A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fibromialgia Disciplina Fisioterapia em Reumatologia UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA Prof MSc Alvaro Camilo

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fibromialgia Disciplina Fisioterapia em Reumatologia UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA Prof MSc Alvaro Camilo"— Transcrição da apresentação:

1 Fibromialgia Disciplina Fisioterapia em Reumatologia UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA Prof MSc Alvaro Camilo

2 Conteúdo Definição –Classificação Epidemiologia Fisiopatologia –Diagnóstico Quadro clínico Exame físico Tratamento –Medidas gerais –Terapia farmacológica –Terapia não-farmacológica Prof MSc Alvaro Camilo

3 Definição Prof MSc Alvaro Camilo É uma síndrome de dor crônica e difusa não- inflamatória e que de maneira característica, o exame físico demonstra pontos muito dolorosos a palpação em locais anatômicos pré-determinados (tender points). Pode ser primária, sem outra patologia associada, ou secundária, com outra patologia concomitante.

4 Definição Prof MSc Alvaro Camilo

5 Epidemiologia Distribuição universal Pode acometer todas as faixa etárias 35 e 50 anos Acomete mais o sexo feminino 10 a 15 : 1 3 a 5% das mulheres e 0,5 a 0,8% dos homens Brasil 5 a 7% entre as mulheres (São Paulo) 5% em clínica geral e 30% em reumatologia Prof MSc Alvaro Camilo

6 Fisiopatologia Prof MSc Alvaro Camilo Não está totalmente esclarecida Predisposição genética Precisa de condições ambientais Personalidade perfeccionista e detalhista Fatores geradores e moduladores estresse emocional, processo infecciosos (virais), traumas físicos repetidos e traumas físicos (cirurgias de grande porte p.e.) Fatores periféricos (nocicepção aumentada) ou centrais (inibição diminuída), ou ambos Não existe marcador laboratorial ou qualquer outro marcador A Fibromialgia é resultante de alterações na aquisição, percepção e interpretação da dor, provocada por diversos agentes nocivos em um indivíduo suscetível

7 Fisiopatologia Prof MSc Alvaro Camilo Diagnóstico Critérios para a classificação da Fibromialgia (ACR 1990) 80% de especificidade e sensibilidade, já validade no Brasil 1 – Presença de dor difusa pelo corpo, definida como dor acima, abaixo ou em ambos os lados da cintura com pelo menos 3 meses de duração, e comprometimento de pelo menos um segmento da coluna. 2 – Presença de pelo menos 11 dos 18 tender points (9 pares, um d cada lado) - Inserção do m. suboccipital - Borda posterior do ECOM na projeção do processo transverso de C5 - Região média da borda superior do trapézio - Inserção do supra-espinal acima da espinha da escápula, próximo ao bordo medial - Segunda costela, lateralmente à junção costocondral, na superfície superior - 2 cm distal do epicôndilo lateral - Quadrante súpero-lateral da nádega, anteriormente ao músculo - Posteriormente a emergência trocanteriana - Gordura medial do joelho, proximal à interlinha articular

8 Fisiopatologia Prof MSc Alvaro Camilo

9 Quadro clínico Dor de forte intensidade Após exercício físico Fadiga rigidez muscular Sensibilidade cutânea Anormalidade no sono Diminuição de memória Cefaléia Fenômeno de Raynaud Nervosismo, depressão e ansiedade Prof MSc Alvaro Camilo

10 Quadro clínico Prof MSc Alvaro Camilo

11 Tratamento Terapia Farmacológica Principalmente sintomático Controle da dor e melhora da qualidade de vida Antidepressivos Analgésicos e antiinflamatórios – pouco eficazes como terapia isolada Prof MSc Alvaro Camilo

12 Tratamento Terapia Não-farmacológica Intervenção psiquiátrica Alívio dos sintomas, permitindo introdução ao exercício físico Exercício físico condicionamento aeróbico alívio dos sintomas dolorosos, melhora da fadiga e qualidade de vida Informar ao paciente sobre o seu quadro Prof MSc Alvaro Camilo

