A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof.º Gislaine Stachissini.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof.º Gislaine Stachissini."— Transcrição da apresentação:

1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof.º Gislaine Stachissini

2 Forças externas atuantes Toda empresa está sujeita à influência de seis forças atuantes no mercado: Rivalidade entre concorrentes; Poder de negociação dos clientes; Poder de negociação dos fornecedores; Ameaça de novos competidores; Ameaça de produtos e serviços alternativos; Sociedade e governo.

3 Planejamento estratégico - I É a prática mais eficaz na condução das empresas aos seus objetivos, mesmo diante de tantos riscos e influências. A empresa necessita de instrumentos que a auxiliem na busca de seus objetivos, de sua sustentabilidade e sobrevivência em um mercado competitivo.

4 Planejamento estratégico - II Processo organizacional de definição de diretrizes de negócios que é consistente com a visão, a missão e os valores da empresa.

5 Técnicas de planejamento estratégico SWOT - propõe uma análise de fatores internos e externos; Balanced Scorecard (BSc) - propõe o estabelecimento de medidas de desempenho equilibrando critérios financeiros e não financeiros; Análise das Seis Força Porter - forças atuantes no mercado

6 Alinhamento das áreas É de responsabilidade do corpo diretivo da empresa, que o elabora com assessoria de consultores externos, de órgãos internos de planejamento e do corpo gerencial. As divisões organizacionais da empresa devem basear seus respectivos planos de ação no planejamento estratégico da empresa.

7 Níveis de responsabilidade x síntese da informação

8 TI como despesa Concentram-se nos custos e não nos benefícios pretendidos; Priorizam o curto prazo; Valorizam resultados mensuráveis e imediatos; Não enxergam o potencial estratégico.

9 TI como investimento Procuram vincular a tecnologia aos objetivos do negócio; Priorizam o longo prazo e a sustentabilidade; Usam a TI como um ativo estratégico.

10 Impacto estratégico da TI nos negócios - Defensiva Falha nos sistemas por um ou mais minutos, haverá uma perda imediata de negócios; Aumento do tempo de resposta gera conseqüências graves para usuários internos e externos; Novos sistemas implicam transformações significativas em processos e serviços; Novos sistemas indicam significativas reduções de custos;

11 Impacto estratégico da TI nos negócios - Agressiva Mesmo com repetidas interrupções de algumas horas nos serviços, não há nenhuma consequência grave; O tempo de resposta do usuário pode levar até 5 segundos para as transações online; Os sistemas internos são praticamente invisíveis para clientes e fornecedores. Existe uma baixa necessidade de Extranet; Os procedimentos manuais podem ser revertidos rapidamente para 80% das transações importantes;

12 Missão de TI Beneficios redução de custos; atender à legislação; comunicação eficaz e eficiente; viabilizar negócios; gestão do capital informacional.

13 Definição e objetivos Processo de definição das ações de TI que suportarão o planejamento estratégico da empresa. Inclui: Composição do conselho de TI; Missão de TI, em paralelo à missão da empresa; Ações de TI, em paralelo às ações da empresa, e seus benefícios; Plano de investimentos.

14 Justificativas do PETI - I Complexidade alta: TI é pressionada por adotar tecnologias sempre atuais, que nem sempre entendidas e dominadas; Traduzir necessidades de negócios em soluções de TI não é tarefa trivial;

15 Justificativas do PETI - II Investimentos elevados: TI custa caro, e os investimentos necessitam ser controlados para que os custos não saiam do controle;

16 Justificativas do PETI - III Impacto organizacional: A natureza das ações de TI é a mudança, o que provoca resistências nas áreas da empresa; Projetos bem-sucedidos causam desconforto interno, faz parte do custo a ser pago; Projetos mal-sucedidos causam comoção interna e podem resultar em prejuízos irrecuperáveis.

17 Elaboração do PETI - I Viabilidade tecnológica; Custo; disponibilidade; capacitação; tendências do mercado.

18 Elaboração do PETI - II Viabilidade econômica Custo total de propriedade (TCO); Considerar todos os custos envolvidos; Retorno do investimento (ROI); Quando se estima que o investimento estará pago

19 Custo total de propriedade (TCO) São considerados visíveis aqueles custos que representam o dispêndio inicial com a solução, enquanto que os invisíveis são decorrentes da manutenção e conservação da solução. Custos visíveis: Hardware, software, infraestrutura. Custos invisíveis: Atualizações, depreciação, recrutamento, treinamento, suporte de hardware e software, ocupação, paralisações, segurança.

20 Conteúdo do PETI - I Em termos de PETI, não há uma receita pronta sobre qual o seu formato e seu conteúdo. O importante é que haja um documento que sirva de guia para ações futuras, no qual estejam claros os motivos de se realizar cada ação, e quais os custos envolvidos.

21 Conteúdo do PETI - II A partir do PETI, elabora-se o orçamento de TI com os gastos relativos: Comunicações; Serviços; Pessoal; Ativos.

22 PDCA e melhoria contínua Planejar: definir objetivos a alcançar; Executar: desenvolver solução e implantá-la; Verificar: verificar aderência de funções; Agir: analisar as causas dos desajustes e propostas de melhoria.

23 Information Technology Infrastructure Library – ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas na gestão de serviços voltados à tecnologia da informação. V1 (anos 1990). v2 (2000/2001): publicação mundial, com a consolidação do framework, novos tipos de serviços de TI. v3 (2007): melhoria com o ciclo de vida de serviços, foco em estratégia/negócios e suporte conjunto com o COBIT e ISO.

