A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

01 de Fevereiro de 2012 Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão de Ensino Superintendência de Gestão da Rede Diretoria Geral de Gestão.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "01 de Fevereiro de 2012 Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão de Ensino Superintendência de Gestão da Rede Diretoria Geral de Gestão."— Transcrição da apresentação:

1 01 de Fevereiro de 2012 Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão de Ensino Superintendência de Gestão da Rede Diretoria Geral de Gestão Escolar

2 Bem-vindos! Este é o nosso primeiro encontro do ano! O ano de 2011 foi de muito trabalho, aprendizado, desafios e transformações. Em 2012 teremos novos desafios e, mais uma vez, sua atuação será determinante para as histórias de sucesso que queremos contar! Este é o nosso primeiro encontro do ano! O ano de 2011 foi de muito trabalho, aprendizado, desafios e transformações. Em 2012 teremos novos desafios e, mais uma vez, sua atuação será determinante para as histórias de sucesso que queremos contar!

3 Cronograma de Reuniões e Atividades

4

5 PlanejamentoAcompanhamento IFC / RS 2011 Fev Mar Capacitação ModusDefinição de Metas Plano de Ação Implantação de 5SRADM Abr Jan Encontrão – DRPs e Escolas MaiJunJulAgoSetOutNovDez RADM RIAP Rodada Padrão Mínimo Roteiro de Verificação Coleta Parcial do IFC/RS Acomp. do Plano de Curso Validação de POPs e PGPs Coleta Parcial do IFC/RSAcomp. do Plano de Curso Acomp. do Marco Operativo Coleta Parcial do IFC/RSAcomp. do Plano de Curso Validação de POPs e PGPs Acomp. do Marco OperativoColeta Final do IFC/RS * A Padronização deve ser realizada durante todo o ano. Cronograma de Reuniões e Atividades Para cada etapa da GIDE utilizamos ferramentas diferentes. Segue a linha do tempo com as principais atividades que devem ser realizadas em 2012:

6 Mês em destaque - Fevereiro/ 2012 Dia 14/02 no CIEP 252

7 O que é a GIDE (Gestão Integrada da Escola)?

8 Onde estamos? Onde queremos chegar? A GIDE tem como objetivo auxiliar a escola a identificar seus problemas e agir nas principais causas, visando a melhora contínua do processo de ensino e aprendizagem.

9 RESULTADO IDEB 2009 ENSINO FUNDAMENTAL I RESULTADO IDEB 2009 ENSINO FUNDAMENTAL II RESULTADO IDEB 2009 ENSINO MÉDIO G1 – 05/07/2010 É o que queremos para o futuro do nosso estado?

10 Visando a melhora deste cenário, a SEEDUC definiu, através de estudos comparativos, uma meta de estar entre os 5 melhores estados do país até 2013.

11 Onde estamos? Onde queremos chegar? A GIDE tem como objetivo auxiliar a escola a identificar seus problemas e agir nas principais causas, visando a melhora contínua do processo de ensino e aprendizagem. A GIDE é o modelo de gestão proposto pela secretaria para alcançar estes resultados esperados.

12 O caminho utilizado pela GIDE para ajudar a escola a alcançar suas metas e resolver os problemas que restringem os seus resultados é o método PDCA Estabelecer Metas 1 Elaborar os planos de ação 2 Educar e treinar para executar os planos 3 Executar o trabalho conforme os planos elaborados 4 Avaliar a execução das ações 5 Avaliar os resultados 6 Tratar os desvios de resultado 8 Padronizar as ações bem-sucedidas 7

13 P Marco Referencial Diagnóstico Metas Plano de ação Etapas da GIDE

14 Implementação das ações Acompanhamento dos planos e resultados Tomada de ações corretivas Padronização D C A Etapas da GIDE

