A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC PARASITOLOGIA APLICADA À ENFERMAGEM Prof. Ms. José Oliveira Graduação em Farmácia-Bioquímica pela Universidade.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC PARASITOLOGIA APLICADA À ENFERMAGEM Prof. Ms. José Oliveira Graduação em Farmácia-Bioquímica pela Universidade."— Transcrição da apresentação:

1 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC PARASITOLOGIA APLICADA À ENFERMAGEM Prof. Ms. José Oliveira Graduação em Farmácia-Bioquímica pela Universidade Federal de Ouro Preto Mestrado em Saneamento Ambiental pela Universidade Federal de Ouro Preto Diretor-Técnico da Farmácia de Minas – Unidade Presidente Juscelino Diretor-Técnico do Laboratório de Análises Clínicas da Prefeitura Municipal de Presidente Juscelino

2 Protozoários Tissulares Toxoplasma gondii Leishmania sp Trypanosoma cruzi Hepáticos Plasmodium vivax Plasmodium falciparum Plasmodium malariae

3 Trypanosoma cruzi Introdução –Protozoário flagelado –Polimórfico –Agente etiológico da Doença de Chagas –Descoberto pelo pesquisador mineiro (Oliveira, MG) Dr. Carlos Chagas

4 Observa-se por microscopia ótica –(i) a forma geral da célula –(ii) o núcleo –(iii) o cinetoplasto. Acreditava-se que essa estrutura (cineto = movimento; plasto = organela) fosse responsável pelo movimento do flagelo) –(iv) o flagelo. Trypanosoma cruzi

5 Diferencia-se as formas evolutivas dos tripanossomatídeos de acordo com: –(i) a forma geral da forma evolutiva –(ii) a posição relativa entre o flagelo e o núcleo –(iii) a localização da bolsa flagelar (local de saída do flagelo) –(iv) a localização do flagelo livre Trypanosoma cruzi

6 A observação por M.O. permite a identificação de 3 formas evolutivas bem definidas: 1) Tripomastigota: Alongada, com cinetoplasto arredondado na região posterior ao núcleo; Alongada, com cinetoplasto arredondado na região posterior ao núcleo; Flagelo se localiza lateralmente, na região posterior. Emerge e se adere ao longo do corpo do parasito, tornando-se livre na região anterior. Flagelo se localiza lateralmente, na região posterior. Emerge e se adere ao longo do corpo do parasito, tornando-se livre na região anterior. altamente infectante altamente infectante Trypanosoma cruzi

7 Morfologia Tripomastígota extracelular (sangue, linfa, LCR, etc) Esfregaço sanguíneo de animal infectado Formas tripomastígotas sanguíneas do Trypanosoma cruzi

8 Trypanosoma cruzi Morfologia Formas tripomastigotas metaciclicas (metaciclogênese in vitro)

9 2)Amastigota: Arredondada Arredondada cinetoplasto na região anterior ao núcleo cinetoplasto na região anterior ao núcleo flagelo curto. flagelo curto. Trypanosoma cruzi

10 Morfologia Amastígota intracelular Formas amastigotas intracelulares do Trypanosoma cruzi Músculo cardíaco de camundongo infectado com T. cruzi. Formas amastigotas (seta preta)

11 A observação por M.O. permite a identificação de 3 formas evolutivas bem definidas: 3) Epimastigota: alongada, com cinetoplasto em forma de barra ou bastão localizado anteriormente ao núcleo. alongada, com cinetoplasto em forma de barra ou bastão localizado anteriormente ao núcleo. O flagelo percorre aderido a parte do corpo do parasita, tornando-se livre na região anterior. O flagelo percorre aderido a parte do corpo do parasita, tornando-se livre na região anterior. Trypanosoma cruzi

12 Morfologia –Epimastígota todo intestino Formas epimastigotas do Trypanosoma cruzi

13 Trypanosoma cruzi Morfologia –No hospedeiro vertebrado Amastígota intracelular células de hospedeiros infectados cultivo axênico. Tripomastígota extracelular e pode ser encontrada –no inseto vetor (no reto); –sangue e espaço intercelular dos hospedeiros vertebrados; –culturas de células infectadas; –cultivo axênico (metaciclogênese in vitro). –No hospedeiro invertebrado (Triatomíneo) Epimastígota todo intestino Encontrado no tubo digestivo do inseto vetor; cultivo axênico. Encontrado no tubo digestivo do inseto vetor; cultivo axênico. Tripomastígota metacíclica reto

