A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sistemas de Administração da Produção - Turma: A01 Unidade III Prof. Paulo Henrique B. Florencio

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sistemas de Administração da Produção - Turma: A01 Unidade III Prof. Paulo Henrique B. Florencio"— Transcrição da apresentação:

1 Sistemas de Administração da Produção - Turma: A01 Unidade III Prof. Paulo Henrique B. Florencio

2 Sistemas de Administração da Produção PMP – Plano Mestre de Produção

3 Sistemas de Administração da Produção Planejar é projetar o futuro diferentemente do passado, por causas sob nosso controle. Planejar é entender como a consideração conjunta da situação presente e da visão de futuro influencia as decisões tomadas no presente para que se atinjam determinados objetivos no futuro. A necessidade do planejamento deriva diretamente do tempo que necessariamente decorre desde que se toma determinada decisão até que ela tome efeito. O processo de planejamento é continuado; Em cada momento, deve-se ter a noção da situação presente, a visão de futuro, os objetivos pretendidos e o entendimento de como esses elementos afetam as decisões que se devem tomar hoje;

4 Sistemas de Administração da Produção Os horizontes de planejamento devem ser coerentes com as inércias das decisões envolvidas; A visão do futuro de que o processo necessita deve incluir diversos sub-horizontes; ABCABC Curto prazo Médio prazo Longo prazo decisõesEfeitos da decisão A Efeitos da decisão B Efeitos da decisão C tempo hoje Horizontes de planejamento

5 Sistemas de Administração da Produção Fonte: Tubino (2000) PrazosAtividadesObjetivos Longo Prazo Plano de Produção (Estratégico) Previsão de Vendas de Longo Prazo Previsão de Capacidade de Produção Médio Prazo Curto Prazo Plano Mestre (Tático) Programação (Operacional) Previsão de Vendas de Médio Prazo Pedidos em Carteira Vendas Planejamento da Capacidade Produção

6 Sistemas de Administração da Produção Compras Pedidos de Compras Planejamento Agregado da Produção Plano de Produção Planejamento-mestre da Produção Plano-mestre de Produção Programação da Produção Administração dos Estoques Seqüenciamento Emissão e Liberação Ordens de Compras Ordens de Fabricação Ordens de Montagem Fabricação e MontagemEstoques Clientes Marketing Engenharia Fornecedores Acompanhamento e Controle da Produção Previsão de Vendas Pedidos em Carteira Estrutura do Produto Roteiro de Fabricação Avaliação de Desempenho

7 Sistemas de Administração da Produção Planejamento mestre da produção: Estabelecer um plano mestre da produção (PMP) de produtos finais, detalhado a médio prazo, período a período, a partir do plano de produção; O PMP é baseado nas previsões de vendas a médio prazo e nos pedidos em carteira; Com base no PMP, o sistema produtivo assume compromissos de fabricação e montagem dos bens ou serviços

8 Plano-Mestre de Produção - PMP Funções : Desmembrar os planos estratégicos de longo prazo em planos específicos de produtos acabados para o médio prazo; Direcionar as etapas de programação e execução das atividades operacionais da empresa (montagem, fabricação e compras); Como resultado do planejamento mestre da produção tem-se o Plano-Mestre de Produção (PMP).

9 Plano-Mestre de Produção - PMP Plano agregado de produção Planejamento mestre da produção PMP inicial PMP final Programação da produção viável sim não

10 Plano-Mestre de Produção - PMP PMP diferencia do plano agregado de produção sob dois aspectos: Nível de agregação dos produtos: família de produtos no plano agregado e produtos individuais no PMP; Unidade de tempo analisada: longo prazo no plano agregado (meses, trimestres e anos) e semanas, quinzenas e às vezes meses no PMP.

11 Plano-Mestre de Produção - PMP Elaboração do Plano-Mestre de Produção Itens que entram no PMP: Algumas situações exigem um estudo mais detalhado em função do número de produtos acabados planejados (produtos que derivam de combinações de opções). A solução seria elaborar um PMP para cada opção de componente e não para cada produto acabado. Na estrutura do produto, deve ser guardado o percentual da demanda do produto acabado para cada opção de componentes que compõem esse produto.

12 Plano-Mestre de Produção - PMP Arquivo do plano-mestre de produção: Demanda prevista e real; Recebimentos programados; Estoques em mãos e projetados; Necessidade prevista de produção do item.

