A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1Prof. Eclerson Pio Mielo. PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO Soma em valores monetários de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1Prof. Eclerson Pio Mielo. PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO Soma em valores monetários de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região."— Transcrição da apresentação:

1 1Prof. Eclerson Pio Mielo

2 PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO Soma em valores monetários de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região (países, estados, cidades), durante um período determinado (mês, trimestre, ano, etc). Termômetro Velocímetro da economia. O PIB é um dos indicadores mais utilizados na macroeconomia com o objetivo de mensurar a atividade econômica de uma região. Em sua contagem, considera-se apenas bens e serviços finais, excluindo da conta todos os bens de consumo de intermediário (insumos). Assim, evita-se o problema da dupla contagem, quando valores gerados na cadeia de produção aparecem contados duas vezes na soma do PIB. 2 2Prof. Eclerson Pio Mielo

3 FÓRMULA PARA CÁLCULOS DO PIB CONSUMO AGREGADO Calculado a partir dos dados de consumo, investimentos, compras do governo (gasto público) e exportações líquidas (exportações menos importações). Onde: C =Consumo I=Investimento G=Gasto Público Exp.=Exportação Imp.=Importação PIB = C + I + G + (Exp – Imp) Podemos equacioná-lo assim: 3 3Prof. Eclerson Pio Mielo

4 ÍNDICES DE INFLAÇÃO Em economia, inflação é a queda do valor de mercado ou poder de compra do dinheiro. Isso é equivalente ao aumento no nível geral de preços. Inflação é o oposto de deflação. Inflação zero, ou muito baixa, é uma situação chamada de estabilidade de preços. Quem estabelece a Meta da Inflação é o Conselho Monetário Nacional (CMN) 4 4Prof. Eclerson Pio Mielo

5 IPCA Índice de Preços ao Consumidor Amplo, é um índice medido e divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), calculado desde 1980, semelhante ao INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), porém refletindo o custo de vida para famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos, qualquer que sejam as fontes de rendimentos dessas famílias. É o índice oficial utilizado pelo Bacen para análise e cumprimento da Meta inflacionária estipulado pelo CMN. O IPCA corrige a NTN (Nota do Tesouro Nacional) Série B. Sua medição é mensal, e o período de coleta de dados para a medição em geral, se dá entre os dias 01 a 30 do mês referenciado. 5 5Prof. Eclerson Pio Mielo IPCA e o IGP-M Os dois principais índices de inflação utilizados atualmente no Brasil, são o IPCA e o IGP-M.

6 IGP-M Calculado pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), cuja coleta de dados é efetuada entre o dia 21 do mês anterior ao dia 20 do mês de referência. A NTN (Nota do Tesouro Nacional) Série C é corrigida pelo IGP-M. Foi criado com o objetivo de se possuir um indicador confiável para as operações financeiras, especialmente as de longo prazo. 6 6Prof. Eclerson Pio Mielo

7 TAXA DE CÂMBIO - PTAX Pode-se definir a taxa de câmbio de um país como o número de unidades de moeda de um país necessário para se comprar uma unidade de moeda de outro país. Em outras palavras, é o preço de uma moeda em termos de outra. Parâmetro para operações oficiais no comércio exterior. Sua cotação de venda (compra) é calculada pelo BACEN. A cotação de venda (compra) da PTAX, divulgada pelo BACEN as 17h30 de cada dia, é calculada com base no resultado da taxa média, ponderada pelos volumes negociados, das operações no mercado interbancário de cambio Taxa de câmbio é o preço de uma unidade monetária de uma moeda em unidades monetárias de outra moeda. Parâmetro para operações oficiais no comércio exterior 7 7Prof. Eclerson Pio Mielo

8 A administração da taxa de câmbio como instrumento da política de relações comerciais e financeiras entre um país e o conjunto dos demais países, é a POLÍTICA CAMBIAL. Por isso, a taxa de câmbio recebe tanta atenção: se a moeda interna se desvaloriza frente a outras moedas, favorece-se a exportação e dificulta-se a importação. Em contrapartida, se o real se valoriza, a importação é favorecida e a exportação dificultada. A definição de uma boa política cambial, (seja em regime de câmbio fixo ou flutuante), é um dos fatores de atração de capitais estrangeiros. 8 8Prof. Eclerson Pio Mielo

9 9 TÍTULOS PÚBLICOS O tesouro nacional utiliza a emissão de títulos públicos como uma das formas de captação de recursos para financiar atividades do governo federal, tais como educação, saúde e infra estrutura. Os títulos são uma opção de investimento para a sociedade e representam a dívida mobiliária da união. A emissão dos títulos são utilizadas para: Antecipação de receita fiscal e financiamento do déficit orçamentário Um dos instrumentos da política monetária. (Open Market) Os títulos públicos federais são remunerados pela taxa Selic, e são títulos de altíssima liquidez, e o risco de crédito é considerado zero.

