A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES CAMPUS LEOPOLDINA PÓS GRADUAÇÃO DISCIPLINA: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof.: Denilson Santos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES CAMPUS LEOPOLDINA PÓS GRADUAÇÃO DISCIPLINA: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof.: Denilson Santos."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES CAMPUS LEOPOLDINA PÓS GRADUAÇÃO DISCIPLINA: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof.: Denilson Santos

2 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA * Conceitos e definições. * Desenvolvimento do planejamento estratégico. * Análise ambiental. * Oportunidades e ameaças. * Missões, metas e objetivos.

3 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA * Análise de ambiente interno. * Formulação do planejamento estratégico. * Análise do ambiente externo. * Análise de turbulências e vulnerabilidade.

4 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO X CONCEITO

5 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO Do latim - definiendum (aquilo que deve ser definido) Nos remete em sua essência, a delimitação, pela qual temos a pretensão de conseguir apresentar algo de forma precisa por meio de palavras.

6 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA CONCEITO Do latim conceptus – do verbo concipere, que significa "conter completamente", "formar dentro de si. É uma frase (juízo) que diz o que a coisa é ou como funciona. Se relaciona mais com ideias e pensamentos sobre determinado tema e reconhece as possíveis múltiplas perspectivas e abordagens.

7 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO de PLANEJAR Traçar; Fazer o Plano de; Projetar; Programar, Planificar; Planear. Verbo transitivo regular

8 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO de ESTRATÉGIA Habilidade; Astúcia; Esperteza. Arte de combinar a ação das forças militares, políticas, morais, econômicas, implicadas na condução de uma guerra ou na preparação da defesa de um Estado. Substantivo Feminino. Palavra herdada dos gregos, diz respeito ao cargo e/ou a dignidade de ministro da guerra, ou seja, comandante de uma batalha, em Atenas.

9 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA CONCEITO de PLANEJAMENTO: 1) O processo que deriva da função da administração de planejar, ou seja, especificar os objetivos a serem atingidos e decidir antecipadamente as ações apropriadas que devem ser executadas para que esses objetivos sejam atingidos.

10 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ) É o processo administrativo que determina antecipadamente o que um grupo de pessoas deve fazer e quais as metas que devem ser atingidas. CONCEITO de PLANEJAMENTO:

11 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA Conceito de ESTRATÉGIA É a seleção dos meios para realizar objetivos. (realizar é a arte de anular ou frustrar o objetivo do concorrente) É o processo de construção do futuro, aproveitando competências fundamentais da empresa. É o padrão de alocação dos recursos para realizar os objetivos da organização.

12 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA Alfred Sloan O objetivo estratégico de uma empresa é obter o retorno do capital. Se, em um caso específico, o retorno em longo prazo não for satisfatório, o defeito deve ser corrigido ou a atividade deve ser abandonada. Para Sloan, estratégia foi chamada de política.

13 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA (Decisões) Peter Drucker As decisões importantes, as decisões que realmente são importantes, são estratégicas. Elas compreendem descobrir qual é a situação atual, ou mudá-la, ou descobrir quais são ou deveriam ser os recursos... Todo gerente tem que tomar essas decisões estratégicas. Quanto mais alto seu nível na hierarquia, mais decisões estratégicas ele deve tomar.

14 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA Chandler A determinação das metas e objetivos básicos e de longo prazo de uma empresa, com a adoção de ações e alocação de recursos necessários para atingir esses objetivos, entende-se como estratégia.

15 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA H. Igor Ansoff Como outros autores, Ansoff foi influenciado por Drucker e Chandler. Públicou em 1965 a obra literária Estratégia Corporativa. Apresenta noções de um processo para formular objetivos e estratégias, com base na análise de oportunidades do ambiente.

16 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA ANOS 60 Ocorre transições do conceito de ESTRATÉGIA, para POLÍTICA DE NEGÓCIOS, após PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO, em seguida ESTRATÉGIA CORPORATIVA e PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO.

17 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA ANOS 60 Com a transição dos conceitos, a sigla SWOT passou a ser o símbolo do procedimento básico para planejamento estratégico. S = Strenghts (Pontos Fortes) W = Waeknesses (Pontos Fracos) O = Opportunities (Oportunidade) T = Threats (Ameaças)

18 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA Autores Contemporâneos

19 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA Henry Mintzberg Uma forma de pensar no futuro, integrada no processo decisório. Um procedimento formalizado e articulador de resultados. Um programa de trabalho.

20 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA Richard Pascale Um processo de selecionar oportunidades, definidas em termos de clientes a serem atendidos e produtos a serem oferecidos e, ao mesmo tempo, como processo de tomar decisões sobre investimentos de recursos com a finalidade de atingir objetivos.