13 Plano-Mestre de Produção - PMP Itens que entram no PMP: Produto Acabado Componente A Componente B Componente C Opção 1 (0,1) Opção 2 (0,4) Opção 3 (0,5) Opção 1 (0,2) Opção 2 (0,6) Opção 3 (0,2) Opção 1 (0,7) Opção 2 (0,3) Demanda = 500 D = 50 D = 200 D = 250 D = 350 D = 150 D = 100 D = 300 D = 100

14 Plano-Mestre de Produção - PMP O PMP trabalha com a variável tempo em duas dimensões: Unidade de tempo para cada intervalo do plano – depende da velocidade de fabricação do produto; Horizonte que o plano deve abranger sua análise – o PMP é desmembrado em dois níveis de horizontes: firme: horizonte curto e base para a programação da produção e ocupação dos recursos produtivos Flexível - sujeito a alterações: horizonte longo e base para o planejamento da capacidade de produção e negociações com os diversos setores envolvidos. A parte firme do plano deve abranger no mínimo o tempo do caminho crítico da produção do lote do item que se está planejando

15 Plano-Mestre de Produção - PMP Análise da capacidade de produção no PMP Identificar os recursos a serem incluídos na análise (pode- se considerar apenas os recursos críticos); Obter o padrão de consumo da variável que se pretende analisar de cada PA incluído no PMP para cada recurso; Multiplicar o padrão de consumo de cada produto para cada recurso pela quantidade de produção em cada período prevista no PMP; Consolidar as necessidades de capacidade para cada recurso.

16 Plano-Mestre de Produção - PMP Considerar que este produto é produzido em lotes de 100 unidades. Estoque inicial de 5 unidades e produção programada no clico anterior de 100 unidades. ARQUIVO do PMPJULHOAGOSTO Semanas Demanda Prevista Demanda Confirmada Estoque Inicial 5 Recebimentos programados 100 Estoques Projetados PMP Fonte: Tubino, 1997, pág; 90. Est. Proj t = Estoque inicial+ Rec.prog t – (maior demanda) + (PMP – se necessário)

17 Plano-Mestre de Produção - PMP Considerar que este produto é produzido em lotes de 100 unidades. Estoque inicial de 5 unidades e produção programada no clico anterior de 100 unidades. ARQUIVO do PMPJULHOAGOSTO Semanas Demanda Prevista Demanda Confirmada Estoque Inicial 550 Recebimentos programados 100 Estoques Projetados 50 PMP Fonte: Tubino, 1997, pág; 90. Est. Proj t = Estoque inicial+ Rec.prog t – (maior demanda) + (PMP – se necessário)

18 Plano-Mestre de Produção - PMP Considerar que este produto é produzido em lotes de 100 unidades. Estoque inicial de 5 unidades e produção programada no clico anterior de 100 unidades. ARQUIVO do PMPJULHOAGOSTO Semanas Demanda Prevista Demanda Confirmada Estoque Inicial Recebimentos programados 100 Estoques Projetados PMP 100 Fonte: Tubino, 1997, pág; 90. Est. Proj t = Estoque inicial+ Rec.prog t – (maior demanda) + (PMP – se necessário)

19 Plano-Mestre de Produção - PMP Considerar que este produto é produzido em lotes de 100 unidades. Estoque inicial de 5 unidades e produção programada no clico anterior de 100 unidades. Fonte: Tubino, 1997, pág; 90. Est. Proj t = Estoque inicial+ Rec.prog t – (maior demanda) + (PMP – se necessário) ARQUIVO do PMPJULHOAGOSTO Semanas Demanda Prevista Demanda Confirmada Estoque Inicial Recebimentos programados 100 Estoques Projetados PMP 100

20 Plano-Mestre de Produção - PMP Considerar que este produto é produzido em lotes de 100 unidades. Estoque inicial de 5 unidades e produção programada no clico anterior de 100 unidades. Fonte: Tubino, 1997, pág; 90. Est. Proj t = Estoque inicial+ Rec.prog t – (maior demanda) + (PMP – se necessário) ARQUIVO do PMPJULHOAGOSTO Semanas Demanda Prevista Demanda Confirmada Estoque Inicial Recebimentos programados 100 Estoques Projetados PMP

21 Plano-Mestre de Produção - PMP Considerar que este produto é produzido em lotes de 100 unidades. Estoque inicial de 5 unidades e produção programada no ciclo anterior de 100 unidades e estoque segurança 50 unidades. PMP com estoque mínimo. ARQUIVO do PMPJULHOAGOSTO Semanas Demanda Prevista Demanda Confirmada Recebimentos programados 100 Estoques Projetados PMP Est. Proj t = est. inicial+ Rec.prog t – (maior demanda) + (PMP – se necessário) OBS.: Considerar neste caso o estoque de segurança.