10 TAXA SELIC Existem dois tipos de Taxa Selic. 1.Selic Meta é a taxa divulgada pelo COPOM – Comitê de Política Monetária, servindo como parâmetro para a consecução das metas de inflação. É a taxa básica da economia do país. 2.Selic Over é a taxa apurada de acordo com a remuneração média dos títulos públicos federais, provenientes das operações de repasses de recursos diários entre instituições financeiras, com garantias destes títulos 10 Prof. Eclerson Pio Mielo

11 COPOM – COMITÊ DE POLÍTICA MONETÁRIA Composto por Diretores do Bacen. Estabelece as diretrizes da política monetária e de definir a taxa de juros. Objetivo de cumprir as metas para a inflação definidas pelo CMN. Estabelece a taxa Selic Meta e seu eventual viés, que é a prerrogativa dada ao presidente do Banco Central para alterar, na direção do viés, a meta para a taxa SELIC a qualquer momento que julgar necessário, entre as reuniões ordinárias. Assim, o viés pode ser alto, baixo ou neutro. Na reunião do COPOM, que atualmente é realizada a cada 45 dias, é fixada uma taxa de juros que é a meta para a taxa SELIC, que vigora pelo período compreendido entre uma e outra reunião ordinária do Comitê. 11 Prof. Eclerson Pio Mielo

12 O CDI - CETIP E A TAXA CDI Certificado de Depósito Interfinanceiro, o CDI, título privado, negociado com exclusividade entre instituições financeiras em transações fechadas por meio eletrônico. Serve de garantia entre empréstimos entre instituições bancárias, negociável. Tem seus registros nos computadores das instituições envolvidas na transação e também nos terminais da CETIP. Suas operações, em maioria, são negociadas em um dia. A taxa média diária das taxas de juros praticadas nessas operações, é a Taxa CDI, ou Taxa DI, como também é conhecida. Principal Benchmark de Renda Fixa. Taxa CDI, ou Taxa DI, é também referencial de avaliação de rentabilidade das aplicações em fundos de investimentos. 12 Prof. Eclerson Pio Mielo

13 13Prof. Eclerson Pio Mielo TBF – TAXA BÁSICA FINANCEIRA Obtida através da média diária das taxas de juros praticadas nas operações de CDB Certificado de Depósito Bancário, dos 30 maiores bancos. Excluindo as duas maiores e as duas menores taxas, é obtida a média final. O Banco Central divulga a TBF no segundo dia útil após a data de referência. De seu cálculo nasce a TR – Taxa Referencial. TR – TAXA REFERENCIAL Taxa básica e referencial dos juros a serem praticados no mês. A caderneta de poupança a utiliza nos cálculos de seus rendimentos, e também serve como referencial para alguns títulos públicos, empréstimos do SFH – Sistema Financeiro da Habitação. Para que a TR seja calculada, é necessário que antes se tenha calculado a TBF.

14 14Prof. Eclerson Pio Mielo VOLATILIDADE: FLUTUAÇÃO DE PREÇOS E COTAÇÕES È o grau médio de variação das cotações de um título ou fundo de investimento, em determinado período de tempo. Alta volatilidade significa que o valor da cota de um fundo ou preço de um determinado título apresenta forte variação. Algumas Ações são altamente voláteis, seus preços mudam com grande velocidade ao longo de um período. Todos os preços, uns com maior intensidade e outros com intensidade menor, sofrem oscilações. Os mais voláteis, são os que sofrem oscilação maior, sendo assim os mais arriscados. A volatilidade é um indicador do nível de oscilação histórica de determinados produtos ou mercados. Quanto maior for a volatilidade, maior o risco envolvido no investimento, e como conseqüência, maior a rentabilidade esperada.

