A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques."— Transcrição da apresentação:

1 Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques dos Anjos Aula 20 Torneamento – CNC Slides gentilmente cedidos pelo prof. Vitor, com adaptações minhas.

2 Tornos CNC São máquinas cujos movimentos são comandados por computador

3 Sistema de coordenadas Os tornos CNC (e outras máquinas CNC também) trabalham segundo um sistema de coordenadas. Neste sistema, o eixo Z é o principal eixo da máquina. No torno, o eixo X é transversal e o Z longitudinal. O eixo Y, no torno, permanece na posição Zero; ou seja, é ignorado. Há ainda, genericamente, os eixos de rotação A, B e C, respectivamente girando em torno de X, Y e Z. Algumas máquinas são dotadas de todos os eixos, outras apenas parte deles

4 Coordenadas Eixos do torno

5 Zero Peça É o ponto de referência para usinagem da peça. Escolhe-se a face de encosto na castanha ou a face oposta à castanha, com X=0.

6 Coordenadas Absolutas e Coordenadas Relativas Absoluta: a referência é fixa. A medida do deslocamento da ferramenta é sempre em relação ao Zero Peça. Relativa (ou incremental): adiciona- se o deslocamento a partir do ponto onde se encontra a ferramenta. Exemplo de cotação aderente ao sistema de coordenadas absolutas.

7 Deslocamento por coordenada absoluta No desenho, o zero peça foi posicionado no ponto Z. Para atingir o ponto D, as coordenadas (X; Z) são: A(16;0), B(20;-2) C(20;- 15), D(40;-35). Note que o deslocamento transversal foi informado pela medida do diâmetro e não do raio. Isso é feito para conveniência da programação; a penetração real é metade da informada.

8 Programação O padrão usual de utilização é o código normalizado pela ISO, também chamado de código G, devido ao fato de utilização o G para especificar as funções preparatórias. Existem também códigos de fabricantes que não seguem as normas ISO. Na programação, cada linha do programa é chamado Bloco Cada bloco é formado por comandos As funções são divididas em: preparatórias, miscelâneas e auxiliares e outras funções.

9 Principais Funções G Funções G – preparatórias G0 = posicionamento rápido (não obedece o avanço programado). G1 = interpolação linear (linha reta no avanço F programado). G2 = Interpolação circular no sentido horário (F programado) G3 = Interpolação circula anti-horário (F programado) G50 = limitação da rotação do eixo árvore. G70 = programação em polegadas G71 = programação em milímetros G90 = Sistemas de coordenadas absolutas G91 = Sistemas de coordenadas incremental G95 = avanço em mm/volta G96 = programação em velocidade constante G99 = a unidade do avanço é mm/rotação.

10 Principais Funções M Funções M = miscelânea e auxiliares M0 = parada de programa M3 = rotação do eixo árvore no sentido horário M4 = rotação anti-horária do eixo árvore M5 = desliga o eixo árvore M8 = aciona a bomba de fluido de corte M9 = desliga o fluido de corte M30 = fim do programa.

11 Programação Outras funções N – Numeração das linhas do programa (blocos) O – Número do programa até 4 dígitos S – Rotação do fuso (eixo árvore) ou velocidade de corte, se definido G 96. E – Ponto Zero Peça T - determina a ferramenta (n° após o T). F – Velocidade de avanço em mm/volta

12 Exercício resolvido : Exercício resolvido : elabore o programa para executar o acabamento da peça com avanço de 0,25 mm/rotação

13 Exercício resolvido N01 O 1000; N05 G71 G99; N10 T01; N15 G96 S250 M4; N20 G50 S2500; N25 G00 X12. Z2. M8; N35 G1 X16. Z0. F0.25; N40 G1 X20. Z-2. F0.25; (ou N40 X20. Z-2.;) N45 G1 X20. Z-15; N50 G1 X40. Z-35.; Obs.: N25 desloca a ferramenta até próximo ao ponto de início de usinagem.

14 Exercício resolvido N55 G2 X60. Z-45. R10. N60 G1 X70. Z-45.; N65 G3 X80. Z-50. R5.; N70 G1 Z-65.; N75 G1 X85. M9.; N80 G40; N85 G1 X86. Z-64.; N90 G0 X200.Z200. M5; N95 M30;


Carregar ppt "Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google