22 Plano-Mestre de Produção - PMP Considerar que este produto é produzido em lotes de 100 unidades. Estoque inicial de 5 unidades e produção programada no ciclo anterior de 100 unidades e estoque segurança 50 unidades. PMP com estoque mínimo. Est. Proj t = est. inicial+ Rec.prog t – (maior demanda) + (PMP – se necessário) OBS.: Considerar neste caso o estoque de segurança. ARQUIVO do PMPJULHOAGOSTO Semanas Demanda Prevista Demanda Confirmada Recebimentos programados 100 Estoques Projetados PMP 100

23 Plano-Mestre de Produção - PMP Considerar que este produto tem previsão de demanda semanal de 10 unidades. Estoque de segurança 2 unidades. Itens sob encomenda ARQUIVO do PMPJULHOAGOSTO Semanas Demanda Prevista 10 Demanda Programada Estoque Inicial2 Recebimentos programados Estoques Projetados PMP Disponibilidade de entrega1 Est. Proj t = est. inicial+ Rec.prog t – (maior demanda) + (PMP – se necessário)

24 Plano-Mestre de Produção - PMP Considerar que este produto tem previsão de demanda semanal de 10 unidades. Estoque de segurança 2 unidades. Itens sob encomenda Est. Proj t = est. inicial+ Rec.prog t – (maior demanda) + (PMP – se necessário) ARQUIVO do PMPJULHOAGOSTO Semanas Demanda Prevista 10 Demanda Programada Estoque Inicial Recebimentos programados Estoques Projetados PMP10 Disponibilidade de entrega157910

25 Plano-Mestre de Produção - PMP Lotes variáveis de acordo com a demanda, e estoques produzidos podendo ir a zero. Est. Proj t = est. inicial+ Rec.prog t – (maior demanda) + (PMP – se necessário)

26 Plano-Mestre de Produção - PMP Lotes variáveis de acordo com a demanda, e estoques produzidos podendo ir a zero. Est. Proj t = est. inicial+ Rec.prog t – (maior demanda) + (PMP – se necessário)

27 Plano-Mestre de Produção - PMP Plano Mestre de Produção Longo Prazo Médio Prazo Curto Prazo Plano Agregado Programação da Produção Administração de estoques Seqüenciamento Emissão de ordens Ordens de Compras Ordens de Fabricação Ordens de Montagem

28 Programação da Produção Atividades da programação da produção no sistema de empurrar: A administração de estoques está encarregada de planejar e controlar os estoques definindo os tamanhos dos lotes, a forma de reposição e os estoques de segurança do sistema. O sequenciamento busca gerar um programa de produção que utilize inteligentemente os recursos disponíveis, promovendo produtos com qualidade e custos baixos. A emissão e liberação de ordens implementa o programa de produção, emitindo a documentação necessária para o início das operações (compra, fabricação e montagem) e liberando-a quando os recursos estiverem disponíveis.

29 Programação da Produção A emissão das ordens pode ser feita diretamente no momento em que está se desmembrando, ou explodindo, o PMP, ou ainda, pode-se empregar o PMP para setar os parâmetros do modelo de controle de estoques, e deixar a cargo do mesmo a determinação do momento de se emitir as ordens. Já no sistema de puxar a produção as atividades de programação da produção (administração de estoques, sequenciamento e emissão de ordens) são operacionalizadas pelo emprego do sistema kanban.

30 Programação Empurrada x Puxada Previsão da Demanda Planejamento-mestre da Produção - PMP Planejamento das Necessidades de Materiais - MRP Programação Empurrada Programação Puxada Programação da Produção

31 Planejamento das Necessidades de Materiais MRP (Material Requirements Planning) foi desenvolvido na década de 60 para exercer as funções de programação da produção com objetivo de aproveitar a capacidade de armazenagem e de processamento de dados (demanda, produção, estoques, estrutura de produtos, etc.), que surgiu com a introdução da informática nas empresas Na medida em que os recursos computacionais evoluíam, desdobramentos acrescentados às rotinas básicas do MRP, nos anos 80, levaram a ampliação de funções do sistema para as demais áreas da empresa (engenharia, marketing, finanças, recursos humanos, etc.), gerando sistemas de informações gerenciais (SIG) amplos, chamados de MRP-II (Manufacturing Resource Planning, ou planejamento dos recursos de manufatura) Mais recentemente, no final do século passado, com revoluções tanto nos equipamentos (troca de grandes computadores centralizados por redes de micro computadores interligados) como na forma de comunicação (internet, redes sem fios, VOIP, etc), os sistemas de informações gerenciais foram remodelados para absorver essas novas tecnologias e passaram a ser chamados de ERP (Enterprise Resource Planning, ou planejamento dos recursos da empresa ou negócios) Programação da Produção

32 O modelo de controle de estoques pelo MRP considera a dependência da demanda que existe entre itens componentes de produtos acabados no tempo Partindo-se das quantidades de produtos acabados a serem produzidas período a período, determinadas no plano-mestre, o sistema passa a calcular as necessidades brutas dos demais itens dependentes de acordo com a estrutura (ou árvore) do produto e o roteiro de fabricação e compras Começa-se pelos componentes de nível superior e se desce de nível até chegar às matérias-primas Programação da Produção