15 TAXA DE JUROS São fundamentais para a economia e também para o mercado financeiro A taxa de juros é um preço muito relevante, porque é o preço de uma mercadoria especial: o dinheiro. Está diretamente associado a riscos e a liquidez. Uma aplicação com juros pré- fixados, pode sofrer um impacto negativo em caso de alta dos juros. É a ferramenta básica para o cumprimento das Metas de Inflação. Taxas mais baixas causam inflação, e taxas mais altas, deflação. A relação entre a taxa de juros e o preço é inversamente proporcional. Se sobe a taxa de juros, cai o preço. E o inverso também ocorre. 15 Prof. Eclerson Pio Mielo

16 ÍNDICE DE REFERÊNCIA (BENCHMARK) Podemos definir o benchmark como um Referencial de Comparação. Técnica que busca melhores práticas de administração, como forma de ganhar vantagens competitivas. O CDI é o principal Benchmark de Renda Fixa. O Ibovespa e o IBRX, os principais Benchmark de Renda Variável. 16 Prof. Eclerson Pio Mielo

17 17Prof. Eclerson Pio Mielo ÍNDICE BOVESPA – IBOVESPA É o principal indicador do desempenho do mercado de ações no Brasil, retratando a evolução das principais ações negociadas na Bovespa. É formado partindo de uma aplicação imaginária, em reais, em uma quantidade teórica de ações (carteira). Sua finalidade básica, é servir como indicador médio de comportamento do mercado. Para isso, as ações que fazem parte deste índice, representam mais de 80% do número de negócios e também do volume financeiro negociado no mercado a vista. Como as ações que fazem parte dessa carteira tem grande representatividade, podemos dizer que se a maioria delas estiver em crescimento, o mercado está em alta, de acordo com a medição do Índice Bovespa, e, se estiverem caindo, está em baixa. É um indicador de Renda Variável.

18 18Prof. Eclerson Pio Mielo O IBRX - ÍNDICE BRASIL Índice de preços que mede o retorno de uma carteira teórica composta por 100 ações selecionadas entre as mais negociadas na BOVESPA, em termos de número de negócios e volume financeiro. Essas ações são ponderadas na carteira do índice pelo seu respectivo número de ações disponíveis à negociação no mercado. Ações Elegíveis para o Índice O índice IBrX será composto por 100 papéis escolhidos em uma relação de ações classificadas em ordem decrescente por liquidez, de acordo com seu índice de negociabilidade (medido nos últimos doze meses). É um indicador de Renda Variável.

19 TAXA DE JUROS NOMINAL E TAXA DE JUROS REAL Taxa Real é o rendimento de um investimento, descontando a inflação do período. Taxa Nominal, representa o percentual de um investimento sem considerar os efeitos corrosivos da inflação. Imagine uma aplicação em fundo de investimento, no valor de R$ ,00. Este fundo, rendeu, já descontado o imposto de renda, após um mês, 10%, que é igual ao valor de R$ ,00. Este valor do rendimento, foi totalmente retirado pelo investidor, para seus gastos mensais, ficando investido ainda, o mesmo valor inicial. Neste cenário, o que aconteceria com o investidor, caso o mesmo continue agindo assim, retirando mensalmente os rendimentos? 19 Prof. Eclerson Pio Mielo

20 O que podia ser comprado com R$ ,00 no mês anterior, já não se compra nesse mês, porque a inflação do período corrói o poder de compra da moeda. Em resumo, a taxa de 10%, é uma taxa nominal, que não considera o efeito corrosivo da inflação sobre o dinheiro. Para preservar e manter o poder de compra, deve considerar os efeitos da inflação sobre o investimento. Para isso, supomos que, no período do investimento, a inflação medida pelo IGP-M tenha sido de 4%. Para manter seu poder de compra e saber o quanto pode resgatar sem comprometê-lo, o cliente tem que encontrar a taxa real de juros. 20 Prof. Eclerson Pio Mielo

21 Em a taxa nominal sendo de 10% e a inflação 4%: Quando houver inflação, a taxa real será menor que a taxa nominal. Ex. 10% (1,10) / 4% (1,04) < 6% Quando houver deflação, a taxa nominal será menor que a taxa real. Ex. 10% (1,10) / -4% (0,96) > 14% 21 Prof. Eclerson Pio Mielo

22 TAXA DE JUROS EQUIVALENTES X TAXA DE JUROS PROPORCIONAL Juros Simples Os juros de cada período são calculados sempre em função do capital inicial empregado. No regime de juros simples, o percentual de juros a ser pago sobre o empréstimo corresponde simplesmente a taxa de juros sobre o principal (valor financiado). FV = Valor Futuro PV = Valor Presente I = taxa de juros (na forma decimal, ou seja, dividida por 100) N = prazo da operação FV = PV x (1 + i x n) Ou, de modo mais simples: Valor a ser pago = principal + juros 22 Prof. Eclerson Pio Mielo

