A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O CANCRO DA MAMA E A QUIMIOTERAPIA

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O CANCRO DA MAMA E A QUIMIOTERAPIA"— Transcrição da apresentação:

1 O CANCRO DA MAMA E A QUIMIOTERAPIA

2 AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO
INTRODUÇÃO OBJECTIVO CRITÉRIOS DE SELECÇÃO MÉTODO AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO RESULTADOS CONCLUSÃO PERSPECTIVAS FUTURAS

3 INTRODUÇÃO Cancro Nome comum para designar neoplasia maligna.
Células entram em divisão descontrolada podendo invadir os tecidos adjacentes e/ou distantes. Pode ser causado por mutações, acção de vírus ou bactérias. Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário.

4 INTRODUÇÃO Neoplasia benigno
Crescimento relativamente lento e ordenado Estrutura semelhante à de uma célula normal Presença de uma cápsula envolvente Permanência no local de origem Tumor benigno do músculo do útero

5 INTRODUÇÃO Neoplasia maligno Crescimento muito rápido e desordenado
Células com formas anormais Cápsula normalmente ausente ou incompleta Disseminação de células para outros locais Formação de metástases Tumor maligno da mama

6 INTRODUÇÃO Estrutura típica de um tumor benigno
Estrutura típica de um tumor maligno

7 Características de uma célula neoplásica
INTRODUÇÃO Características de uma célula neoplásica Aumento do volume do núcleo Alteração do número e da forma dos organitos celulares Perda de diferenciação Alteração dos receptores de membrana citoplasmática Perda de adesão à matriz extra-celular e de contacto com outras células Proliferação descontrolada

8 INTRODUÇÃO Neoplasia Normal Crescimento de uma célula normal, em comparação com o crescimento de uma célula neoplásica

9 INTRODUÇÃO Gânglios Linfáticos
Em diversos pontos da rede linfática existem gânglios linfáticos (pequenos órgãos perfurados por canais). A linfa circula pelo interior desses gânglios, onde é filtrada. Vírus, bactérias e resíduos celulares são fagocitadas pelos linfócitos existentes nos gânglios linfáticos.

10 INTRODUÇÃO Quimioterapia Forma de tratamento sistémico.
Consiste na introdução de substâncias químicas, isoladas ou combinadas, com o objectivo de destruir as neoplasias malignas. As células que mais sofrem a acção da quimioterapia são aquelas que crescem e se dividem muito, como as células neoplasicas. Mas há outras células do nosso organismo também têm estas características e também vão ser atingidas, acarretando os efeitos colaterais ou indesejados do tratamento. Nomeadamente: Células produtoras dos glóbulos sangüíneos vermelhos e brancos.(anemia) Células do aparelho digestivo. Células do sistema reprodutor. Células do folículo piloso (alopécia)

11 Tratamento Sequencial ou em Alternância com Regimes de Doxorubicina e CMF no Cancro da Mama com mais do que três gânglios positivos Bonadonna et al

12 AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO
INTRODUÇÃO OBJECTIVO CRITÉRIOS DE SELECÇÃO MÉTODO AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO RESULTADOS CONCLUSÃO PERSPECTIVAS FUTURAS

13 Realização de um estudo randomizado (durante 10 anos)
OBJECTIVO Melhorar o tratamento em doentes com carcinoma mamário extraído e com mais de três gânglios linfáticos positivos axilares Realização de um estudo randomizado (durante 10 anos) MOTIVAÇÃO Grande eficácia Incidência limitada de falência cardíaca congestiva Introdução da doxorubicina

14 AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO
INTRODUÇÃO OBJECTIVO CRITÉRIOS DE SELECÇÃO MÉTODO AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO RESULTADOS CONCLUSÃO PERSPECTIVAS FUTURAS

15 CRITÉRIOS DE SELECÇÃO 403 mulheres 405 mulheres
2 mulheres foram excluídas Características das doentes seleccionadas: Tumores extraídos Presença de mais de 3 gânglios positivos axilares Doentes com idade ≤ 70 anos Com carcinoma unilateral da mama sujeito a mastectomia ou cirurgia conservativa com total dissecção axilar

16 CRITÉRIOS DE SELECÇÃO tumor MASTECTOMIA

17 AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO
INTRODUÇÃO OBJECTIVO CRITÉRIOS DE SELECÇÃO MÉTODO AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO RESULTADOS CONCLUSÃO PERSPECTIVAS FUTURAS

