A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HISTÓRIA HISTÓRIA DA IDADE MODERNA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HISTÓRIA HISTÓRIA DA IDADE MODERNA."— Transcrição da apresentação:

1 HISTÓRIA HISTÓRIA DA IDADE MODERNA

2 ABSOLUTISMO DEFINIÇÃO: Regime político em que os reis possuem o poder absoluto sobre suas nações (concentração de poderes nas mãos dos reis). Transição entre o feudalismo e o capitalismo. Nova adequação do poder, conciliando parcialmente os interesses da tradicional nobreza e da nascente burguesia. NOBREZA: burocracia administrativa (cargos) e privilégios (pensões e isenção de impostos). BURGUESIA: dinamização das atividades comerciais (unificação de moedas, leis, sistemas de pesos e medidas, conquista de mercados e eliminação de barreiras internas prejudiciais ao comércio).

3 TEORIA DO DIREITO DIVINO
ABSOLUTISMO QUANDO: aproximadamente entre os séculos XV e XVIII. ONDE: principalmente na FRA, ING, POR e ESP. TEÓRICOS ABSOLUTISTAS: JEAN BODIN (A República). JACQUES BOSSUET TEORIA DO DIREITO DIVINO JEAN BODIN JACQUES BOSSUET (Política Segundo a Sagrada Escritura)

4 ABSOLUTISMO NICOLAU MAQUIAVEL (O Príncipe). Ética = política.
“razão de Estado” acima de tudo. “os fins justificam os meios”. THOMAS HOBBES (Leviatã). Poder do Estado acima de tudo. Estado serve para tirar a humanidade do caos “o homem não é um ser social em seu estado de natureza” (...) “o homem é o lobo do homem”. O homem perde sua liberdade em detrimento de sua segurança... HUGO GROTIUS (Do Direito da Paz e da Guerra). Poder ilimitado do Estado para manter a ordem. MAQUIAVEL T. HOBBES HUGO GROTIUS

5 O ABSOLUTISMO ESPANHOL:
EMPECILHOS À CENTRALIZAÇÃO: Presença de Judeus e Muçulmanos Guerra de Reconquista Monarquia dos Reis Católicos. Inquisição. Diversas Línguas

6 ABSOLUTISMO PORTUGAL Centralização Precoce Dinastia de Avis
Expansão Maríima Alinhamento com a Espanha D. JOÃO MESTRE DE AVIS

7 ABSOLUTISMO Espanha União de Arras (católicos)
PAÍSES BAIXOS Espanha União de Arras (católicos) União de Utrech (Protestantes) GUILHERME DE ORANGE

8 O ABSOLUTISMO FRANCÊS:
A) Dinastia Valois: Carlos IX (1560 – 1574): Católicos X Huguenotes Família GUISE X Família BOURBON Apoio de Catarina de Médicis (mãe do rei) aos católicos. Noite de São Bartolomeu (1572): massacre de huguenotes. Henrique III (1574 – 1589): Rei + Henrique de Navarra Bourbon* X Henrique de Guise Guerra dos 3 Henriques

9 ABSOLUTISMO B) Dinastia Bourbon Henrique IV (1589 – 1610):
“Paris bem vale uma missa”. 1598: Édito de Nantes – liberdade de culto aos protestantes. Luís XIII (1610 – 1643): Cardeal Richelieu (1624 – 1642) Perseguição interna aos protestantes. Apoio externo aos protestantes. Guerra dos Trinta Anos (1618 – 1648): BOURBON (FRA)* X HABSBURGOS (AUS + ESP) Paz de Vestfália: conquistas territoriais para a FRA (Alsácia-Lorena) LUÍS XIII

10 ABSOLUTISMO Luís XIV (1643 – 1715) – auge: “Rei Sol”.
Cardeal Mazzarino – eliminação das Frondas (associações de nobres e burgueses). Colbert – incentivo às manufaturas de luxo, navegações, conquistas na América, criação de Cias. de Comércio. Construção do Palácio de Versalhes. Aumento constante de impostos. 1685: Revogação do Édito de Nantes (perseguições e emigração de burgueses) COLBERT

11 “O ESTADO SOU EU” LUÍS XIV “É exclusivamente na minha pessoa que reside o poder soberano... É só de mim que os meus tribunais recebem a sua existência e a sua autoridade; (...) a ordem pública inteira emana de mim, e os direitos e interesses da Nação (...) estão necessariamente unidos com os meus e repousam unicamente nas minhas mãos.”

