A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Trabalho multiprofissional na área da saúde Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde José Roberto Siqueira Castro – Médico clínico - Psicanalista.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Trabalho multiprofissional na área da saúde Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde José Roberto Siqueira Castro – Médico clínico - Psicanalista."— Transcrição da apresentação:

1 Trabalho multiprofissional na área da saúde Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde José Roberto Siqueira Castro – Médico clínico - Psicanalista

2 VISÃO HISTÓRICA O centro é o universo, o homem está inserido e é regido pelas leis da natureza. Descartes – Penso, logo existo. Iluminismo – Felicidade à luz da razão Afastamento do Homem das leis da natureza e do Cosmos Inconsciente - `Sou onde não penso`

3 Homem – Centro Método científico - Ciência Aumento acentuado da produção do saber `Patologia do saber` Crescimento vertical Disciplinas Guideline Fronteiras rígidas Pouca porosidade Dificultando o crescimento horizontal

4 Modelo Científico Disciplinas Predominância da verticalidade - Teoria Pouca valorização do conhecimento horizontal - Clínica Declínio da clínica Ilusão de um saber completo Foco na doença e no procedimento e não no adoecimento Sintoma sem sentido (É para ser extirpado, sem significação) Visão reducionista sobre o adoecer humano Pouco valor à subjetividade (Firula) Profissionais da saúde e pacientes – como objetos das ações de saúde

5 Verticalidade Teoria Olhar: foco é o procedimento, a doença Disciplinas Fragmentação (Saber, técnica e estrutura organizacional) Fragmento se distancia do todo Horizontalidade Clínica Cuidado Alteridade Olhar: foco é o sujeito, a pessoa. Processo e a gestão do trabalho Linha do cuidado. Ações interdisciplinares. Assistência Atenção Adoecer Ideologia Poder Política

6 Contemporaneidade Paradigma da fragmentação (Disjunção e separação) do saber da técnica da estrutura organizacional

7 História do mundo e do pensamento ocidentais Paradigma de disjunção, de separação Espírito da matéria Filosofia da ciência Conhecimento particular, que vem da música e da literatura, do conhecimento que vem da pesquisa científica Separam-se as disciplinas, as ciências e as técnicas Separou-se o sujeito do conhecimento, do objeto do conhecimento

8 Acolhimento

9 Disciplinas Aumento acentuado Aumento acentuado do conhecimento das divisões técnicas de trabalho Fragmentação Ensino Formação inadequada Declínio do campo da clínica Prática - Pulverização - Dispersão Rigidez das fronteiras Atendimento centrado na doença Perda da importância do contexto Alternativa Sub - especialização Predomínio da informação Conhecimento sem análise crítica Diagnóstico Rótulo Classificação Homogeinização Guideline Tendência a ilusão de um saber completo

10 Organismo / Corpo Doença Doente Classificável Universal Contextualização Singular Marca das Homogeinização `Caso a caso` diferenças da Medicina Critério/ Questionamento Silenciamento Propedêutica / Terapêutica das diferenças Corpo mapeado Acentuação do `desamparo existencial` Foco é a doença, o procedimento Foco é a pessoa, o sujeito, e o medicamento com sua história, sexualidade, fantasias e o laço social.

11 CRESCIMENTO HORIZONTAL DESVALORIZADO DECLÍNIO LINHA DA CLÍNICA DO CUIDADO CUIDADO / ACOLHIMENTO SISTEMA DE SAÚDE INEFICAZ, INEFICIENTE E ONEROSO. FRÁGIL PRECÁRIO DESARTICULADA

12 O PACIENTE FATIADO FRAGMENTAÇÃO DISCIPLINAS CADA VEZ SE SUB-DIVIDINDO MAIS AUSÊNCIA DE TROCAS ENTRE ELAS FRAGMENTAÇÃO DISTANCIAMENTO ENTRE O FRAGMENTO E O TODO´ - SABER - CLÍNICA - ORGANIZACIONAL

13 Sociológica Biológica Psicológica Cultura Genética Sujeito Vertentes Sintoma Do profissional Do paciente - Envelope - Identidade - Importância - História - Contexto

