A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PROF. ALEXANDRA ANASTACIO NUTRIÇÃO CLÍNICA II.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PROF. ALEXANDRA ANASTACIO NUTRIÇÃO CLÍNICA II."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PROF. ALEXANDRA ANASTACIO NUTRIÇÃO CLÍNICA II

2 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO GASTRITE E ÚLCERA PÉPTICA –FISIOPATOLOGIA Podem ocorrer quando alterações microbianas, químicas ou neurais provocam desequilíbrio nos fatores que normalmente mantêm a integridade da mucosa Causa mais comum: infecção por Helicobacter pylori Outras causas: uso excessivo de aspirina ou de outros antiinflamatórios não hormonais, fumo, elevadas doses de corticóides- podem tb agravar os sintomas

3 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO GASTRITE E ÚLCERA PÉPTICA –FISIOPATOLOGIA A mucosa do estômago e do duodeno normalmente é protegida da ação proteolítica do ácido gástrico e da pepsina através de uma camada de muco secretado por glândulas nas paredes epiteliais desde o terço distal do esôfago até a primeira porção do duodeno A camada da mucosa também é protegida da invasão bacteriana através da ação digestiva da pepsina, ácido clorídrico e das secreções mucóides O muco contém bicarbonatos neutralizadores de ácidos, além de bicarbonato proveniente do suco pancreático secretado para dentro da luz intestinal

4 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO GASTRITE Termo genérico que refere-se à inflamação e lesão tecidual resultante da erosão da camada mucosa e exposição das células subjacentes às secreções gástricas e às bactérias. CAUSA COMUM: Helycobacter pylori. A exposição resulta em respostas gerais e específicas inflamatórias e imunológicas às secreções gástricas e seus patógenos GASTRITE AGUDA: rápido início da inflamação e dos sintomas GASTRITE CRÔNICA: poderá ocorrer durante um período de meses a décadas, com redução ou exacerbação dos sintomas

5 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO GASTRITE SINTOMAS: náuseas, vômitos, mal estar, anorexia, hemorragia e epigastralgia GASTRITE ATRÓFICA: Resulta em atrofia e perda das células parietais do estômago, é caracterizada pela perda da secreção do ácido clorídrico ( acloridria) e de FI. Origem possível: auto-imune ou H. pylori de longa evolução.

6 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO GASTRITE AGUDA –TRATAMENTO Erradicação dos microorganismos patogênicos Retirada de qualquer agente predisponente Medicamentos: antibióticos, antiácidos, antagonistas do receptor H2 e inibidores da bomba de prótons GASTRITE ATRÓFICA: atenção à vitamina B12 de vido a diminuição do Fator íntrinsico. Dieta via oral zero até desaparecerem os sinais agudos de dor, náuseas e vômitos

7 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO GASTRITE –FINALIDADES DA INTERVENÇÕES NUTRICIONAIS –Recuperar o estado nutricional do paciente Favorecer o trabalho gástrico Reduzir a secreção gástrica Evitar o progresso das lesões Evitar a hemorragia Promover a educação nutricional do paciente

8 GASTRITE CARACTERÍSTICAS GERAIS DA DIETA ESPECIFIC.G. AGUDAG. CRÔNICA VolumeDiminuídoNormal TemperaturaNormal FibrasANP Alimentos SIsento Alimento DissaIsento Alimento flat.Isento OUTROS: LEITE ( ???), BEBIDAS ALCÓLICAS, CAFÉ ( descafeinado???), refrigerantes a base de cola( distensão e dispepsia),pimenta(???)

9 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO GASTRITE CARACTERÍSTICAS GERAIS DA DIETA ESPECIFIC.G. AGUDAG. CRÔNICA VETANP CarboidratoNormo ProteínaNormo/Hiper LipídosNormo/hipo MineraisANP VitaminasANP PurinaSem caldos conc. ConsistênciaLíquido/pastosoPastoso/branda FracionamentoAumentadoNormal

10 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO ÚLCERA PÉPTICA –FISIOPATOLOGIA Mucosa gástrica e duodenal protegidas do ácido clorídrico e da pepsina: secreção de muco, produção de bicarbonato, remoção do excesso de ácido através do fluxo sanguíneo normal, rápida renovação e regeneração da lesão da célula epitelial DEFINIÇÂO: úlcera decorrente da desestruturação na defesa normal e mecanismos de reparo. Diferente da gastrite sua lesão ocorre através da camada muscular da mucosa para dentro da submucosa ou muscular própria. Demonstram evidências de inflamação crônica e processo de cicatrização ao redor da lesão. CAUSAS: infecções por H. pylori, uso de aspirina e outros e as úlceras de estresse, álcool, derivados do fumo, uso elevado de corticóides SINTOMAS: dor abdominal, desconforto, anroxeixa, perda de peso, náuseas e vômitos, epigastralgia, hemorragia e perfuração, melena ( presença de evacuações com fezes enegrecidas tipo carvão

11 ESPECIFIC.ÚLCERA PÉPTICA VETANP CarboidratoANP ( sem ferments) ProteínaNormo/Hiper. Tamponam a secreção de gastrina e pepsina LipídosNormo/hipo MineraisANP VitaminasANP PurinaSem caldos conc. FibrasModificada por cocção e subdivisão TemperaturaN da preparação: diminui o esvaz e aumenta ácido CUIDADOS NUTRICIONAIS

