A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FEB 2012-I Prof. Fernando Carlos G. de C. Lima Resumo Celso Furtado FEB Cap. VIII a XII.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FEB 2012-I Prof. Fernando Carlos G. de C. Lima Resumo Celso Furtado FEB Cap. VIII a XII."— Transcrição da apresentação:

1 FEB 2012-I Prof. Fernando Carlos G. de C. Lima Resumo Celso Furtado FEB Cap. VIII a XII

2 Cap. VIII: Capitalização & nível de renda O esforço do governo português se concentrava no desenvolvimento da indústria açucareira Incentivos fiscais, monopólios, garantias legais (contra a penhora das propriedades), honrarias...

3 Cap. VIII: Capitalização & nível de renda Pr oblema maior: falta de MO Escravização dos índios (na etapa inicial) Captura e comercialização de índios: primeira atividade econômica estável não diretamente ligada ao açúcar Mas não tinha escala suficiente para atender às necessidades da atividade açucareira

4 Capitalização & nível de renda (II) MO africana chegou para a expansão da empresa, que já estava instalada: É quando a rentabilidade do negócio está assegurada que entram em cena, na escala necessária, os escravos africanos: base de um sistema de produção mais eficiente e mais densamente capitalizado Final do século XVI: produção de açúcar no NE do Brasil seria 20 vezes superior à quota estabelecida pela coroa, um século antes, para as ilhas atlânticas

5 Renda no final do século XVI (I) Capital investido: 15 mil libras por engenho; 120 engenhos total: mil libras Escravos africanos: 20 mil, dos quais 15 mil nos engenhos; custo de aquisição do escravo = 25 libras total 375 mil libras MO escrava africana = 20% do capital fixo

6 Renda no final do século XVI (II) -Valor total das exportações de açúcar = 2,5 milhões de libras -Y líquida na produção de açúcar = 60% = 1,5 milhão -Se a Y do açúcar = 75% da Y nacional Y nacional = 2 milhões de libras - Y per capita (dos 30 mil portugueses) a maior da história do Brasil

7 Renda no final do século XVI (II) Concentração de Y Custos em relação ao valor recebido pelo açúcar: 5% para pagamentos de serviços externos ao engenho (transporte e armazenamento) 2% em salários 3% para compra de gado e lenha Total de gastos = 10% da Y líquida Lucro = 90%

8 Renda no final do século XVI (III) Se as importações = 600 mil libras (50% da renda líquida) a indústria açucareira podia autofinanciar a duplicação de sua capacidade produtiva a cada dois anos Elevada rentabilidade, mas essa potencialidade financeira só foi utilizada excepcionalmente (o crescimento foi governado pela demanda)

9 Destino dos recursos financeiros excedentes Mas, se a plena capacidade de autofinanciamento não era utilizada, que destino tomavam os recursos financeiros sobrantes? 1) Não eram utilizados dentro da colônia 2) Não eram aplicados em outras regiões do mundo) logo, boa parte os capitais pertenciam aos comerciantes logo, havia íntima coordenação entre as etapas de produção e comercialização (não houve superprodução)

10 Cap. IX: Fluxo de renda e crescimento Que possibilidade efetiva de expansão e evolução estrutural apresentava esse sistema econômico? Formação de capital: exigência de operar em grande escala Etapa 1: gastos monetários na importação de equipamentos, materiais de construção e MO

11 Formação de K: inversão [investimento] Etapa 2: construção & instalação Não havia lugar para fluxos de renda monetária, ou seja, não havia pagamentos aos fatores de produção Aumento da renda = lucro MO escrava : Aquisição = investimento em K fixo Manutenção = custo fixo (mesmo quando não produz açúcar) BCD: o SE recebia serviços prestados pelo escravo como contrapartida de sua aquisição

12 Fluxos de renda monetária Renda monetária = exportações Dispêndio monetário = importações + serviço financeiro para não-residentes O fluxo de renda monetária se dava apenas entre o engenho e o exterior No interior da unidade produtiva, o fluxo de renda era apenas contábil NB: Era uma economia monetária (não era feudal) Os gastos correntes com os escravos = custo de depreciação dos equipamentos

13 Expansão da produção versus evolução estrutural Desde que a demanda aumentasse, a produção poderia se expandir (havia terras e capacidade de importar MO) Houve tentativas de limitar a capacidade produtiva : forte crescimento da produção Mas... a estrutura do sistema econômico não se modificou nem quando a economia crescia, nem quando se retraía: neste caso, os gastos de manutenção, assim como os níveis de consumo continuavam a ser satisfeitos com o uso da MO

14 Expansão da produção versus evolução estrutural (II) Crescimento = ocupação de novas terras e aumento das importações Decadência = redução das importações e da reposição da MO (importada) redução progressiva do ativo da empresa, que assim minguava sem se transformar estruturalmente Não havia articulação direta entre produção e consumo O crescimento demográfico não servia como elemento dinâmico do desenvolvimento econômico A economia escravista dependia da procura externa

15 Expansão da produção versus evolução estrutural (III) criar tensõesAs paralizações... não tendiam a criar tensões capazes de modificar a estrutura Custos fixos: quando os preços caíam, interessava manter a plena capacidade Apenas quando os preços caíam abaixo de certo nível o empresário reduzia a capacidade. Mas isto ocorria muito lentamente, sem necessidade de mudanças estruturais A indústria açucareira resistiu durante mais de três séculos, recuperando-se sempre que as condições do mercado externo tornavam-se favoráveis