18 MÉTODO Realização de um estudo randomizado para comparar:
Quimioterapia iniciada 2 a 4 semanas após a cirurgia Regime Sequencial: 4 doses de Doxorubicin Hydrochloride (DOX) 8 doses de Cyclophosphamide, Methotrexate, Fluorouracil (CMF) Regime Alternante (4 vezes): 2 doses de Cyclophosphamide, Methotrexate, Fluorouracil (CMF) 1 dose de Doxorubicin Hydrochloride (DOX)

19 MÉTODO 600 mg/m2 de cyclophosphamide 40 mg/m2 de methotrexate
Doses de CMF: 600 mg/m2 de cyclophosphamide 40 mg/m2 de methotrexate 600 mg/m2 de fluoroucil Dose de Doxorubicin: 75 mg/m2 Injecção Intravenosa das 12 doses (do regime correspondente) durante 9 meses

20 INTRODUÇÃO OBJECTIVO CRITÉRIOS DE SELECÇÃO MÉTODO AMOSTRA DE DOENTES/ PARÂMETROS EM ESTUDO RESULTADOS CONCLUSÃO PERSPECTIVAS FUTURAS

21 AMOSTRA DE DOENTES PARÂMETROS EM ESTUDO
Característica DOXCMF CMF/DOX % Série Total 201 100 202 Pré-menopausa 135 67 136 Pós-menopausa 66 33 Gânglios Positivos 4-10 142 71 126 62 >10 59 29 76 38 Diâmetro tumoral (cm) ≤2 94 47 91 45 >2 107 53 111 55 Receptores do Estrogénio Negativo 50 25 49 24 Positivo 139 69 141 70 Não conhecido 12 6 Média de Idades (anos) 47(28-69) 48(24-68) AMOSTRA DE DOENTES PARÂMETROS EM ESTUDO

22 AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO
INTRODUÇÃO OBJECTIVO CRITÉRIOS DE SELECÇÃO MÉTODO AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO RESULTADOS CONCLUSÃO PERSPECTIVAS FUTURAS

23 Sobrevivência sem doença (relapse-free)
RESULTADOS Sobrevivência sem doença (relapse-free) Característica DOXCMF (%) CMF/DOX (%) Série Total 42 28 Pré-menopausa 44 30 Pós-menopausa 36 24 Gânglios Positivos 4-10 47 32 >10 29 21 Diametro tumoral (cm) ≤2 46 >2 38 25 Receptores do Estrogénio Negativo 48 11 Positivo 37 Não conhecido 66 50

24 RESULTADOS As curvas divergem passados 12 meses após a cirurgia
A duração média de sobrevivência em relapse-free para doentes sujeitas ao regime sequencial foi cerca do dobro (86 meses) comparada com a do regime em alternância (47 meses) Comparação ao fim de 10 anos da sobrevivência em relapse-free de doentes com cancro da mama e mais do que três gânglios positivos DOXCMF DOX/CMF

25 Sobrevivência sem doença (relapse-free)
RESULTADOS Sobrevivência sem doença (relapse-free) Característica DOXCMF (%) CMF/DOX (%) Série Total 42 28 Pré-menopausa 44 30 Pós-menopausa 36 24 Gânglios Positivos 4-10 47 32 >10 29 21 Diametro tumoral (cm) ≤ 2 46 >2 38 25 Receptores do Estrogénio Negativo 48 11 Positivo 37 Não conhecido 66 50

26 RESULTADOS Para o regime de tratamento alternado a média de sobrevivência em relapse-free das doentes menstruadas é 58 meses e a média de sobrevivência das doentes pós-menopausa é 29 meses Nos pacientes que receberam tratamento sequencial a média de sobrevivência é 99 meses para doentes menstruadas e 72 meses para doentes pós-menopausa Comparação ao fim de 10 anos da sobrevivência em relapse-free de doentes com cancro da mama e mais do que três gânglios positivos relativamente ao estado menopausal DOXCMF pré-menopausa DOXCMF pós-menopausa DOX/CMF pré-menopausa DOX/CMF pós-menopausa

27 Sobrevivência sem doença (relapse-free)
RESULTADOS Sobrevivência sem doença (relapse-free) Característica DOXCMF (%) CMF/DOX (%) Série Total 42 28 Pré-menopausa 44 30 Pós-menopausa 36 24 Gânglios Positivos 4-10 47 32 >10 29 21 Diametro tumoral (cm) ≤ 2 46 >2 38 25 Receptores do Estrogénio Negativo 48 11 Positivo 37 Não conhecido 66 50

28 RESULTADOS Comparação ao fim de 10 anos da sobrevivência em relapse-free de doentes com cancro da mama e mais do que três gânglios positivos relativamente ao número de gânglios envolventes DOXCMF 4-10 gânglios positivos DOX/CMF 4-10 gânglios positivos DOXCMF >10 gânglios positivos DOX/CMF >10 gânglios positivos