21 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA Rampton É um plano que relaciona as vantagens da empresa com os desafios do ambiente. O desafio da estratégia é adaptar a organização com o sucesso a seu ambiente.

22 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA Hamel e Prahalad É o processo de construir o futuro, com base no aproveitamento das competências fundamentais da empresa.

23 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA Robbins e De Cenzo Os planos que se aplicam à totalidade da organização, que estabelecem seus objetivos globais e que procuram posicionar a organização em seu ambiente, são chamados planos estratégicos.

24 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA Bateman e Snell É o padrão de ações e de alocação de recursos planejados para realizar os objetivos da organização. A estratégia que a organização implementa tem por finalidade compatibilizar as competências e os recursos da organização com as oportunidades do ambiente externo.

25 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ESTRATÉGIA Michael Porter Consiste em fazer escolhas e procurar deliberadamente ser diferente. Porter distingue a estratégia da eficiência operacional, que compreende os indicadores de produtividade e qualidade.

26 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ) É o processo de seleção dos objetivos de uma organização, determinando as políticas e os programas estratégicos necessários para se atingir objetivos específicos rumo à consecução das metas, definindo os métodos necessários para assegurar a execução das políticas e dos programas estratégicos. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

27 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ) É o processo através do qual a empresa se mobiliza para atingir o sucesso e construir o seu futuro, por meio de um comportamento proativo, considerando seu ambiente atual e futuro estratégicos. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 3) É o processo de elaborar a estratégia, a relação pretendida da organização com seu ambiente.

28 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMPREENDE Tomada de decisão sobre o padrão de comportamento que a organização pretende seguir. Produtos e serviços que pretende oferecer. Mercados e clientes que pretende atingir.

29 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Processo sistemático de sequência de análise e decisões ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA ANÁLISE DO AMBIENTE ANÁLISE DE PONTOS FORTES E FRACOS DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS ESTRATÉGIAS FUNCIONAIS E OPERCIONAIS EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO

30 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA É o presente da organização. Onde estamos? Como chegamos até aqui? Podemos observar por duas perspectivas 1° - As decisões tomadas no passado, que afetam a situação presente, chamada de Posição Estratégica ou Situação Estratégica.

31 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA 2° - As decisões que estão sendo tomadas no presente e que afetam o futuro da organização, chamada de Planos Estratégicos.

32 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA Seja para analisar o passado ou definir o futuro, os componentes estratégicos são pelo menos os seguintes: 1) escopo ou modelo de negócio. 2) vantagens competitivas.

33 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA 3) participação no mercado. 4) desempenho. 5) uso de recursos.

34 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA REPRESENTAÇÃO ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA ESCOPO PRODUTOS E MERCADOS VANTAGENS COMPETITIVAS PARTICIPAÇÃO NO MERCADO DESEMPENHO USO DOS RECURSOS

35 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA ESCOPO DA ORGANIZAÇÃO PRODUTOSMERCADO Linhas de produtos ou serviços que a organização fornece a seus clientes e mercados, definem o seu negócio, chamado também como Modelo de Negócio. Conjunto de clientes, consumidores finais ou organizações com os quais a organização tem ou deseja ter negócios.

36 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA Nesta etapa da análise (escopo), se faz necessário: a) identificar a participação dos clientes no faturamento; o volume de negócios ou atividades da organização com cada cliente de seu mercado. b) identificar a participação dos produtos na venda; o volume de negócios ou atividades que cada um dos produtos ou serviços traz para organização.

37 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA VANTAGENS COMPETITIVAS Permite entender as razões pelas quais os consumidores preferem um produto ou serviço, em vez de outro, e tomar decisões sobre como a empresa pode distinguir-se dos concorrentes.

38 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA VANTAGENS EXEMPLOS 1)Qualidade de projeto, do produto e serviço. Mercedes-Benz, Volkswagen, Rede Globo. 2) Eficiência e baixo custo das operações dos recursos. Empresas que usam o modelo de produção e administração enxutas. 3)Liderança na inovação. Microsoft, Banco 24 horas. 4) Disponibilidade e desempenho da assistência técnica (serviço pós vendas). Volkswagen, Xerox. 5)Relações pessoais com consumidores. Logistas, microempresários, empresas que vendem de porta em porta. 6) Propriedade ou controle de matérias primas escassas ou de alto custo. Vale do Rio Doce, Petrobrás, Cartel do cimento. 7)Disponibilidade de capital. Bancos, fundos de pensão. 8)Controle do mercado. Petrobrás, Tefônicas, Cartel do cimento, Microsoft. 9) Aceitação pelo consumidor da marca da empresa. Nestlé, Jhonson & Jhonson, Açúcar União, Coca-Cola, Disney, Gillette. 10) Conveniência e disponibilidade do produto (eficácia do sistema de distribuição). Nestlé, Açúcar União, Gillette. 11)Preço baixo. Carros populares, camelôs. 12)Preço alto. Mercedes-Benz, primeira classe dos aviões.

