A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

João Pedro Mendes Brandão INESC Porto

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "João Pedro Mendes Brandão INESC Porto"— Transcrição da apresentação:

1 João Pedro Mendes Brandão INESC Porto
[data] SÍNTESE DO TRABALHO DESENVOLVIDO NA 1ª SEMANA Sistemas Flexíveis de Produção Todas as semanas o aluno publica este documento, que servirá de base à reunião de ponto de situação João Pedro Mendes Brandão INESC Porto

2 Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]
Agenda Sumário Executivo Bibliografia analisada Conclusões Trabalho Futuro Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]

3 Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]
Sumário Executivo Desenvolvimento do estado da arte. Logistica interna. ERP e MES. Chão de fábrica. Conceito de milkrun. Software gestão. Neste slide faz o sumário executivo do trabalho realizado na semana Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]

4 Bibliografia Analisada
[1]http://pt.wikipedia.org/wiki/Gest%C3%A3o_da_cadeia_log%C3%ADstica#Cadeia_log.C3.ADstica_interna [2]http://robotics.dem.uc.pt/norberto/cv/powerpoint/guarda.pdf [3] [4] Luís Rocha. “Logística Flexível Baseada em AGVs” [5] Neste slide apresenta a bibliografia analisada Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]

5 Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]
Conclusões Logistica e logistica interna A logística é um conceito muito amplo, que em poucas palavras pode ser traduzido pelo fluxo, movimentação ou deslocação de pessoas, materiais e objectos, ou seja, qualquer fluxo físico e/ou informacional A logística interna é a sub-área da logística que engloba todas os fluxos e movimentações físicas e operações de apoio (etiquetagem, "picking", etc.), que são realizadas dentro do armazém, da nave fabril ou entreposto. Existem diversas operações logísticas executadas num armazém ou fábrica tais como: recepção de material (matéria-prima, embalagens, etc.), armazenagem, "picking", expedição de produto acabado, abastecimento de linhas de produção, recolha de produto acabado, paletização, etiquetagem, etc. A dificuldade vem de saber como o valor é criado, aplicado, medido e traduzido. Que acções/actividades criam valor? Quanto está o cliente disposto a pagar por ele? Neste slide apresenta as conclusões do trabalho realizado na semana Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]

6 Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]
Conclusões Milk run Definição: Conceito que procura encontrar o ponto de equilíbrio entre trabalhar sem stock, tendo o cuidado de prevenir interrupções na produção devido à falta de abastecimento, ao mesmo tempo que responde às solicitações dos clientes no momento certo, na quantidade certa e no lugar certo. Benefícios: Reduzir custos logísticos Controlar circulação de materiais Reduzir níveis de stock Agilizar ações de carga e descarga Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]

7 Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]
Conclusões ERP (enterprise resource planning) Fornece planeamento da logística, calendarização da produção, gestão operional, etc Lacuna: Nem sempre o que foi planeado acontece, e o ERP normamelmente não detecta isso, isto é, incapacidade em prever erros. MES (manufacturing execution system ) Permite a gestão das operações de manufactura, produção de expedição, caledarização da produção de uma forma detalhada, etc Intermediário entre chão de fábrica e ERP, recolhe e acumula informações das actividades no chão de fábrica e realimenta-as para o sistema ERP Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]

8 Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]
Conclusões ERP/MES System No passado, a principal queixa contra os sitemas ERP advinha do facto destes sistemas serem demasiado pesados para depois apresentarem as mesmas conclusões que os sitemas MES, que eram mais leves. Assim, a integração destes dois sistemas implicava muitas vezes sobreposição de funcionalidades. Actualmente é possível integrar estes dois sistemas de uma forma complementar sem sobreposição de funcionalidades. Os sitemas ERP, além de proporcionarem um gestão de fluxo de trabalho integrado ao nível do negócio de uma empresa, também podem operar na gestão da “supply chain” e na relação com os clientes. Os sistemas MES, por sua vez, administram o fluxo de trabalho ao nível do chão de fábrica, trabalham com PLCs, sistemas de controlo de distribuição e sistemas de controlo de lotes. Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]

9 Principais dificuldades
Milk Run (Dentro da empresa) Software de gestão (WMS, WCS, Scada) ? Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]

10 Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]
Trabalho Futuro Continuação do desenvolvimento do estado da arte Descrição do sitema de produção a implementar Neste slide apresenta o trabalho que será realizado na semana seguinte Sistemas Flexíveis de Produção/ Semanário da 1ª Semana / [16/3/2012]


Carregar ppt "João Pedro Mendes Brandão INESC Porto"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google