15 P Marco Referencial Diagnóstico Metas Plano de ação Etapas da GIDE

16 Representa a identidade da escola, sua visão de mundo, sonhos, valores e compromissos. Deve expressar, então, o rumo, o horizonte, a direção que a escola escolheu. Marco Referencial Marco Situacional O que temos 1 Marco Doutrinal O que queremos 2 Marco Operativo Diretrizes 3 A partir da situação atual (O QUE TEMOS), a escola define sua posição (O QUE QUEREMOS) e estabelece as diretrizes (CAMINHO) que nortearão o trabalho ao longo do tempo para que seja possível alcançar o que foi definido. Caminho

17 P Marco Referencial Diagnóstico Metas Plano de ação Etapas da GIDE

18 Busca levantar informações atualizadas sobre a escola para que se possam definir objetivos e metas e planejar o trabalho de forma objetiva, com base em fatos e dados. Diagnóstico O indicador IFC/RS foi desenvolvido a partir de um banco de dados coletado em um contingente significativo de escolas parceiras (em torno de 3 mil), de diferentes estados do País. Aborda as principais causas dos resultados indesejados identificadas nestas instituições. Segue abaixo, algumas variáveis acompanhadas: Coleta do IFC e resultados anteriores Aprovação sem progressão parcial Permanência na escola Preservação do patrimônio público Registro de práticas pedagógicas Atratividade das aulas Execução dos planos de cursos

19 Nesta etapa é desenvolvida, também, a análise estratégica que visa identificar fatores internos e externos que deverão ser trabalhados ao longo da gestão escolar. Diagnóstico Fatores Externos Fatores Internos ForçasFraquezas Oportunidades Ameaças Tirar o máximo partido dos pontos fortes para aproveitar ao máximo as oportunidades detectadas. Buscar estratégias que minimizem os efeitos negativos das fraquezas e aproveitem as oportunidades detectadas. Tirar o máximo partido dos pontos fortes para minimizar os efeitos das ameaças detectadas. As estratégias devem minimizar ou ultrapassar os pontos fracos e, tanto quanto possível, fazer face às ameaças. Matriz FOFA

20 P Marco Referencial Diagnóstico Metas Plano de ação Etapas da GIDE

21 Uma meta é um gol. Um ponto a ser atingido no futuro. As metas estabelecidas precisam ter objetivo, valor e prazo, além de estar coerentes com o Marco Doutrinal. Metas Meta = Objetivo + Valor + Prazo Ex.: Alcançar o resultado de 3,1 para EM, no IDEB (meta definida pelo INEP para a Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro)

22 Metas Devemos traçar metas para os resultados das avaliações internas e externas e para as variáveis de resultado do IFC/RS. Desdobrar as metas para todos os níveis da escola Escola EM 1º ano 2º ano 3º ano EF II 6º ano 7º ano 8º ano 9º ano Lembre – se, é de grande importância: Traçar metas parciais para um melhor acompanhamento º Bim2º Bim3º Bim

23 P Marco Referencial Diagnóstico Metas Plano de ação Etapas da GIDE

24 Conjunto de ações que devem ser suficientes para alcançar uma meta. Plano de Ação Plano da Dimensão Ambiental Na GIDE, utilizamos dois planos de ação específicos, baseados nas variáveis críticas identificadas na etapa de diagnóstico: Plano da Dimensão Ensino- Aprendizagem

25 Implementação das ações Acompanhamento dos planos e resultados Tomada de ações corretivas Padronização D C A Etapas da GIDE

26 Tão importante quanto a elaboração de um plano de ação consistente, é a execução das ações propostas, no prazo correto! Implementação das Ações

27 Para garantir o atingimento das metas, é necessário acompanhar periodicamente a implementação das ações do plano. Acompanhamento dos planos e resultados O acompanhamento das ações é feito mensalmente através do Relatório de Implementação das Ações do Plano (RIAP).