29 Sobrevivência sem doença (relapse-free)
RESULTADOS Sobrevivência sem doença (relapse-free) Característica DOXCMF (%) CMF/DOX (%) Série Total 42 28 Pré-menopausa 44 30 Pós-menopausa 36 24 Gânglios Positivos 4-10 47 32 >10 29 21 Diametro tumoral (cm) ≤ 2 46 >2 38 25 Receptores do Estrogénio Negativo 48 11 Positivo 37 Não conhecido 66 50

30 RESULTADOS Comparação ao fim de 10 anos da sobrevivência em relapse-free de doentes com cancro da mama e mais do que três gânglios positivos relativamente ao diâmetro primário do tumor DOXCMF diâmetro2cm DOXCMF diâmetro>2cm DOX/CMF diâmetro2cm DOX/CMF diâmetro>2cm

31 RESULTADOS Verifica-se que tanto o número de gânglios como o diâmetro tumoral afectam a sobrevivência em relapse-free Doentes com mais do que 10 gânglios positivos e um diâmetro tumoral superior a 2cm sujeitas ao regime sequencial de tratamento tiveram uma percentagem de sobrevivência de 35%, bastante próxima da obtida para mulheres submetidas ao regime alternante com 4 a 10 gânglios e diâmetro tumoral menor que 2cm, que foi de 39%

32 Sobrevivência sem doença (relapse-free)
RESULTADOS Sobrevivência sem doença (relapse-free) Característica DOXCMF (%) CMF/DOX (%) Série Total 42 28 Pré-menopausa 44 30 Pós-menopausa 36 24 Gânglios Positivos 4-10 47 32 >10 29 21 Diametro tumoral (cm) 2 46 >2 38 25 Receptores do Estrogénio Negativo 48 11 Positivo 37 Não conhecido 66 50

33 RESULTADOS Comparação ao fim de 10 anos da sobrevivência em relapse-free de doentes com cancro da mama e mais do que três gânglios positivos relativamente ao tipo de receptor de estrogénio (ER) Não existe uma diferença significativa nos resultados obtidos para o tratamento sequencial entre os doentes cujos ER são positivos ou negativos No tratamento em alternância os doentes cujo ER é negativo têm uma % de sobrevivência relapse-free muito baixa (11%) DOXCMF ER negativo DOXCMF ER positivo DOX/CMF ER positivo DOX/CMF ER negativo

34 RESULTADOS Sobrevivência total Característica DOXCMF (%) CMF/DOX (%)
Série Total 58 44 Pré-menopausa 57 52 Pós-menopausa 59 29 Gânglios Positivos 4-10 64 47 >10 41 38 Diametro tumoral (cm) 2 68 48 >2 49 Receptores do Estrogénio Negativo 53 22 Positivo 51 Não conhecido 67

35 RESULTADOS As curvas divergem passados 18 meses após a cirurgia
Comparação ao fim de 10 anos da sobrevivência total de doentes com cancro da mama e mais do que três gânglios positivos DOXCMF DOX/CMF

36 RESULTADOS

37 Efeitos adversos decorrentes do tratamento
RESULTADOS Efeitos adversos decorrentes do tratamento Efeito DOXCMF CMF/DOX % Falhas do tratamento Total 107/201 53 134/202 66 Região local 30 15 42 21 Distante 68 34 90 45 Na outra mama 9 4 2 Doenças secundárias 4/201 5/202 Anormalias cardíacas 11/201 5 10/202 CHF 3 1

38 Efeitos adversos decorrentes do tratamento (cont.)
RESULTADOS Efeitos adversos decorrentes do tratamento (cont.) Efeito DOXCMF CMF/DOX % Morte Total 76/201 38 105/202 52 Cancro da Mama 70 35 101 50 Cancro secundário 2 3 Doença cardíaca 1 Outras causas

39 RESULTADOS Apenas em 8% dos doentes os efeitos secundários desapareceram, tendo sido o mais persistente a náusea Quando ocorre a primeira falha no tratamento é, geralmente, em locais do corpo distantes da mama Em doentes com mais do que três gânglios envolventes observa-se uma frequência considerável de reaparecimentos locais com adenopatia homolateral supraclavicular quase em cerca de 50% dos casos Uma doente desenvolveu anemia refractária com excesso de blastos nos 38 meses posteriores ao ínicio da quimioterapia adjuvante

40 RESULTADOS Não se verificou o aparecimento de muitos casos de cancro em outras zonas do corpo; no entanto registaram-se: 3 casos de tumores ováricos 2 casos de cancro do cólon 2 casos de cancro pancreático e da bexiga 1 caso de cancro da tiróide 1 caso de meningioma Os cancros secundários foram registados em média 22 meses (6-24meses) após o final do tratamento

