A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HANSENÍASE: DA ELIMINAÇÃO AO CONTROLE - AVANÇOS E DESAFIOS -

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HANSENÍASE: DA ELIMINAÇÃO AO CONTROLE - AVANÇOS E DESAFIOS -"— Transcrição da apresentação:

1 HANSENÍASE: DA ELIMINAÇÃO AO CONTROLE - AVANÇOS E DESAFIOS -
      Gerson Penna Secretário de Vigilância em Saúde DEZEMBRO / 2010 1 1 1

2 AUMENTARAM O Nº DE CASOS EM COMPARAÇÃO COM O ANO ANTERIOR;
MUNDO 2009 54,6% 15,4% 121/208 E 141/2009; AUMENTARAM O Nº DE CASOS EM COMPARAÇÃO COM O ANO ANTERIOR; Casos Novos Total: 141/16 países > 1000 casos novos = 93% notificados Bangladesh, Brazil, China, Congo, Índia, Ethiopia, Indonésia, Madagascar, Mozambique, Myanmar, Nepal, Nigéria, Philippines, Sri Lanka, Sudan, Tanzânia FONTE: Weekly epidemiological record, No. 35, 27 august 2010 2 2 2

3 + DE 2X TEVE NA AMÉRICA E 3X NA ÁFRICA.
MUNDO REGIÃO PREVALÊNCIA N (taxa/10.000) DETE-CÇÃO N (taxa/ ) África Américas Mediterrâneo Sudeste da Ásia Pacífico Ocidental TOTAL (0.40) (3.75) (0.49) (4.58) (0.68) (9.39) 8.495 (0.15) 4.029 (0.70) 8.635 (0.05) + DE 2X TEVE NA AMÉRICA E 3X NA ÁFRICA. (0.29) FONTE: Weekly epidemiological record, No. 35, 27 august 2010 3 3

4 Número de Casos Fonte: Dr. S.K. Noordeen, Former Director, Leprosy Elimination Programme, WHO, New Delli, 20-22/04/2009 4 4

5 NEW CASES: INDIA AND WORLD MINUS INDIA, 1990-2007
Fonte: Dr. Sunil Deepak Aifo/Ilep/OMS, Goiânia, 30/06/2010

6 44 PAÍSES ENDÊMICOS N. DELHI 2009.

7 ESTRATÉGIA GLOBAL DA OMS 2011 -2015
ANTERIOR PROPOSTA ATUAL Eliminação baseada em campanhas Controle sustentável Metas numéricas Metas de qualidade Prevalência Detecção ,% de cura, taxa de grau 2 na população Detecção de casos & PQT Detecção de casos, PQT, PI & Reabilitação, vigilância de contatos Parcerias isoladas Parcerias integradas

8 CGPNCH – COMPONENTES E INTERFACES POLÍTICAS E OPERACIONAIS
TCU MP/AMPASA Secretaria de Assistência à Saúde DAE, DRAC, DAPS, DAB Secretaria de Vigilância em Saúde DASIS, SINAN, CGDEP, CGPLO Nucom, DigeS, CGLAB Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde: Tele-Saúde, RET-SUS, Pró-Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos: DECIT, DAF Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa: Ouvidoria, Disque Saúde, DEGEP. ASCOM: Rádio Saúde Secretaria Executiva: FNS, RIDE Funasa/Desai Anvisa CNS/Comissão de Hanseníase Incra Secretaria Especial dos Direitos Humanos Ministério da Educação Ministério da Cultura PPA PAC Mais Saúde Pacto de Gestão Pacto pela Vida PPI Assistencial Pavs Universidades UFRJ - IESC Sociedades Cientificas: ABEn, SBD, SBH, Parcerias Internacionais ILEP – DAHW, NLR, AIFO LRA, Damien Foundation IDEA Parcerias Nacionais IBIS/REPREHAN Ordem de Malta MORHAN GAMAH Pastoral da Criança Franciscanos Correios e Telégrafos Brasil Telecom LASER-ENSP-FIOCRUZ USP - Projeto Homem Virtual Epidemiologia Monitoramento e análise de informações Pesquisa Centros de referência Pesquisa operacional 5 1 CGPNCH DEVEP SVS Gestão Planejamento Monitoramento & Avaliação Descentralização Comunicação e Educação Comunicação Educação permanente Mobilização Social 4 2 3 Atenção Integral Diagnóstico, tratamento e vigilância de contatos Prevenção de incapacidades e reabilitação Resgate Social OPAS CONASS CONASEMS 8 8

9 10 clusters 1.173 municípios 53,5% dos casos novos 17,5% da população
AGREGAÇÃO DE CASOS NOVOS DE HANSENÍASE, PELO COEFICIENTE DE DETECÇÃO NO BRASIL, 2005 A 2007 Estimados com base na estatística scan espacial para os casos novos detectados por municípios de 2005 a 2007 e a população no mesmo período 10 clusters 1.173 municípios 53,5% dos casos novos 17,5% da população Penna, MAF; Oliveira, MLW; Penna, GO. The epidemiological behavior of leprosy in Brazil. Lepr Rev (2009) 9

