A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Steady-State Economics versus Growthmania: A Critique of the Orthodox Conceptions of Growth, Wants, Scarcity, and Efficiency Herman E. Daly.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Steady-State Economics versus Growthmania: A Critique of the Orthodox Conceptions of Growth, Wants, Scarcity, and Efficiency Herman E. Daly."— Transcrição da apresentação:

1 Steady-State Economics versus Growthmania: A Critique of the Orthodox Conceptions of Growth, Wants, Scarcity, and Efficiency Herman E. Daly

2 Ponto de partida Contradições do pensamento econômico ou economia do crescimento – Crescimento paliativo para a desigualdade – Problemas do crescimento são resolvidos por mais crescimento: não só desigualdade, mas poluição também A inevitabilidade da segunda lei da termodinâmica – limite físico ao crescimento – lei suprema da natureza Limites éticos e morais associados à desigualdade

3 A inevitabilidade dos limites Limite físico – segunda lei da termodinâmica Limite biológico – associado à segunda lei – sistemas complexos estão sujeitos a limites adicionais – contradição no uso de inseticidas e a cadeia alimentar – Temperatura local crescente quando se utiliza energia afeta sistemas sensíveis à temperatura – Efeitos da poluição sobre a evolução das espécies Limite social – Tecnologia torna a sociedade mais sensível a mentes perversas – possibilidade de mau uso da energia atômica Limite econômico – Preço das matérias primas

4 Os Fundamentos da Mania de Crescimento Dois fundamentos econômicos centrais: – Escassez – Desejos, vontades (necessidades) Conceito econômico de escassez relativa aos desejos e necessidades Outro sentido para escassez relativa – escassez de um insumo em relação a outro – define preços relativos, definindo seu uso

5 Escassez Relativa e Absoluta Escassez relativa implica então a substituição de um recurso por outro – lembrar dos argumentos do Stiglitz Escassez absoluta define um limite geral de recursos Escassez relativa ricardiana – qualidade da terra é escassa – escassez absoluta ou malthusiana – não há terra suficiente Visão econômica de transposição da escassez relativa a partir do progresso técnico – elasticidade da demanda por recursos naturais é inferior a 1 (argumento de Stiglitz) Discussão sobre necessidades e vontades (moral) – Limite das necessidades – Ilimitadas as vontades – benefício relativo – senso de superioridade Teoria econômica aponta a escassez como relativa e as vontades como absolutas Proposta do estado estável: escassez absoluta, vontades relativas Aumento da importância da escassez absoluta

6 Conceito de Economia em Estado Estável Definição: economia com estoques constantes de riqueza e pessoas, mantidas em um nível de riqueza desejável e com um fluxo mínimo de insumos e mercadorias – Taxas de mortalidade e de natalidade baixas – Fluxos de produção iguais aos fluxos de depreciação – Longevidade das pessoas e dos artefatos baixa Fluxo de mercadorias é visto como um custo, não como um produto, que mantém o estoque de bens Os serviços do estoque de bens é que satisfazem os desejos e as necessidades das pessoas – PNB é, grosso modo, uma medida do fluxo de mercadorias – tem relação com quantidade física

7 Maximizando e minimizando Maximização do PNB vs minimização do PNC, ou seja, do custo de manutenção do fluxo de serviços que emana dos bens de consumo existentes – Maximização do PNB equivale a maximizar o esgotamento de recursos e a poluição e minimizar a vida útil dos bens – Limites físicos e ecológicos imporão um fim ao processo de maximização do PNB Economia em estado estável não significa que não há mudança – progresso técnico e moral continuam gerando serviços e possibilidades de melhora nas condições de vida, mas desde que o estoque de capital se mantenha constante

8 n+d+g 0+d+g Y/L O Espírito de Porco K/L Uma economia como essa não pode ter desemprego, portanto, trata-se de uma economia de pleno emprego, como no modelo de Solow Se definimos a taxa de crescimento populacional como 0 e uma taxa de depreciação do capital menor, a economia deverá ter uma relação capital produto de equilíbrio maior.

9 Redefinição do Paradigma Econômico Dotação de fatores, preferências e tecnologia são exógenos – endogenamente, define-se o nível de produção e de consumo – sistema não físico é exógeno e o sistema físico endógeno Partir do sistema físico como exógeno e definir o sistema não-físico

10 Eficiência Serviços a partir dos estoques Contribuição do fluxo de mercadorias para os estoques Dificuldade de mensuração dos serviços leva o PIB ou PNB a ser medido a partir do fluxo de mercadorias e não a partir dos serviços prestados pelo estoque de bens. De fato, medidas de produtividade, em sua maior parte, relacionam a produtividade com dois tipos de insumos: capital e trabalho, no denominador. O numerador é o fluxo de mercadorias produzidas Deve-se chamar a atenção para iniciativas que levam em consideração todos os insumos, como o KLEMS. O argumento é que os rendimentos do capital e do trabalho são, na verdade, derivados da exaustão de recursos naturais, que acrescentariam o estoque.


Carregar ppt "Steady-State Economics versus Growthmania: A Critique of the Orthodox Conceptions of Growth, Wants, Scarcity, and Efficiency Herman E. Daly."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google