A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A REVOLUÇÃO FRANCESA Imagem do pintor Delacroix expressando seu sentido da Revolução Francesa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A REVOLUÇÃO FRANCESA Imagem do pintor Delacroix expressando seu sentido da Revolução Francesa."— Transcrição da apresentação:

1 A REVOLUÇÃO FRANCESA Imagem do pintor Delacroix expressando seu sentido da Revolução Francesa.

2 A REVOLUÇÃO FRANCESA (1789 – 1799) Principais causas Absolutismo de Luís XVI Desordem administrativa Início da revolução – Convocação dos Estados Gerais (maio de 1789) – Rebelião do terceiro Estado – 14 de julho, Bastilha.

3 Etapas da Revolução Primeira fase (1789 – 1792) Assembleia Nacional Destituição dos poderes da nobreza e autoridades Abolição dos privilégios feudais Declaração dos Direitos do homem e do cidadão Constituição Civil do Clero 1791 primeira Constituição Ameaça militar (emigrados) Revolucionários proclamação da República

4 Segunda fase ( ) Convenção Nacional Setembro de 1792 – posse da nova Assembleia (Convenção) – a república foi proclamada. Grupos políticos Girondinos – pretendiam uma república burguesa Montanheses – queriam maior participação política e poder $. Jacobinos. Governo da Montanha Luís XVI (21/01/ 1793) Terror Edito do Máximo Girondinos jul Reação termidoriana (G. do 09 Thermidor) Conservadores no poder / nova constituição ( República Burguesa e expansão ) Executivo = Diretório

5

6 Depois da primeira abdicação de Napoleão (1814), representantes de todos os governos europeus reuniram-se no Congresso de Viena, com o objetivo de reorganizar a Europa após a Revolução Francesa e as Guerras Napoleônicas. Em favor de dois grupos ameaçados Reis absolutistas Burguesia comercial

7 Restaurar o Antigo Regime Novo Mapa Santa Aliança Congresso de Viena – Presidido pelo chanceler austríaco Metternich e dominado pelas potências vencedoras de Napoleão (Áustria, Rússia, Prússia e Grã-Bretanha)

8 Teste o seu conhecimento 43. Durante o período napoleônico ( ), dentre as medidas adotadas por Bonaparte, assinale aquela que teve repercussões importantes nas relações comerciais do Brasil com a Inglaterra: a) Restauração financeira, com a consequente fundação do Banco da França, em b) Decretação do Bloqueio Continental, em 1806, com o qual Napoleão visava arruinar a indústria e o comércio ingleses. c) Promulgação, em 1804, do Código Civil que incorporou definitivamente, na legislação francesa, os princípios liberais burgueses. d) Expansão territorial da França com a incorporação de várias regiões da Europa, formando o chamado Império Napoleônico. e) Criação do franco, como novo padrão monetário.

9 44. A era napoleônica ( ) caracterizou-se como um período de profundas transformações políticas e sociais que consolidaram a hegemonia burguesa na França. Marque a opção que identifica corretamente uma dessas transformações. a) Abolição da escravidão nas colônias francesas. b) Aprovação da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. c) Promulgação do Código Civil dos franceses. d) Extinção dos laços senhoriais de servidão e vassalagem. e) Instituição do sufrágio censitário. Segunda Revolução Industrial

10 As transformações tecnológicas e econômicas.

11 Conceito Dá-se o nome de Segunda Revolução Industrial às transformações que provocaram o nascimento do capitalismo monopolista. Revolução Industrial que modificou as paisagens das cidades

12 De 1760 a 1830, a Revolução Industrial ficou praticamente confinada à Grã-Bretanha. Em 1807, criação de fábricas de têxteis na Bélgica, favorecido pela existência de ferro e carvão. O crescimento industrial da Alemanha e Itália após a unificação Fora da Europa, ainda durante o século XIX, somente os Estados Unidos e o Japão entraram na Revolução Industrial. Fatores – Transformações

13 Características Gerais A partir da segunda metade do século XIX Aplicação do Progresso tecnológico-científico à produção. Marcada pelo trinômio eletricidade-petróleo-siderurgia

14

15 50. Na segunda metade do século XIX configurou-se uma nova etapa do processo de desenvolvimento da Revolução Industrial, que, dentre outras, apresentou a seguinte característica: a) declínio das exportações de capitais para áreas de investimento fora da Europa industrializada, tais como a África e a Ásia. b) fim da política de expansão imperialista dos países europeus que haviam alcançado a industrialização. c) supremacia do sistema familiar de produção, que passou a atender às necessidades do mercado consumidor. d) concentração da produção industrial em grandes empresas com o fortalecimento do capital monopolista. e) consolidação da livre concorrência entre as empresas capitalistas facilitada pelo retorno da legislação colonial.