10 37.610 casos novos 19,64/100.000 hab. 7,2%: Grau 2 89,3% de avaliados
COEFICIENTE DE DETECÇÃO GERAL DOS CASOS NOVOS DE HANSENÍASE POR MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA, TAXA /HABITANTES. BRASIL, 2009 casos novos 19,64/ hab. 7,2%: Grau 2 89,3% de avaliados 56,9%: MB 55,2%: homens 2.669 crianças – 7,1% 5,43/ < 15 anos 3.194/5.564 (57,4%) municípios Fonte: Sina/SVS-MS - Dados disponíveis em 31/07/2010

11 COEFICIENTE DE DETECÇÃO, GERAL E EM MENORES DE 15 ANOS DE HANSENÍASE POR HABITANTES – BRASIL, 1994 A 2009

12 COEFICIENTE DE DETECÇÃO GERAL DE CASOS NOVOS DE HANSENÍASE NA POPULAÇÃO GERAL – REGIÃO BRASIL, 2001 A 2009

13 TENDÊNCIA DA DETECÇÃO GERAL E PREDIÇÃO DE CASOS NOVOS DE HANSENÍASE POR HAB. BRASIL, 1980 – 2010 Penna, MAF; Oliveira, MLW; Penna, GO. The epidemiological behavior of leprosy in Brazil. Lepr Rev (2009)

14 COEFICIENTE DE DETECÇÃO DE CASOS NOVOS DE HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS – REGIÃO BRASIL, 2001 A 2009

15 TENDÊNCIA DA DETECÇÃO DA HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS POR 100
TENDÊNCIA DA DETECÇÃO DA HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS POR HAB. BRASIL Penna, MAF; Oliveira, MLW; Penna, GO. The epidemiological behavior of leprosy in Brazil. Lepr Rev (2009)

16 COEFICIENTES DE PREVALÊNCIA E DETECÇÃO
EM HANSENÍASE BRASIL, 1990 A 2009

17 COEFICIENTE DE DETECÇÃO DE CASOS NOVOS DE HANSENÍASE POR UF
DE RESIDÊNCIA NA POPULAÇÃO GERAL – BRASIL, 2009

18 METAS PACTUADA PELA CGPNCH PARA 2008 - 2011
INDICADOR / AÇÃO PROGRAMA 2008 2009 2010 2011 Reduzir em 10% a detecção de casos novos de hanseníase em menores de 15 anos até 2011 P A C MAIS SAÚDE 6,07 5,92 5,77 5,59 5,89 5,43 Ampliar em 3% ao ano, as Unidades de Saúde com tratamento da Hanseníase P P A 8.303 8.552 8.808 9.473 Aumentar o percentual de cura nas coorte de casos novos de hanseníase PACTO DE GESTÃO 85% 87% 89% 90% 81,3 82,1 Examinar contatos intradomiciliares de casos novos P A V S 50,0% 60,0% 63,0% 54,7% 59,8% Avaliar o grau de incapacidade no diagnóstico 75% 88,2 89,3 Avaliar o grau de incapacidade na cura 77% 67,8% 71,8% Reduzir o coeficiente de casos novos com grau 2 de incapacidade no diagnóstico por habitantes O M S 1,39 1,27   1,34 1,31

19 COEFICIENTE DE DETECÇÃO DE CASOS NOVOS DE HANSENÍASE
EM MENORES DE 15 ANOS SEGUNDO UF DE RESIDÊNCIA – BRASIL, 2009

20 RELAÇÃO ENTRE O NUMERO DE UNIDADES DE SAÚDE E DE PACIENTES EM TRATAMENTO DE HANSENÍASE – BRASIL, 2000 a 2009 140,9% Incremento 52,3% Redução + 20 mil US.

21 % SERVIÇOS COM PACIENTE EM TRATAMENTO E PACIENTES EM TRATAMENTO – BRASIL - 2009

22 HOUVE A DESCENTRALIZAÇÃO DE FATO.

23 PERCENTUAL DE PACIENTES CURADOS NAS COORTES DE HANSENÍASE
EM 31/12 DE CADA ANO – BRASIL, 2001 a 2009

24 BOM > 90% REGULAR 75-90 PRECÁRIO < 75%
% CURADOS NAS COORTES DE HANSENÍASE EM 31 DE DEZEMBRO – UF E BRASIL, 2009 BOM > 90% REGULAR 75-90 PRECÁRIO < 75%

25 É BAIXO POR SER O MELHOR PONTO DE DESCOBERTO DE CASOS NOVOS.
%CONTATOS DOS CASOS NOVOS DE HANSENÍASE EXAMINADOS, ENTRE OS REGISTRADOS – BRASIL, 2000 A 2009 É BAIXO POR SER O MELHOR PONTO DE DESCOBERTO DE CASOS NOVOS.

