A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Empreendedorismo. Conceito de Empreendedorismo Empreendedorismo é um termo derivado da palavra entrepreneurship e utilizado para designar estudos relativos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Empreendedorismo. Conceito de Empreendedorismo Empreendedorismo é um termo derivado da palavra entrepreneurship e utilizado para designar estudos relativos."— Transcrição da apresentação:

1 Empreendedorismo

2 Conceito de Empreendedorismo Empreendedorismo é um termo derivado da palavra entrepreneurship e utilizado para designar estudos relativos ao empreendedor, seu perfil e universo de atuação.A palavra entrepeneur é de origem francesa e foi usada com diferentes significados por vários autores, até se chegar a concepção que define o empreendedor como alguém que inova e é agente de mudanças.

3 Conceito de Empreendedorismo -Geração de riquezas e desenvolvimento econômico, com foco no homem e na sociedade. -Pessoas imbuídas de capacidade de liderança e criatividade, aliando inovação psicológica e crescimento econômico. -As pequenas e médias empresas adquirem um papel central na produção e criação de empregos. -O elemento humano é essencial no desenvolvimento do conceito de empreendedorismo. -Adotar o conceito de empreendedorismo é, antes de de tudo, associar ética, cidadania e comprometimento com o meio ambiente, abrangendo o social, o político e as empresas com gestão moderna. -Atitude intrapreneurship- atitude empreendedora dentro das organizações.

4 Conceito de Empreendedorismo 1-Capacidade individual de empreender: Iniciativa, busca de soluções inovadoras para problemas econômicos, sociais, pessoais e outros. 2- Processo de iniciar e gerir empreendimentos: Conceitos, métodos instrumentos e práticas relacionadas com a criação, implantação e gestão de novas empresas ou organizações. Isto deve ser ensinado. 3-Movimento social de desenvolvimento do espírito empreendedor: Criação de emprego e renda, com incentivo de governos e diferentes instituições.

5 Empreendedorismo Empreendedorismo é capacidade de transformar uma ideia em uma realidade seja ela inovadora ou não. Ser empreendedor é ser capaz de identificar oportunidades, desenvolver uma visão do ambiente; é estar pronto para assumir riscos e aprender com os erros; é ser um profundo conhecedor do todo e não só de algumas partes; é dentre outras atribuições ser capaz de utilizar essas informações para seu próprio aperfeiçoamento. O empreendedor precisa estar atendo a dois aspectos: Ser capaz de definir suas ideias em um plano de negócios, delineando o que é e como deve funcionar o novo empreendimento e prestar serviços de qualidade visando a satisfação do cliente.

6 Perfil do Empreendedor Existem 2 vertentes para a palavra empreendedor: -a dos economistas, que associa o empreendedor à inovação e a dos comportamentalistas, que enfocam os aspectos atitudinais, como a criatividade e a intuição. Dolabela (2003) se refere ao empreendedor da seguinte forma: A palavra empreendedor, de emprego amplo, é utilizada para designar principalmente as atividades de quem de dedica à geração de riquezas, seja na transformação de conhecimentos em produtos ou serviços, na geração do próprio conhecimento ou na inovação em áreas como marketing, produção e organização. Empreendedorismo implica a geração e agregação de novos valores e tecnologias. Assim para tornar-se um empreendedor, não basta acumular conhecimentos nesta área, é fundamental a incorporação de atitudes, valores e comportamentos que vão fazer o sujeito olhar o mundo por um outro prisma.

7 Perfil do Empreendedor O antropólogo Martins (2005) em um artigo escrito na Revista Fomento Mercantil apresenta dez dicas para ser um empreendedor: O empreendedor não tem apenas boas ideias, ele passa do pensamento à ação. Todo empreendedor tem verdadeira paixão pelo que faz. É um entusiasmo e proativo. O empreendedor sabe ter foco. O empreendedor estuda, busca aumentar o seu conhecimento e checa opiniões com seu feeling. O empreendedor tem tenacidade, é perseverante, não teimoso. O empreendedor acredita na própria capacidade.Tem auto-confiança. O empreendedor não tem fracassos. Eles os vê como oportunidade, aprende e segue em frente. O empreendedor tem imagem positiva de si mesmo. O empreendedor não fica preso a um único caminho. Tem a visão de vários cenários. O empreendedor nunca se acha uma vítima. Ele age para modificar a realidade.

8 Características do Comportamento Empreendedor 1-Busca de oportunidade e iniciativa Antecipa-se às demandas, cria soluções para problemas potenciais. Atua na expansão do negócio em novos produtos ou serviços e mercados. O empreendedor está sempre buscando novas oportunidades.

9 Características do Comportamento Empreendedor 2-Persistência Atua eficazmente ou muda de estratégia a fim de vencer um desafio ou superar um obstáculo. Chama a si a responsabilidade para atingir metas e objetivos.

10 Características do Comportamento Empreendedor 3-Comprometimento Dedica-se sobremaneira para realizar as tarefas necessárias. O comprometimento com a empresa pressupõe uma real dedicação para manter a qualidade e honrar os compromissos com o mercado de forma a crescer continuamente. A área financeira também é termômetro da situação da empresa. Na área de produção deve-se dar atenção à qualidade e ao cumprimento dos prazos de forma a garantir a satisfação do cliente.

11 Características do Comportamento Empreendedor 4- Exigência de qualidade e eficiência Fazer as coisas melhor, mais raramente e com menores custos e prazos. Buscar atender ou superar os padrões de excelência. Otimiza as etapas de produção de forma a garantir qualidade e prazos que observem os compromissos assumidos com os parceiros (clientes, fornecedores e demais colaboradores). O diferencial competitivo é superação das expectativas do seu cliente. Encantar o cliente é oferecer-lhe qualidade, prazos e eficiência. Isso deve ser uma atitude contínua de forma a nunca ser superada pelos correntes.

12 Características do Comportamento Empreendedor 5- Correr riscos calculados Busca e avalia as alternativas e calcula seus riscos sistematicamente. Busca minimizar os riscos controlando continuamente os resultados de cada etapa. Aceita situações que implicam desafios ou riscos moderados. Deve-se ser prudente e usar ferramentas de apoio para avaliar e gerir os ricos de uma empresa. Fazer pesquisas de mercado, analisar tendências e cenários, monitorar resultados e ações corretivas são algumas das ferramentas que o empreendedor deve usar habitualmente. A crise, assim como o medo, é um forte estímulo para que o ser humano supere seus limites e alcance resultados importantes.

