A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Declínio grego – Helenismo Declínio científico relacionado em certa medida aos processos políticos e sociais Período helenístico: da morte de Alexandre.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Declínio grego – Helenismo Declínio científico relacionado em certa medida aos processos políticos e sociais Período helenístico: da morte de Alexandre."— Transcrição da apresentação:

1 Declínio grego – Helenismo Declínio científico relacionado em certa medida aos processos políticos e sociais Período helenístico: da morte de Alexandre em 323a.C. até a anexação por Roma em 147a.C. Elaborações na direção de um conhecimento científico promovidas por Aristóteles desaparecem nos séculos seguintes. Impasse entre perturbações nacionais e bem estar social. Sistemas práticos de ética, pelos quais os indivíduos pudessem alcançar um estado de paz e independência mental. Estóicos, Epicuristas e Céticos.

2 Os estóicos Fundador: Zenão de Cítio ( a.C.) Escola funcionava no Pórtico de Atenas (stoá - estóicos)

3 Estóicos A virtude deve tornar o homem independente e feliz e a filosofia nada é senão o exercício da virtude

4 Ontologia dos estóicos Materialismo: A realidade é material Os seres são inanimados e animados Inanimados: matéria passiva Animados: matéria ativa, animados por um pneuma fogoso (Heráclito) O pneuma fogoso está em todo o universo: é o fogo cósmico, o Logos, a razão universal.

5 A ontologia dos estóicos (cont.) Universo é racional, por mais irracional que possa parecer aos nossos olhos Logos = Razão Divina = Razão Universal Logos = Fundamento da ordem cósmica ao qual o homem não pode deixar de aderir tão completamente quanto possível; Logos Dirige o universo Logos Dirige a razão humana

6 A epistemologia estóica Coerente com a posição materialista, o conhecimento é sensorial, empírico. Compreensão = harmonia entre homem e realidade A alma no momento do nascimento é uma tábula rasa, todo o conhecimento procede dos sentidos. Logo, as sensações levam ao conhecimento Empiristas - conhecimento através da percepção dos fenômenos sensíveis A imaginação é uma impressão, uma modificação da mente Da percepção derivam as recordações, e destas, a experiência geral Alma ativa = consciência evidente = consentimento

7 A lógica estóica A verdade provém de uma razão perfeitamente formada e representa uma espécie de lógica do mundo Fé fanática na razão (intensificaram o antagonismo entre razão e emoção) Conhecer as leis naturais e viver de acordo com elas - consciência da necessidade Natureza é logos e logos é razão pura.

8 A ética estóica Emoções são juízos irracionais que nos tornam frustrados e infelizes O bem está na sabedoria de afastar-se das paixões e dos desejos; Liberdade é o exercício correto da razão para se afastar dos afetos; reconhecer pela razão as leis naturais e não agir contra elas A virtude é a lei (Logos) que governa o universo Lei natural (influência sobre Direito Romano): Todos são iguais perante a lei Apatheia: apatia, indiferença (herança dos cínicos - Antístenes) Ascetismo e fé – influência sobre o pensamento cristão

9 Epicuristas Fundador: Epicuro ( a.C.) O único bem absoluto é o prazer, O mal absoluto a dor. O estado positivo é a dor E o prazer é apenas a sua ausência

10 Ontologia epicurista Princípio: Atomismo Realidade constituída pelos átomos e seus movimentos (Demócrito). Os átomos apresentam certa indeterminação nos movimentos Alma e corpo constituídos da mesma substância A indeterminação dos átomos deixa espaço para a autonomia e a liberdade da alma no controle sobre si mesmo Trata-se de uma ontologia materialista

11 Epistemologia epicurista Conhecimento sensorial dependente da apreensão das informações sensoriais pela memória Erro do conhecimento é erro de interpretação

12 Lógica epicurista O critério da verdade é a percepção da emoção do prazer e dos desprazer Lógica moral: sem deuses, sem castigos, sem temores

13 Ética epicurista O critério do bem e do mal é a nossa emoção Usar a imaginação para –Eliminar o sofrimento, –Revivendo momentos felizes e prolongar a felicidade Autocontrole através da imaginação Não devem ser confundidos como sensualistas. Paz de espírito: ataraxia

14 Os céticos Filósofos relacionados: Pirro de Élis ( a.C.; Sexto Empírico (séc. III d.C) Ceticismo - dúvida radical sobre o conhecimento verdadeiro Do grego sképtomai – olhar à distância, examinar Tendência a desapegar-se, alcançar a serenidade e a libertação da ansiedade