12 PALÁCIO DE VERSALHES:

13 Derrota na Guerra dos Sete Anos (1756 – 63). Perda do Canadá e Índia.
Luís XV (1715 – 1774): Derrota na Guerra dos Sete Anos (1756 – 63). Perda do Canadá e Índia. Luís XVI (1774 – 1792): Guerra de Independência dos EUA (1776 – 1783). Aumento de gastos. LUÍS XV DECADÊNCIA DO ABSOLUTISMO FRANCÊS LUÍS XVI

14 Henrique VII (1485 – 1509) – Pacificação interna.
O ABSOLUTISMO INGLÊS: Após a Guerra dos Cem Anos (1337–1453) e a Guerra das Duas Rosas (1455 – 1485). Dinastia TUDOR (1485 – 1603) Henrique VII (1485 – 1509) – Pacificação interna. Henrique VIII (1509 – 1547): Reforma protestante. 1534: Ato de Supremacia – criação da Igreja Anglicana. Eduardo VI (1547 – 1553) prosseguimento da política de seu pai. HENRIQUE VII HENRIQUE VIII EDUARDO VI

15 Retomada do anglicanismo. Colonização da América (Virgínia).
MARIA I Maria I (1553 – 1558) – restabelecimento do catolicismo e perseguições (apelidada de Bloody Mary). Elizabeth I (1558 – 1603) - auge: Retomada do anglicanismo. Colonização da América (Virgínia). Atividade corsária contra ESP e POR (Francis Drake). Vitória sobre a “Invencível Armada” (ESP). Dinamização do comércio. Intensa atividade burguesa. Início da supremacia naval inglesa. ELIZABETH I

16 CRONOLOGIA DA IDADE MODERNA 1453 1500 1600 1700 1789
GUERRAS NA ITÁLIA ( ) GUERRA ESPANHA X PAÍSES BAIXOS ( ) GUERRA DA SUCESSÃO ESPANHOLA ( ) GUERRA DOS 30 ANOS ( ) CARLOS V ( ) GUERRA DOS SETE ANOS ( ) NASSAU ( ) G. ADOLFO ( ) LUÍS XIV ( ) FREDERICO II ( )

17

18 EM CASO DE GUERRA RECORRIA-SE AOS SV DOS “CONDOTTIERI”

19 A ASCENSÃO DOS HABSBURGOS

20 ESPANHA É UNIFICADA EM 1492 .

21 . NO INÍCIO DO SÉCULO XVI,CARLOS V, DA CASA
DOS HABSBURGOS, HERDA DIVERSOS REINOS E TERRITÓRIOS E TORNA-SE SACRO-IMPERADOR .

22 . DURANTE SEU REINADO ANEXA OUTROS TERRITÓRIOS
DA AMÉRICA, ÁFRICA E EUROPA .

23 . CARLOS V ACREDITAVA TER A MISSÃO DIVINA DE GOVERNAR, UNIFICAR, LIDERAR E DEFENDER A CRISTANDADE . DURANTE SEU REINADO ESFORÇOU-SE PARA ATINGIR TAIS PROPÓSITOS . AS RIQUEZAS DE SUAS POSSESSÕES EURO-PEIAS E AMERICANAS E O EXÉRCITO ESPANHOL PARECIAM SER-LHE SUFICIENTES PARA ATINGIR SEUS OBJETIVOS

24 FRACASSO E ABDICAÇÃO DE CARLOS V

25 . CARLOS V NÃO CONSEGUIU ATINGIR SEUS PROPÓSITOS, POIS ENFRENTOU, POR VEZES SIMULTANEAMENTE, TURCOS, FRANCESES E “PRÍNCIPES” PROTESTANTES DO SACRO IMPÉRIO . DESGASTADO, ABDICOU . FILIPE II, SEU FILHO, FICOU COM A ESPANHA, A ITÁLIA, OS PAÍSES BAIXOS, AS COLÔNIAS AMERICANAS ENTRE OUTROS TERRITÓRIOS . FERNANDO II, SEU IRMÃO, FICOU COM TERRITÓ-RIOS ALEMÃES E AUSTRÍACOS.

