250774344 TOTAL211719612379871265590

31 MP 10 - N° de Ultrapassagem - Média de 24h (µg/m³) - Interior MP 10 150 (Conama) 120 M1 100 M2 75 M3 50 (OMS) 200 8 200920082009200820092008200920082009 Agropecuária-0-0-0-5-68 Em Industrialização -0-0-0-5-103 Industrial – (Interior)* 10101026118638 Cubatão – V. Parisi 5221161715941233123307255 Cubatão - Centro 001010304221 * Campinas, Paulínia, Sorocaba, S. José dos Campos

32 O 3 - N° de Ultrapassagens - 2009 – RMSP - Média de 8h (µg/m³) O3O3 160 (1h) (Conama ) 160 140 M1 130 M2 120 M3 100 OMS Ibir.210571541 Ipen2128111756 Mauá141581130 Mooca12123725 NSÓ8023520 PDP9011313 Parelheiro s 700006 Pinheiros301114 Santana221371139 Sto Amaro232361139 SCS161681127 Diadema12012618 S.A.Cap.191791637 TOTAL18794466114355

33 O 3 - N° de Ultrapassagens - 2009 – Interior - Média de 8h (µg/m³) O3O3 160 (1h) (Conama) 160140130120100 Am.82371034 Araçatuba000015 Araraq.000008 Bauru000005 Catand.000004 Cub. C8005715 Cub. VM401236 Jau000005 Jundiaí12036837 Marília000005 Paulínia92471552 Pirac.1205102886 P. Prud.000001 Rib. Preto000002 SJRP000028 Soroc2001319 SJCampos7001314 TOTAL624164077292

34 NO 2 - N° de Ultrapassagem - Média de 1h (µg/m³) - RMSP NO 2 320 (Conama) 260 M1 240 M2 220 M3 200 (OMS) 200820092008200920082009200820092008 200 9 CC00011151112 Cong.025394165259 Ibir.0000000021 Ipen0000000010 PDP0000000001 Pin.0000000111 SCS0000000001 Taboão0000000000 Osasco000002 0 2 0 4 TOTAL02541072194019

35 NO2 – Ultrapassagens - Média Anual (µg/m³) NO 2 RMSP 20082009 10000 80 M1 00 60 M2 22 50 M3 33 40 OMS 46 2008 60 – ultrapassagens em CC e Cong. 50 – ultrapassagens em CC, Cong. e Pin. 40 – Ultrapassagens em CC, Cong, Pin. e Taboão 2009 60 – ultrapassagens em Cong. e Osasco 50 – ultrapassagens em CC, Cong. e Osasco 40 – ultrapassagens em CC, Cong, PDP, Pin. Osas e SCS

36 P1 - Proposta final ValorMP 10 24h µg/m³ MP 10 anual µg/m³ MP 2,5 24h µg/m³ MP 2,5 anual µg/m³ O 3 8h µg/m³ NO 2 Anual µg/m³ NO 2 1h µg/m³ SO 2 24h µg/m³ SO 2 anual µg/m³ CO 8h ppm Conama 15050 160 (1h) 100320365809 M 1 120406020140602606040 9 M 2 100355017130502404030 9 M 3 75303715120452203020 9 Padrão Final 502025101004020020-9

37 Proposta de parâmetros auxiliares (a serem utilizados em situações especiais a critério da Agência Ambiental) ValorFMC 24h µg/m³ FMC MAA µg/m³ PTS 24h µg/m³ PTS MGA µg/m³ Pb MAA µg/m³ M1 12040240800,5 M2 10035240800,5 M3 7530240800,5 Padrão Final 5020240800,5 MAA – média aritmética anual MGA – média geométrica anual

38 P2 – Prazos. Propõe-se adotar os seguintes prazos para a adoção dos padrões administrativos correspondentes a metas intermediárias: Meta 1 (M1) – Aplicação imediata como padrão a vigorar pelo prazo de 3 anos, com avaliações continuas da efetividade dos programas e políticas de controle das emissões, permitindo ajuste das ações ao longo deste período. Meta 2 (M2) – Prazo a ser definido com base nas avaliações realizadas na primeira etapa - M1. Meta 3 (M3) – Prazo a ser definido com base na segunda etapa (M2), inclusive observando-se as experiências obtidas internacionalmente.

39 P3 – Outros poluentes – Cetesb deve criar base de dados para futuro estabelecimento de padrão para constituintes de material particulado e para compostos orgânicos voláteis. P4 – Manter inventário de fontes. P5 – Adequar legislação estadual para que possa recepcionar a proposta. P6 – Adequar o sistema de divulgação de qualidade do ar à população, necessariamente com aporte financeiro adequado para que se altere os sistemas informatizados. P7 – O CONSEMA deve manter grupo para acompanhar a evolução da qualidade do ar.

40 Obrigada!!!


Carregar ppt "Poluição do Ar no Estado de São Paulo e Perspectivas Frente aos Novos Padrões de Qualidade do Ar 1º Simpósio Internacional sobre Epidemiologia e Saúde."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google