23 TAXA DE JUROS EQUIVALENTES X TAXA DE JUROS PROPORCIONAL Juros Compostos São calculados de forma diferente. Aplica-se a taxa sobre o saldo existente no início do período correspondente. O valor dos juros não pagos incorpora-se ao principal. Tomando-se por exemplo um empréstimo no valor de R$ ,00, pelo prazo de 3 meses, com juros de 5% ao mês: FV = PV x (1 + i) FV = ,00 x (1 + 0,05)³ FV = R$ ,25 23 n Prof. Eclerson Pio Mielo

24 Ao falar de Juros Simples, falamos de Taxa Proporcional, no sentido de que o valor de juros é proporcional apenas ao tempo (a proporcionalidade linear é uma característica da capitalização simples). Logo, taxas proporcionais de: 1.3% ao mês, para 10 meses correspondem a 30%; 2.12% ao ano, para 3 meses correspondem a 3%, e assim em diante. Ao falar de Juros Compostos, falamos de Taxas Equivalentes, ditas assim quando produzem o mesmo montante no final de determinado tempo, pela aplicação de um capital inicial de mesmo valor. Logo, taxas equivalentes de: 1.3% ao mês, para 10 meses, correspondem a 34,39%; 2.12% ao ano, para 3 meses,correspondem a 2,87% 24 Prof. Eclerson Pio Mielo

25 CAPITALIZAÇÃO SIMPLES X CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Um dos conceitos fundamentais da Matemática Financeira é a diferença entre capitalização simples e composta. 1. Você é o tomador ou o doador dos recursos? 2. Qual o prazo da operação? E a taxa de juros está expressa em que período? O tomador, com certeza vai querer pagar menos juros. Quem empresta, certamente vai querer receber mais juros. É importante, para determinar qual regime gera mais juros, o prazo da operação e também o período de capitalização da taxa. Deve-se observar, que no regime de Capitalização Simples, as taxas são proporcionais. No regime Capitalização Composta, são equivalentes, 25 Prof. Eclerson Pio Mielo

26 Prazo da OperaçãoTomador DoadorMelhor Regime Menor que a capitalização da taxa (Taxa ao ano e um prazo inferior a um ano) Tomadorcomposto Doadorsimples Igual ao da capitalização da taxa (taxa ao ano e um prazo de um ano) Tomador ou Doador indiferente, são iguais Maior que a capitalização da taxa (taxa ao ano e um prazo superior a um ano) Tomadorsimples Doadorcomposto 26 Prof. Eclerson Pio Mielo

27 27Prof. Eclerson Pio Mielo

28 28Prof. Eclerson Pio Mielo PRAZO MÉDIO PONDERADO DE UMA CARTEIRA DE TÍTULOS Este conceito, para seu entendimento, é fundamental alguns conhecimentos de Estatística. Tomemos como exemplo de cálculo, uma carteira formada por três títulos: TítuloPrazo de Vencimento Valor LFT3 mesesR$ 1.000,00 LTN6 mesesR$ 3.000,00 NTN12 mesesR$ 5.000,00

29 29Prof. Eclerson Pio Mielo Se procurássemos apenas o prazo médio simples, bastaria : Prazo Médio Simples = ___________ = 7 meses 3 (3 x 1.000,00) + (6 x 3.000,00) + (12 x 5.000,00) Prazo Médio Ponderado = _______________________________________ 9.000,00 Prazo médio ponderado = 9 meses Soma dos valores dos títulos

30 30Prof. Eclerson Pio Mielo O prazo médio de um título ou de uma carteira de ativos, afeta diretamente seu valor de mercado, pois a taxa de desconto será aplicada pelo prazo restante até o dia do vencimento. Assim, quanto maior o prazo, maior o impacto da variação da taxa de juros no valor de mercado desse título ou dessa carteira. Prazo MaiorRisco MaiorRentabilidade MaiorIR menor Esperada O prazo médio é muito útil para se determinar a duração de uma carteira, e quanto maior a duração de uma carteira, mais a mesma estará sujeita às flutuações. Quanto maior o prazo, maior será o lucro ou a perda, e também, quanto menor o prazo, menor será o lucro ou a perda. O prazo, maior ou menor, define também a volatilidade do investimento frente à oscilação da taxa de juros. O termo precificar significa formar ou definir preço.


Carregar ppt "1Prof. Eclerson Pio Mielo. PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO Soma em valores monetários de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google