14 Trypanosoma cruzi Ciclo Biológico –Heteroxeno Hospedeiro vertebrado (humano e outros animais) fase de multiplicação intracelular Hospedeiro invertebrado (Triatomíneo) fase de multiplicação extracelular

15 Trypanosoma cruzi Ciclo Biológico –Hospedeiro Vertebrado –Fezes/urina triatomíneo tripomastígotas metacíclicas penetram no local da picada penetram células SMF (pele ou mucosa) amastígotas divisão binária simples diferenciação em tripomastígotas ruptura da célula corrente sanguínea penetração em outras células de qualquer tecido: novo ciclo ou destruição pelo sistema imunológico ou ingerido por triatomíneos.

16 Trypanosoma cruzi

17

18 Ciclo Biológico –Hospedeiro Invertebrado 1. Triatomíneo hematofagia hospedeiro contaminado 2. Ingestão de formas tripomastígotas 3. Estômago do Triatomíneo 1.Esferomastígotas Epimastígotas 4. Intestino médio do Triatomíneo 1.Epimastígotas multiplicam por divisão binária simples 5. Reto 1.Epimastígotas Tripomastígotas metacíclicos Ciclo Evolutivo Hospedeiro Invertebrado.doc Ciclo Evolutivo Hospedeiro Invertebrado.doc

19 Trypanosoma cruzi Morfologia do hospedeiro invertebrado Morfologia Externa.doc Morfologia Externa.doc

20 Trypanosoma cruzi Comportamento do inseto-vetor O comportamento e os vetores da doença de Chagas.doc O comportamento e os vetores da doença de Chagas.doc

21 Trypanosoma cruzi Transmissão Mecanismos principais e atípicos de transmissão da doença de Chagas.doc Mecanismos principais e atípicos de transmissão da doença de Chagas.doc

22 Trypanosoma cruzi Patogenia –Fase aguda Pode levar à morte (crianças e imunodeprimidos) –Fase crônica Aparecimento resposta imune Diminuição da parasitemia –Evolução e desenvolvimento diferentes formas clínicas CardíacaIntestinalEsofágicaIndeterminada

23 Trypanosoma cruzi Diagnóstico Diagnóstico laboratorial.doc Diagnóstico laboratorial.doc

24 Trypanosoma cruzi Epidemiologia Epidemiologia.doc O Processo dinâmico saúde.doc O Processo dinâmico saúde.doc

25 Trypanosoma cruzi Profilaxia

26 Tratamento –Protocolo do Ministério da Saúde

27 Trypanosoma cruzi Introdução –História da doença de Chagas: ciência, saúde e sociedade Simone Petraglia Kropf Casa de Oswaldo Cruz, Fiocruz, Expansão, , Rio de Janeiro, RJ, Brasil –Carlos Chagas ( ), mineiro de Oliveira, pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz (IOC-RJ) anuncia ao mundo científico, em abril de 1909, a tripla descoberta, em Lassance, MG: uma nova doença humana seu agente causal (o protozoário que denominou de Trypanosoma cruzi, em homenagem ao mestre Oswaldo Cruz) e o inseto que o transmitia (triatomíneo conhecido como barbeiro), ao final de –O feito de Chagas, considerado único na história da medicina, constitui um marco decisivo na história da ciência e da saúde brasileiras.

28 –Trazendo uma contribuição inovadora ao campo emergente da medicina tropical e dos estudos sobre as doenças parasitárias transmitidas por insetos-vetores, Chagas traria a público não apenas uma nova entidade nosológica, mas a realidade sanitária e social do interior do país, assolado pelas endemias rurais. –Enaltecida por Oswaldo Cruz como a maior das glórias de Manguinhos, a descoberta trouxe imediato prestígio e projeção a Chagas, que receberia várias distinções acadêmicas no Brasil e no exterior, tendo sido indicado ao Prêmio Nobel por duas vezes. –Histórico descoberta da doença.doc Histórico descoberta da doença.docHistórico descoberta da doença.doc –A História da Patologia da Doença de Chagas.doc A História da Patologia da Doença de Chagas.docA História da Patologia da Doença de Chagas.doc Trypanosoma cruzi

29 Referências –www.fiocruz.br Trypanosoma cruzi

30 Obrigado!


Carregar ppt "FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC PARASITOLOGIA APLICADA À ENFERMAGEM Prof. Ms. José Oliveira Graduação em Farmácia-Bioquímica pela Universidade."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google