26 REINADO DE FILIPE II

27 . FILIPE II ESTABELECE UMA TRÉGUA COM OS TURCOS E FIRMA UM TRATADO DE PAZ COM OS FRANCESES . HERDA PORTUGAL E O BRASIL . ENTRA EM GUERRA COM A INGLATERRA, CUJA RAI-NHA, ELIZABETH I, APOIAVA CORSÁRIOS, REBELDES DOS PAÍSES BAIXOS E PERSEGUIA CATÓLICOS . FROTA ESPANHOLA (“INVENCÍVEL ARMADA”) É DER-ROTA, FRUSTRANDO OS PLANOS DE FILIPE II DE INVA-DIR A INGLATERRA (1588)

28 TRATADO DE WESTFÁLIA (1648)
. TRATADO DE WESTFÁLIA (1648) . A ESPANHA RECONHECE A INDEPENDÊNCIA DA HOLANDA

29 INÍCIO DO SÉCULO XVII Suécia Dinamarca .

30 CAUSAS DA GUERRA DOS TRINTA NOS

31 . O SACRO IMPÉRIO ERA DIVIDIDO EM CENTENAS DE TERRITÓRIOS GOVERNADOS POR “PRÍNCIPES” QUE TINHAM DIFERENTES GRAUS DE AUTONOMIA EM RELAÇÃO AO IMPERADOR . O SACRO IMPERADOR ERA ELEITO POR NOBRES PROEMINENTES (OS “ELEITORES”) . HAVIA CONFLITOS FREQUENTES ENTRE O IMPE-RADOR E OS NOBRES (CENTRALIZAÇÃO X DESCEN-TRALIZAÇÃO DO PODER) . A REFORMA PROTESTANTE ACIRROU AINDA MAIS AS DESAVENÇAS (MUITOS “PRÍNCIPES” ADOTARAM O PROTESTANTISMO)

32 . PELA PAZ DE AUGSBURGO (1555), OS “PRÍNCIPES” PASSARAM A PODER ESCOLHER A RELIGIÃO A SER PROFESSADA EM SEUS DOMÍNIOS . COM O PASSAR DO TEMPO, SURGEM DOIS GRUPOS ANTAGÔNICOS: UNIÃO EVANGÉLICA (PROTESTANTE) E A LIGA CATÓLICA . A PAZ TERMINA EM 1618, QUANDO O IMPERADOR CA-TÓLICO MATIAS DECIDE ACABAR COM TOLERÊNCIA RELIGIOSA

33 O INÍCIO DA GUERRA

34 . OS “PRÍNCIPES” PROTESTANTES DA BOÊMIA SE REBELAM , ESCOLHENDO FREDERICO V PARA SER SEU IMPERADOR . O IMPERADOR FERNANDO II, SUCESSOR DE MA-TIAS, EM 1619, COM O APOIO DA LIGA CATÓLICA E DA ESPANHA, DERROTA OS REBELDES . O FORTALECIMENTO DE FERNANDO II ABALA O FRÁGIL EQUILÍBRIO EUROPEU, FAZENDO COM QUE MONARCAS DE OUTROS PAÍSES INTERVENHAM NO CONFLITO

35 INTERVENÇÕES DE CRISTIANO IV E DE GUSTAVO ADOLFO

36 REI CRISTIANO IV, DA DINAMARCA, ENTRA NA
GUERRA AO LADO DOS PROTESTANTES, MAS É DERROTADO POR FORÇAS HISPANO-IMPERIAIS

37 . FERNANDO II FORÇA OS “PRÍNCIPES” PROTESTANTES A ASSINAR O ÉDITO DA RESTITUIÇÃO (DEVOLUÇÃO DAS TERRAS DA IGREJA CATÓLICA CONFISCADAS DURANTE A REFORMA) . TROPAS HISPANO-IMPERIAIS ATACAM PORTOS DO MAR BÁLTICO, O QUE LEVOU O REI PROTESTANTE GUSTAVO ADOLFO, DA SUÉCIA, A INTERVIR

