A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Máquina das Crianças Repensando a Escola na Era da Informática Saymour Papert M Marilaine Colnago T Tamiris Trevisan Negri S Seminário Apresentado à.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Máquina das Crianças Repensando a Escola na Era da Informática Saymour Papert M Marilaine Colnago T Tamiris Trevisan Negri S Seminário Apresentado à."— Transcrição da apresentação:

1 A Máquina das Crianças Repensando a Escola na Era da Informática Saymour Papert M Marilaine Colnago T Tamiris Trevisan Negri S Seminário Apresentado à Disciplina Informática no Ensino da Matemática

2 Capítulo 1: Inovadores e Conservadores

3 Versão Original: Chapter 1: Yearners and Schoolers Y Yearn – Desejar fortemente algo difícil de se realizar, como a ânsia por liberdade em pessoas que vivem em um regime autoritário S School – Escola (schoolers – defensores da instituição escolar na sua estrutura atual)

4 Diversas áreas de atividade humana sofreram MEGAMUDANÇAS com o passar do tempo: –T–T–T–Telecomunicações –T–T–T–Transportes –M–M–M–Medicina Outras nem tanto: –E–E–E–Escola

5 Por que, durante um período em que tantas atividades humanas foram revolucionadas, não vimos mudanças comparáveis na forma como ajudamos nossas crianças?

6 C Conservadores: se mostram perplexos com a pergunta, surpresos por ela parecer buscar MEGAMUDANÇAS, indignados – Diga-nos como usar seus computadores para resolver alguns dos muitos problemas práticos imediatos que temos. I Inovadores: citam impedimentos a mudança na Educação, como custos, políticas, carência de pesquisas científicas sobre novas formas de aprendizagem.

7 Inovadores fazem ensaios: P Professores que criam "oásis" de aprendizagem dentro de suas salas de aula, buscando algo que não está dentro da filosofia educacional adotada por seus administradores A Administradores que estão permitindo programas alternativos na tentativa de descoberta de um novo método e mudança do currículo padrão P Pais que mantêm seus filhos em casa, estudando, ou buscam escolas alternativas, ou até ajudam a criar escolas que ofereçam este tipo de oportunidade.

8 Insatisfação com o sistema de ensino oferecido e com a maneira atual de aprender nas escolas - tanto por parte de adultos como por parte de crianças.

9 O O amor das crianças pelo videogame – envolve intensamente as crianças em aprender as regras e estratégias e exige um grande nível de esforço intelectual. A A antipatia com as tarefas de casa – na maioria das vezes exige um nível de esforço intelectual bem menor.

10 H Há cem anos, John Dewey iniciou uma campanha para um estilo de aprendizagem mais auto direcionada nas escolas, seguido de outros reformadores. D Dewey defendia que uma criança tratada com respeito e encorajamento em lugar de rejeição e punição se sairia melhor em qualquer sistema educacional.

11 O que faltou? Ao tentar ensinar às crianças o que os adultos querem que elas saibam, a Escola utiliza a forma como os seres humanos aprendem mais naturalmente em ambientes não-escolares?

12 O O fracasso do passado serviu de argumento para ao conservadores, de que propostas futuras também não terão êxito. U Uma MEGAMUDANÇA é mesmo tão desesperadamente necessária? Então por que tentativas anteriores não vingaram?

13 P Percebemos então, que temos em mãos uma ferramenta poderosa que está nos oferecendo oportunidades, novas, para criar alternativas: a INFORMÁTICA, coisa que Dewey não possuía. Está aí, e precisamos aproveitá-la.

14 A A INFORMÁTICA, em todas as suas diversas manifestações, está oferecendo aos Inovadores novas oportunidades para criar alternativas. E Estas alternativas serão criadas democraticamente? Ou elas estarão acessíveis primeiro só para os ricos e depois, com um certo esforço, para o resto de nós?

15 E Experiência vivenciada com uma pré- escolar de 4 anos, Jennifer, que ao saber que ele Papert criado na África, perguntou- lhe se ele sabia como as girafas dormem. A Ao voltar para casa, pesquisou em livros e encontrou informações sobre o hábito de sono das girafas e pode explorar este tema, porque os livros lhe proporcionaram um imediatismo ampliado.

16 Refletindo, perguntou-se porque este imediatismo não estaria disponível para crianças de tal idade. O O uso da informática capacita a exploração de um mundo mais rico do que somente o dos livros.

17 Nenhum obstáculo técnico impediria a fabricação de uma máquina – chamemo-la de Máquina do Conhecimento – que colocaria nas mãos de Jennifer o poder de saber o que os outros sabem.

18 D De que modo a introdução de máquinas no ambiente escolar comprometeria a fluência das crianças na utilização da linguagem alfabética? T Tornar-se alfabetizado significa pensar de uma maneira diferente do se pensava anteriormente, e isso sugere que existe alfabetizações diferentes: o sentido literal de alfabetização (literacy) e os sentidos mais sofisticados que a idéia evoca.

19 O Os conservadores duvidam da mudança, pois todas as experiências que já tiveram foram decepcionantes, pois não conseguiram tornar o aluno um sujeito do processo ao invés do objeto.

20 L Leonardo Da Vinci também fracassou em suas tentativas de inventar um avião. S Seu fracasso em fabricar um avião não provou que ele estava errado em suas suposições. O O avião de Leonardo teve que esperar pelo desenvolvimento de algo que poderia suceder apenas através de grandes mudanças.

21 A Assim como para Jennifer a Máquina do Conhecimento a ajudaria a descobrir como as girafas dormem, em outras áreas do conhecimento de difícil compreensão para as crianças como a Matemática, a máquina suavizaria a forma brutal de aprender.

22 S Se essa idéia de estilos orais de conhecer parece menos aplicável à Matemática é porque nossa cultura a preserva como aquela ensinada na escola. O Oferecer oportunidade às crianças de aprender e usar a Matemática de modo não-formal, ao invés de desencorajar, as estimulam.

23 problema central para a educação matemática é encontrar meios para valer-se da vasta experiência da criança em matemática oral, o que pode ser feito pelos computadores.

24 LOGO por exemplo, não faz os alunos aprenderem geometria, mas sim usá-la. Assim a criança cria e consegue fazer uma transferência do aprendizado que ela teve desde bebê e transportá-la para outros conhecimentos.

25 E Em suma, o que Papert quis neste capítulo, foi mostrar que a criança desde bebê tem a sua maneira de aprender, e que temos tecnologia para tentar captar esta forma de aprendizagem e transportá-la para outros conhecimentos e que a ferramenta encontrada por ele é o Microworlds Logo, onde a criança, cria e consegue fazer essa transferência de aprendizado.

26 Referência Bibliográfica: Papert, Seymour M. (1994). A Máquina das Crianças: Repensando a Escola na Era da Informática. Porto Alegre, Artes Médicas, 210 pp. Cysneiros, P. G. Resenha Crítica. Revista Brasileira de Informática na Educação – Nº preendedor/criancas.htm

27 Como as Girafas Dormem?

28 A As girafas dormem apenas duas horas por dia (mais ou menos), geralmente em pé e, só em ocasiões muito especiais, quando se sentem completamente seguras, se deitam ao chão para descansar. N Na hora do descanso, sempre por poucos minutos, a girafa senta, com o pescoço inclinado para trás e a cabeça recostada em seu lombo.


Carregar ppt "A Máquina das Crianças Repensando a Escola na Era da Informática Saymour Papert M Marilaine Colnago T Tamiris Trevisan Negri S Seminário Apresentado à."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google