15 Classificação do pensamento grego Segundo os Céticos Dogmáticos que acreditam haver descoberto a verdade –Aristóteles, Estóicos e Epicuristas Acadêmicos que acreditam a verdade não poderia ser apreendida –Academia de Platão Céticos que defendiam a busca incessante do conhecimento –Qualquer crença, inclusive a crença na razão, é absurda, ilusória e injustificável

16 Contribuição dos Céticos Epistemologia e lógica Pirro ensinava que nossos juízos sobre a realidade são convenções, pois são sempre baseados em em sensações mutáveis. Assim, deve-se suspender o juízo e não se decidir por nenhuma crença ou opinião; Suspensão de juízos chama-se epoché

17 Cícero Marco Túlio Cícero ( AC) foi um importante orador e estadista romano influenciado pelos ensinamentos de Platão e dos estóicos. Recupera o conceito platônico de alma imortal e incorpórea. Poderes da alma: memória, criatividade, atenção e sabedoria

18 Cícero Psicoterapia de Cícero Novamente: problema da relação entre alma e corpo Tratamento: desejo e convicção Não foi uma teoria de apelo popular.

19 Plotino ( ) Princípio Geral – –Uno - Divindade Neo-platonismo Memória - consciência vista em extensão Pela primeira vez a consciência e a autoconsciência é reconhecida Visão tripartida da alma

20 Cristianismo Principal teórico: Saulo de Tarso (São Paulo) Judeu de cidadania romana e formação grega Que aproveita ao homem ganhar a vida inteira e perder a sua alma? Que daria um homem em troca de sua alma? (Marcos 8, 36-37)

21 Ontologia cristã Visão tripartida de uma alma criada por Deus Carne e espírito são substâncias separadas; Homem carnal = todas as faculdades psíquicas gregas Homem espiritual = princípio sobrenatural que unifica o homem à Deus

22 Epistemologia cristã Deus como sabedoria alcançável pela fé Conhecimento depende da fé: –Prece e meditação substituem observação e análise –Verdade pela graça, ou revelação

23 Lógica cristã Prece e fé substituem lógica, Lógica está na sabedoria revelada por Deus

24 Ética cristã Amai ao próximo como a si mesmo; A Graça que une o homem ao Pai através do Filho.

25 Santo Agostinho ( )

26 Ontologia Neoplatonismo A alma é definida como criação de Deus Distingue as três partes, mas destaca a unidade.

27 Epistemologia Conhecer é apreender pelo pensamento um objeto que não muda, cuja estabilidade permite mantê-lo sob o olhar do espírito. A verdade é inteiramente diferente da constatação empírica de um fato

28 Lógica Descoberta de uma regra pelo pensamento, que a ela se submete; Sabedoria corresponde ao exercício da vontade, na capacidade de participar por iluminação das verdades intemporais e dela recordar-se

29 Ética Com a ajuda do Criador de cultivar- se a si mesma e, por um zelo piedoso, pode-se adquirir e possuir as virtudes livrando-se dos tormentos das dificuldades da cegueira.

30 São Tomás de Aquino

31 Influências sobre Aquino Tensão entre –Peripatéticos (comentaristas islâmicos de Aristóteles, como Averróes) Conhecimento empírico, filosofia independente da revelação –Modelo agostiniano Conhecimento por iluminação divina

32 Ontologia A alma, embora criada por Deus orienta-se para o mundo natural, também criado por Deus. Alma é imaterial, unida ao corpo sem intermediário.

33 Epistemologia O conhecimento tem duas origens: os sentidos internos e os sentidos externos. No nível mais baixo, a alma realiza operações de ordem natural do corpo na qual está unida; A seguir, por meio de órgãos corporais de ordem sensível e já imateriais

34 Epistemologia (Cont.) Enfim, sem órgão corporal, operações de ordem inteligível. Os objetos de percepção são conhecidos apenas por sua forma - chama-se a isso a capacidade de ser intencional Mundo é criação divina, portanto conhecer o a realidade sensível (empirismo) é conhecer Deus Razão é igualmente dádiva de Deus, permite decodificar e apropriar-se das informações do mundo sensível

35 Lógica O intelecto agente - a essência da abstração que extrai das espécies o que contém de inteligível e engendra no intelecto possível, o conhecimento daquilo que os fantasmas contém em si de específico e universal.

36 Ética A inclinação de todos os existentes para o Bem Supremo varia assim, em função de seu lugar na hierarquia dos seres. No homem o objeto próprio da vontade é o bem, podendo ele querer ou não querer (livre arbítrio)


Carregar ppt "Declínio grego – Helenismo Declínio científico relacionado em certa medida aos processos políticos e sociais Período helenístico: da morte de Alexandre."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google