24 Processos de gerenciamento ITIL

25 Descrição dos processos do ITIL v3

26 Definição dos agentes no ITIL

27 Gestão de financeira Realiza o gerenciamento de recursos de TI necessários para o fornecimento de serviços de TI a um custo adequado. Principais atividades: orçamento; contabilidade; cobrança.

28 Gestão de disponibilidade Demonstra capacidade da infraestrutura de TI, do serviço e da organização dentro dos objetivos do negócio. Principais termos: disponibilidade; confiabilidade; transparência; facilidade de manutenção; segurança; facilidade de serviço; funções vitais do negócio.

29 Gestão de capacidade Tem por finalidade garantir que a infraestrutura funcione adequadamente, visando também à manutenção dos níveis de serviços acordados com os clientes. Suas atividades são: coleta de dados no banco de dados de capacidade; atividades interativas sobre os sistemas; gerenciamento da demanda e utilização dos sistemas; dimensionamento de aplicativos; planejamento de capacidades e saídas para novos projetos.

30 Service desk É a interface única com o cliente, por meio dela recebe-se os incidentes e problemas. Tipos de centrais de atendimentos: help desk: o objetivo é administrar, coordenar e resolver os incidentes o mais rápido possível; call center: manipula os grandes volumes de chamadas, que são principalmente para venda de serviços por telefone.

31 Gestão de eventos Classificar o evento do monitoramento para que ele seja tratado adequadamente, antes de se tornar um incidente.

32 Gestão de incidentes Esse processo é responsável por restabelecer a normalidade dos serviços, minimizando os impactos gerados ao negócio e garantindo a qualidade e a disponibilidade dos serviços de TI.

33 Gerenciamento de problemas Esse processo realiza a análise de eventos incidentes e erros na infraestrutura de TI. Possui como foco encontrar a causa raiz do problema, gerando com isso diversas informações importantes para a empresa. Tem por objetivo minimizar o impacto proveniente de incidentes e problemas no negócio, causados por erros na infra- estrutura de TI. Prevenção de incidentes recorrentes.

34 Gestão de configuração Por intermédio de controles, identificação e manutenção dos elementos de configuração, a gestão de configuração oferece à empresa um modelo lógico de infraestrutura de TI. Controlar os itens de TI e de negócios.

35 Gestão de mudanças O objetivo é assegurar que as mudanças (alterações) dentro de uma determinada organização sejam supervisionadas e controladas, minimizando o impacto ao negócio.

36 Domínios do Cobit Planejamento e Organização Aquisição e Implementação Monitoramento Entrega e Suporte

37 Cobit INFORMAÇÃO RECURSOS DE TI AQUISIÇÃO & IMPLEMENTAÇÃO PLANEJAMENTO & ORGANIZAÇÃO ENTREGAS & SUPORTE MONITORAMENTO COBIT

38 Planejamento e Organização Define o plano estratégico de TI Define a arquitetura da informação Determina a direção tecnológica Define a organização de TI e seus relacionamentos Gerencia os investimentos de TI

39 Planejamento e Organização Gerencia a comunicação das direções de TI Gerencia os recursos humanos Assegura o alinhamento de TI com os requerimentos externos Avalia os riscos Gerencia os projetos Gerencia a qualidade

40 Monitoramento Monitora os processos Analisa a adequação dos controles internos Prove auditorias independentes Prove segurança independente

41 Aquisição e Implementação Identifica as soluções de automação Adquire e mantém os softwares Adquire e mantém a infra-estrutura tecnológica Desenvolve e mantém os procedimentos Instala e certifica softwares Gerencia as mudanças

42 Entrega e Suporte Define e mantém os acordos de níveis de serviços (SLA) Gerencia os serviços de terceiros Gerencia a performance e capacidade do ambiente Assegura a continuidade dos serviços Assegura a segurança dos serviços

43 Entrega e Suporte Identifica e aloca custos Treina os usuários Assiste e aconselha os usuários Gerencia a configuração Gerencia os problemas e incidentes Gerencia os dados Gerencia a infra-estrutura Gerencia as operações

44 Contribuições ao COBIT O CobiT recebe um conjunto de contribuições de várias empresas e organismos internacionais, entre eles: Padrões profissionais para controle internos e auditoria: COSO, IFAC, AICPA, CICA, ISACA, IIA, PCIE, GAO etc. Práticas e exigências dos fóruns da indústria (ESF, I4) e das plataformas recomendadas pelos governos (IBAG, NIST, DTI).

45 Contribuições ao COBIT Padrões ISO, EDIFACT e outros. Os códigos de conduta emitidos pelo Conselho de Europa,OECD, ISACA, etc. Critérios de qualificação para TI e processos: ITSEC, TCSEC,ISO 9000, SPICE, TickIT etc.

46 Benefícios do Cobit Proporciona uma visão de desempenho utilizando os princípios do BSC balanced Scorecard (Norton;Kaplan, 1997). Seus indicadores-chave identificam e medem os resultados dos processos, avaliando seu desempenho e alinhamento com os objetivos dos negócios da organização

47 Retorno do investimento Inexistente; Inicial / Ad hoc; Repetitivo, mas intuitivo; Processos definidos; Processos gerenciáveis e medidos.

48 Otimização de processos A otimização de processos advém dos modelos de maturidade para desenvolvimento de software, Capability Maturity Model Integration for Software (SW-CMMi)

49 Duvidas.


Carregar ppt "PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof.º Gislaine Stachissini."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google