13 Tratamento Terapia Não-farmacológica Fisioterapia Avaliação: dor (características; fatores que aumentam ou aliviam; interferência na vida; etc), escala analógica de dor, mapa corporal da dor Avaliação da flexibilidade Avaliação postural Avaliação do sono, humor e ansiedade Avaliação da capacidade funcional: questionário padrão Avaliação da fadiga: Escala de fadiga de Chalder Avaliação da depressão: Escala de depressão de Beck Avaliação da Qualidade de Vida: Questionário de impacto da Fibromialgia (QIF) e o protocolo SF-36 Prof MSc Alvaro Camilo

14 Tratamento Terapia Não-farmacológica Objetivos Aliviar dor Aumentar resistência física Melhorar a força muscular Restaurar a função e os estilos de vida funcionais Promover o bem-estar e a qualidade de vida Programar exercícios domiciliares para a suplementação do tratamento Prof MSc Alvaro Camilo

15 Tratamento Terapia Não-farmacológica Conduta Fisioterapêutica Crioterapia – Analgesia Massoterapia – Relaxamento Calor superficial – Alívio da tensão muscular Acupuntura – Analgesia Eletroterapia – TENS (analgesia), US e Laser (uso controverso) Prof MSc Alvaro Camilo

16 Tratamento Terapia Não-farmacológica Hidrocinesioterapia Watsu Analgesia Tolerância ao exercício Resistência física Melhora geral do condicionamento Prof MSc Alvaro Camilo

17 Tratamento Terapia Não-farmacológica Cinesioterapia Conscientização corporal Condicionamento cardiovascular Bicicleta, caminhada e esteira Alongamento muscular Exercícios de flexibilidade Terapia manual Tração, pompagem Terapias hoísticas Reflexologia, massagens, etc Prof MSc Alvaro Camilo

18 Tratamento Terapia Não-farmacológica Prof MSc Alvaro Camilo Pilates

19 Tratamento Terapia Não-farmacológica Prof MSc Alvaro Camilo

20 Tratamento Terapia Não-farmacológica Prof MSc Alvaro Camilo

21 Tratamento Terapia Não-farmacológica Prof MSc Alvaro Camilo

22 Tratamento Terapia Não-farmacológica Prof MSc Alvaro Camilo

23 Tratamento Terapia Não-farmacológica Prof MSc Alvaro Camilo

24 Tratamento Terapia Não-farmacológica Prof MSc Alvaro Camilo

25 Espondilite Anquilosante (EA) Disciplina Fisioterapia em Reumatologia UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA Prof MSc Alvaro Camilo

26 Conteúdo Definição Epidemiologia Etiologia Fisiopatologia Quadro clínico Diagnóstico – Critérios de classificação da EA Tratamento Prof MSc Alvaro Camilo

27 Definição Prof MSc Alvaro Camilo Doença sistêmica inflamatória crônica que afeta primariamente o esqueleto axial e possivelmente articulações periféricas como quadril e ombros.

28 Epidemiologia Incidência (1935): 7,3 / 100 mil e continua Prevalência E.U.A.: 197 / 100 mil Populações com indivíduos positivos para o antígeno HLA- B27 (antígeno leucocitário humano): 1 a 2% Aproximadamente 90% dos branco com EA possui HLA- B27 Praticamente ausente: negros e japoneses Prof MSc Alvaro Camilo

29 Etiologia Prof MSc Alvaro Camilo Desconhecida Hipóteses Hereditariedade 2% dos HLA-B27 desenvolvem EA HLA-B27 + com parente de 1º grau com EA, aumenta a frequência em 15 a 20% Fator infeccioso: Klebsiella sp., Shigella e Salmonella

30 Fisiopatologia Alterações patológicas ocorrem em 3 estágios: reação inflamatória com infiltração de linfócitos formação de tecido de granulação e erosão do osso subjacente substituição do tecido de granulação por tecido fibroso Calcificação do tecido fibroso levando à anquilose da articulação Prof MSc Alvaro Camilo