39 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA PARTICIPAÇÃO NO MERCADO Corresponde à parcela de negócios que uma organização domina em cada um dos seus mercados onde atua ou à proporção que seus negócios representam dentro do volume total de negócios de um ramo ou setor de atividades.

40 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA PARTICIPAÇÃO NO MERCADO Deve ser estudada historicamente, assim nos permite conhecer a evolução do mercado e determinar se o desempenho está em ascensão ou declínio.

41 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA DESEMPENHO Pode-se usar vários indicadores, como alguns que já foram apresentados: participação dos clientes e produtos no faturamento, participação no mercado. Também pode ser avaliado por meio de evolução de números: vendas, clientes, rentabilidade, taxa de retorno do capital investido.

42 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA USO DOS RECURSOS A análise dos recursos tem natureza QUALITATIVA, geralmente se faz a análise através de três perguntas: Quais são os ativos de maior valor da organização? Onde estão localizados? Onde estão concentrados os talentos? Em quais áreas a organização faz investimentos? Há setores que estão sendo privilegiados ou negligenciados?

43 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA USO DOS RECURSOS A forma como os recursos são utilizados reflete a ênfase que a organização coloca em suas diferentes áreas. Quando o Plano Estratégico é elaborado, os recursos devem ser alocados de forma coerente com a situação futura desejada.

44 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DE AMBIENTES (ameaças e oportunidades)

45 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA ANÁLISE DO AMBIENTE

46 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DE AMBIENTES AMEAÇAS OPORTUNI- DADES

47 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA Quanto mais competitivo, instável e complexo o ambiente, se torna maior a necessidade de analisá-lo. ANÁLISE DO AMBIENTE Para facilitar a análise, podemos dividi-la em diversas maneiras, chamadas de componentes, conforme abaixo: RAMO DE NEGÓCIOS MUDANÇAS TECNOLÓGICAS AÇÕES E CONTROLE DO GOVERNO CONJUNTURA ECONÔMICA TENDÊNCIAS SOCIAIS

48 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA FORÇAS COMPETITIVAS RIVALIDADE ENTRE CONCORRENTES AMEAÇAS DE PRODUTOS E SERVIÇOS SUBSTITUTOS PODER DE BARGANHAS DOS COMPRADORES AMEAÇAS DA ENTRADA DE NOVOS COMPETIDORES PODER DE BARGANHA DOS FORNECEDORES

49 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA (pontos fortes e fracos)

50 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ESTRATÉGICA ANÁLISE DE PONTOS FORTES E FRACOS ANÁLISE INTERNA

51 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA FORTES FRACOS

52 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA A análise dos pontos fortes e fracos em uma organização anda em paralelo com a análise de ambiente (externo) e pode ser avaliado através de análise FUNCIONAIS e BENCHMARKING.

53 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA FUNCIONAIS A análise ocorrerá através de avaliação de desempenho, segmentando as áreas funcionais da organização, focando ESPECIFICAMENTE os pontos fracos de cada uma delas.

54 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA (PONTOS FRACOS) ÁREAS FUNCIONAIS PRODUÇÃO- OPERAÇÕES * Arranjo físico, sequência das operações, métodos de trabalho. * Idade e limpeza das máquinas, equipamentos e instalações. * Flexibilidade dos recursos produtivos. MARKETING E VENDAS * Capacidade de entender o mercado, conhecimento de técnicas de pesquisas e marketing, experiência com o mercado. * Desempenho no lançamento de produtos. RECURSOS HUMANOS * Existência de um departamento de recursos humanos. * Políticas de administração de recursos humanos. FINANÇAS * Fluxo de caixa. * Liquidez. * Solvência. * Retorno sobre investimento.

55 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA ANÁLISE INTERNA BENCHMARKING Compara o desempenho de outra organização. Busca melhores praticas de administração. Identificar e ganhar vantagens competitiva.

56 UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES – CAMPUS LEOPOLDINA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS


Carregar ppt "UNIVERSIDADE MOGI DAS CRUZES CAMPUS LEOPOLDINA PÓS GRADUAÇÃO DISCIPLINA: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof.: Denilson Santos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google