A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Traumato-Ortopedia e Reumatologia Disfunções Temporomandibulares.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Traumato-Ortopedia e Reumatologia Disfunções Temporomandibulares."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Traumato-Ortopedia e Reumatologia Disfunções Temporomandibulares

2 A fisioterapia compreende o diagnóstico e o tratamento da disfunção do movimento e o aprimoramento das capacidades físicas e funcionais; restauração, manutenção e promoção de uma função física ótima, de aptidão e bem estar ótimos e de uma qualidade de vida ótima no que se relaciona ao movimento e à saúde; e prevenção do início dos sintomas e da progressão das deficiências, das limitações funcionais e das incapacidades que podem resultar das doenças, distúrbios, afecções ou lesões (traumatismos). Guide to Physical Terapist Pratice (Guia para o Exercício do Fisioterapeuta) HALL & BRODY, 2007 Fisioterapia

3 É a assistência e os serviços prestados por um fisioterapeuta ou sob sua supervisão, inclui: 1. Examinar os pacientes com deficiências, limitações funcionais e incapacidades ou outras condições relacionadas à saúde, afim de determinar um diagnóstico, um prognóstico e uma intervenção : -Exame músculo-esquelético (ADM, desempenho muscular, mobilidade articular, postura) -Exame neuromuscular (integridade reflexa e dos n. cranianos, desen. neuromotor, integração sensorial) -Exame cardiovasculares/ pulmonares (capacidade aeróbica/ endurance, ventilação e respiração, circulação) -Exame Tegumentar (integridade cutânea) Fisioterapia

4 2. Combater as deficiências e as limitações funcionais por meio da elaboração, da implementação e da modificação das intervenções terapêuticas: -Exercícios terapêuticos -Técnicas de terapia manual -Prescrição, fabricação e aplicação de dispositivos e equipamentos de assistência, de adaptação, de apoio e de proteção -Técnicas de limpeza de vias aéreas -Agentes físicos e modalidades mecânicas e eletroterapêuticas -Treinamento funcional em auto-assistência, gerenciamento da lar e atividades no trabalho, na comunidade e no lazer. Fisioterapia

5 3. Prevenir as lesões, as deficiências, as limitações funcionais e as incapacidades, incluindo a promoção e a manutenção de aptidão, saúde e qualidade de vida nas populações de todas as idades. 4. Participar de consultas (pareceres), educação e pesquisa. APTA (American Physical Therapy Association), 1995 Fisioterapia

6 Os fisioterapeutas preocupam-se em utilizar o conhecimento e as habilidades clínicas para prevenir, reduzir ou eliminar a deficiência, a limitação funcional e a incapacidade e permitir que os indivíduos que procuram seus serviços alcancem a melhor qualidade de vida possível. (HALL & BRODY, 1997) Fisioterapia

7 Um programa de exercícios terapêuticos elaborado de forma individualizada é quase sempre o componente fundamental dos serviços de fisioterapia. A meta final de um programa é atingir o nível máximo de movimento assintomático durante atividades físicas básicas e complexas. (KISNER & COLBY, 2009) O exercício terapêutico é considerado um elemento central na maioria dos planos de assistência de fisioterapia. (HALL & BRODY, 2007) Fisioterapia

8 É o treinamento planejado e sistemático de movimentos corporais, posturas ou atividades físicas com o objetivo de proporcionar ao paciente/ cliente: Tratar ou prevenir comprometimentos Melhorar, restaurar ou potencializar a função física Prevenir ou reduzir fatores de risco ligados à saúde Otimizar o estado de saúde geral, seu preparo físico ou sensação de bem estar KISNER & COLBY, 2009 Exercício Terapêutico Cinesioterapia

9 Trata-se da realização ou execução sistemática de movimentos físicos planejados, posturas ou atividades destinadas a permitir ao paciente/ cliente: Corrigir ou prevenir as deficiências Aprimorar a função Reduzir o risco Otimizar a saúde global Melhorar a aptidão e o bem-estar (HALL & BRODY, 2007) Exercício Terapêutico Cinesioterapia

10 Pacientes- são pessoas com deficiências ou limitações funcionais diagnosticadas. Clientes- são pessoas que não foram diagnosticadas necessariamente com deficiências ou limitações funcionais, mas que estão procurando o serviço de fisioterapia para prevenção e promoção de saúde. Exercícios Terapêuticos Cinesioterapia

