A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Hipertensão arterial Ana Cristina Simões e Silva Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina - Departamento de Pediatria Unidade de Nefrologia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Hipertensão arterial Ana Cristina Simões e Silva Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina - Departamento de Pediatria Unidade de Nefrologia."— Transcrição da apresentação:

1 Hipertensão arterial Ana Cristina Simões e Silva Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina - Departamento de Pediatria Unidade de Nefrologia Pediátrica Sociedade Mineira de Hipertensão abril / 2009

2 Estudos epidemiológicos Estudos epidemiológicos Estudo de St Louis, Muscatine, Dallas, Bogalusa, Estudo de St Louis, Muscatine, Dallas, Bogalusa, Pittsburgh, Houston, South Carolina, Iowa, Providence, Minnesota, NIH, NHANES; Task Force (1977, 1987, 1996, 2004); Task Force (1977, 1987, 1996, 2004); Rosner et al (1993); Rosner et al (1993); Estudos europeus, norte-americanos, nacionais. Estudos europeus, norte-americanos, nacionais. Prevalência - 1 a 5 % Prevalência - 1 a 5 % Valores de normalidade Valores de normalidade Estudos Epidemiológicos

3

4

5 A hipertensão arterial pode ser definida como uma elevação não transitória da pressão arterial acima de valores que são considerados normais conforme idade, sexo e estatura. Para que uma criança e um adolescente sejam considerados hipertensos, sua pressão arterial sistólica e/ ou diastólica deve estar acima do percentil 95 em pelo menos três medidas sucessivas, feitas pelo mesmo examinador, em visitas diferentes, utilizando equipamento e técnica adequados. Em adolescentes, valores pressóricos acima ou iguais a 120 x 80 mmHg são considerados pré-hipertensivos. Definição de Hipertensão Arterial

6 PERCENTIL < 90 PERCENTIL de 90 a 95 PERCENTIL de 95 a mmHg PERCENTIL > mmHg PRESSÃO ARTERIAL NORMAL PRÉ - HIPERTENSÃO HIPERTENSÃO ESTÁGIO 1 HIPERTENSÃO ESTÁGIO 2 Classificação da Pressão Arterial

7 Aspectos Etiopatogenéticos Origem genética da hipertensão Origem genética da hipertensão Alteração renal e hipertensão Alteração renal e hipertensão Teoria da programação fetal Teoria da programação fetal Obesidade e hipertensão Obesidade e hipertensão Sal e hipertensão Sal e hipertensão Distúrbios do sono e hipertensão Distúrbios do sono e hipertensão

8 Genética da hipertensão

9 Aspectos Etiopatogenéticos

10 AFERENTEEFERENTE Hipertensão intraglomerular Vasoconstrição + exarcebada Pressão de filtração Pressão de filtração Proteinúria Proteinúria Ativação do SRA local Agentes proinflamatórios DEPOSIÇÃO DE MATRIZ FIBROSE INTERSTICIAL GLOMERULOESCLEROSE AT1AT2 Ação antiproliferativa e anti fibrótica Hipertensão Perda da capacidade de autoregulação Ang II Simões e Silva & Pinheiro. Rev Bras Hipertens, 11(3): , 2004

11 Interação genética-ambiente-doença

12 Aspectos Etiopatogenéticos

13 Programação fetal

14

15 Aspectos Etiopatogenéticos

16 CIUR e adaptação hemodinâmica Aumento da pós carga e da pressão diastólica final de enchimento ventricular; Diminuição das complacências arterial e cardíaca; Alterações hemodinâmicas adaptativas do feto antecedem o CIUR.