16 AS UNIFICAÇÕES NO SÉCULO XIX ALEMANHA E ITÁLIA

17 CARACTERÍSTICAS GERAIS No contexto da expansão da Revolução Industrial Objetivos: fortalecimento político- econômico da classe burguesa A partir de regiões já industrializadas Para fazer frente aos países industrializados (Inglaterra e França) Movimento armado Influenciado pelo Nacionalismo Fundamenta-se na Revolução Francesa sentimento de valorização marcado pela aproximação e identificação com uma nação.

18 7 estados. O mais desenvolvido era o Reino de Piemont-sardenha.

19 Três segmentos buscavam a unificação Duas correntes: Republicanos e Monarquistas. Risorgimento ( Sociedade Carbonária ) : alta burguesia e nobreza fundiária Unificação com implantação de monarquia liberal. Conde Camilo Benso de Cavour Jovem Itália: pequena e média burguesia, liderado por Giuseppe Mazzini. Unificação do país e implantação de regime republicano OS CAMISAS VERMELHAS: Unificação do país e implantação de regime republicano: Giuseppe Garibaldi

20 Os camisas vermelhas na Batalha de Calatafimi COLEÇÃO PARTICULAR A Itália aliou-se à França na guerra da Criméia com o intuito de se livrar da Áustria (tinha o domínio do norte da Itália desde o Congresso de Viena). Cavour e Garibaldi com seus exércitos avançam e unificam praticamente toda a Itália. O único problema era o Papa que passou a ser protegido pela França. Sem apoio da França acontece a unificação final da Itália Surge a Questão Romana que só é resolvida em 1929 com a criação do Estado do Vaticano.

21 Reunia 39 Estados soberanos Liderados pela Áustria - era o mais forte, pois era o Império Austro-húngaro. Economia predominantemente agrária. Confederação Germânica Unificação alemã

22 De Monarquia (rei Guilherme I) parlamentar estava fortalecendo militarmente. Economia industrializada Se fortaleceu com o Zollverein A Prússia

23 A burguesia industrial, interessada no processo de unificação, se aliou aos junkers, a aristocracia prussiana que controlava a administração e o exército do reino. Líder - Otto Von Bismarck Ministro de Guilherme I Caricatura de Bismarck

24 PROCESSO Mediante a exaltação do espírito nacionalista por meio de três guerras. Guerra dos Ducados – 1864 ( Schleswig e Holstein ) - predominantemente habitado por população alemã. - administrado pela Dinamarca - pretexto para Bismarck unir os alemães contra esta - Prússia e Áustria juntaram-se contra a Dinamarca Guerra das sete semanas – 1866 Guerra Austro-Prussiana - a rivalidade entre Áustria e Prússia estourou com esta guerra - vitória os austríaca Guerra Franco-Prussiana – sul da Alemanha sob controle da França e Áustria - para anexar toda a Alemanha, Bismarck forja uma guerra contra a França ( ) - com a derrota de Napoleão III ocorreu a unificação final da Alemanha - proclamação do Império Alemão, feita em Paris (Versalhes) - a Alemanha impõe o Tratado de Frankfurt

25 Quadro da época, retratando a proclamação do Império Alemão no Palácio de Versalhes em 18/01/1871. A figura central, de uniforme branco, é Bismarck. Guilherme I da Alemanha Otto von Bismarck O chanceler de ferro

26 58. A unificação política da Alemanha ( ) teve como consequências: a) a ruptura do equilíbrio europeu, o revanchismo francês, a revolução industrial alemã e política de alianças. b) enfraquecimento da Alemanha e miséria de grande parte dos habitantes do sul, responsável pela onda migratória do final do século XIX. c) a anexação da Alsácia e Lorena, o empobrecimento do Zollverein e retração do capitalismo. d) corrida colonial, revanchismo francês, o enfraquecimento do Reich e anexação da Áustria. e) o equilíbrio europeu, a aliança com a França, a formação da união aduaneira e a Liga dos Três Imperadores.

27 Os Movimentos Socialistas

28 Socialismo Uma reação contra o liberalismo Utópicos – sociedade da existente, porém não determinavam os meios para alcança-las. Científico – toma por base a análise do capitalismo, defendendo princípios capazes de compreender a realidade e transforma-la. "Proletários de todos os países, uni-vos" livro de Marx e Engels, Manifesto Comunista que conclama os operários à união contra a ordem capitalista.