13 Características do Comportamento Empreendedor 6-Estabelecimento de metas Estabelece objetivos e metas arrojadas e persegue a sua superação. Define claramente os objetivos a longo prazo. Define e controla as metas a curto prazo. Num plano é fundamental estabelecer as metas. Uma forma atual de gerenciar o desenvolvimento da empresa é utilizar a Gerência por Projetos. Nele são identificados o objetivo, o resultado esperado, os recursos necessários, o responsável e os demais envolvidos, a fonte de recursos necessários, o responsável e os demais envolvidos, a fonte de recursos e as estratégias a serem seguidas e, clara um plano alternativo (plano B) se algo falhar. É sempre importante definir o objetivo. O filósofo Sêneca ensina: Quando não sabemos aonde queremos chegar, qualquer vento nos é favorável.Escolha o destino, coloque a proa em sua direção e aja conforme a força do mar, dos ventos e demais obstáculos que encontrar. Nada adianta ficar no meio do oceano.

14 Características do Comportamento Empreendedor 7-Busca de informações Preocupa-se sistematicamente em obter informações de clientes, fornecedores, colaboradores e concorrentes. Analisa pessoalmente como produzir um produto ou fornecer um serviço. Utiliza especialistas para obter assessoria técnica ou comercial. Mantém contatos freqüentes com os clientes, fornecedores, colaboradores e concorrentes visando melhorar a aceitação da sua empresa no mercado. O empreendedor sempre deseja saber mais e mais ($$). Leia muitos assuntos do seu negócio (jornais, revistas e livros). Acesse e pesquise na internet, feiras, palestras e associações, busque fontes alternativas e novas. Faça sistematicamente pesquisa de opinião com seus clientes focando o seu produto e qualidade do atendimento recebido. Peça sugestões e aceite críticas. Levante a situação dos seus fornecedores e concorrentes. Saiba das novidades que pretendem lançar e aproveite para aprimorar suas vantagens e resolver as pendências e recuperar as desvantagens competitivas. Descubra sempre o que a concorrência está planejando. Se for necessário, contrate um técnico sobre o assunto. Continue sempre aprimorando os seus conhecimentos e de toda a sua equipe ($$).

15 Características do Comportamento Empreendedor 8-Planejamento e monitoramento sistemáticos Habitua-se a fazer planos antes de começar um projeto ou negócio. Revisa-os constantemente, anota os resultados alcançados, os problemas encontrados e as alterações necessárias. Um empreendedor bem-sucedido deve saber planejar. Comece fazendo um planejamento sistemático de todas as suas ações futuras. Habitue-se a trabalhar por projetos: defina responsável, prazos, recursos, atividades em cronograma para controlar a evolução dos seus objetivos. Estabeleça metas realistas e verifique o fiel cumprimento e formas alternativas para imprevistos. Divida as tarefas de forma a não sobrecarregar a sua equipe nem você.

16 Características do Comportamento Empreendedor 9-Persuasão e rede contatos Cria e expande constantemente a sua rede de contatos e mantém um perfeito relacionamento empresarial. Usa diversas estratégias motivacionais para influenciar ou persuadir os parceiros. Para manter um bom relacionamento com a sua rede contatos é muito importante estar constantemente atualizado com assuntos diversos que podem eventualmente ser abordados nessa conversa. Seja uma pessoa comunicativa e feliz, demonstrando satisfação em participar do grupo de parceiros. Aprenda a convencer as pessoas a agir favoravelmente aos seus objetivos. Obter melhores preços e prazos dos fornecedores de compras mais significativas dos clientes, maior dedicação dos colaboradores, etc.

17 Características do Comportamento Empreendedor 10-Independência e autoconfiança Busca autonomia em relação a normas e controles dos outros parceiros. Possui a audácia de manter o seu ponto de vista, mesmo diante da oposição ou de resultados inicialmente desanimadores- desde que tenhas fortes argumentos a acreditar nos seus planos. Confia em si próprio e na sua capacidade de realizar tarefas complexas e vencer desafios. Para tanto, exercita e aprende constantemente. Acredita nos seus sonhos e desenvolve as ações necessárias para realizá-los.

18 Empreendedor Traçar metas, atualizar conhecimentos ser inteligente, do ponto de vista emocional, conhecer teorias de administração, de qualidade e gestão, são mudanças decorrentes da globalização e da revolução da informação. O empreendedor deve focalizar o aprendizado nos quatro pilares da educação: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser, e com isso, ser capaz de tomar a decisão certa frente à concorrência existente. Novas habilidades vêm sendo exigidas dos profissionais para poderem enfrentar a globalização com responsabilidade, competência e autonomia.

19 Empreendedor Conquista-se a autonomia profissional quando se é perseverante, determinado, aprendiz, flexível e quando se tem: Positividade Organização Criatividade Inovação Foco

20 Empreendedor O empreendedor assume riscos e seu sucesso está na capacidade de conviver com eles e sobreviver a eles (Degen, 1989, p.11). Gerber (2004), apresenta algumas diferenças dos três personagens que correspondem a papéis organizacionais, quais sejam: a) o Empreendedor, que transforma a situação mais trivial em uma oportunidade excepcional, é visionário, sonhador; o fogo que alimenta o futuro; vive no futuro, nunca no passado e raramente no presente; nos negócios é o inovador, o grande estrategista, o criador de novos métodos para penetrar nos novos mercados; b) o Administrador, que é pragmático, vive no passado, almeja ordem, cria esquemas extremamente organizados para tudo; c) o Técnico, que é o executor, adora consertar coisas, vive no presente, fica satisfeito no controle do fluxo de trabalho e é um individualista determinado.

21 Habilidades de um Empreendedor As habilidades requeridas de um empreendedor podem ser classificadas em 3 áreas: Técnicas: Envolve saber escrever, ouvir as pessoas e captar informações, ser organizado, saber liderar e trabalhar em equipe. Gerenciais: Incluem as áreas envolvidas na criação e gerenciamento da empresa (marketing, administração, finanças, operacional, produção, tomada de decisão, planejamento e controle). Características pessoais: Ser disciplinado, assumir riscos, ser inovador, ter ousadia, persistente, visionário, ter iniciativa, coragem, humildade e principalmente ter paixão pelo que faz.