38 GUSTAVO ADOLFO VENCE DIVERSOS COMBATES,
INTERVENÇÃO SUECA GUSTAVO ADOLFO VENCE DIVERSOS COMBATES, MAS ACABA MORTO NA BATALHA DE LUTZEN

39 INTERVENÇÃO FRANCESA

40 INTERVENÇÃO FRANCESA

41 . EM , APÓS FRACASSOS SUECOS, A FRANÇA, SENTINDO-SE AMEAÇADA PELO HABS-BURGOS, CUJAS POSSESSÕES CERCAVAM SEU TERRITÓRIO, ENTROU NA GUERRA AO LADO DOS PROTESTANTES . OFENSIVAS FRANCESAS RESULTAM EM SU-CESSO NO SACRO IMPÉRIO, NOS PAÍSES BAIXOS, NA ITÁLIA E NA ESPANHA . FERNANDO III, QUE SUCEDEU FERNANDO II, PRES-SIONADO, REVOGOU O EDITO DE RESTITUIÇÃO

42 . A ESPANHA, ALIADA DE FERNANDO III, ENFRENTA REVOLTAS INTERNAS NA CATALUNHA, NÁPOLES E PORTUGAL (ESTE RECUPERA SUA INDEPENDÊN- CIA EM 1640) . EM 1646, OS FRANCESES SITIAM VIENA, CAPITAL DOS HABSBURGOS AUSTRÍACOS . UMA GUERRA ENTRE A DINAMARCA E A SUÉCIA ALIVIOU A SITUAÇÃO DE FERNANDO III, PROPI-CIANDO UM ACORDO DE PAZ (TRATADO DE WEST-FÁLIA – 1648)

43 TRATADO DE WESTFÁLIA

44 . OS “PRÍNCIPES” DO SACRO IMPÉRIO VOLTAM A TER O DIREITO DE ESCOLHER A RELIGIÃO DE SEUS SÚDITOS . A ESPANHA RECONHECE A INDEPENDÊNCIA DA HOLANDA . A FRANÇA ANEXA A ALSÁCIA E OUTROS TERRI-TÓRIOS DOS HABSBURGOS . OS SUECOS RECEBERAM AS TERRAS QUE DESE-JAVAM NO MAR BÁLTICO . OS CONFISCOS DE TERRAS DA IGREJA CATÓLICA, REALIZADOS PELOS PROTESTANTES DURANTE A REFORMA, FORAM CONFIRMADOS

45 CONSEQUÊNCIAS DA GUERRA

46 . EM WESTFÁLIA FORAM LANÇADAS AS BASES DO SISTEMA JURÍDICO E POLÍTICO CONTEM-PORÂNEO, POIS OS ESTADOS CHEGARAM A UM ACORDO LEVANDO EM CONTA “RAZÕES DE ESTADO” EM DETRIMENTO DE VALORES MORAIS OU RELIGIOSOS . O SACRO IMPÉRIO ACABOU DEVASTADO, POIS FOI O PALCO DE MUITAS OPERAÇÕES MILITARES (DESTRUIÇÃO E CONFISCO DE COLHEITAS, SA-QUES E MASSACRES) . A FRANÇA SAIU FORTALECIDA DO CONFLITO

47 A FRANÇA SOB LUÍS XIV

48 . LUÍS XIV HERDOU UM REINO COM BOAS FINANÇAS E FORTALECIDO EM DECORRÊNCIA DO TRATADO DE WESTFÁLIA . AO LONGO DO REINADO, O MONARCA FRANCÊS PRO- CUROU FORTALECER O PODER REAL, ESTIMULOU O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E REFORMOU O EXÉRCITO . NO PLANO EXTERNO PROCUROU AMPLIAR O TERRITÓ-RIO DE SEU REINO . INICIALMENTE PRETENDIA CONQUISTAR TERRITÓRIOS FRONTEIRIÇOS VITAIS PARA A DEFESA DE SEU REINO. DEPOIS ALMEJAVA ESTENDER AS FRONTEIRAS DA FRANÇA ATÉ O RIO RENO

