A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

3º ENCONTRO PAULISTA DE AVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO DA COMUNICAÇÃO A SERVIÇO DA SAÚDE DO TRABALHADOR II ENCONTRO DA REDE DE COMUNICADORES PELA SAÚDE I FEIRA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "3º ENCONTRO PAULISTA DE AVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO DA COMUNICAÇÃO A SERVIÇO DA SAÚDE DO TRABALHADOR II ENCONTRO DA REDE DE COMUNICADORES PELA SAÚDE I FEIRA."— Transcrição da apresentação:

1 3º ENCONTRO PAULISTA DE AVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO DA COMUNICAÇÃO A SERVIÇO DA SAÚDE DO TRABALHADOR II ENCONTRO DA REDE DE COMUNICADORES PELA SAÚDE I FEIRA DE AMOSTRAS DE COMUNICAÇÃO EM SAÚDE DO TRABALHADOR Abril de 2008 Vlado, morre e adoece com os trabalhadores SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS

2 O perfil dos acidentes e doenças relacionadas ao trabalho ESTADO DE SÃO PAULO ESTUDOS Estudo realizado em 2002 pela Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista, em Botucatu, Estado de São Paulo, demonstrou que, de cada quatro pessoas acidentadas no trabalho, naquele Município, 0,9 tiveram registro previdenciário SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS

3 Estudo realizado pela Universidade Estadual de Campinas e pelo SIVAT – Sistema de Vigilância de Acidente do Trabalho do Centro de Referência de Saúde do Trabalhador de Piracicaba em 2004, constatou 3,8% da PEA se acidentam por ano. População de Piracicaba em 2000 – habitantes (IBGE) PEA – trabalhadores Número de trabalhadores vítimas de AT – ,7% acidentes leves 19,6 % acidentes moderados 2,7 % acidentes graves 0,1 % acidentes fatais (óbitos no local do atendimento) (4,3/ trabalhadores) SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS

4 SIVAT – Sistema de Vigilância de Acidentes do Trabalho abril 2005 MUNICÍPIO DE SÃO PAULO estimava-se em acidentes do trabalho/ano graves, resultando em morte ou incapacidade permanente dos trabalhadores. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS

5 O perfil de morbimortalidade ocupacional (acidentes e doenças relacionadas ao trabalho) -trágico -controlados,reduzidos ou evitadas -exige interferência no processo de adoecimento e morte relacionados ao trabalho População Economicamente Ativa = pessoas são formalmente registrados pela Previdência Social – trabalhadores com carteira assinada e que são cobertos pelo Seguro de Acidente do Trabalho – SAT. Brasil – Coeficiente médio de mortalidade = 14,84/ Brasil – Coeficiente médio de morbidade = 1.370/ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS

6 DIMENSÃO DO PROBLEMA DA SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE SÃO PAULO "... A OMS estima que na América Latina apenas entre 1 e 4 % de todas as doenças ocupacionais são notificadas... 1 FACT SHEET nº 84 (revisado em junho de 1999), sobre Saúde Ocupacional, (www.who.int/inf-fs/en/fact084.html)

7 Coeficiente de Morbi-Mortalidade no Trabalho: (por trabalhadores) COEFICIENTE DE MORTALIDADE –Brasil 14,8 (MPS, 2003) – para população segurada (30-40% da PEA) –Finlândia 2,1 (2001); –França de 4,4 (2000); –Canadá 7,2 (2002); –Espanha 8,3 (2003). PEA BRASIL (2008) em torno de 100 MILHÕES –Coef. Mort. APROXIMADAMENTE 15 POR 100 MILHÕES = – Estado de São Paulo – 5000 mortes por ano COEFICIENTE DE MORBIDADE Coef. Morb. Aproximadamente por 100 milhões= Estado de São Paulo=

8 DIMENSÃO DO PROBLEMA DA SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE SÃO PAULO (inferência indutiva) 400 mil trabalhadores atingidos ao ano: Duas mortes a cada 3 horas – ou queda de 1 BOEING A CADA 2 SEMANAS 80 mil mutilados 320 mil acidentados ou adoecidos por agravos relacionados ao trabalho. Custo social de US$ 4.8 bilhões ao ano

9 Participação da mídia 1.Contribuição para a prevenção, manutenção e promoção 2.Verdadeiro insumo nos sistemas de saúde 3.Profissional de saúde 4.Semana estadual de saúde do trabalhador 5.Agendar os temas e o tratamento de questões relacionadas com os acidentes e as doenças ocupacionais. 6.Orientar as instituições e os trabalhadores sobre o assunto 7.Analisar e interpretar os acidentes e as doenças ocupacionais. 8.Levantar e centralizar informações para auxiliar a instituição a mapear e divulgar riscos e formas de prevenção. 9.Recolher e divulgar informações sobre saúde dos trabalhadores. 10.Estabelecer relação entre as condições de trabalho e as políticas públicas de alguns governos, organismos internacionais e agentes sociais. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS

10 PROPOSTA DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO ESTADUAL – Tema principal: Vigilância de AT Fatal/RENAST 2 –Conjunto de produtos para diferentes mídias com aspectos comuns para o Estado e específicos para as regiões 3 – Desenvolvido de forma unificada com co-financiamento da RENAST/SP SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS

11 PROPOSTA DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO ESTADUAL Projeto de comunicação e fortalecimento social -Projeto de comunicação e fortalecimento social - Projeto de educação permanente em ST - Projeto de educação permanente em STEstratégia Pactuar com as centrais sindicais, o conjunto dos sindicatos e organizações de trabalhadores, associações de portadores de doenças do trabalho, na implementação do Programa de Vigilância sobre Acidentes Fatais com interface com um Projeto de Comunicação e de Educação Popular em Saúde do Trabalhador, para os quais os Planos Estaduais e Regionais de Saúde do Trabalhador devem assegurar, anualmente, uma fração dos recursos repassados pelo Ministério da Saúde. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS


Carregar ppt "3º ENCONTRO PAULISTA DE AVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO DA COMUNICAÇÃO A SERVIÇO DA SAÚDE DO TRABALHADOR II ENCONTRO DA REDE DE COMUNICADORES PELA SAÚDE I FEIRA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google