A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Propedêutica Bíblica 6 de Março de 2013 – Revelação e Tradição.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Propedêutica Bíblica 6 de Março de 2013 – Revelação e Tradição."— Transcrição da apresentação:

1 Propedêutica Bíblica 6 de Março de 2013 – Revelação e Tradição

2 ORAÇÃO Deus se compadeça de nós e nos dê a sua bênção, Resplandeça sobre nós a luz do seu rosto. Na terra se conhecerão os vossos caminhos E entre os povos a vossa salvação. Os povos Vos louvem, ó Deus, Todos os povos Vos louvem. Salmo 66

3 AULA ANTERIOR

4 P alavra de Deus alavra de Deus AULA ANTERIOR p

5 A Sagrada Escritura tornou-se mediação da relação da Palavra de Deus com a história humana. Armindo Vaz O objectivo da iniciativa que Deus tem de revelar-se, é dar-se a conhecer, não por meio de enunciados, definições ou narrativas, mas colocando-se diante do homem: revelando-se a si mesmo, dando-se a conhecer, acampando entre nós, em Jesus Cristo, Palavra Encarnada, Verbo de Deus. AULA ANTERIOR

6 Aprouve a Deus, na sua bondade e sabedoria, revelar-se a Si mesmo e dar a conhecer o mistério da sua vontade, segundo o qual os homens, por meio de Cristo, Verbo encarnado, têm acesso ao Pai no Espírito Santo e se tornam participantes da natureza divina. Dei Verbum, 2 PALAVRA DE DEUS

7 A Sagrada Escritura tornou-se mediação da relação da Palavra de Deus com a história humana. Armindo Vaz PALAVRA DE DEUS

8 Para que o Evangelho fosse perenemente conservado íntegro e vivo na Igreja, os Apóstolos deixaram os Bispos como seus sucessores, entregando-lhes o seu próprio ofício de magistério. Portanto, esta Sagrada Tradição e a Sagrada Escritura são como um espelho no qual a Igreja peregrina na terra contempla a Deus, de quem tudo recebe, até ser conduzida a vê-lo... Dei Verbum, 7 PALAVRA DE DEUS

9 Palavra Dei Filius versus Dei Verbum: Relação entre Revelação sobrenatural e natural Aprouve a Deus… Revelar a si mesmo e manifestar o mistério da Sua vontade Deus fala aos homens como a amigos… Por meio de acções e palavras intimamente relacionadas DV: apresenta a revelação como uma conversa de Deus com os homens, devido à iniciativa do Seu Amor (Ex 33,11)

10 Palavra A Bíblia não é redutível à pura função informativa A Palavra de Deus deve, antes de tudo, ser ouvida Leitura sapiencial: a fé obediente, consentimento, abandono, compromisso que empenha toda a vida Magistério da Igreja ao serviço da Palavra A revelação faz-se na História (acções e palavras unidas entre si) Pode ser datada e localizada Não passa verdades abstractas, mas eventos concretos A História é reveladora

11 Concílio Vaticano I e II A Constituição dogmática DV foi o documento mais trabalhado de todo o Concílio. O 1º esquema era simples e pequeno: Esquema da Constituição Dogmática sobre as Fontes da Revelação. Tinha 20 páginas e 5 pequenos capítulos: Duas Fontes da Revelação (Escritura e Tradição) Inspiração, Inerrância e Composição Literária da Escritura O Antigo Testamento O Novo Testamento A Escritura na Igreja

12 Dei Verbum D. Manuel de Almeida Trindade, participante nesta sessão, escreveu: (17 Novembro) os Padres conciliares estão todos de acordo quanto aos pontos dogmáticos definidos por Trento e pelo CV I. A divergência está no «Tom» que há-de revestir a Constituição. Os Bispos de dioceses de maioria católica, de formação mais dogmática e jurídica, julgando-se na posse da verdade, desejam defendê-la de incertezas e de ousadias. Os bispos de países de pluralidade religiosa (Holanda, Alemanha, Bélgica, França) ou onde os estudos bíblicos estão mais desenvolvidos, pretendem uma exposição mais positiva da verdade cristã, deixando campo aberto à investigação científica, e não cavando mais o fosso que divide os irmãos separados.

13 Dei Verbum Dois dias depois, anotava: Estamos num momento culminante do Concílio. Surgem certas propostas de conciliação. Aquela a que chamarei corrente bíblica, ganha terreno (…) sinto que aquilo que for decidido agora, terá reflexos extraordinários, não só do ponto de vista ecuménico como relativamente ao progresso dos estudos eclesiásticos. A discussão continuou até 21 de Novembro. A votação contra não teve o nº requerido (2/3: em 2209 votantes, 1318 foram contra continuar a discussão; 822 pediam para continuar a discutir, e 19 votos foram nulos). Neste momento, interveio João XXIII: com a sua autoridade, manda retirar o esquema, forma uma comissão mista, onde figuravam as duas tendências.

