A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DESENHO APLICADO 2 Prof. GRAZIELLI BRUNO BELLORIO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DESENHO APLICADO 2 Prof. GRAZIELLI BRUNO BELLORIO."— Transcrição da apresentação:

1 DESENHO APLICADO 2 Prof. GRAZIELLI BRUNO BELLORIO

2 Escada é uma circulação vertical que tem como função vencer os desníveis em geral e/ou entre pavimentos consecutivos, possibilitando o livre acesso e circulação entre estes. È o tipo mais comum de circulação vertical, por ser mais compacta que a rampa e mais econômica que o elevador. Apesar da simplicidade de execução, deve ser calculada de modo adequado a fim de propiciar o maior conforto possível ao usuário.

3 TIPOS DE ESCADAS

4

5 ELEMENTOS DA ESCADA Uma escada não pode ser colocada arbitrariamente. Se o espelho tiver mais de 18 cm a escada torna-se cansativa. E se os espelhos forem variáveis quebra- se o ritmo. Se o piso do degrau é menor que 25 cm, o pé não encontra apoio e pode provocar quedas. Se é maior dificulta as passadas.

6 FORMAS DOS DEGRAUS As formas dos degraus podem variar bastante, assim como o material que é construído a escada, desde que se garanta sua estabilidade, conforto e segurança.

7 NORMAS As escadas de uso comum ou coletivo deverão ter largura suficiente para proporcionar o escoamento do número de pessoas que dela dependem. A largura mínima das escadas de uso comum ou coletivo será de 1,10 m (um metro e dez centímetros) e não inferior às portas e corredores As escadas de uso privativo ou restrito ao compartimento, ambiente ou local, poderão ter largura mínima de 0,80 m (oitenta centímetros). As escadas deverão oferecer passagem com altura mínima nunca inferior a 2,00 m (dois metros). 0,60m – para uma só pessoa. Recomenda-se, se possível fazer com 0,80m ou 0,90m. 1,20m – para duas pessoas 1,80 – para três pessoas.

8 CÁLCULO DOS DEGRAUS O cálculo é realizado baseado na fórmula de BLONDEL, e os limites mínimos e máximos de espelho e piso são definidos pela legislação de edificações FÓRMULA DE BLONDEL. 2 e + p = 63 ou 64 Onde: e = espelho p = piso

9 CÁLCULO DOS DEGRAUS A quantidade de espelhos (n) é calculada em função do desnível entre os pavimentos a serem ligados pela escada. n = desnível e Onde: n = número de espelhos e = espelho

10 CÁLCULO DOS DEGRAUS ALTURA LIVRE Nos projetos de escada é necessário examinar a altura livre de passagem. Trata- se da distância, medida na vertical, entre o piso do degrau e o teto. Ou seja, a laje intermediária entre um pavimento e o outro. Esta altura nunca deve ser inferior a 2,00 m (dois metros).

11 EXEMPLO Desnível = 2,90 m e = 16 cm (valor arbitrário) Calcular as dimensões de uma escada para cobrir um desnível de 2,90m. 2 e + p = 64 2 x 16 + p = p = 64 p = 64 – 32 p = 32 Número de espelhos n = desnível e n = n = 18,125

12 EXEMPLO Calcular as dimensões de uma escada para cobrir um desnível de 2,90m. Número de espelhos (n) = 18,125 O NÚMERO DE ESPELHOS NÃO PODE SER QUEBRADO Adotamos 18 para o número de espelhos e calculamos a altura do espelho (e): e = desnível n e = e = 16,11 cm

13 DESENHO DA ESCADA Planta Baixa – Pavimento Inferior

14 DESENHO DA ESCADA Planta Baixa – Pavimento Superior

15 DESENHO DA ESCADA Planta Baixa – Corte

16


Carregar ppt "DESENHO APLICADO 2 Prof. GRAZIELLI BRUNO BELLORIO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google