22 Desenvolvimento Econômico Solidário Crescimento econômico. Essa é a palavra de ordem no momento. Uma forma de democratizar o acesso ao emprego e à renda é dando início a um processo de desenvolvimento econômico solidário. Essa política embrionário e experimental de algumas ONGs e grupos socioeconômicos informais, é uma combinação de duas estratégicas: desenvolvimento econômico e economia solidária. Pode-se afirmar que toda ação de economia solidária é uma contribuição ao desenvolvimento econômico da população mais pobre, mas o contrário não é verdadeiro.

23 Desenvolvimento Econômico Solidário Nas ações economicamente solidárias, os trabalhadores são os próprios donos do negócio. Eles se apropriam dos meios da produção de forma coletiva, fazendo retiradas iguais ou equivalentes ao seu trabalho.As formas de associativismos econômicos são inúmeras: cooperativas populares, grupos de trabalho coletivo, feiras de negócios, rede solidária para a comunidade. Não importa o tamanho, o tipo ou a finalidade do negócio.

24 Desenvolvimento Econômico Solidário Economia solidária é todo e qualquer processo em que trabalhadores ou consumidores se unem para compartilhar conhecimentos, recursos e força de trabalho para compartilhar a riqueza existente em determinada localidade. O sentimento e cooperação é predominante e a visão política se faz presente como uma crítica pragmática e permanece ao modelo econômico vigente.

25 Liderança O que é ser um Líder? A grande qualidade de um líder não está expressa em atributos individuais, mas na capacidade de extrair o melhor de seus subordinados ou de seus seguidores.

26 Função de um líder Função educativa/cultural Promover a integração da sua equipe à luz das verdades e crenças que orientam as políticas e estratégias empresariais e contribuir na cultura organizacional.

27 Função de um líder Função estratégica Esclarecer os objetivos empresariais para sua equipe e negociar metas de produção, considerada a conjuntura, de modo a tornar todos motivados e co-responsáveis pelos resultados.

28 Função de um líder Função integradora/ educativa Formar equipes integradas, harmônicas e coesas. É a explicitação mais visível de seu papel de educador e a garantia da continuidade, tanto em relação à eficiência quanto a eficácia de seu grupo.

29 Função de um líder Função instrutora Disponibilidade do líder em ministrar instruções e promover o estímulo e o autodesenvolvimento. Delegação de autoridade e reuniões são dois instrumentos gerenciais imprescindíveis à ação de liderança no trabalho.

30 Função de um líder Função inovadora Manter a equipe motivada, integrada, coesa e criativa é a missão de um gerência verdadeiramente líder e eficaz. Só a criatividade e a renovação asseguram a continuidade numa sociedade em mudança.

31 Função de um líder Função estratégica da Qualidade Total O cliente é a referência essencial do negócio e a justificativa da empresa. É pouco provável que as organizações que não satisfaçam as necessidades de seus empregados, consigam encantar o ClienteQualidade Total significa que não bastam bons serviços e bons produtos, mas que a empresa deve ser essencialmente boa.

32 Características de um Líder -Ambição Baseada na obtenção do sucesso e do poder, mas quando não administrada corretamente gera demagogia. -Valores Diretamente ligada à busca de ideias e à existência de um comportamento ético que quando não sustentada por uma dose de ambição e de competência, se transforma em Ideologia.

33 Características de um Líder Competência Agrupa a capacidade e habilidades profissionais juntamente com a ambição e valores. Para o sucesso de um líder é necessário estar positivamente em evidência, apresentando propostas estimuladoras e soluções confiáveis.

34 Identificando um Líder Como identificar o líder dos líderes e como ele consegue administrar talentos excepcionais de forma estimuladora e eficaz? -Estar sempre aberto para o novo, ou seja, aceitar e se colocar a disposição para aprender as inovações que essas transformações podem acarretar. -Criar uma equipe forte que atue sempre com espírito de grupo. -Ter a negociação como instrumento fundamental para obter participação e cooperação espontâneas. -Aprender a delegar autoridade gerando co-responsabilidades e desenvolvendo o exercício da decisão. -Manter uma postura ética, ou seja, estar sintonizado com o bem comum, com a qualidade e com os valores de uma política empresarial sadia, criando assim credibilidade. -Promover a inovação, o rejuvenescimento e a revitalização cultural para garantir assim a continuidade da organização.

35 Liderança e Visão Estratégica Um empreendedor de sucesso não basta ter audácia, coragem em enfrentar riscos e persistência. É preciso saber pensar estrategicamente. Posturas habituais no contexto dos negócios: Centrar a visão no problema e em suas consequências diretas; Fixar-se nas oportunidades como um sonho bom, todavia sem base; Perceber as oportunidades, gerando meios e recursos para transformá-las em realizações, agindo assim estrategicamente.

36 A Natureza da Liderança Sabe-se que a liderança é um fator inevitável e necessário para o desenvolvimento da vida humana, apesar de ainda não ser bem compreendido.

37 Administração X Liderança Administração e liderança caminham lado a lado, porém afirma-se para os administradores, o importante é manter o funcionamento da organização, enquanto que para os líderes, iniciar e promover uma nítida visão de mudança, é mais compensador.

38 Liderança Executivos X Liderança Nos nomes citados como líderes pelos executivos, estão entre outros, Hitler, Napoleão, Martin Luther King, surgindo até nomes com Jesus e Buda. Generais ou Políticos Durante uma crise, a imagem do líder vem em forma de generais e políticos, ou seja, pessoas que por ocuparem tal posição, tem como dever esperar por conflitos e se encarregam de solucioná-los.

39 Liderança Liderança X Decisão Não se pode confiar em uma pessoa cujo poder de decisão deixa a desejar, ou seja, é necessário agir rapidamente. Liderança X Domínio Por gerarem confiança, os líderes assumem um papel perante a sociedade que pode ser confundido com domínio: O domínio é uma característica que cria invasão, constrangimento e autoritarismo, o que pode ser tolerado por algum tempo, mas que de modo sutil acaba sendo destruída.

40 Liderança Liderança X Coragem O combustível básico para o sucesso como líder, é ter coragem. Líderes correm riscos, almejam destaques, obtém energia, tanto positiva quanto negativa do meio onde agem. Por correrem riscos tornam-se vulneráveis aquele que é sensato é corajoso, o insensato, imprudente.

41 Liderança Ter Visão Clara Visão não é somente aplicada como faculdade de ver. Estipular o que é objetivo e ter uma direção para os outros seguirem, é o que mais define ter uma visão clara, ou seja,ver o futuro com notável clareza.

42 Liderança Ter uma mensagem simples Ter uma mensagem clara e brilhante, pode ser o ponto chave para conseguir a aprovação de seus subordinados.

