A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Construindo Conhecimento Inovador Marinilza Bruno de Carvalho,Dr 2010 3ºABT.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Construindo Conhecimento Inovador Marinilza Bruno de Carvalho,Dr 2010 3ºABT."— Transcrição da apresentação:

1 Construindo Conhecimento Inovador Marinilza Bruno de Carvalho,Dr ºABT

2 Conteúdo 1. Ambientes e Cenários 2. Conceituação 3. Qual o Problema? 4. Missão e estratégia 5. Modelo Novo e Antigo 6. Casos de Sucesso Marinilza Bruno de Carvalho,Dr

3 Questões Atuais Cenário? Ambiente? Quem somos ? Onde estamos ?

4 Teste das 3 Peneiras Para a Inovação Porque – é verdade? Para que – vale a pena? Como –procedimentos?

5 2. Conceituação Marinilza Bruno de Carvalho,Dr

6 Inovação é Dar uma nova utilidade a instrumentos,ferramentas e objetos; Pensar diferente; Utilizar o conhecido para criar um desconhecido; Fazer diferente; SER diferente.

7 Inovação "...A originalidade do homem está no seu poder de sonhar... e porque é racional, mas também é sensível, é que o homem percebe, na relação direta de seus desejos, as insuficiências do mundo em que vive. Sua insatisfação não é, assim, um vício, mas a virtude que o faz ser construtor de projetos". (PLATT,1997)

8 InovaçãoContinuando, Lewis Platt, presidente da Hewlett-Packard em 1997, empresa considerada campeã em inovação permanente:...Nesta época de mudanças intermináveis, a regra de ouro é sempre molhar os pés, porque só se aprende fazendo... Acredito que hoje a causa principal do fracasso seja a incapacidade de assimilar mudanças... A boa notícia é que a mudança sempre traz oportunidades. Sempre há muitas oportunidades para compensar as ameaças... Geralmente o tipo de pessoa que contratamos prospera com mudanças, procura mudanças. Tentamos sempre escolher gente assim".

9 Inovação Conceituação e visão Os editais públicos utilizam o conceito de Inovação Incremental, como sendo o melhoramento do produto e/ou processo já existente, e Inovação Radical, quando o produto e/ou processo é completamente novo, tendo como referência a instituição. Portanto, se é novo para a instituição é uma inovação.

10 Inovação Conceituação e visão A extensão destes conceitos ao domínio da Tecnologia deve ser entendida como sendo a situação em que a instituição introduz um produto e/ou o processo tecnologicamente novo, assim como, quando um melhoramento tecnologicamente significativo é introduzido em seu próprio processo e produto. Evita-se entender como inovação tecnológica as modernizações industriais feitas a partir de uma mesma tecnologia.

11 Joel Barker, 95 diz que não basta conhecer a tecnologia, é preciso saber como a tecnologia mudará o mundo. Christensen e Raynor,2003 volta com a manifestação de que não basta prever as ações dos homens, é preciso conhecer as forças que atuam sobre os homens.

12 Christensen e Raynor,2003, continua: Não basta conhecer os resultados, é preciso conhecer os processos, e que não podemos julgar os resultados sem que tenhamos como identificar os critérios.

13 Bárbara Minto, 1991 buscou estudar a comunicação empresarial e diagnosticou grandes falhas de comunicação na relação hierárquica administrativa. O que Bárbara pôde comprovar foi que o emissor da informação acreditou ter conseguido atingir o seu objetivo de se comunicar e o receptor considerou ter a informação correta. Ambos estavam equivocados.

14 No entanto, o que o emissor enviou não foi o que o receptor recebeu. No relatório da pesquisa, Bárbara concluiu o processo de tratamento da informação por parte do receptor é diferente do processo de tratamento do emissor. O que precisamos considerar e estudar é qual o processo ou critério por que passam as informações na geração dos resultados.

15 Inovar é controlar o instinto e refletir sobre que possibilidades existem e quais podem ser consideradas.

16 Porque é tão difícil sustentar o sucesso ? 1.Não são apenas erros de gestão 2.Tem os erros de visão 3.Erros de Estratégia CHRISTENSEN. RAYNOR

17 O maior inimigo é pensar que : o sucesso de antes continuará sucesso JOEL BARKER

18 3. Qual o Problema? Marinilza Bruno de Carvalho,Dr

19 Como sustentar o sucesso sem repetir o que foi feito ? Inovando Fazendo diferente Criando diferenciais competitivos

20 Qual o problema ? 1.Muitas iniciativas de inovação começam com premissas falhas. 2.Elas implicitamente escondem suposições do modelo atual de ação. 3.Essas suposições restringem as possibilidades de novos modelos de trabalho ou de migração do modelo atual.