49 GUERRAS DE LUÍS XIV

50 . GUERRA CONTRA A ESPANHA ( ) PELOS PAÍSES BAIXOS ESPANHÓIS (ATUAL BÉLGICA). OS ESPANHÓIS FORAM APOIADOS PELOS INGLESES, HOLANDESES E SUECOS, QUE TEMIAM A SUPREMACIA FRANCESA NA EUROPA. . GUERRA CONTRA A HOLANDA ( ). OS HOLANDESES FORAM APOIADOS PELA ESPANHA . NESSAS GUERRAS LUÍS XIV ANEXOU DIVERSOS TERRITÓRIOS QUE ALMEJAVA

51 REAÇÕES À POLÍTICA EXPANSIONISTA DE LUÍS XIV

52 . GUERRA DOS NOVE ANOS (1688/97): - FRANÇA CONTRA A ESPANHA, HOLANDA, INGLA- TERRA E SACRO IMPÉRIO - MOTIVO: A POLÍTICA EXPANSIONISTA DE LUÍS XIV - RESULTADO: A FRANÇA FOI DERROTADA E OBRIGADA A RESTITUIR TERRITÓRIOS QUE HAVIA RECENTEMENTE ANEXADO

53 GUERRAS DA SUCESSÃO ESPANHOLA (1702-1714)
. GUERRAS DA SUCESSÃO ESPANHOLA ( ). - FRANÇA E ESPANHA LUTAM CONTRA A HOLANDA, INGLATERRA, PORTUGAL E SACRO IMPÉRIO. - MOTIVO: O TRONO DA ESPANHA SERIA HERDADO POR FILIPE V, NETO DE LUÍS XIV, O QUE LEVARIA A UNIFICAÇÃO DA ESPANHA E FRANÇA, COLOCANDO EM RISCO O EQUILÍBRIO EUROPEU - A FALTA DE RECURSOS FINANCEIRO E DESACORDOS ENTRE SEUS INIMIGOS LEVARAM AOS TRATADOS DE UTRECHT, RASTATT E BADEN, QUE PUSERAM FIM A GUERRA DA SUCESSÃO ESPANHOLA

54 - FILIPE V FOI RECONHECIDO REI DA ESPANHA, MAS FOI OBRIGADO A RENUNCIAR AO TRONO FRANCÊS - A ESPANHA PERDEU GIBRALTAR E MINORCA PARA A INGLATERRA

55 - A FRANÇA: CEDEU A ACÁDIA E A TERRA NOVA (COLÔNIAS LOCALIZADAS NA AMÉRICA DO NORTE) PARA A INGLATERRA ACEITOU O CONTROLE DO SACRO IMPÉRIO SOBRE OS PAÍSES BAIXOS ESPANHÓIS, O DUCADO DE MILÃO E O REINO DE NÁPOLES.

56 OUTRAS CARACTERÍSTICAS DAS GUERRAS NA ÉPOCA DE LUÍS XIV

57 . GUERRAS DE MOVIMENTO E BATALHAS CAMPAIS RARAS (PÉSSIMAS ESTRADAS E DEPENDÊNCIA DE POSTOS DE SUPRIMENTO) . ALGUNS COMANDANTES, COMO CONDÉ, TURENNE, VILLARS, MARLBOROUGH E O PRÍNCIPE EUGÊNIO, OUSARAM REALIZAR OPERAÇÕES DE LONGO ALCAN-CE E BATALHAS DECISIVAS, CONSEGUINDO GRANDES ÊXITOS. . ÊNFASE NAS GUERRAS DE SÍTIO (DEFESA OU ATAQUE A FORTALEZAS OU CIDADES FORTIFICADAS) .

58 . LUÍS XIV MANDOU CONSTRUIR DEZENAS DE FORTALEZAS ESTRATÉGICAS AO LONGO DAS FRONTEIRAS FRANCESAS, QUE, ALÉM DA FINALIDADE DEFENSIVA, SERVIAM COMO POSTOS DE SUPRIMENTO E ALOJAMENTO DE TROPAS. . O MAIOR ESPECIALISTA DO PERÍODO NA CONS-TRUÇÃO E ASSÉDIO DE FORTALEZAS FOI O MAR-QUÊS DE VAUBAN.