14 Dei Verbum 23 de Abril de 1963, foi apresentado o esquema II: A revelação do Verbo de Deus Inspiração e interpretação da Sagrada Escritura O Antigo Testamento O Novo Testamento A Sagrada escritura na Vida da Igreja Embora imperfeito, o texto foi aceite como base de discussão. Tinha aspectos muito positivos: A Revelação como verdade sobre Deus e sobre o Homem; unicidade da Revelação; primado do Evangelho sobre a Escritura e a Tradição; o Magistério ao Serviço da Palavra, e não árbitro da mesma; a afirmação de que a Escritura é a Palavra de Deus, e os documentos da Tradição são veículos dessa Palavra…

15 Dei Verbum As correcções originaram um terceiro esquema: tinha sobretudo a Revelação tendo como centro a pessoa de Jesus Cristo, interpelando constantemente os homens a um diálogo, que parte da iniciativa de Deus. A Revelação não é um conjunto de Palavras, mas uma economia da Salvação, manifestando-se em palavras e acções na história humana. A tradição está na dependência da pregação do Evangelho, e antes deste ser escrito. O papel do magistério da Igreja é interpretar a Sagrada Escritura, mas na dependência da mesma. A Escritura é a alma da teologia e o princípio que anima toda a doutrina cristã!

16 Dei Verbum Estará a verdade da Revelação de Deus toda na Bíblia, como texto escrito, ou também haverá verdades da Revelação de Deus na Tradição da Igreja transmitidas desde Jesus Cristo e os Apóstolos até aos nossos dias? É a chamada Tradição Constitutiva. A Tradição constitutiva (nomeadamente os dogmas marianos), com fundamento na escritura, mas provados unicamente pela Tradição. Acentuar a Transcendência da Tradição Apostólica sobre as Tradições eclesiásticas e sobre o magistério, ou seja, dar mais força à Palavra de Deus do que às formulações humanas subsequentes

17 Dei Verbum Esquema IV: colocou-se Tradição Apostólica, em vez de Tradição Viva Livros Sagrados em vez de Santas Escrituras Distinguem-se dois momentos na Transmissão da Palavra: Anúncio pelos Apóstolos e transmissão pelos seus sucessores No nº 10, retira-se a referência ao Magistério de supremo e de infalível Refere-se como o que ouve piamente a palavra de Deus antes de a guardar e de a expor aos outros crentes. O título deixou de ser A Revelação e passou a ser Palavra de Deus (Dei Verbum).

18 Dei Verbum O Esquema V estava completo a 28 de Outubro de (ver quadro de votação, Herculano Alves, pág. 595). O arrastar deste texto deve-se sobretudo à problemática que vinha já de Trento: Revelação e relação com a escritura Tradição e Magistério da Igreja Todo o ambiente ecuménico contribuiu também para um clima totalmente oposto a Trento, que era polémico e anti-protestante, bem como o era da preocupação apologética do CV I.

19 Dei Verbum Roger Schutz: Sem se decidir por nenhuma delas, a reflexão Conciliar permitiu superá-las, para orientar a teologia para uma nova solução, que poderia bem ser uma solução ecuménica própria para reunir os cristãos divididos. É necessário reconhecer aqui o benefício do debate conciliar que, neste ponto, não conduziu à vitória de uns e à derrota de outros, mas a uma superação das posições (…) Aqui, maioria e minoria não têm o mesmo significado que nos negócios deste mundo, não obstante as aparências exteriores e o pecado dos homens da Igreja, o qual sempre procura fazer obstáculo à vontade de Deus. (…) entram num diálogo difícil, é certo que se assemelha a um parto doloroso, mas que as conduz finalmente a uma superação em que cada posição adquirida morre para renascer na aurora de uma unidade possível.

20 INSPIRAÇÃO: TEMA IMPORTANTE Quando esmorece em nós a consciência da inspiração, corre-se o risco de ler a Escritura como objecto de curiosidade histórica e não como obra do Espírito Santo, na qual podemos ouvir a própria voz do Senhor e conhecer a sua presença na história. VD, 19

21 TPC Pés assentes no chão. Ter em conta a minha vida e a dos que estão à minha volta. Não viver alheado do mundo. Boca pronta para anunciar e denunciar aquilo que os olhos viram, os ouvidos escutaram e o coração sentiu. Como posso ficar calado? Joelhos dobrados. Só com uma leitura orante se descobre o verdadeiro tesouro da Bíblia. Ler pedindo ajuda ao Espírito Santo. Estar com a Igreja. A Bíblia surgiu no contexto de um povo. Só no meio do povo ela revela toda a sua fecundidade e sentido. Ler como lê a Igreja. Procure na Bíblia novas passagens bíblicas onde esteja presente o tema da inspiração bíblica

22 SEMESTRE Próxima aula 20 Fevereiro 27 Fevereiro 6 Março 13 de Março 20 Março 10 Abril 17 Abril 24 Abril 1 Maio 8 Maio 15 Maio 22 Maio 29 Maio 5 Junho 12 Junho

23 Propedêutica Bíblica Paróquia do Algueirão P. Hugo Gonçalves


Carregar ppt "Propedêutica Bíblica 6 de Março de 2013 – Revelação e Tradição."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google