41 RESULTADOS As anormalias cardíacas de diferentes tipos e graus de severidade foram documentadas num total de 21 mulheres (5%) A maioria das alterações foram encontradas em doentes assimptóticos, através da análise ao ECG As doentes que sofreram perturbação cardíaca foram maioritariamente (14 em 21, 67%) mulheres que receberam irradiação na mama esquerda após a cirurgia conservativa 4 doentes apresentaram sintomas e sinais de falência congestionada do coração, atribuída à doxorubicina, verificados durante o tratamento ou poucas semanas após o seu final 2 doentes morreram de falha cardíaca irreversível passados 32 e 86 meses, respectivamente, do diagnóstico da cardiomiopatia As outras duas doentes que apresentaram sintomas de perturbação cardíaca estavam vivas quando o artigo foi publicado

42 RESULTADOS Em 7% das mulheres a contagem de leucócitos ficou abaixo de 2.5*109 leucócitos/L no dia planeado para receber o tratamento Não se verificou uma contagem de plaquetas abaixo de 75*109 plaquetas/L Observou-se queda do cabelo em todas as doentes, tendo sido na maioria dos casos completa, mas este efeito inverteu-se totalmente no final do tratamento 60% das doentes menstruadas desenvolveram amenorreia permanente Em média as doentes engordaram 2,5kg

43 AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO
INTRODUÇÃO OBJECTIVO CRITÉRIOS DE SELECÇÃO MÉTODO AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO RESULTADOS CONCLUSÃO PERSPECTIVAS FUTURAS

44 CONCLUSÃO Tendo por base conhecimentos anteriores sabe-se que
Há um beneficio limitado do CMF em doentes com mais do que três gânglios axilares positivos A DOX tem uma eficácia bem conhecida no tratamento de cancros da mama em estado avançado ou metastizados A alternância simétrica de dois regimes de resistência não cruzada como o MOPP e o ABVD são muito melhores para tratar um linfoma Hodgkin em estado IV DOX e CMF contribuem para reduzir o tumor Todas as drogas constituintes do CMF foram administradas de forma intra-venosa para evitar problemas causados pela forma oral da ciclofosfamida Ambos os regimes incluiram as mesmas doses, drogas e duração do tratamento O tratamento foi bem tolerado e os efeitos agudos foram reversíveis

45 CONCLUSÃO Apesar da dose de DOX não ter excedido as 315mg/m2 os efeitos cardíacos são um factor de risco importante, sabendo-se de antemão que este risco aumenta quando as doentes são irradiadas na mama esquerda Cancros localizados noutras partes do corpo surgiram com uma frequência semelhante à que caracteriza o tratamento habitual de quimioterapia adjuvante A duração total do tratamento foi 33 semanas: No regime alternante 4 ciclos de DOX foram dispersos por 27 semanas No regime sequencial os quatro ciclos de DOX foram concentrados em 9 semanas No tratamento sequencial a intensidade da DOX foi significativamente superior, o que pode justificar os melhores resultados

46 AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO
INTRODUÇÃO OBJECTIVO CRITÉRIOS DE SELECÇÃO MÉTODO AMOSTRA DE DOENTES/PARÂMETROS EM ESTUDO RESULTADOS CONCLUSÃO PERSPECTIVAS FUTURAS

47 PERSPECTIVAS FUTURAS Tendo por base o estudo, que se considera bastante maduro e válido, sensibilizar para que a prática clínica clássica com CMF seja substituida por DOXCMF no tratamento adjuvante de pacientes com mais do que três gânglios positivos Fazer um novo estudo em que se compare o regime sequencial DOXCMF vs DOXCAF (ciclofosfamida, doxorubicina e fluorouracilo) em doentes com 1,2 ou 3 gânglios positivos ou em doentes de alto risco com tumores com gânglios negativos

48 BIBLIOGRAFIA Cooper, G; Hausman, R; The Cell – A Molecular Aproach, 3rd edition, Sinauer, 2004, Washington Gianni Bonadonna, MD; Milvia Zambetti, MD; Pinuccia Valagussa; Sequential or Alternating Doxorubicin and CMF Regiments in Breast Cancer With More Than Three Positive Nodes Ten-Years Results, JAMA 1995; 273: Lodish, H; Berk, A; Zipursky, S. L.; Matsudaira. P; Baltimore, D; Darnell, J, Molecular Cell Biology, 4ªedição, Freeman, 2000, New York

49 Trabalho realizado por Angela Pisco Joana Coelho 55748 52710 LEBM


Carregar ppt "O CANCRO DA MAMA E A QUIMIOTERAPIA"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google