31 Fisiopatologia Prof MSc Alvaro Camilo

32 Quadro clínico Dor (início insidioso) na coluna lombar baixa e parte inferior das nádegas, rigidez ao repouso com melhora ao exercício Retificação da lordose lombar fisiológica (fases avançadas) Limitação da expansibilidade torácica Perda de rotações e instalação de deformidade em cifose fixa Dor em articulações sacroilíacas (mais comum) Acometimento articular periférico assimétrico: quadril e ombro Entesite nas junções costoesternais, nos processos espinhosos, na crista ilíaca, no grande trocanter, na tuberosidade isquiática e nos calcanhares Prof MSc Alvaro Camilo

33 Quadro clínico Prof MSc Alvaro Camilo

34 Quadro clínico Uveíte anterior aguda Envolvimento cardiovascular Cardiomegalia, pericardite, insuficiência aórtica Doença Pulmonar Fibrose apical, restrição devido a caixa torácica Envolvimento neurológico Fraturas vertebrais (C5 e C6), ossificação do ligamento longitudinal posterior Acometimento renal: nefropatia Osteoporose Prof MSc Alvaro Camilo

35 Quadro clínico Prof MSc Alvaro Camilo

36 Alterações radiológicas Prof MSc Alvaro Camilo Quadratura dos corpos vertebrais Discite Coluna em bambu Alteraçõs nas sacroilíacas

37 Diagnóstico Prof MSc Alvaro Camilo Dor lombar de pelo menos 3 meses de duração aliviada com o exercício e não melhorada com o repouso Limitação da coluna lombar nos planos frontal e sagital Expansibilidade torácica reduzida em relação aos valores normais para idade e sexo Alteração da sacroilíaca bilateral grau 2 a 4 Alteração da sacroilíaca unilateral grau 3 a 4

38 Tratamento Objetivos Alívio da dor, da rigidez e da fadiga Manter boa postura Manter o melhor nível de capacidade funcional e psicossocial Qualidade de vida Tratamento medicamentoso Drogas anti-reumáticas modificadoras de doença não alteram ou inibem a inflamação da EA, mas auxiliam no controle Novas drogas (inibidoras de TNF alfa): melhoram capacidade funcional e qualidade de vida Prof MSc Alvaro Camilo

39 Tratamento Melhores resultados dos medicamentos quando associados a fisioterapia Tratamento cirúrgico: pacientes graves, com importante quadro de dor e incapacidade ou deformidade Fisioterapia Avaliação: dor na coluna vertebral, teste específicos, mobilidade da coluna, postura Prof MSc Alvaro Camilo Teste de Gaenslen Teste de Patrick

40 Tratamento OBJETIVOS Conscientizar o paciente da importância da participação do mesmo no tratamento Diminuir dor, rigidez, fadiga e inflamação Manter ou aumentar mobilidade da coluna e articulações periféricas Prevenção ou diminuição das retrações e/ou encurtamento muscular Fortalecimento muscular Manter ou aumentar expansibilidade torácica Preservação da função Melhora do condicionamento e resistência física Prevenção de deformidades e reintegração do paciente a vida ativa Educar e orientar Melhorar a qualidade de vida Prof MSc Alvaro Camilo

41 Tratamento CONDUTA Eletroterapia (TENS): Analgesia Termoterapia superficial (Compressas quentes, IV): Analgesia e relaxamento, diminuição do espasmo muscular, aumento da flexibilidade Massoterapia: relaxamento, diminuição do espasmo e contraturas Hidroterapia Analgesia, relaxamento, diminuição do espasmo e contraturas Prof MSc Alvaro Camilo

42 Tratamento Cinesioterapia Exercícios respiratórios Exercícios dinâmicos para tronco e quadril Pompagem: ECOM e escalenos Alongamento muscular global Fortalecimento muscular Prof MSc Alvaro Camilo

43 Tratamento Prof MSc Alvaro Camilo

44 Tratamento Prof MSc Alvaro Camilo

45 Tratamento Prof MSc Alvaro Camilo

46 Tratamento Prof MSc Alvaro Camilo

47 Tratamento Prof MSc Alvaro Camilo

48 Tratamento Prof MSc Alvaro Camilo


Carregar ppt "Fibromialgia Disciplina Fisioterapia em Reumatologia UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA Prof MSc Alvaro Camilo"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google