43 Liderança Concentração X Obstinação Líderes concentrados em alcançar seus objetivos tem como base uma dedicação muitas vezes direcionada, obsessiva e compulsiva.

44 Liderança Comunicação Uma boa comunicação não depende somente de quem conduz, depende também da mensagem e do ouvinte.

45 Liderança Segundo Maslow -O potencial mental das pessoas (sua maior ou menor velocidade de aprendizado) poderá diminuir, mas dificilmente aumentará durante toda a vida do ser humano. -A insatisfação é um estado natural do ser humano. O ser humano fica satisfeito com uma determinada situação, retornando sempre ao seu estado natural que é a insatisfação. - Se um ser humano convive com um grupo de pessoas que tem suas necessidades básicas atendidas, ele desfrutará do estado de satisfação mais frequentemente. -O ser humano tem necessidades básicas que devem ser satisfeitas simultaneamente.

46 Liderança Lideranças Não – Integradas As lideranças de um sistema integram-se por ideias não por tecnologias. Vivemos uma era de supervalorização do ser tecnológico em detrimento do ser humano.

47 Liderança Hierarquia das Necessidades Fisiológicas- segurança- social- auto estima e auto realização. Fisiológicas- inclui fome, sede, abrigo, sexo e outras necessidades corporais. Segurança- segurança e proteção contra o mal físico e emocional Social- incluem afeto, relacionar-se com alguém, aceitação e amizade Auto- estima- incluem fatores internos de estima, como amor próprio, autonomia e realização; e fatores externos de estima como status, reconhecimento e atenção.

48 Empreendedor Buscam-se profissionais que desenvolveram novas habilidades e competências, com coragem de arriscar-se e de aceitar novos valores, descobrindo e transpondo seus limites. O futuro é cheio de incertezas, por isso, é preciso refletir sobre: habilidades pessoais e profissionais; criatividade; memória; comunicação; como enfrentar este século. Diferenciar-se dos demais, revalidar seu diploma pessoal e profissional, rever convicções, incorporar outros princípios, mudar paradigmas, sobrepor idéias antigas às novas verdades, este é o perfil do profissional que, trocando informações, dados e conhecimentos, poderá fazer parte do cenário das organizações que aprendem, das organizações do futuro. São mudanças socioculturais e tecnológicas que fazem repensar hábitos e atitudes frente às novas exigências do mercado.

49 O Plano Estratégico: Missão, Visão, Oportunidade e Criatividade Definir onde estamos, quem somos, quem são nossos parceiros e quais as condições favoráveis e desfavoráveis para realizarmos nossos ideais, ajuda a definir um cenário e a dimensionar a realidade do que temos pela frente.

50 O Plano Estratégico: Missão, Visão, Oportunidade e Criatividade Missão É a finalidade, a razão de ser, a mais elevada aspiração que legitima e justifica social e economicamente a existência de uma organização e para a qual devem se orientar todos os esforços. (Tenório, P.30) A definição da missão é o principal aspecto de um plano estratégico, pois reflete o futuro da organização, expresso nos compromissos presentes. A missão estabelece o porquê da organização (a razão da existência), o que ela faz (o que ela gera) e como faz (a maneira e os métodos para produzir). É importante que a missão descreva a atividade fim ou principal da organização de uma maneira simples, curta e clara, lançando um desafio a todos os seus participantes e que tenha consenso entre todos e que tenha consenso entre todos os dirigentes da organização.

51 O Plano Estratégico: Missão, Visão, Oportunidade e Criatividade Alguns exemplos de missão: Criar valor oferecendo produtos e serviços que ajudem os clientes a terem sucesso. Estas ofertas incluem: Serviços, software (SW), Produtos (HW) e Tecnologia. (IBM) Oferecer soluções em transportes, através do aluguel de carros, buscando a excelência. (Localiza National) Servir alimentos de qualidade com rapidez e simpatia, num ambiente limpo e agradável. (Mc Donalds)

52 O Plano Estratégico: Missão, Visão, Oportunidade e Criatividade Visão A visão de uma empresa é o seu objetivo maior, a direção do seu caminho e o foco das suas ações no mercado em que atua. Estabelece o que a empresa será no futuro. Ela deverá ser desafiadora para motivar os colaboradores no desempenho de suas atribuições e fazer-lhes vibrar com a sensação de vitória ao alcançar cada uma das metas e o objetivo final. Dolabela (2003) fazendo referência a Filion define visão como uma imagem projetada para o futuro, lugar que se ver ocupado pelos seus produtos e serviços no mercado, assim como a imagem projetada do tipo de organização necessária para consegui-lo. São elementos de suporte ao processo visionário: o conceito de si, a energia, a liderança, a compreensão de um setor e as relações.

53 O Plano Estratégico: Missão, Visão, Oportunidade e Criatividade Alguns exemplos de visão: O homem sadio, física e mentalmente, integrado na sociedade. A Faculdade de Medicina como modelo de escola pública, ágil e autônoma, de ensino assistência e pesquisa e formando profissionais preparados para atendimento de necessidades atuais e futuras de saúde da população. (Faculdade de Medicina de Botucatu). ABNT: Referencial de excelência da sociedade brasileira. ( ABNT)

54 O Plano Estratégico: Missão, Visão, Oportunidade e Criatividade Oportunidade Oportunidade é a possibilidade de ser obter um produto e serviço por meio do oferecimento da satisfação de uma necessidade identificada ou induzida ao cliente. A identificação de oportunidades tem papel central na atividade empreendedora. O imprescindível é poder identificar as ideias que podem dar origem a uma oportunidade. É através do estabelecimento de foco que o empreendedor identifica oportunidades. Sem isto, corre-se o risco de se perder o caminho.

55 O Plano Estratégico: Missão, Visão, Oportunidade e Criatividade Alguns pensamentos que expressam com muita clareza o conceito de oportunidade: Há três coisas que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida. Provérbio Chinês É melhor estar preparado para uma oportunidade e não ter nenhuma do que Ter uma oportunidade e não estar preparado. Whitney Yong Jr.

56 O Plano Estratégico: Missão, Visão, Oportunidade e Criatividade Criatividade Criatividade é chega à soluções inusitadas que simplesmente outros não encontraram ou perceberam a sua possibilidade. Muitas vezes é num ambiente totalmente diverso ao que temos experiência ou formação que somos mais criativos. A percepção de que a criatividade pode ser apreendida é de grande importância na atividade empreendedora. Assim, trabalho e persistência são importantes ingredientes da criatividade. Eis alguns exemplos: Henry Sidgier, estofador inglês inventou a máquina de lavar roupa em A maioria dos membros do conhecido grupo Casseta e Planetaé engenheiro.