16 Cap. X: Pecuária A produção de açúcar no NE criou um mercado capaz de justificar a existência de outras atividades econômicas A economia açucareira era altamente especializada: os empresários não desviavam recursos para atividades secundárias (p. ex., produção de alimentos) quando o mercado de açúcar era favorável No Caribe, a elevada especialização criou um mercado atendido pelas colônias do norte Mas... no Brasil, o mercado era atendido pelos comerciantes portugueses & holandeses Além disso, a concorrência era proibida

17 Brasil X Caribe: disponibilidade versus escassez de terras São Vicente & Nova Inglaterra (NI): economias de baixa produtividade Mas, na NI os colonos desenvolveram outras atividades comerciais & construção naval Em São Vicente, a atividade comercial era a caça ao índio (sertanejos profissionais) Quando o Caribe se especializou em açúcar, os colonos da NI passaram a negociar com o Caribe, onde a terra era escassa (& por causa dos problemas internos na UK)

18 Pecuária no Nordeste (I) No NE, a abundância de terras permitiu o surgimento de umsegundo sistema econômico, dependente da economia açucareira: pecuária (carne, animais de tiro e couro) A produção de açúcar e a criação de gado foram atividades separadas geograficamente (litoral X interior) e distintas quanto às características da produção (alta X baixa produtividade) A pecuária foi um fator fundamental para a ocupação do interior brasileiro (assim como a caça ao índio)

19

20

21 Pecuária no Nordeste (II) A criação de gado era: - extensiva e itinerante (seguia geralmente as margens dos rios: São Francisco, Parnaíba...) - localizada no interior (sertão) proibida a menos de 10 léguas da costa em 1701; - exigia pouco investimento; - podia se expandir enquanto houvesse terras por ocupar; - pouco intensiva em MO (índios, apesar de tudo) Os empresários não necessitavam de muitos recursos iniciais e alguns começaram trabalhando para um criador de gado até se tornarem independentes (recebiam 1/4 das crias após 5 anos)

22 Pecuária no Nordeste (III) Limites de expansão: demanda - Séc. 17: açúcar (NE) - Séc. 18: ouro (Sul) Expansão meramente extensiva: (i) Não havia preocupação com produtividade (ii) Quanto maior a distância dos centros consumidores, os custos aumentavam e a renda média diminuía

23 Pecuária no Nordeste (IV) A economia criatória – não obstante não predominasse a trabalho escravo – representava um mercado de ínfimas dimensões Sua principal atividade deveria ser aquela ligada à própria subsistência de sua população A própria criação de gado era uma atividade de subsistência Essa importância relativa do setor de subsistência na pecuária será um fator fundamental de transformações estruturais por que passará a economia nordestina em sua longa etapa de decadência

24 Cap. XI: Formação do complexo econômico nordestino As formas que assumem os dois sistemas da economia nordestina – o açucareiro e o criatório – no lento processo de decadência que se inicia na segunda metade do século XVIII constituem elementos fundamentais na formação do que no século XX viria a ser a economia brasileira

25 Complexo econômico nordestino Os dois sistema preservavam suas formas originais: - Expansão: caráter extensivo, sem aumento da produtividade -Contração: mantinham a produção, já que os fatores deprodução não tinham uso alternativo No curto prazo, a oferta era inelástica

26 Sistemas açucareiro e criatório: diferenças No longo prazo, as diferenças entre os sistemas açucareiro e criatório eram substanciais A pecuária não precisava fazer gastos monetários para investir; sua MO e o gado tinham crescimento vegetativo A produção de açúcar requeria gastos monetários para reposição de MO e equipamentos através de importação

27 Açúcar & pecuária: impactos da decadência Pecuária: redução da demanda aumento das atividades de subsistência redução da renda monetária redução da produtividade redução da especialização (passam a produzir os bens que antes compravam) importância do couro

28 Impactos da decadência (II) Açúcar: estagnação da produção não criou necessidade de emigração do excedente de população, que foi para o sertão redução da produtividade da pecuária & aumento das atividades de subsistência NE NE: a população cresceu, mas a renda per capita diminuiu entre meados do séc. 17 e início do séc. 19 involução econômica

29 Cap. XII: Contração econômica e expansão territorial NE, Maranhão e Sul (Piratininga): decadência dos setores exportadores (açúcar & fumo) aumento da economia de subsistência & redução da economia monetária Colônia do Sacramento (1680): permitiu a Portugal reforçar enormemente sua posição nos negócios do couro, demais de constituir um entreposto para o contrabando com um dos principais portos de entrada da América espanhola

30

31

32 Decadência secular (I) Aumento da economia de subsistência + redução (relativa) das exportações = redução do valor dos impostos arrecadados pela Metrópole Devendo liquidar-se em moeda portuguesa tais impostos, sua transferência impunha uma crescente escassez de numerário na colônia, cujas dificuldades também por esse lado se viam agravadas

33 Decadência secular (II) Queda das exportações de açúcar desvalorização da moeda encarecimento das manufaturas importadas acentuação da economia de subsistência


Carregar ppt "FEB 2012-I Prof. Fernando Carlos G. de C. Lima Resumo Celso Furtado FEB Cap. VIII a XII."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google