14 Ingredientes necessários para a discussão Paradigma: um modelo de construção do conhecimento; uma experiência modelar. Estruturas de pensamento que de modo inconsciente comandam nosso discurso. (ex.: física de Newton x Einstein; medicina anátomo-clínica x medicina biológica); Disciplina: campo do conhecimento (área de saber), pode ter mais de um paradigma; Profissão: um campo de trabalho (agir, fazer), pode ter mais de um paradigma, fundamentado em várias disciplinas (ex.: alopatia, homeopatia, acupuntura); Técnica, especialização e divisão do trabalho Interdisciplinaridade: relação dinâmica entre campos do saber (por um mesmo profissional, por vários profissionais, ex.: construção de um caso clínico); Trabalho multiprofissional: traba lho de vários profissionais, pode não haver interdisciplinaridade. Fragmentação: método científico – Subdivisão progressiva do objeto de estudo

15 Ingredientes necessários para a discussão Pensamento complexo x especialização (fragmentação do conhecimento) A ciência atual vive um impasse? Um momento de incerteza? Ciências humanas Profissões intervenções (atos) sobre o ser humano, ação especializada, fragmentada, focal? Interdisciplinaridade e pensamento complexo

16 Tendência ao impasse A Interdisciplinaridade é possível se o conhecimento está constituído a partir de paradigmas? Os quatro pilares da certeza –A ordem –A separabilidade –A redução –A lógica indutiva – dedutiva - identitária

17 OS PILARES DA CERTEZA: CONTRAPONTO A ordem mestra/ desordem (o universal/ singular) A divisibilidade / inseparabilidade (análise concreta; sujeito/ objeto) O reducionismo científico: só é válido o que é científico(?), só é científico o mensurável A lógica identificada com a razão O concreto, mensurável / virtual

18 COMO OPERAR EM UM UNIVERSO a ordem não é absoluta, assim, a desordem, o contingente e o singular predominam sobre a ordem, a separabilidade é limitada, ou impossível: as partes são conhecidas a partir de princípios diferentes (ou não), quando somadas não permitem compreender, nem constituir o todo, também objeto e sujeito não são inteiramente separáveis, a lógica comporta buracos, os fenômenos não podem ser reduzidos, mas exigem resposta em sua complexidade (modificado Edgar Morin, 2000) O trabalho em equipe não se resume no ajuntamento de colegas de diversas categorias profissionais

19 Alguns dos problemas que se colocam para os profissionais que atuam na área da saúde Especialização crescente Multiplicação de profissões que atuam simultaneamente em um mesmo paciente Tecnologias cada vez mais especializadas e complexas, de domínio restrito e de custo elevado Protocolos e separação de lugares: cada macaco em seu galho

20 Valor Saber Consumo saúde Universidade Rede Capital Produção científica (saber) Assistência Pesquisa Produção quantitativa Pago pela quantidade de atendimentos Paciente e profissional como objetos – - e o sujeito? Paciente como objeto - e a clínica? Qualidade da assistência depende da clínica – depende do sujeito estar presente Esvaziamento da clínica (profissional e paciente) fazendo parte do processo.

21

22 Paciente Objeto ou Sujeito?

23 O não saber do profissional Outros saberes

24 UMA SAÍDA PARA A CLÍNICA? A CONSTRUÇÃO DO CASO CLÍNICO CASO SINGULAR CLÍNICA (KLINÉ) LEITO Um ensino e uma prática não teóricos Aprende-se com cada paciente O aprendizado se dá nas relações Algo inesperado e que surpreende: há a presença do sujeito e, portanto uma ética O homem, mesmo doente, não é um animal pavloviano, domesticável

25 Construção do caso clínico Multidisciplinar Interdisciplinar

26 QUAL O PONTO DE PARTIDA? UM NÃO SABER –Objetivos comuns? –Um mesmo paradigma? –Paradigmas próximos ou distantes? ALGO QUE ENLACE