57 Plano de Negócios 1-O que é um Plano de Negócio? O Plano de Negócio é um documento que reúne informações sobre as características, condições e necessidades do futuro empreendimento, com o objetivo de analisar sua potencialidade e viabilidade, facilitando sua implantação. O Plano de Negócio também é importante instrumento de ajuda ao empresário para enfrentar obstáculos e mudanças de rumos na economia ou no ramo em que atua. Um bom plano é peça indispensável para o sucesso de qualquer negócio.

58 Para que serve o Plano de Negócio? a.Examina a viabilidade do empreendimento nos aspectos mercadológicos, financeiro e operacional- O PN permite desenvolver ideias a respeito de como o negócio deve ser conduzido. É uma oportunidade para refinar estratégias e cometer erros no papel em lugar da vida real, examinando a viabilidade da empresa sob todos os pontos de vista, tais como o mercadológico, o financeiro e o operacional.

59 Para que serve o Plano de Negócio? b. Integra o Planejamento Estratégico- O PN é uma ferramenta pela qual o empresário pode avaliar o desempenho atual da empresa ao longo do tempo. Por exemplo: a parte financeira de um plano de negócio pode ser usada como base para um orçamento operacional e ser cuidadosamente monitorada, para ser verificar o quanto a empresa está se mantendo dentro do orçamento. A esse respeito, o Plano pode e deve ser usado como base para um planejamento estratégico. Depois de decorrido algum tempo e, a partir de então, periodicamente, o PN deve ser examinado para se ver onde a empresa desviou do rumo, se esse desvio foi benéfico ou danoso e como ela deverá operar no futuro.

60 Para que serve o Plano de Negócio? c. É a ferramenta de negociação e ajuda a levantar os recursos- A maior parte dos financiadores ou investidores não colocará dinheiro em uma empresa sem antes ver o seu plano de negócio. O plano pode ser usado como uma ferramenta de negociação e contribui para aprovação de empréstimos nos bancos e acesso a linhas de financiamento. Um velho axioma ensina que se deve ser claro a respeito do que se deseja do investidor, mas vago a respeito daquilo que está disposto a ceder.

61 Plano de Negócios A quem se destina- O Plano de Negócio é um documento confidencial. Deve ser distribuído somente àqueles que têm necessidade de vê-los, tais como a equipe gerencial, conselheiros profissionais e fontes potenciais de recursos.

62 Plano de Negócios Público-alvo 1-Mantenedores de Incubadoras- iniciação de empresas, com condições operacionais facilitadas, mantidas por instituições de classe, centros de pesquisa, órgãos gorvenamentais; 2-Parceiros –para definição de estratégias e discussão sobre formas de interação entre as partes; 3-Bancos-para pleitos de financiamentos de equipamentos e instalações, capital de giro, expansão da empresa, etc; 4-Investidores- entidades de capital de risco, pessoas jurídicas, banco de investimentos, etc;

63 Plano de Negócios Público-alvo 5-Fornecedores-para negociação na compra de mercadorias, matéria – prima e formas de pagamentos; 6- A própria empresa -para comunicação interna, da gerência com o conselho de administração e com os empregados (comprometimento mútuo de metas e resultados); 7-Clientes-para venda do produto e/ ou serviço e publicidade da empresa; 8-Sócios-para convencimento em participar do empreendimento e formalização da sociedade.

64 Plano de Negócios Um Plano de Negócio bem estruturado é fundamental para o sucesso do novo empreendimento. Antes de entrar diretamente na montagem do seu Plano de Negócios, atente para quatro elementos fundamentais: Conceito do Negócio Funções fundamentais do Negócio Planos de Ação Orçamento

65 Modelo de Plano de Negócios 1-Resumo Executivo 2- O Produto/ Serviço 2.1- Características 2.2-Diferencial tecnológico 2.3- Pesquisa e desenvolvimento 3- O Mercado 3.1-Clientes 3.2-Concorrentes 3.3- Fornecedores 3.4-Participação no Mercado 4- Capacidade Empresarial 4.1- Empresa Definição da Empresa Missão Estrutura Organizacional Parceiros 4.2- Empreendedores Perfil Individual dos Sócios (Formação/ Qualificações)

66 Modelo de Plano de Negócios 5- Estratégias de Negócio 5.1- Ameaças e Oportunidades 5.2- Pontos fortes e fracos 5.3- Objetivos 5.4- Estratégias 6- Plano de Marketing 6.1- Estratégias de Vendas 6.2-Diferencial Competitivo do produto 6.3-Distribuição 6.4-Política de preços 6.5-Projeção de vendas 6.6-Serviços Pós-venda e Garantia 7- Planejamento e Desenvolvimento do Projeto 7.1- Estágio atual 7.2- Cronogramas 7.3- Gestão das Contingências

67 Modelo de Plano de Negócios 8- Plano Financeiro 8.1- Investimento Inicial 8.2- Receitas 8.3- Custos e Despesas 8.4- Fluxo de caixa 8.5- Demonstrativo de Resultados/ Lucratividade Prevista 8.6- Ponto de Equilíbrio 8.7- Balanço Patrimonial 9- Anexos

68 Plano de Negócios 1-Resumo Executivo O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do plano de negócios, pois é através dele é que o leitor perceberá o conteúdo a seguir o interessa ou não e, portanto, se continuará, ou não, a ler o documento. Portanto, é no resumo executivo que o empreendedor deve conquistaro leitor. Nesta seção do plano o empreendedor apresenta um breve resumo da empresa ou negócio, sua história, área de atuação, foco principal e sua missão.É importante que esteja explícito ao leitor o objetivo do documento (ex: requisição de financiamento junto a bancos, capital de risco, apresentação da empresa para potenciais parceiros ou clientes, apresentação de projeto para ingresso em uma incubadora etc.). Devem ser enfatizadas as características únicas do produto ou serviço em questão, seu mercado potencial, seu diferencial tecnológico e competitivo).

69 Plano de Negócios 1-Resumo Executivo Também devem ser apontadas perspectivas de futuro do negócio (oportunidades identificadas, o que se pretende fazer para abraçá-las, o que é preciso para tal, porque os empreendedores acreditam que terão sucesso, etc). Tudo isso, de maneira sucinta, sem detalhes, mas em estilo claro. Recomenda-se que esta seção tenha cerca de 01 a 02 páginas, no máximo. É importante salientar que o empreendedor apenas terá condições de elaborar o sumário executivo ao final da elaboração do plano de negócios, pois ele depende de outras informações do plano para ser feito.