28 Tomada de ações corretivas (RADM) Não Os resultados bimestrais devem ser analisados e, caso a meta tenha sido atingida, devemos padronizar a ação feita que levou a melhoria de resultado. Caso contrário devemos buscar novas ações com base nas causas levantadas, através do Relatório de Análise de Desvio de Meta (RADM). Acompanhamento dos planos e resultados Meta parcial atingida? Padronização Sim

29 Meta Não Atingida Reunião da direção junto a comunidade escolar visando levantar causas do não alcance da meta e ações de impacto rápido e eficaz. Tomada de ações corretivas Desvio Quais as principais causas desse desvio? Quais ações efetivas devemos tomar para resolvê-lo?

30 Método de difusão e registro das boas práticas utilizadas em sala de aula ou em áreas administrativas. Padronização Meta Atingida A escola já desenvolveu tantos projetos interessantes... Como não foram registrados, perdemos a oportunidade de compartilhar e manter bons resultados Desenvolva o POP e compartilhe suas boas práticas de aula.

31 A melhora dos resultados da educação no Rio de Janeiro depende de cada um de nós, estamos trabalhando juntos visando um mesmo objetivo. Vídeo : O problema não é meu Faça sua parte, dê o seu melhor! Com certeza isto terá uma grande influência no futuro de diversos alunos.

32 Treinamento Modus para Diretores Gerais – 14/ 02 8h de Treinamento; No primeiro semestre Diretores receberão senha de visualização; Curso será ministrado para o Diretor Geral e um acompanhante. Local: CIEP 252 em Tanguá Horário: 9h às 17h

33 Atribuições dos IGTs Preparação e Integração: criar um clima de cooperação entre as pessoas levando as escolas a interagir na busca de metas e resultados. Realizar treinamento dos envolvidos para que possam executar as ações propostas nos planos de ação pedagógicos e ambiental. Dar suporte à implementação da metodologia, realizando atividades de apoio e sistematizando as atividades. Planejamento: orientar o Gestor e a Comunidade escolar na identificação dos problemas da escola, levando-os à definição de metas e elaboração dos planos de ação para melhoria dos resultados. Acompanhamento: acompanhar a execução e verificar a eficácia das ações propostas nos planos de ação, com vistas ao alcance das metas estabelecidas. Ação corretiva e/ou Padronização: orientar a definição de ações corretivas para os desvios identificados, bem como orientar quanto ao registro e disseminação das práticas bem sucedidas.

34 Atribuições do Comitê GIDE Acompanhar a implementação da GIDE nas unidades de ensino, estabelecendo rotina de visitas e contatos telefônicos; Orientar e Apoiar o trabalho do IGT, oferecendo suporte ao desenvolvimento e implementação da GIDE, estabelecendo com o mesmo contato cotidiano através do acompanhamento de suas rotinas, Agenda Mensal, Planejamento Quinzenal, Plantões de Atendimento Individual, Modus, etc.; Reunir-se quinzenalmente com o Grupo de IGTs para planejamento, alinhamento, acompanhamento e repasse de informações; Avaliar a atuação do GT considerando aspectos como pontualidade; assiduidade; conhecimento/ domínio técnico e teórico; comprometimento; postura/ relação interpessoal com as escolas que atende, Regional e SEEDUC; organização; execução das atividades no prazo estabelecido.

35 A vida é como......jogar uma bola na parede. Se for jogada uma bola verde, ela voltará verde; Se for jogada uma bola azul, ela voltará azul; Se a bola for jogada fraca, ela voltará fraca, Se a bola for jogada com força, ela voltará com força: Por isso, nunca jogue uma bola na vida, de forma que não esteja pronto para recebê-la. A vida não dá nem empresta; Não se comove nem se apieda. Tudo quanto ela faz é Retribuir e transferir......aquilo que nós lhe oferecemos - Albert Einstein -


Carregar ppt "01 de Fevereiro de 2012 Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão de Ensino Superintendência de Gestão da Rede Diretoria Geral de Gestão."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google