29 Influenciou Revolução Russa 1917 Revolução Chinesa 1949 Revolução Cubana 1959

30 REVOLUÇÃO RUSSA 1917

31 A Rússia às vésperas da revolução Estado despótico apoiado pela nobreza proprietária de terras e pela Igreja Ortodoxa Russa Economia Baseada na agricultura

32 1898: criação do primeiro partido político de caráter marxista do país (POSDR) Mencheviques: luta contra o czarismo passaria por uma etapa democrático- burguesa Bolcheviques: necessidade de uma revolução proletária Fatores Descontentamento popular com o governo do czar Manifestação pública de operários e populares Domingo Sangrento em 1905 A repressão czarista resulta em milhares de mortos e prisioneiros, além do exílio de várias lideranças socialistas.

33 Revolução de Fevereiro Queda do Czar Formação de um Governo Provisório (Menchevique) não atendeu às reivindicações populares descontentamento De março a outubro: mobilizações populares em defesa da paz e de mudanças políticas e econômicas profundas

34 Outubro de 1917 Revolução Bolchevique Vladimir Lenin Adoção de medidas de destruição da velha ordem Criação de um nova estrutura de governo Primeiro Estado Socialista da História

35 A AÇÃO IMPERIALISTA DO SÉCULO XIX NEOCOLONIALISMO

36 COLONIALISMO x NEOCOLONIALISMO ColonialismoNeocolonialismo Século XVI Século XVI Metais preciosos Mercados abastecedores de produtos tropicais Mercados consumidores de produtos manufaturados AMÉRICA AMÉRICA Século XIX Século XIX Interesses econômicos Carvão/ ferro/petróleo Produtos alimentícios Mercados Consumidores Pretextos razões Culturais Intelectuais Religiosos ÁFRICA e ÁSIA ÁFRICA e ÁSIA

37 Expansão da Revolução Industrial para outros países após Desenvolvimento industrial na Alemanha e Itália Industrialização na América e Ásia Grande avanço tecnológico

38 Crise do capitalismo = Grande depressão (1873 – 1896) Conferência de Berlim Otto von Bismarck Conferência de Berlim (1885). Divisão da África

39

40

41 Revoltas contra o Imperialismo Guerra do Ópio – Revolta dos Cipaios – 1858 Guerra dos Boxers Guerra dos Bôeres – A corrida colonial africana produziu inúmeros atritos entre os países colonialistas, constituindo de fato um dos fatores básicos do desequilíbrio europeu responsável pela eclosão da Primeira Guerra Mundial.

42 1914 a 1918

43 Fatores Econômicos Corrida colonialista Nacionalismo exacerbado

44 Os antecedentes da guerra Alemanha e Itália: atraso na corrida imperialista e controle de territórios menos extensos e menos ricos Corrida armamentista Primeira Guerra Mundial Veículo europeu, equipado com metralhadora, utilizado na Primeira Guerra Mundial. HULTON-DEUTSCH COLLECTION/CORBIS/LATINSTOCK Política de alianças 1882: Tríplice Aliança Entre 1893 e 1907: Tríplice Entente

45 Alemanha Áustria-Hungria Turquia Bulgária Rússia França Grã-Bretanha Japão EUA Itália : Tríplice Aliança 1882: Tríplice Aliança Entre 1893 e 1907: Tríplice Entente

46 Os antecedentes da guerra Representação das alianças políticas realizadas durante o período que antecedeu a Primeira Guerra Mundial.

47 Quatro anos de destruição Estopim em 28 de junho de 1914: morte dos herdeiros do trono da Áustria-Hungria no atentado de Sarajevo, cometido por um nacionalista sérvio. Primeira Guerra Mundial Linha de trincheira britânica, 28 de outubro de 1914 REPRODUÇÃO

48 O que se mostrava como uma guerra de movimentos ampliou- se e foi substituído por uma guerra de trincheiras.

49 Schlieffen Guerra em duas frentes: Ocidental França Oriental Rússia B. de MARNE 1914

50 1915 guerra de posição / trincheiras 1917 – Sai a Rússia e entram os EUA Brest-Litovsk 3/3/ II B. MARNE fim Tentativas de PAZ

51 A paz de Versalhes Janeiro de 1918: Os 14 pontos de Wilson 28 de junho de 1919: Tratado de Versalhes Criação da Liga das Nações O Tratado de Saint-Germain, assinado em 1919, desmembrou o Império Austro-Húngaro. Fracassou