70 Plano de Negócios 2-O Produto/ Serviço 2.1-Características Deve-se relacionar as principais características dos produtos e serviços da empresa, para que se destinam, como são produzidos, os recursos utilizados, fatores tecnológicos envolvidos etc. Se a empresa estiver, através do plano de negócios, apresentando um produto ou serviço específico, deve centrar- se nele Diferencial tecnológico Relaciona-se neste item o diferencial tecnológico dos produtos e serviços da empresa em relação à concorrência. Para manter-se competitivo é necessário manter-se atualizado quanto as tendências tecnológicas; e a empresas intensivas em tecnologia, especialmente, dependem do desenvolvimento contínuo de produtos e serviços que promovam a inovação tecnológica. 2.3-Pesquisa e desenvolvimento A empresa deve cultivar um plano de desenvolvimento de novos projetos, produtos e tecnologias, que atendam às demandas futuras do mercado e deve expressar, neste item, quais as suas perspectivas para o futuro. É importante que o empreendedor perceba que todo produto tem um ciclo de vida e que, para manter-se na vanguarda, precisa continuamente estar pesquisando e desenvolvendo novos projetos.

71 Plano de Negócios 3-O Mercado 3.1-Clientes Neste item deve-se descrever quem são os clientes ou grupos de clientes que a empresa pretende atender, quais são as necessidades destes clientes potenciais e como o produto/ serviço poderá atendê-los. É fundamental procurar conhecer o que influencia os futuros clientes na decisão de comprar produtos ou serviços: qualidade, preço, facilidade de acesso, garantia, forma de pagamento, moda, acabamento, forma de atendimento, embalagem, aparência e praticidade etc. É importante estar atento ao definir quem é o cliente. O cliente não é apenas quem vai tomar a decisão de compra.Cliente é quem vai usar diretamente o produto; é quem vai ser afetado pelo uso do produto; é quem vai tomar a decisão de compra e por aí afora. Quem é o cliente de uma empresa que se propõe ao desenvolvimento de um software para automação de padarias? É o funcionário que deverá manusear o software para automação de padarias?É o funcionário que deverá manusear o software (o usuário)? É o dono da padaria?É o padeiro? Quem é? O empreendedor deve perceber a complexidade da definição de quem é o seu cliente.

72 Plano de Negócios 3.2- Concorrentes Relacionar os principais Concorrentes que são pessoas ou empresas que oferecem mercadorias ou serviços iguais ou semelhantes àqueles que serão colocados no mercado consumidor pelo novo empresário.Deve-se descrever quantas empresas estão oferecendo produtos ou serviços semelhantes, qual é o tamanho dessas empresas e, principalmente, em que a empresa nascente se diferencia delas. Diversas características podem ser foco de análise tais como: qualidade, preço, acabamento, durabilidade, funcionalidade, embalagem, tamanho, qualidade no atendimento, facilidade de acesso, forma de apresentar a mercadoria, e o nível de satisfação em relação às mercadorias ou serviços disponíveis. O empreendedor não pode se limitar a identificar somente o concorrente atual, ele precisa estar atento aos concorrentes potenciais. O empreendedor não deve prender-se apenas a empresas que desenvolvem produtos e serviços iguais aos seus; deve estar atento a tudo o que acontece em sua volta, porque produtos, serviços e tecnologias que aparentemente não constituem uma ameaça, podem vir a substituir o seu produto ou a tornar seu negócio obsoleto. A concorrência não se restringe ao ambiente local e regional; especialmente na área tecnológica o concorrente pode estar em qualquer lugar do globo.

73 Plano de Negócios 3.3- Fornecedores Os Fornecedores são um conjunto de pessoas ou organizações que suprem a empresa de equipamentos, matéria-prima, mercadorias e outros materiais necessários ao seu funcionamento. Na escolha dos fornecedores deve-se considerar a qualidade, quantidade, preço, prazo e forma de pagamento e de entrega, garantia e assistência técnica de equipamentos, e outras informações úteis, dependendo das mercadorias ou serviços a serem oferecidos Participação no Mercado Identifica-se, neste item, a fatia de mercado da empresa, dentre os principais concorrentes.Mostra-se a situação atual da empresa, a performance da empresa, qual a sua participação no mercado. Para que o empreendedor possa planejar a participação desejada, deve, neste item realizar uma pesquisa de mercado (investigar informações como tamanho atual do mercado, quanto está crescendo ao ano, quanto está crescendo a participação de cada concorrente, nichos pouco explorados pelos concorrentes etc).

74 Plano de Negócios 4- Capacidade Empresarial 4.1- Empresa Definição da Empresa Neste item deve-se descrever a empresa, seu histórico, área de atuação, crescimento, faturamento dos últimos anos, sua razão social, estrutura legal, composição societária, etc.Os empreendedores que estiverem iniciando sua empresa a partir deste plano de negócios não terão muito sobre o que explanar neste item além da composição societária da empresa e a área de atuação. Quando se fala em empresa neste documento, estamos nos referindo também a projetos e equipes ainda não formalizados como empresa; consideramos que cada equipe proponente de um projeto constitui uma empresa em potencial.

75 Plano de Negócios Missão A Missão da empresa deve refletir a razão de ser da empresa, qual o seu propósito e o que a empresa faz; corresponde a uma imagem / filosofia que guia a empresa Estrutura Organizacional Demonstrar como a empresa será estruturada/ organizada (ex: área administrativa, comercial, técnica etc) relacionando a área de competência de cada sócio nesta estrutura e suas atribuições Parceiros É importante que o empreendedor perceba que sua empresa não pode estar sozinha. Ela precisa de parceiros para se viabilizar e crescer. Neste item, deve-se identificar os parceiros do negócio, a natureza da parceria e como cada um deles contribui para o produto/ serviço em questão e para o negócio como um todo.

76 Plano de Negócios 4.2- Empreendedores Perfil Individual dos Sócios (Formação / Qualificações) Elabora-se um breve resumo da formação, qualificações, habilidades e experiência profissional dos sócios. O sucesso de uma empresa pode ser determinado pela capacidade dos donos do negócio e pela quantidade de tempo que eles serão capazes de dedicar a este negócio.