26 % CONTATOS DOS CASOS NOVOS DE HANSENÍASE EXAMINADOS ENTRE OS REGISTRADOS – ESTADOS E BRASIL, 2009

27 % CONTATOS DOS CASOS NOVOS DE HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS EXAMINADOS ENTRE OS REGISTRADOS – ESTADOS E BRASIL, 2009 CONTATO EM CRIANÇAS.

28 % CASOS DE HANSENÍASE AVALIADOS QUANTO AO GI NO DIAGNÓSTICO, NA CURA POR REGIÃO – BRASIL, 2001 A 2009

29 % CASOS NOVOS DE HANSENÍASE COM GI AVALIADO NO DIAGNÓSTICO
ESTADOS E BRASIL, 2009 BOM > 90%

30 % CASOS NOVOS DE HANSENÍASE COM GI AVALIADO NA CURA - UF E BRASIL, 2009
SÓ AC É BOM.

31 % GI 1 E 2 ENTRE OS CASOS NOVOS DE HANSENÍASE – BRASIL, 2001 A 2009

32 % CASOS NOVOS DE HANSENÍASE COM GI 2 NO DIAGNÓSTICO ENTRE OS AVALIADOS
ESTADOS E BRASIL, 2009 DIAG. TARDIO: PR DF SC RN SP AM

33 COEFICIENTE DE CASOS NOVOS COM GRAU 2 DE INCAPACIDADE NO DIAGNÓSTICO POR 1.000.000 HABITANTES
BRASIL 1990, 1995,

34

35

36 EXCETO DE 1 A 4 ANOS E 15 A 19 ANOS NAS DEMAIS HOMENS PREDOMINAM.

37 PB = MULHERES MB = HOMENS

38 MULHERES ESTUDAM MAIS.

39 PB = MULHERES MB = HOMENS

40

41 MB = HOMENS

42 SOMENTE AS INFORMADAS NO MOMENTO DO DIAGNÓSTICO.

43

44

45

46

47 TODOS: PREDOMINAR OS HOMENS.

48

49 PERCENTUAL DE RECIDIVA DE HANSENÍASE ENTRE TODAS AS ENTRADAS NOTIFICADAS
– ESTADOS E BRASIL, 2009

50 CONTROLE DE HANSENÍASE
PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DE HANSENÍASE AVANÇOS & DESAFIOS A1: Adoção da estratégia de controle e dos novos indicadores de monitoramanento da endemia, priorizando a vigilância em <15 anos. D1: Fortalecer a Política de Controle da Hanseníase. A2: Reestruturação do PNCH nos componentes estratégicos: VE, gestão, atenção integral, comunicação & educação e pesquisa. D2: Fortalecer a descentralização das ACH para de forma articulada e integrada.

51 CONTROLE DE HANSENÍASE
PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DE HANSENÍASE AVANÇOS & DESAFIOS A3: Identificação dos aglomerados com maior concentração de casos de hanseníase e maior risco de adoecimento (10 maiores clusters). D3: Manter a prioridade nas áreas de cluster, sem negligenciar as demais. A4: Publicação de instrumentos normativos e técnicos para organização e estruturação da atenção em hanseníase. D4: Otimizar a divulgação, discussão e aplicação das publicações pelos gestores, profissionais de saúde e movimentos sociais, em um país continemtal.

52 CONTROLE DE HANSENÍASE
PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DE HANSENÍASE AVANÇOS & DESAFIOS A5: Descentralização das ACH: 90% dos Serviços de Saúde com pacientes em tratamento na APS. D5: Qualificar a assistência, fortalecer as redes de atenção e promover a construção e implantação de linhas de cuidado em hanseníase. A6: Ampliação de parcerias com órgãos públicos, privados e com o terceiro setor D6: Estimular as parcerias com ações integradas nos estados e municípios, sobretudo nas áreas de maior risco e menor capacidade gestora.

53 CONTROLE DE HANSENÍASE
PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DE HANSENÍASE AVANÇOS & DESAFIOS A7: Fomento à pesquisa, editais específicos para hanseníase e ampliação das publicações científicas. D7: Estimular a publicação de trabalhos em periódicos de maior visibilidade e reconhecimento internacional. A8: posição de liderança e soberania técnica do Brasil no cenário internacional - OMS (WHA e Comitê de Experts) e Novartis. D8: Manter essa posição de liderança e soberania técnica do Brasil, agora com a ratificação da Comissão de Avaliação do Sistema Nacional de Vigilância em Saúde - 18 Instituições de Notório Saber

54

55

56

57

58

59 59 59

60 71 artigos

61 Secretário de Vigilância em Saúde
Gerson Penna Secretário de Vigilância em Saúde

62 Obrigada! www.saude.gov.br
62 62 62


Carregar ppt "HANSENÍASE: DA ELIMINAÇÃO AO CONTROLE - AVANÇOS E DESAFIOS -"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google