12 ESPECIFIC.ÚLCERA PÉPTICA FracionamentoAumenta na fase aguda e normal na recuperação VolumeDiminui na fase aguda para diminuir o desconforto abdominal e normal na fase de recuperação OutrosEvitar alimentos ricos em S Ricos em dissacarídeos Alimentols fermentáveis Carminativos ( diminui a PEEI) Derivados de cola Álcoolicas Fumo Alimentos ácidos???? Pimenta ( pequena qtdd- estimulam a produção de muco e pode levar á erosão) TOLERÂNCIA INDIVIDUAL CUIDADOS NUTRICIONAIS

13 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO CÂNCER DE ESTÔMAGO –FISIOPATOLOGIA Neoplasias podem levar à desnutrição : perda excessiva de sangue e proteínas, obstrução e interferência mecânica com a ingestão alimentar TRATAMENTO: em geral através de ressecção cirúrgica Forte correlação com a H. pylori. Outras causas: consumo excessivo de álcool ou de alimentos defumados, curados e em conservas, dieta pobre em frutas e verduras. SINTOMAS: fraqueza, perda de apetite, emagrecimento, aquilia gástrica ( ausência de ácido clorídrico e pepsina ) ou acloridria.

14 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO CÂNCER DE ESTÔMAGO –CUIDADOS NUTRICIONAIS Orientação dietética é determinada pela localização do câncer, tipo de distúrbio funcional e estadiamento da doença GASTRECTOMIA é um dos tratamentos indicados SEM INDICAÇÂO CIRÙRGICA: dieta adequada ajustada à sua doença e que lhe propicie algum conforto ANOREXIA é um achado comum

15 CIRUGIA GÁSTRICA Recomendado quando a úlcera é complicada por hemorragia, perfuração, obstrução ou dificuldade de tratamento ou quando o paciente é incapaz de seguir o tratamento medicamentoso CIRURGIA MAIS INDICADA NA ÚLCERA PÉPTICA: PILOROPLASTIA ( vagotomia de tronco) – interrompe não somente a inervação das células parietais gástricas, mas também resulta na disfunção antral e pilórica e reduz a peristalse. CIRURGIA INDICADA PARA ÚLCERA GÁSTRICA- remoção da porção ulcerada, geralmente através de uma ressecção gástrica parcial EFEITOS COLATERAIS: Dumping, diarréia e perda de peso DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO

16 CIRURGIA GÁSTRICA –CUIDADOS NUTRICIONAIS Pós operatório imediato: dieta zero até que o funcionamento normal do trato gastrointestinal esteja restabelecido Retomada a função: dieta líquida e evoluir gradativamente de acordo com a sua tolerância para volume e consistência. Não é permitido laimentos condimentados, gordurosos ou hipertônicos VIA ENTERAL: se a cirurgia necessitar de um tempo mais prolongado para cicatrização. É indicado via enteral via jejunostomia. O uso da NPT está indicado naqueles pacientes com complicações pós-operatórias que impeçam a NE. FRACIONAMENTO aumentado e VOLUME reduzido VOLUME: reduzido Não beber líquidos durante as refeições A lactose não é bem tolerada. Queijos e iogurtes são melhor tolerados TCM em caso de esteatorréia Rica em PROTEÍNAS

17 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO CIRURGIA GÁSTRICA ( gastrectomia parcial ou total ) –REPERCUSSÃO NUTRICIONAL Desnutrição –Ingestão alimentar inadequada devido à anorexia ou aos sintomas relacionados à síndrome de dumping –Má absorção alimentar e esteatorréia, intolerância a lactose –Anemia, osteoporose e algumas deficiências de vits e mins –Dificuldade em ingerir grandes quantidades de alimentos Síndrome de dumping –Resposta fisiológica complexa à presença de quantidades maiores que o habitual, de alimentos sólidos ou líquidos na porção proximal do intestino delgado –Ocorre como um resultado da perda de regulação normal do esvaziamento gástrico e das respostas gastrointestinais e sistêmicas diante de uma refeição –Fatores: distensão do intestino delgado por alimentos sólidos e líquidos, ingestão de alimentos hipertônicos ou alimentos hipertônicos pela ação das enzimas digestivas –Sintomas: plenitude intestinal e náuseas dentro de 10 a 20 minutos após a refeição, rubor em face, taquicardia, sensação de desmaio, sudorese e uma necessidade intesnsa de sentar-se ou deitar-se, após 3 horas pode ocorrer uma hipoglicemia reacional ( hipoglicemia alimentar) – ansiedade, fraquez,a, tremores, sensação de fome

18 DISTÚRBIOS DO TGI ALTO ESTÔMAGO CIRURGIA GÁSTRICA ( gastrectomia parcial ou total ) –REPERCUSSÃO NUTRICIONAL Diarréia –Devido ao aumento da atividade intestinal –Intolerância digestivas: gprdurass. Carboidratos simples como sacarose, lactose e dextrose –Indicado o uso de fibras pela ação das enzimas digestivas –Sintomas: plenitude intestinal e náuseas dentro de 10 a 20 minutos após a refeição, rubor em face, taquicardia, sensação de desmaio, sudorese e uma necessidade intesnsa de sentar-se ou deitar-se, após 3 horas pode ocorrer uma hipoglicemia reacional ( hipoglicemia alimentar) – ansiedade, fraquez,a, tremoreds, sensação de fome Osteoporose e anemia: cirurgia aumenta o pH, dificultando a conversão do ferro para a forma ativa, o duodeno é um ótimol local para a absorção do ferro e cálcio e a cirurgia gástrica cria uma rota que se desvia do duodeno ( Billroth II) ou faz com que os materiais ingeridos passem rapidamente por ele ( Billroth I)


Carregar ppt "UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PROF. ALEXANDRA ANASTACIO NUTRIÇÃO CLÍNICA II."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google