11 Condicionamento e recondicionamento aeróbico e de endurance Treinamento de equilíbrio, coordenação e agilidade Treinamento da mecânica corporal e da percepção da postura Alongamento muscular Técnicas de amplitude de movimento Treinamento da marcha e da locomoção Treinamento dos padrões de movimento Treinamento de força, potência e endurance (HALL & BRODY, 2007) Exercícios Terapêuticos Cinesioterapia

12 Equilíbrio Preparo cardiopulmonar Coordenação Flexibilidade Mobilidade Desempenho muscular Controle neuromuscular Controle postural, estabilidade postural e equilíbrio Estabilidade Aspectos da Função Física

13 Habilidade de alinhar os segmentos corpóreos contra a gravidade para manter ou movimentar o corpo (centro de massa) dentro da base de apoio disponível, sem cair. Habilidade de mover o corpo em contraposição à força da gravidade, realizando o deslocamento previsto sem desvios, por meio de interações entre os sistemas sensorial e motor. Equilíbrio

14 Habilidade de realizar movimentos corporais completos repetitivos e de baixa intensidade (caminhar, correr, pedalar, nadar) durante um longo período de tempo, sinônimo de resistência cardiopulmonar à fadiga. Preparo Cardiopulmonar

15 A cadência e sequenciamento correto dos disparos musculares combinados com a intensidade apropriada de contração muscular que leva ao início, condução e graduação efetiva do movimento. Baseia- se no movimento suave, preciso e eficiente e ocorre de forma consciente ou inconsciente. Coordenação

16 Habilidade de mover-se livremente, sem restrições; termo usado com o mesmo sentido de mobilidade. Flexibilidade

17 Habilidade de estruturas ou segmentos do corpo se moverem ou serem movidos de modo a permitir a ocorrência de adequada amplitude de movimento (ADM) para as atividades funcionais (ADM funcional). A mobilidade passiva depende da extensibilidade dos tecidos moles (contráteis e não contráteis); a mobilidade ativa requer também ativação neuromuscular. Mobilidade

18 Capacidade do músculo de produzir tensão e realizar trabalho físico. O desempenho muscular engloba força, potência e resistência muscular à fadiga. Desempenho Muscular

19 Interação dos sistemas sensorial e motor que possibilita aos músculos sinergistas, agonistas e antagonistas, assim como os estabilizadores e neutralizadores, prever ou responder às informações proprioceptivas e cinestésicas e, subsequentemente, trabalhar na sequência correta para criar o movimento coordenado. Controle Neuromuscular

20 Termos usado com o mesmo sentido de equilíbrio estático ou dinâmico. Controle Postural, Estabilidade Postural e Equilíbrio

21 Habilidade do sistema neuromuscular de manter um segmento corporal proximal ou distal em uma posição estacionária ou de controlar uma base estável durante o movimento sobreposto, por meio de ações musculares sinérgicas. A estabilidade articular é a manutenção do alinhamento apropriado das partes ósseas de uma articulação por meio de componentes passivos e dinâmicos. Estabilidade

22 Conclusão Os sistemas corpóreos que controlam cada um dos aspectos da função física anteriormente citados, reagem, adaptam-se e desenvolvem-se em resposta às forças e sobrecargas físicas (sobrecarga= F/A) impostas aos tecidos constituintes dos sistemas Ex: gravidade.

23 Forças adicionais, que ocorrem durante atividades físicas diárias ajudam o corpo a manter um nível funcional de força, preparo cardiopulmonar e mobilidade. Forças e cargas físicas excessivas podem causar lesões agudas, como entorses e fraturas ou problemas crônicos, como os distúrbios por sobrecarga repetitiva. A ausência de forças usuais sobre o corpo pode causar degeneração, degradação ou deformidade. A ausência do apoio de peso normal, associado com repouso prolongado enfraquece músculos e ossos e à diminuição da eficiência do sistema cardiopulmonar. Conclusão

24 HALL, C.M. ; BRODY, L.T. Exercício Terapêutico: na busca da função. 2ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, KISNER, C.; COLBY, L.A. Exercícios Terapêuticos: fundamentos e técnicas. 5ª ed. Barueri-SP: Manole, Bibliografia

25


Carregar ppt "Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Traumato-Ortopedia e Reumatologia Disfunções Temporomandibulares."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google