52 A paz de Versalhes Europa antes de 1914 Europa depois de 1919

53 Atendia aos interesses dos alemães. S/ vencidos/vencedores S/ anexações e ind. (Integridade territorial) Diplomacia aberta Criação da Sociedade. das Nações Ñ aceitos

54 Alemanha culpada pela guerra Determinações p/ enfraquecer e desmilitarizar esse país Reformulação do mapa Europeu. Indenizações – 269 bi de marcos Liga das nações

55 O Período entre guerras Isolamento político norte-americano Crise econômica e perda de liderança mundial dos países europeus Expansão da economia norte-americana A Crise de 1929 Surgimento do Regimes Totalitários

56 A crise de 1929

57 Durante a Primeira Guerra Mundial, os EUA viveram um grande desenvolvimento industrial. A produção foi ainda mais acelerada para abastecer a Europa, envolvida no conflito. De uma forma ou de outra, todos vendiam ou compravam dos EUA.

58 Por volta de 1920, manifestou-se uma breve crise de superprodução. Após a guerra, os países europeus estavam se reconstruindo e diminuíram consideravelmente o seu consumo.

59 A forma encontrada para que a superprodução não paralisasse o progresso econômico americano foi a seguinte: no plano interno, estimulou-se o aumento do consumo de mercadorias de vendas a prazo. o crédito permitiria a aquisição de produtos em quantidade. A indústria poderia continuar no mesmo ritmo e os produtos agrícolas continuariam a ser produzidos em excesso e estocados por financiamento bancário. no plano exterior, os investimentos norte-americanos na Europa, arrasada pela guerra, estimulavam as importações de seus produtos.

60 Tal processo consistiu, assim, em outra válvula de escape para o excesso de produção. Havia a impressão de que nenhuma crise abalaria o progresso econômico dos Estados Unidos, que passaram a viver da euforia do american way of life.

61 O otimismo do minava todas as camadas sociais. Subitamente, uma crise abateu-se sobre a economia, alastrando-se rapidamente por todo o mundo liga do à economia americana. A diminuição rápida do valor das ações na Bolsa de Nova York, em outubro de 1929, afetou todas as atividades econômicas americanas. Desempregados norte-americanos, em frente à Bolsa de Valores.

62 O crack na Bolsa repercutiu sobre todo o mundo capitalista. A prosperidade americana tinha passado, iniciando-se um período de tropeços econômicos.

63 Quebra da Bolsa de Nova York: de 1920 a 1929, os americanos compraram ações de diversas empresas. De repente o valor das ações começaram a cair. Os investidores quiseram vender as ações, mas ninguém queria comprar. Esse quadro desastroso culminou na famosa Quinta-Feira Negra (24/10/1929 – dia que a Bolsa sofreu a maior baixa da história). A quebra da bolsa trouxe medo, desemprego e falência. Milionários descobriram, de uma hora para outra, que não tinham mais nada e por causa disso alguns se suicidaram. O número de mendigos aumentou.

64 Em 1930, a crise se agravou. Em 1933, Roosevelt foi eleito presidente dos EUA e elaborou um plano chamado New Deal. O Estado passou a vigiar o mercado, disciplinando os empresários, corrigindo os investimentos arriscados e fiscalizando as especulações nas bolsas de valores.

65 Soluções para a crise Política econômica: pleno emprego, estabilidade de preços, crescimento econômico e equilíbrio na balança de pagamentos Distribuição de alimentos em Nova York, 1931 BETTMANN/CORBIS/LATINSTOCK

66 O New Deal Novo acordo ou nova transação: programa de recuperação econômica proposto pelo governo do presidente Roosevelt, nos Estados Unidos, entre 1933 e 1945 Baseado nas ideias do economista John Maynard Keynes Na foto, o cotidiano de uma mãe faminta com os filhos em Nipomo, Califórnia, em 1936

67

68 Totalitarismo Origens Europa: Fim da Primeira Guerra Mundial Crise econômica Fome Miséria Ajuda: EUA frustrada em 1929 URSS ascensão do SOCIALISMO = 1917 O mundo passa a viver um clima de Instabilidade CAPITALISMO socialismo

69 Fascismo Itália - Benito Mussolini Nazismo Alemanha- Adolf Hitler. Essencialmente nacionalista, antidemocrático, antioperário, antiliberal e antissocialista. Solução Fenômeno político denominado TOTALITARISMO Corporativismo Racismo (antissemitismo)

70 REALIZAÇÕES 1922 a conquista do poder. - Tratado de Latrão Carta do Trabalho Combate à malária Industrialização, estabilização econômica 1927.