21 Qual o problema ? Isso tudo ocorre principalmente em pessoas de sucesso, já que seus sucessos significam que as suposições do modelo de ação atual são muito poderosas. Desta forma, mover além das premissas existentes requer a criação sistemática de opções utilizando diferentes premissas. Além disso, exige a habilidade de aprender, testar e reduzir o risco dessas opções em ciclos de tempo freqüentes, porém curtos, e com recursos limitados.

22 O que é tecnologia ? É a ciência que estuda a técnica. Assim, o modo de trabalho e /ou de desenvolvimento de determinada tarefa ou atividade é uma TECNOLOGIA.

23 4. Missão e Estratégia Marinilza Bruno de Carvalho,Dr

24 MISSÃO "Apoiar a geração da inovação, trabalhando para transformar o conhecimento científico em benefícios reais para a sociedade, valorizando a ética e a responsabilidade social. Estratégia de Ação 1.Experiência na geração e gestão de spin offs. 2.Metodologias proprietárias para avaliação e gestão de tecnologias 3.Estreita relação com universidades e centros de pesquisa. 4.Sucesso na captação de recursos 5.Prestação de serviços

25 5. Modelo Antigo e Modelo Novo Marinilza Bruno de Carvalho,Dr

26 Modelo antigo – ainda vigente em algumas organizações. Fechado Competitivo Grandes laboratórios próprios Integração Vertical Pesquisa interna Objetivos conhecidos e Missão Organizacional (patenteamento Para soluções de uso interno)

27 Modelo Novo Open Innovation Modelo Novo Open Innovation Internalização de Novas Tecnologias Licenciamento de Tecnologias para e de outras empresas. Pesquisa e Denvolvimento em Parceria

28 Possibilidades – Cenários Futuros Henry Chesbrough,2003 Pesquisa Desenvolvimento Licenciamento de Patentes Comercialização Internalização de protótipos para scale-up. Internalização de Idéias e Tecnologias Internalização de Patentes/know-how para desenvolvimento Spin-offs TEMPO

29 SPIN-OFFS Os projetos de P&D desenvolvidos pelos docentes e investigadores das ICT´s, nos laboratórios, centros de pesquisa e institutos de fomento à pesquisa podem conduzir à criação de novas empresas cujo objetivo é a exploração dos resultados desses projetos. Essas novas empresas designam-se por Spin-offs quando resultam da atividade científica e quando os promotores são colaboradores em instituições de P&D ou universidades.

30 Benefícios Desenvolvimento tecnológico do País Desenvolvimento tecnológico do País Desenvolvimento de novas habilidades Desenvolvimento de novas habilidades Criação de mercados Criação de mercados Desenvolvimento intelectual e profissional Desenvolvimento intelectual e profissional Integração de Conhecimento Integração de Conhecimento Abrangência de mercado Abrangência de mercado Atendimento à sociedade Atendimento à sociedade Inclusão social Inclusão social Educação Continuada Educação Continuada Ação tripartite Ação tripartite

31 Comparação entre os modelos 1.Pessoas de talento contratadas 2.Lucro só com des., patenteam., e comercialização próprios 3.O lucro na criação e comercial. primeiro 4.Toda inovação vence 5.Melhor idéia vence 6.Controle de patente para uso próprio 1.Contratar talentos dentro e fora da empresa 2.Valor agregado com trabalho em rede e parcerias 3.Lucro com qualquer atividade agregada 4.O melhor produto, não é o melhor negócio 5.Melhor uso vence melhores idéias 6.Licenciamento como grande negócio

32 6. Casos de Sucesso Cirque du Soleil Nestlé Havaianas Kopenhagen Outras Marinilza Bruno de Carvalho,Dr

33 REINVENTANDO O ESPETÁCULO A Inovação e a Criatividade no Cirque du Soleil - Lyn Heward A Centelha: Acendendo a Chama Criativa que Vive em Todos Nós The Spark [Cirque du Soleil: a reinvenção do espetáculo] foi criado em homenagem às contribuições de centenas de idealizadores, artistas, artesãos, técnicos e funcionários do Cirque du Soleil ao corpus do nosso trabalho. É de suas elevadas expectativas e, nas palavras de Baudelaire, de seus sonhos magníficos, que nossos produtos criativos vêm à luz. Trabalhando sozinhos ou em conjunto, eles aprendem a comover e se relacionar com as pessoas de novas maneiras, buscando sempre reinventar a si mesmos. Sua aspiração é devolver ao mundo o que receberam, num infindável continuum de mudanças, trocas e renovação; eles são os catalisadores.