17 Peso ao nascimento e sensibilidade ao sal

18 Obesidade e hipertensão

19 Torrance et al

20 Sal e hipertensão

21

22 Aspectos Etiopatogenéticos

23 Neural Pressão arterial Pressão arterial Fatores ambientais Fatores genéticos Humoral Local Órgãos efetores Débito cardíaco Resistência vascular periférica Volume sangüíneo Mecanismos de controle Simões e Silva AC. Current Pediatric Reviews. 2006; 2: Regulação da Pressão Arterial

24 Volume-dependenteRenina-dependente Por excesso de catecolaminas Por excesso de corticosteróides Insuficiência renal crônica Doenças endócrinas Hipertensão essencial Hipertensão transitória da GNDA Doenças do parênquima renal Doenças renovasculares Insuficiência renal crônica Coarctação de aorta Tumores renais FeocromocitomaNeuroblastoma Hiperplasia adrenal congênita Síndrome de Cushing Hiperaldosteronismo Fisiopatologia da Hipertensão Arterial

25 Simões e Silva AC et al.

26 A abordagem da hipertensão arterial consiste em: Estabelecer a causa da hipertensão arterial Estabelecer a causa da hipertensão arterial Avaliar acometimento de órgãos-alvo (coração, olhos, rins e SNC) Avaliar acometimento de órgãos-alvo (coração, olhos, rins e SNC) Detectar a presença de outros fatores de risco do SCV Detectar a presença de outros fatores de risco do SCV Meios utilizados: Dados de anamnese (HMA, HP e HF, hábitos) Dados de anamnese (HMA, HP e HF, hábitos) Exame físico detalhado (fundo de olho) Exame físico detalhado (fundo de olho) Exames complementares Exames complementares Abordagem da Hipertensão Arterial

27 Simões e Silva AC et al.

28 Abordagem da Hipertensão Arterial Simões e Silva AC et al.

29 Abordagem da Hipertensão Arterial Simões e Silva AC et al.

30 MedidasPrimária (n=33) Secundária (n=187) Valor de p Peso (kg) 31,83 ± 16,3223,99 ± 14,440,0052 Percentil de peso 65,53 ± 32,8938,64 ± 31,960,0003 Faixas de percentil de peso < 10: 6,06% 10-90: 60,60% > 90: 33,33% < 10: 27,27% 10-90: 63,10% >90: 9,62% 0,0004 Escore z do peso 0,62 ± 1,27- 0,54 ± 1,380,0002 Hipertensão Primária X Secundária

31 MedidasPrimáriaSecundária Valor p IMC 19,15 ± 3,2917,03 ± 2,530,0002 Percentil de IMC 70,06 ± 30,9149,57 ± 33,820,0001 Classificação de Cole para o IMC Baixo IMC: 0% Eutrófico: 58% Sobrepeso/ obesidade: 42% Baixo IMC: 10% Eutrófico: 70,50% Sobrepeso/ obesidade: 19,50% 0,0075

32 Hipertensão Primária X Secundária

33

34 Presença de sobrepeso/obesidade ao diagnóstico eleva em 3,30 vezes a chance de hipertensão primária. A ausência de sintomas eleva a chance de hipertensão primária em 18,87 vezes. História familiar positiva para hipertensão arterial eleva a chance em 3,03 vezes de hipertensão primária. A cada aumento de 0,25 mg/dl (ex: 0,25 para 0,5) na dosagem da creatinina do paciente, diminui-se em 2,69 vezes a chance de hipertensão primária.

35 Abordagem da Hipertensão Arterial

36 O tratamento da hipertensão arterial deve ser individualizado, levando em conta a etiologia e/ ou os mecanismos envolvidos no aumento da PA. Outros fatores importantes são: Níveis pressóricos ao diagnóstico Níveis pressóricos ao diagnóstico Presença ou ausência de sinais e sintomas associados Presença ou ausência de sinais e sintomas associados Idade da criança ao diagnóstico Idade da criança ao diagnóstico Se a hipertensão arterial é transitória ou persistente Se a hipertensão arterial é transitória ou persistente Presença ou ausência de acometimento de órgãos-alvo Presença ou ausência de acometimento de órgãos-alvo Forma inicial de apresentação clínica Forma inicial de apresentação clínica Suspeita clínica da etiologia da hipertensão Suspeita clínica da etiologia da hipertensão Condições sócio-econômicas e culturais do paciente, da comunidade e da instituição Condições sócio-econômicas e culturais do paciente, da comunidade e da instituição Abordagem Terapêutica