59 . AS FORTIFICAÇÕES DE VAUBAN ERAM CONSTRUÍDAS COM UMA SÉRIE DE VALAS, PAREDES BAIXAS, TRIN-CHEIRAS E BASTIÕES QUE AS TORNAVA MUITO RESIS-TENTES ÀS INVESTIDAS INIMIGAS VAUBAN COMANDOU TAMBÉM MUITOS SÍTIOS, DE-SENVOLVENDO ENGENHOSOS SISTEMAS DE APROCHE, QUE PROPORCIONAVAM A CONQUISTA DAS FORTIFICA-ÇÕES INIMIGAS COM UM MÍNIMO DE PERDAS. . HAVIA TAMBÉM O CONTRA-APROCHE PARA EVITAR O APROCHE

60 O SURGIMENTO DA PRÚSSIA E AS REFORMAS DE FREDERICO GUILHERME I

61 SURGIMENTO E EXPANSÃO DO REINO DA PRÚSSIA -1600/1795
ANEXAÇÕES – 1600/1772 MARGRAVIADO DE BRANDENBURGO/1600 DUCADO DA PRÚSSIA/1600 ANEXAÇÕES EM DETRIMENTO DA POLÔNIA /95

62 . O REINO DA PRÚSSIA SURGIU EM 1701, FRUTO DA REUNIÃO DE DIVERSOS TERRITÓRIOS ESPARSOS DO SACRO IMPÉRIO POR MONARCAS DA DINASTIA HOHEN-ZOLLERN . A PARTIR DE 1713, FREDERICO GUILHERME REALIZOU PROFUNDAS REFORMAS NAS ÁREAS DA ADMINISTRA-ÇÃO E DA ECONOMIA QUE FORTALECERAM O REINO . O EXÉRCITO PRUSSIANO TAMBÉM FOI MODERNIZADO

63 GUERRA DA SUCESSÃO AUSTRÍACA (1740-48)
. GUERRA DA SUCESSÃO AUSTRÍACA ( ). . MOTIVO: DISPUTA POR TERRITÓRIOS DOS HABSBURGOS E E PELA COROA DO SACRO IMPÉRIO, HERDADOS POR MARIA TERESA . PRINCIPAIS BELIGERANTES: PRÚSSIA, ESPANHA E FRANÇA CONTRA ÁUSTRIA, RÚSSIA E INGLATERRA . RESULTADO: MARIA TERESA PERDE ALGUNS TERRITÓ-RIOS, ENTRE OS QUAIS A SILÉSIA QUE FOI ANEXADA POR FREDERICO II

64 GUERRA D. OS SETE ANOS (1756-63)
. GUERRA D OS SETE ANOS ( ). . MOTIVOS PRINCIPAIS: MARIA TERESA RESOLVE RETOMAR A SILÉSIA E CONFLITOS COLONIAIS ENTRE INGLESES E FRANCESES IMPÉRIO. . PRINCIPAIS BELIGERANTES: PRÚSSIA E INGLATERRA CONTRA ESPANHA, FRANÇA ÁUSTRIA E RÚSSIA .RESULTADO: VITÓRIA ANGLO-PRUSSIANA. MARIA TERESA RECONHECE A PERDA DA SILÉSIA. A FRANÇA CEDE DIVERSOS TERRITÓRIOS COLONIAIS PARA A INGLATERRA

65 . DURANTE A GUERRA DOS SETE ANOS, FREDERICO II VIU-SE CERCADO POR INIMIGOS COM EFETIVOS MUITO SUPE-RIORES AOS SEUS. CONSEGUIU RESISTIR EMPREGANDO MANOBRAS EM LINHAS INTERIORES

66

67 . FREDERICO PARTICIPOU DA 1ª PARTILHA DA POLÔNIA EM 1772, JUNTAMENTE COM A RÚSSIA E ÁUSTRIA, AUMENTAN-DO AINDA MAIS O TERRITÓRIO E O PRESTÍGIO DOS PRUS-SIANOS . FALECEU EM 1786


Carregar ppt "HISTÓRIA HISTÓRIA DA IDADE MODERNA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google