77 Plano de Negócios 5- Estratégia de Negócio O empreendedor deve despertar para o fato de que para que sua empresa obtenha êxito, não basta ter um bom produto. É preciso ter um negócio. Produtos não geram receita por si só; negócios geram receita. E para que se tenha um negócio, é preciso ter uma estratégia e uma estrutura que permitam posicionar o produto em seu mercado. É comum empresas que possuem um bom produto morrerem porque não conseguiram encontrar uma maneira de posicionar este produto no mercado. Alguns exemplos para ilustrar este conceito: não basta uma empresa ter um produto tecnologicamente revolucionário, se o preço dele está acima do que seu cliente pode pagar; não basta ter um produto quentíssimo que pode gerar receita a curto prazo para a empresa, se os empreendedores não identificam outros espaços no mercado para explorar depois que este espaço inicial estiver esgotado (uma empresa não nasce para viver por apenas 2 ou 3 anos- deve ter perspectiva de vida indeterminada e crescer continuamente); não adianta uma empresa ter o produto ideal para seu cliente, se não for encontrada uma maneira viável de fazer este produto chegar até ele; não adianta ter um produto interessante mas sem diferencial, que qualquer empresa possa fazer igual, sem dificuldade; e assim por diante.

78 Plano de Negócios 5- Estratégia de Negócio O empreendedor deve planejar o seu negócio. A partir da análise já feita, deve identificar as oportunidades e as ameaças que ambiente lhe apresenta; identificar os pontos fortes e fracos de sua empresa; definir objetivos a alcançar; identificar estratégias que permitirão o atingimento destes objetivos e encontrar maneiras de colocar estas estratégias em prática Ameaças e Oportunidades O empreendedor deve identificar as oportunidades que poderá explorar para crescer e ter sucesso, bem como um conjunto de ameaças, que deverá administrar adequadamente para resguardar sua empresa do fracasso. As oportunidades não identificadas ou não aproveitadas devidamente, podem se transformar em ameaças.E ameaças bem administradas podem ser transformadas em oportunidades. Na identificação das ameaças e oportunidades o empreendedor deve olhar fora de sua empresa e buscar os mais diversos aspectos que podem afetar o seu negócio: concorrentes, mercado, consumidor, legislação, tecnologia, etc.

79 Plano de Negócios 5.2- Pontos fortes e fracos Neste item o empreendedor deve olhar para dentro de sua empresa- disponibilidade de recursos, disponibilidade de pessoal, qualificação do pessoal, rede de parcerias, etc. Quais são os pontos fortes e pontos fracos desta estrutura interna? 5.3- Objetivos O que a empresa quer conquistar?É isto que este item deve esclarecer. Os objetivos da empresa devem ser definidos de maneira quantitativa, passível de mensuração. Por exemplo: qual a participação de mercado pretendida pela empresa? Quanto ela quer faturar? Em quanto tempo? Quanto quer crescer ao ano?

80 Plano de Negócios 5.4-Estratégias As estratégias são os caminhos que irá trilhar para chegar aos objetivos propostos. As estratégias afetam a empresa como um todo e definem sua postura perante o mercado. Estão relacionadas ao longo prazo. É em função das estratégias aqui definidas que serão elaborados os planos operacionais. Os planos detalham, sob a ótica operacional, a estratégia; definem como traduzi-la em ações e implementá-la. Estão relacionados com o curto prazo. Alguns aspectos que o empreendedor deverá refletir e definir estratégias são: Os investimentos para implantação e crescimento da empresa serão feitos com recursos próprios ou será buscado recurso externo? No caso de recursos externos, que tipo de recurso o empreendedor vislumbra obter? Quais parcerias serão estabelecidas para a decolagem do negócio?Qual segmento do mercado será explorado (a empresa irá se posicionar inicialmente frente a um determinado público identificado ou irá atacar em diversas frentes)? Aqui ele tem a oportunidade de mostrar sua visão de negócio.

81 Plano de Negócios 6-Plano de marketing O Plano de Marketing apresenta como o empreendedor pretende vender seu produto/ serviço e conquistar seus clientes, manter o interesse dos mesmos e aumentar a demanda, sempre de acordo com a estratégia definida anteriormente acerca do posicionamento da empresa no mercado.Deve abordar seus métodos de comercialização, diferenciais do produto/ serviço para o cliente, política de preços, projeção de vendas, canais de distribuição e estratégias de promoção/ comunicação e publicidade 6.1-Estratégias de Vendas Descreve-se aqui qual o público-alvo ao qual o produto/ serviço será dirigido e como será apresentado para venda. O empreendedor deve explicitar o argumento central de venda que irá adotar, como ponto forte (preço, qualidade, marca, garantia/ assistência técnica, benefícios potenciais ao cliente) para que ele seja atrativo a seu público.

82 Plano de Negócios 6.2-Diferencial Competitivo do produto O empreendedor deve deixar claro qual o valor ou benefícios adicionais que seus clientes obtêm quando escolhem sua empresa em lugar da concorrência. 6.3-Distribuição Aqui deve-se identificar e determinar os possíveis canais de distribuição para disponibilizar o produto/ serviço, no local, tempo e quantidades certos, para melhor atender às necessidades do consumidor Política de preços Neste item será indicada a estratégia de preços a ser adota pela empresa e as margens de lucro praticada. É interessante listar um ranking de preços que permita um comparativo com a concorrência.

83 Plano de Negócios 6.5- Projeção de vendas Estima-se o quanto a empresa pretende vender ao longo do tempo, levando- se em conta a participação do mercado planejada. A demonstração das projeções deverá ser elaborada de acordo com a finalidade que se deseja: se desejo um controle operacional diário, as projeções deverão se iniciar em períodos diários, passando a semanais, mensais e assim por diante, se desejo um controle estratégico a médio prazo, os períodos de demonstração poderão ser mensais, trimestrais e assim por diante, se desejo um controle a longo prazo, os períodos de demonstração poderão ser anuais; etc. O empreendedor pode fazer três projeções: uma tendencial (se as coisas continuarem como estão...), uma pessimista (se isto ou aquilo der errado...) e uma otimista (se isto ou aquilo der certo...). Para projeção das vendas, o empreendedor não deve esquecer de considerar se os produtos / serviços estão sujeitos a oscilações sazonais.

