A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Conjuração dos Suassunas, 1801 Por Luís Gustavo Molinari Mundim Revisado por Michelle Fialho da Silva Silvia Drumond Elaine Castro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Conjuração dos Suassunas, 1801 Por Luís Gustavo Molinari Mundim Revisado por Michelle Fialho da Silva Silvia Drumond Elaine Castro."— Transcrição da apresentação:

1 Conjuração dos Suassunas, 1801 Por Luís Gustavo Molinari Mundim Revisado por Michelle Fialho da Silva Silvia Drumond Elaine Castro

2 A denúncia A conjuração foi denunciada em 1801, em Pernambuco. Foram denunciados três irmãos da importante família Cavalcante de Albuquerque, mais conhecidos como os Suassunas.

3 Os irmãos denunciados: Francisco de Paula Cavalcante de Albuquerque Luis Cavalcante de Albuquerque José Francisco de Paula Cavalcante de Albuquerque

4 Declarações feitas pelo comerciante José da Fonseca Silva e Sampaio, na denúncia apresentada em 21 de maio de 1801 a um juiz de Olinda: - Sr. Antônio Manoel Galvão [Juiz de Olinda]: Francisco de Paula Cavalcante de Albuquerque leu para mim uma carta de seu irmão José, que reside em Lisboa, com notícias políticas da Europa, perguntando a ele [Francisco] sobre aqueles que pudessem entrar nos nossos projetos. - Depois, o mesmo Francisco de Paula leu outra carta, em que o seu irmão [Luís] repetia as idéias revolucionárias, acrescentando, após a leitura, que era preciso procurar a liberdade.

5 A fala do denunciante faz referência à idéias de revolução e de liberdade que vinham da Europa e que faziam parte do discurso dos irmãos Cavalcanti. Reflita: O que estava ocorrendo no continente europeu naquele momento???? Atividade Dica

6 O Contexto Europeu Em 1789, eclodiu a Revolução Francesa, que marcou a decadência do Antigo Regime e irradiou ideais de liberdade por muito tempo. Por que esse evento foi tão significativo? Porque, com esta revolução, a França se viu livre da dominação portuguesa. Porque representou a queda da monarquia absolutista na França, através de um movimento popular. Porque o movimento reforçou o poder da monarquia, e esta concedeu maior liberdade ao seus súditos.

7 Em 1789 eclodiu a Revolução Francesa, que marcou a decadência do Antigo Regime e irradiou ideais de liberdade por muito tempo. Por que esse evento foi tão significativo? O Contexto Europeu ERRADO! A França nunca foi dominada por Portugal. Tente outra vez! Porque com esta revolução, a França se viu livre da dominação portuguesa. Porque representou a queda da monarquia absolutista na França através de um movimento popular. Porque o movimento reforçou o poder da monarquia, e esta, concedeu maior liberdade ao seus súditos.

8 Em 1789 eclodiu a Revolução Francesa, que marcou a decadência do Antigo Regime e irradiou ideais de liberdade por muito tempo. Por que esse evento foi tão significativo? O Contexto Europeu ERRADO! A Revolução fez exatamente o contrário ao contribuir para enfraquecer a imagem e o poder da monarquia. Porque com esta revolução, a França se viu livre da dominação portuguesa. Porque representou a queda da monarquia absolutista na França através de um movimento revolucionário. Porque o movimento reforçou o poder da monarquia, e esta, concedeu maior liberdade ao seus súditos.

9 O Contexto Europeu Porque com esta revolução, a França se viu livre da dominação portuguesa. Porque representou a queda da monarquia absolutista na França através de um movimento popular. Porque o movimento reforçou o poder da monarquia, e esta, concedeu maior liberdade ao seus súditos. Em 1789 eclodiu a Revolução Francesa, que marcou a decadência do Antigo Regime e irradiou ideais de liberdade por muito tempo. Por que esse evento foi tão significativo? CORRETO! A Revolução Francesa tornou-se significativa, entre outros motivos, por ter representado uma ameaça ao poder dos reis sobre seus súditos ao ter propagado os ideais de Fraternidade, Igualdade e Liberdade.