27 Quais as diretrizes necessárias para nortear uma prática clínica feita por muitos ? Modelo de experiência clínica onde se aproximam e dialogam diferentes disciplinas e saberes; Sintomas são significantes que adquirem significado apenas quando relacionados com significantes do caso; Os casos clínicos muitas vezes não são transparentes nem tão pouco fornecem uma lógica evidente: enigmático, implicando dificuldade para sua resolução; Presença do desconforto, propicia à equipe um trabalho, exigindo implicação e compromisso dos membros;

28 Quais as diretrizes necessárias para nortear uma prática clínica feita por muitos ? A equipe não existe antes da constituição desse trabalho; Independentemente do profissional – médico, enfermeira, fisioterapeuta, psicólogo ou outro – a primeira avaliação é feita pelo próprio paciente; O saber do paciente sobre seu corpo, seu sintoma e sua doença pode e deve contribuir para a construção do caso clínico; Trabalho em equipe pressupõe renúncia narcísica – posição de ignorância - dos profissionais que a compõem; Os saberes em jogo não devem ter a pretensão de serem completos ou onipotentes, nem complementares no sentido de um saber total; A especificidade técnica, habilidade e as diferentes visões dos membros da equipe devem ser individualmente potencializados

29 Quais as diretrizes necessárias para nortear uma prática clínica feita por muitos? Equipe: importante a preservação de um não saber, permitindo a presença da indisciplina, de uma verdade não totalizadora sobre o caso, permitindo que as construções possam ser repensandas e renovadas. O saber construído a partir do caso não é da ordem de uma teoria universal, totalizadora ou normativa. Referencial teórico de cada profissional e a experiência clínica num vai e vem é que possibilita a invenção de um saber novo em relação à estrutura oferecida.

30 Interdisciplinaridade Importância da lei Conflito Formação profissional Barrar a fragmentação Singularidade Ausência da hegemonia de um saber Valorização da clínica centrada no paciente e não no procedimento Ética (O discurso e a ação comprometida) Profissional de Saúde e paciente sujeito das ações. Valorização da alteridade Integralidade das ações em saúde

31 Prática Interdisciplinar : ainda um desafio! Apenas situações pontuais Riscos – `Des - assistência` Sua prática se concretiza nas discussões de casos clínicos Aproximação das disciplinas Condição essencial é a clareza da especificidade – arcabouço teórico técnico - das disciplinas e das categorias profissionais Ausência de hegemonia de um saber ou de uma vertente. Exemplo: `Biopoder` O aprendizado se dá na convivência Desafio da construção de um saber e uma prática comunitária, onde haja integralidade das ações no sistema de saúde

32 Pensamento complexo Ruptura do ensino, que permita juntar ao mesmo tempo que separa. Presença de um terceiro - Simultaneidade Salvaguardar a liberdade: sentimento de comunidade e solidariedade, no interior de cada membro, dando a realidade de existência numa sociedade complexa. Ética da compreensão - Alteridade Ética da tolerância: - Voltaire: suas idéias são odiosas, mas morrerei pelo direito que você tem de exprimi-las; - Instituição democrática: sistema que permite e encoraja o conflito de idéias e de argumentação, com respeito às minorias; - Pascal: o contrário da verdade não é um erro, mas uma verdade contrária

33 Hospital das Clínicas - Hospital Universitário Assistência - Ensino - Gestão GIDS – Grupo Interdisciplinaridade na Área da saúde - Teoria e prática sobre a Interdisciplinaridade e Complexidade encontros RICLIM – Reuniões Interprofissionais da Unidade Funcional Clínica Médica Discussão de casos clínicos onde a `clínica é feita por muitos` 104 encontros registrados Unidades Funcionais (Modelo de Gestão) Ensino X Clínica X Gestão Sessões clínicas – 113 encontros Parcerias: NIAB – Núcleo de investigação em anorexia - bulimia IEAT – Instituto de Estudos Avançados em Transdisciplinaridade da Reitoria NEPPCOM – Núcleo de estudos e pesquisa em pensamento complexo.


Carregar ppt "Trabalho multiprofissional na área da saúde Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde José Roberto Siqueira Castro – Médico clínico - Psicanalista."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google