33

34 Lapiseira P207 Miolo Grafite Miolo interno Garras Suporte da garra 4x 3x Programação da Produção

35 Planejamento das Necessidades de Materiais Como para a liberação dessas ordens de reposição há necessidade de se empregar os itens de nível imediatamente inferior, gera-se então as demandas dependentes desses itens, ou seja, suas necessidades brutas Agindo assim, o sistema obtém às necessidades de liberação de ordens, período a período, de todos os itens componentes do produto acabado que estejam sendo controlados pelo MRP Com um sistema computacional que faça todos estes cálculos rapidamente, não há necessidade de emitir todas as ordens planejadas ao mesmo tempo, pois alguns eventos futuros poderão atuar sobre a demanda, a produção e os estoques dos itens, alterando suas necessidades Libera-se para a etapa seguinte de programação (sequenciamento, emissão do documento e liberação para a fábrica) apenas as ordens que não apresentarem mais folga nos seus tempos de ressuprimento, ou seja, que entrarem no chamado momento de ação As ordens a serem liberadas nos períodos futuros serão utilizadas para o planejamento e ajustes de médio prazo do sistema produtivo Programação da Produção

36 Sequenciamento e Emissão de Ordens Escolhida uma sistemática de administração dos estoques, serão geradas, de forma direta ou indireta, as necessidades de compras, fabricação e montagem dos itens para atender ao PMP. Programação da Produção

37 Exemplo: Admitindo-se um produto acabado que tenha sua estrutura conforme a figura abaixo, planejar seus componentes segundo a lógica do MRP com auxílio dos registros de controle de cada item, para o PMP da tabela abaixo. Resposta no Excel

38 Programação da Produção Próxima terça-feira não teremos aula presencial EXERCÍCIO: Pegar um produto que você possua, separa-lo em partes, verificar quais as partes são dependentes de quais, qual a quantidade necessária, criar uma demanda prevista para 8 períodos, demanda confirmada para 3 períodos (decrescente) e montar a árvore do produto, o PMP e a programação da produção. ANEXAR FOTO DO PRODUTO

39 O MRP II é uma extensão do MRP com a inclusão de recursos como: - Mão de Obra - Equipamentos - Instalações e etc. MRP II Posso dizer que a letra D refere-se a mão de obra necessária a montagem do produto D. Unidade de Tempo / Unidade / Homem ou Máquina

40 Sequenciamento e Emissão de Ordens Admitindo-se que um produto é montado em uma linha que trabalha 480 minutos por dia (8 horas) a partir de seis operações sequenciais, com os seguintes tempos unitários, com um demanda esperada de 240 unidades por dia: Operação 1 Operação 2 Operação 3 Operação 4 Operação 5 Operação 6 0,8 min. 1,0 min. 0,5 min. 1,0 min. 0,5 min. 0,7 min.

41 Sequenciamento e Emissão de Ordens Definição da quantidade de postos de trabalho. Operação 1 Operação 2 Operação 3 Operação 4 Operação 5 Operação 6 0,8 min. 1,0 min. 0,5 min. 1,0 min. 0,5 min. 0,7 min.

42 Exercício: Operação 1Operação 2Operação 3Operação 4Operação 5Operação 6Operação 7Operação 8Operação 9 3,43,13,23,53,73,94,03,84,6 Admitindo-se que um produto é montado em uma linha que trabalha 510 minutos por dia (8,5 horas), a partir de 9 operações sequenciais, com os seguintes tempos unitários: Quais são os limites inferior e superior da capacidade de produção dessa linha? Qual o tempo de ciclo para uma demanda esperada de 70 unidades por dia? Qual o número mínimo de postos de trabalho na linha para atender a este tempo de ciclo? Estabeleça estes postos para cada operador e calcule o índice de eficiência dessa solução.

43 Operação 1Operação 2Operação 3Operação 4Operação 5Operação 6 7,86,95,57,38,05,6 Admitindo-se que um produto é montado em uma linha que trabalha 480 minutos por dia (8 horas), a partir de 6 operações seqüenciais, com os seguintes tempos unitários: Quais são os limites inferior e superior da capacidade de produção dessa linha? Qual o tempo de ciclo para uma demanda esperada de 37 unidades? Qual o número mínimo de postos de trabalho na linha para atender a este tempo de ciclo? Estabeleça estes postos para cada operador e calcule o índice de eficiência dessa solução. Exercício:

44 Exemplo de Exercícios Página 382 do livro do Petrônio


Carregar ppt "Sistemas de Administração da Produção - Turma: A01 Unidade III Prof. Paulo Henrique B. Florencio"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google