10 Atividade: Baseado na questão anterior e nas declarações de José da Fonseca, responda: declarações de José da Fonseca O que havia de comprometedor na carta de José Cavalcanti, lida por seu irmão, Francisco de Paula?

11 Leia atentamente as frases atribuídas aos Suassunas antes e depois das denúncias. Atividade

12 Francisco de Paula Cavalcante de Alburqueque Pronto já rasquei a segunda carta, agora cabe a mim queimar a primeira. Na Europa a chama da liberdade arde com intensidade, cabe a nós experimentarmos um pouco dessas idéias.

13 José Francisco de Paula Cavalcante de Albuquerque Será que este país podia para o futuro ser livre?

14 Agora responda: Quais eram as idéias defendidas pelos irmãos? Qual foi a atitude tomada por um deles, após as denúncias?

15 A Devassa Da devassa que se seguiu nada resultou, concluindo os sindicantes, em 8 de junho de 1801, que, tendo ouvido de 21 a 27 de maio passado mais de oitenta testemunhas, maiores de toda a exceção e da maior amizade com os denunciados, destas não só não tem resultado prova alguma contra os mesmos, mas quase todas a uma voz os abonam de fiéis e religiosos vassalos. Por conseguinte, das perguntas e acareações anexas à devassa não resultou prova alguma; de maneira, a que aparece contra os denunciados é a que resulta de denúncia que parece verossímil, já pelo comportamento do denunciante, já pela amizade com os denunciados. Texto adaptado

16 Figura: Retrato de Azeredo Coutinho, de Henrique José da Silva e Domingos José da Silva, 1816 O Bispo Azeredo Coutinho era membro da Junta Governativa que governava Pernambuco quando do recebimento da denúncia contra os Suassunas. A Junta decidiu pela prisão de ambos (Francisco e Luís Cavalcante).

17 O Destino dos Irmãos Em 1804, Francisco tornou-se capitão de ordenanças da freguesia de Jaboatão e cavaleiro da Ordem de Cristo, pela contribuição de cinco contos de réis para as despesas extraordinárias da Coroa. Em 1805, assumiu o cargo de capitão-mor de Olinda e, três anos depois, foi elevado a fidalgo cavaleiro da Casa Real. Seu irmão José, cujas cartas de Portugal tinham motivado a denúncia, continuou na metrópole, aparentemente seguindo uma carreira administrativa e, em 1817, o alçara ao posto de governador em Moçambique, onde morreu por essa mesma época. Francisco e Luís envolveram-se na Revolta de Pernambuco em 1817, na qual Luís perdeu a vida. Francisco de Paula foi preso e condenado ao cárcere na Bahia, morrendo logo depois de libertado em 1821.

18 Para o historiador José Honório Rodrigues, a conspiração: Foi um pensamento sem ação, e como tal pertence à história das idéias formadoras da consciência nacional. Não passou do plano das idéias, não se concretizando em atos de rebeldia.

19 Para refletir e redigir um texto: Você considera a Conjuração dos Suassuanas irrelevante ou relevante? Pense: a)Nas idéias associadas à Conjuração. b)Há alguma idéia que possa ser associada verdadeiramente à consciência nacional brasileira. c)Se ela implicou um movimento organizado e armado contra a Coroa. d)No envolvimento posterior, em 1817, dos irmãos Francisco e Luís Cavalcanti na Revolução Pernambucana.

20 Declarações feitas pelo comerciante José da Fonseca Silva e Sampaio, na denúncia apresentada em 21 de maio de 1801 a um juiz de Olinda: - Sr. Antônio Manoel Galvão [Juiz de Olinda]: Francisco de Paula Cavalcante de Albuquerque, leu para mim uma carta de seu irmão José, que reside em Lisboa, com notícias políticas da Europa, perguntando a ele [Francisco] sobre aqueles que pudessem entrar nos nossos projetos. - Depois, o mesmo Francisco de Paula leu outra carta, em que o seu irmão [Luís] repetia as idéias revolucionárias, acrescentando, após a leitura, que era preciso procurar a liberdade. Voltar para atividadea


Carregar ppt "Conjuração dos Suassunas, 1801 Por Luís Gustavo Molinari Mundim Revisado por Michelle Fialho da Silva Silvia Drumond Elaine Castro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google