A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques."— Transcrição da apresentação:

1 Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques dos Anjos Aula 10 Máquinas-Ferramentas Plainas Slides gentilmente cedidos pelo prof. Vitor, com adaptações minhas.

2 Máquinas-Ferramenta Máquinas-ferramentas, são equipamentos utilizados para usinagem de peças. São também chamadas de máquinas operatrizes. Embora há máquinas operatrizes que não são máquinas de usinar e, portanto, não são máquinas-ferramentas.

3 Tipos de máquinas-ferramentas Plaina limadora: máquina utilizada para usinar superfícies planas, incluindo rasgos externos e internos.

4 Tipos de máquinas-ferramentas Torno: uma das máquinas-ferramentas mais utilizadas. Usina superfícies de revolução de seção constante ou cônica, faz roscas e outros detalhes de revolução.

5 Tipos de máquinas-ferramentas Fresadora: usina peças de diversos formatos: superfícies planas, perfis sextavados, rasgos, dentes de engrenagens, etc.

6 Tipos de máquinas-ferramentas Retificadora: faz acabamento de superfícies, reduzindo a rugosidade de melhorando a precisão dimensional.

7 Tipos de máquinas-ferramentas Máquinas CNC: tonos, fresadoras, centros de usinagem, etc.

8 Tipos de máquinas-ferramentas Outras máquinas: brochadeira, eletroerosão, corte por jato dágua, brunidora, etc.

9 Máquina Ferramenta Outros subsistemas Sistemas de emissão de fluído de corte Aparo de cavaco

10 Plaina Limadora Plaina Limadora é uma máquina-ferramenta que executa o processo de usinagem chamado Aplainamento. É uma das mais simples máquinas ferramentas, mas de grande utilidade quando se deseja a obtenção de peças planas.

11 Órgãos da Plaina Limadora 1 – corpo 2 – base 3 – cabeçote móvel ou torpedo: se movimenta longitudinalmente com velocidades variadas. 4 – cabeçote da espera: Permite ajuste de altura 5 – o porta-ferramenta 6 – mesa: na qual a peça é fixada, permite movimentos de avanço e ajuste.

12 Tipos de Plainas Limadoras As plainas limadoras podem ser de movimento horizontal (ilustrada no slide anterior) ou vertical, conforme a ilustração abaixo

13 Tipos de Plainas Limadoras As plainas limadoras verticais são especialmente úteis no aplainamento de superfícies internas, como: Rasgo de chaveta Perfis internos variados

14 Plaina de Mesa 1- corpo 2- coluna 3- ponte 4- cabeçotes porta- ferramentas 5- peça 6- mesa

15 Plaina de mesa Pode usinar peças maiores; Velocidade constante de usinagem.

16 Fixação da peça

17 Operações de Aplainamento O Aplainamento consiste no desbaste de peças que se deseja deixar uma ou mais superfícies planas.

18 Aplainamento Operação normalmente realizada a seco (baixas velocidades). Movimentos: – A plaina apresenta movimentos de três tipos durante sua operação: O movimento principal, o de ajuste e o de avanço a-b: principal – a: curso útil – b: curso vazio c: avanço d: ajuste

19 Aplainamento Ferramentas de corte: São normalmente fabricadas de aço rápido. O gume (aresta de corte) é escolhido de acordo com o procedimento a ser realizado na peça. As ferramentas de desbaste têm como finalidade remover a maior quantidade de cavaco possível no menor espaço de tempo. Já as ferramentas de acabamento possuem como propósito produzir uma superfície aplainada com o melhor acabamento possível, é por esse motivo que seus gumes são chatos ou arredondados.

20 Ferramentas

21 Vídeo

22 Aplainamento Velocidades de corte Durante uma operação na plaina sua velocidade de corte não é constante devido a seus mecanismos de acionamento. Por esse motivo deve- se trabalhar com velocidades médias (comprimento do curso/tempo).

23 Aplainamento

24 Aplainamento Avanço (a) e profundidade (p) de corte Para desbaste recomenda-se uma profundidade de corte de 3 a 5 vezes maior do que o avanço e no acabamento ambos devem ser reduzidos.

25 Aplainamento

26 Velocidades de corte e avanços máximos recomendados Ferramentas Material Aço carbono/LigaAço rápido Vc (m/min) Avanço (mm) Vc (m/min) Avanço (mm) Aço fundido Aço doce Ferro fundido Aço semiduro (500 a 600 N/mm²) Aço duro (600 a 900 N/mm²)10812 Bronze Latão Metais leves Cobre

27 Exercício 1 Determine o tempo de aplainamento de uma superfície de 150 x 200 mm, dados: Material da peça: aço doce. Material da ferramenta: aço rápido.

28 Exercício 2 Reconsidere o exercício 1, aplicando as restrições de velocidades da máquina, isto é, das rotações. As rotações disponíveis na plaina são: 5, 10, 20, 35 e 50 RPM. a) Determine o novo tempo mínimo de usinagem. b) Determine a nova velocidade de corte

29 Força de corte (Fc)

30 Potência de corte (Pc)

31 Valores de Pressão Específica de Corte (Ks)

32 Exercício 3 Determinar a potência necessária para o corte, dados os parâmentros de usinagem abaixo: Velocidade de corte: Vc = 20 m/min. Extensão do curso: L = 300 mm Avanço: a = 1,0 mm Profundidade de corte: p = 1,8 mm Rendimento da máquina: = 0,6


Carregar ppt "Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google