71 Fatores Derrota na I Guerra Tratado de Versalhes

72 Ascensão Golpe frustrado em 1923 (Putsch) Minha Luta Após 1929 = crescimento político 1933 = Chanceler Hindenburg = Chanceler + Presidente. Realizações Eliminação da oposição Rearmamento alemão Expansionismo

73 A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

74 Antigas e novas tensões num velho mundo As Razões do Conflito

75 O Revanchismo alemão e italiano + Crise de 1929 Não superação dos problemas econômicos e sociais dos vencidos Surgimento de movimentos antidemocráticos Tratados de paz imposto aos vencidos A Sociedade das Nações não atingiu seus objetivos A necessidade de mercados consumidores e fornecedores.

76 Governo nazista afirmava que os problemas alemães eram consequências do Tratado de Versalhes. Política expansionista e militarista O problema alemão Despesas militares da Alemanha ( )

77 A deflagração do conflito mundial 1 o de setembro de 1939: Hitler divulga início das operações militares para a invasão da Polônia. 3 de setembro de 1939: Grã-Bretanha e França declaram guerra ao Terceiro Reich. Charge de Belmonte REPRODUÇÃO

78 Aliados Inglaterra, França a partir de 1941, EUA e URSS Eixo Alemanha, Itália e Japão. Blocos Combates em quatro fronts: EUROPA OCIDENTAL EUROPA ORIENTAL NORTE da ÁFRICA PACÍFICO.

79 FASES DA GUERRA Detenção e Recuo do Eixo ( ) Avanço do Eixo ( )

80 Depois da Polônia, a Alemanha dominou a Bélgica, França, Holanda, Noruega. A França é dividida em duas partes Na frente ocidental, Hitler é detido na Batalha da Inglaterra, que o impede de conquistar a ilha. Hitler volta-se para a Europa Oriental e invade a URSS (06/1941), rompendo o pacto de não-agressão. No Oriente, os EUA estavam inquietos com o avanço japonês e entraram na guerra após o ataque a Pearl Harbor (07/12/1941). Avanço do Eixo ( )

81 A mundialização do conflito: a guerra total e a ofensiva dos Aliados Entrada da URSS e dos EUA na guerra Em 1942, a guerra pende a favor dos Aliados. A batalha de Stalingrado O Dia D

82 Frente Oriental - Os alemães sofrem sua primeira derrota na Batalha de Stalingrado e começam a ser empurrados de volta para a Alemanha. Frente Mediterrânica - Os ingleses e americanos derrotaram os nazistas no Norte da África, enquanto a Itália era invadida pelos aliados. Frente Ocidental - Em 1944, os aliados desembarcaram na Normandia, abrindo uma terceira frente de batalha. Em 1945, após o suicídio de Hitler, a Alemanha rendeu-se aos aliados no mês de maio. Detenção e Recuo do Eixo ( ) Guerra na Europa

83 A primeira derrota do Japão se deu na Batalha de Midway. A rendição japonesa veio após o lançamento das bombas atômicas em Hiroshirna e Nagasaki no mês de agosto de Detenção e Recuo do Eixo ( ) Guerra no Pacífico

84 Oriente: extensão da guerra por mais dois meses 6 de agosto de 1945: primeiro ataque nuclear contra Hiroshima – 140 mil pessoas morreram. Três dias depois: ataque a Nagasaki – mais de 70 mil vítimas fatais O brilho dos mil sóis: o ataque atômico à Terra do Sol Nascente Bomba atômica lançada pelos Estados Unidos contra o Japão, na cidade de Hiroshima CORBIS/LATINSTOCK

85 Consequências Ascensão dos EUA e URSS como superpotências mundiais Guerra Fria Criação da ONU Descolonização afro-asiática

86

87 A Cúpula Genbaku ( ou Cúpula da Bomba Atômica) de Hiroshima é considerado um dos patrimônios da humanidade pela UNESCO. Está localizado a somente 150 m do epicentro da explosão da bomba atômica de 6 de agosto de 1945.

88 A ROSA DE HIROSHIMA Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas oh não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroshima A rosa hereditária A rosa radioativa Estúpida e inválida A rosa com cirrose A anti-rosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa sem nada. VINICIUS DE MORAIS


Carregar ppt "A REVOLUÇÃO FRANCESA Imagem do pintor Delacroix expressando seu sentido da Revolução Francesa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google