84 Plano de Negócios 6.6- Serviços Pós- venda e Garantia Neste item o empreendedor deve apontar os serviços pós-venda e de garantia que a empresa oferece para seu cliente. 7- Planejamento e Desenvolvimento do Projeto É evidente, antes de se vender alguma coisa, é preciso ter um produto/ serviço. Portanto, é preciso fazer um planejamento para o desenvolvimento físico do projeto. A pergunta chave é: quanto tempo será necessário até que a empresa possa começar efetivamente a vender?

85 Plano de Negócios 7.1- Estágio atual Apresenta-se o estágio em que se encontra o projeto em questão. 7.2-Cronograma Deve ser apresentado um cronograma esperado para a conclusão do projeto Gestão de Contingências O empreendedor deve apontar as principais dificuldades que poderão ser enfrentadas pela empresa durante o desenvolvimento do projeto descrever as estratégias que serão utilizadas para reduzir ou eliminar o impacto destas dificuldades.

86 Plano de Negócios 8- Plano Financeiro No plano financeiro, apresentam-se, em números todas as ações planejadas para a empresa. Algumas perguntas chave que o empreendedor deverá responder neste item são: Quanto será necessário para iniciar o negócio? Existe disponibilidade de recursos para isto? De onde virão os recursos para o crescimento do negócio? Qual o mínimo de vendas necessário para que o negócio seja viável? O volume de vendas que a empresa julga atingir torna o negócio atrativo? A lucratividade que a empresa conseguirá obter é atrativa?

87 Plano de Negócios 8.1- Investimento Inicial Especifica-se neste item os custos com as instalações, suprimentos, equipamentos e mobiliário necessários para implantação do negócio. Estas especificações ajudarão no levantamento do investimento fixo- ativo permanente- necessário para implantação da empresa Receitas No item 6.5 Projeção de Vendaso empreendedor já definiu a projeção das suas vendas esperadas para o horizonte de 5 anos. Com estes dados em mãos, juntamente com a determinação do preço a ser praticado pelo seu produto ou serviço, poderá visualizar suas vendas em termos de valores, as quais denominamos receitas.

88 Plano de Negócios 8.3- Custos e Despesas Neste item deverão ser levantados todos os valores que serão despendidos para a produção do produto/ serviço que a empresa está se propondo. Deverão ser levantados tanto os custos de produção quanto as despesas relativas ao suporte à produção como à administração, vendas etc. Por questões de simplificação adotaremos a nomenclatura de despesas a todos os custos e despesas incorridos pela empresa. Estas despesas poderão ser denominadas fixas ou variáveis. A diferenciação entre ambas é sua relação direta com o volume de produção/ vendas ou não, isto é, as despesas variáveis irão sofrer acréscimos (ou decréscimos) proporcionalmente ao aumento (redução) do volume produzido/ vendido, enquanto que as fixas poderão ter aumentos também não diretamente proporcionais à produção/ vendas Fluxo de caixa O Fluxo de caixa é um instrumento que tem como objetivo básico, a projeção das entradas (receitas) e saídas (custos, despesas e investimentos) de recursos financeiros por um determinado período de tempo. Com o fluxo de caixa o empreendedor terá condições de identificar se haverá excedentes ou escassez de caixa durante o período em questão, de modo que este constitui um importante instrumento de apoio ao planejamento da empresa (especialmente na determinação de objetivos e estratégias

89 Plano de Negócios 8.5- Demonstrativo de Resultados/ Lucratividade Prevista Com base nos valores já identificados, relativos às entradas e saídas da empresa, o empreendedor poderá utilizar a planilha Demonstrativo de Resultadospara chegar a lucratividade de seu negócio. A partir disso, terá condições de apurar informações cruciais com o retorno que terá sobre o capital investido na empresa e o prazo de retorno sobre o investimento inicial Ponto de Equilíbrio O cálculo do ponto de equilíbrio ajuda o empreendedor a encontrar qual o nível de vendas em que a receita será igual a todas as saídas de caixa da empresa. Isto é importante porque indica qual o nível mínimo de vendas que a empresa deverá manter para que não opere com prejuízo. De uma forma simplificada poderemos identificar o ponto o Ponto de Equilíbrio (PE) através da seguinte fórmula: PE- Despesas Fixas ($) Receitas ($)- Despesas Variáveis ($) Receitas ($)

90 Plano de Negócios 8.7- Balanço Patrimonial No caso de empresas já constituídas, é conveniente apresentar o balanço patrimonial, que possibilita a visualização das disponibilidades e obrigações de curto e longo prazo da empresa e, assim, uma avaliação da solidez da empresa. 9- Anexos Curriculum Vitae dos principais sócios/ gerentes e referências profissionais, se houver ilustrações dos produtos, se houver Estudos de mercado, se houver Publicações pertinentes.

91 Perguntas que devem estar respondidas no Plano de Negócios: -Descrição do Negócio. -Que tipo de negócio você está planejando? -Que produtos ou serviços você vai oferecer? -Por que seu produto ou serviço vai ter êxito? -Quais são as oportunidades de crescimento? -Plano de Marketing -Quem são os seus clientes potenciais? -Como você atrairá os seus clientes e se manterá no mercado? -Quais são os seus concorrentes? Como eles estão prosperando? -Como vai promover as suas vendas? -Quem serão os seus fornecedores? -Qual será o sistema de distribuição utilizado para seu produto/ serviço? -Qual a imagem que sua empresa vai transmitir aos clientes? -Como você vai desenvolver o design de seu produto? -Plano Organizacional -Quem administrará o seu negócio?

92 Perguntas que devem estar respondidas no Plano de Negócios: - Que qualificações deverá ter seu gerente? -Quantos empregados precisará e quais as suas funções? -Como você administrará as suas finanças? -Quais são os consultores ou especialistas necessários? -Que legislações ou movimentos de ONGs poderão afetar seu negócios? -Plano financeiro -Qual a renda total estimada para seu negócio no primeiro ano? -Quanto lhe custará para abrir o negócio e mantê-lo durante 18 meses de operação? -Qual será o fluxo de caixa mensal durante o primeiro ano? - Que volume de vendas você vai precisar para obter lucros durante os primeiros três anos? -Qual será o valor do capital em equipamentos? -Quais serão as suas necessidades financeiras totais? - Como você pretende assegurar o pagamento dos seus custos fixos? -Quais serão as suas fontes financeiras potenciais? -Como utilizará o dinheiro do empréstimo ou dos investidores? -Como o empréstimo será assegurado?


Carregar ppt "Empreendedorismo. Conceito de Empreendedorismo Empreendedorismo é um termo derivado da palavra entrepreneurship e utilizado para designar estudos relativos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google