34 REINVENTANDO O ESPETÁCULO A Inovação e a Criatividade no Cirque du Soleil - Lyn Heward 1ª PORTA: EXPECTATIVAS ELEVADAS 2ª PORTA: ACATAR NOSSOS SENTIDOS 3ª PORTA: CAÇA AO TESOURO E TRANSFORMAÇÃO CRIATIVA 4ª PORTA: O AMBIENTE ESTIMULANTE 5ª PORTA: COMO RESTRIÇÕES, DESAFIOS, DIFERENÇAS E AS EXPECTATIVAS DO CONSUMIDOR TORNAM-SE CATALISADORES CRIATIVOS? 6ª PORTA: CORRER RISCOS – QUEM NUNCA SE QUEIMOU? 7ª PORTA: MANTER O FRESCOR!

35 Nestlé – A Inovação Além da Marca. Reinventando o Atendimento ao Consumidor e Criando Defensores da Marca

36

37

38

39

40

41

42 Tom Kelley

43

44

45 Design como estratégia de Negócio

46

47

48

49

50

51

52

53

54 Qual o seu processo de inovação ? No seu departamento? Na sua Empresa ? Na sua Vida ? Qual ????? Parcerias ?

55 Referências Bibliográficas 1.Filion, L.J., O Planejamento do Seu Sistema de Aprendizagem Empresarial: Identifique Uma Visão e Avalie o Seu Sistema de Relações – Revista de Administração de Empresas, FGV, São Paulo, Jul/Set.1991, Pag. 31 (3): ____________________Visão e Relações: Elementos para um Metamodelo da Atividade Empreendedora – International Small Business Journal, 1991 – Tradução de Costa, S.R. 3.Fontanive, Nilma Santos. Avaliação em larga escala e padrões curriculares: as escalas de proficiência em matemática e leitura no Brasil. In Avaliação e Determinação de Padrões na Educação Latino-Americana. s/r. 4.Kuhn,Thomas.S.A Estrutura das Revoluções Científicas. Perspectiva. SP Ludke, MarliE. D. André. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. SP; EPU Lei de Inovação de 2/12/2004.Decreto de Regulamentação.Nº5.563 de 11/10/ Christensen, Clayton M. e Raynor, Michael E, The innovators solution ; O crescimento pela inovação : Como crescer de forma sustentada e reinventar o sucesso – Tradução de Serra, Afonso C.C –Elsevier – RJ Ritto, Antônio Carlos.A e Carvalho, Marinilza Bruno -organizadores. Educação à distância: flexibilidades e paradigmas - PoD, Rio de Janeiro, Ângelo, Eduardo Bom. Empreendedor Corporativo : A nova postura de quem faz a diferença, Elsevier, Rio de Janeiro, Catálogo de Potencialidades, UERJ / vol.2 – Rio de Janeiro : Ctrl C, Francisco Rodrigues Gomes. Livro Sobre Inovação. O Caso Sandálias Havaianas® através do Modelo D.E.I:Aplicação do Modelo D.E.I - Difusao de Inovações, Estratégia e a Inovação [internet]. Versão 20. Knol jun 5. Disponível em: gomes/livro-sobre-inovação-o-caso-sandálias/11trgj5ebxv6a/2.http://knol.google.com/k/francisco-rodrigues- gomes/livro-sobre-inovação-o-caso-sandálias/11trgj5ebxv6a/2 12.Anne Miller.A Arte de Vender Ideias - Como Acabar Com A Resistência À Criatividade E A Inovação – 2010 – Ed. Unicamp – Campinas - Sp

56 UERJ – 9 de Novembro de 2010

57 MARINILZA BRUNO DE CARVALHO DOUTORA EM AVALIAÇÃO PELA UFRJ MESTRE EM ENGENHEIRA DE SISTEMAS PELA COPPE-UFRJ MESTRE EM ENGENHEIRA DE SISTEMAS PELA COPPE-UFRJ BACHAREL MATEMÁTICA LICENCIADA EM MATEMÁTICA PESQUISADORA EM : TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA PROFESSORA DO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DO IME - UERJ CONSULTORA DE EMPRESAS Coordenadora da CATED- Câmara Técnica da Educação à Distância da UERJ


Carregar ppt "Construindo Conhecimento Inovador Marinilza Bruno de Carvalho,Dr 2010 3ºABT."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google