37 Redução de peso Redução de peso Atividade física Atividade física Restrição de sódio Restrição de sódio Aumento da ingestão de potássio e cálcio Aumento da ingestão de potássio e cálcio Evitar o consumo de álcool Evitar o consumo de álcool Abandonar o tabagismo Abandonar o tabagismo Controle de dislipidemias e do diabetes Controle de dislipidemias e do diabetes Evitar drogas que aumentem a PA Evitar drogas que aumentem a PA Mudança de estilo de vida

38 Tratamento farmacológico Indicações Indicações O objetivo é reduzir a PA para níveis inferiores ao percentil 95 O objetivo é reduzir a PA para níveis inferiores ao percentil 95 Deve ser utilizado o menor número de drogas possível, com Deve ser utilizado o menor número de drogas possível, com a posologia mais confortável. Drogas aceitáveis incluem: IECA, a posologia mais confortável. Drogas aceitáveis incluem: IECA, ARAT1, BCC, beta-bloqueadores e diuréticos ARAT1, BCC, beta-bloqueadores e diuréticos Quando mais de uma droga for necessária, devem ser usados Quando mais de uma droga for necessária, devem ser usados medicamentos com diferentes mecanismos de ação medicamentos com diferentes mecanismos de ação Deve-se pensar em associar outro medicamento quando a Deve-se pensar em associar outro medicamento quando a droga em uso atingir doses mais elevadas droga em uso atingir doses mais elevadas

39

40 Hipertensão primária Hipertensão secundária a doença renal

41 Indicações: Hipertensão de etiologia não definida Hipertensão de etiologia não definida Hipertensão volume-dependente Hipertensão volume-dependente Doença renovascular Doença renovascular Hipertensão pós-transplante renal Hipertensão pós-transplante renal Doença renal crônica Doença renal crônicaContra-indicações: lnsuficiência cardíaca grave lnsuficiência cardíaca grave Gravidez Gravidez Bloqueadores de canais de cálcio

42 Indicações específicas: Nefropatia diabética Nefropatia diabética Glomerulopatias Glomerulopatias Rins com cicatrizes Rins com cicatrizes Hipertensão associada a acometimento cardíaco Hipertensão associada a acometimento cardíacoContra-indicações: Estenose de artéria renal, principalmente se bilateral Estenose de artéria renal, principalmente se bilateral Gravidez Gravidez Coarctação de aorta Coarctação de aorta Bloqueadores do SRA

43 Weber KT. N Engl J Med, Vol. 345, No.23, 2001 Inibidores da ECA

44 Antagonistas de receptores AT 1 Antagonistas de receptores AT 1 Zaman MA, Oparil S, Calhoun DA. Nature, Vol.1, 2002

45

46 Simões e Silva et al. J Pediatrics 2004; 145: 93-98

47

48 Simões e Silva et al. Pediatric Research 2006; 60 (6):

49

50 A hipertensão arterial não é uma doença exclusiva de adultos, podendo ocorrer em qualquer faixa etária. A hipertensão arterial não é uma doença exclusiva de adultos, podendo ocorrer em qualquer faixa etária. É fundamental a medida da pressão arterial em crianças nas consultas pediátricas de rotina. É fundamental a medida da pressão arterial em crianças nas consultas pediátricas de rotina. A abordagem da hipertensão pediátrica sempre inclui sua confirmação, investigação diagnóstica e terapêutica de mudança de estilo de vida. A abordagem da hipertensão pediátrica sempre inclui sua confirmação, investigação diagnóstica e terapêutica de mudança de estilo de vida. Assumem grande importância as pesquisas sobre a fisiopatologia da doença e sobre novas estratégias terapêuticas. Assumem grande importância as pesquisas sobre a fisiopatologia da doença e sobre novas estratégias terapêuticas. Conclusão


Carregar ppt "Hipertensão arterial Ana Cristina Simões e Silva Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina - Departamento de Pediatria Unidade de Nefrologia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google