A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Lei e a Ordem do Império

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Lei e a Ordem do Império"— Transcrição da apresentação:

1 A Lei e a Ordem do Império
A Cultura do Senado A Lei e a Ordem do Império

2 Sísifo é uma personagem da mitologia grega
Sísifo é uma personagem da mitologia grega. Conta-se que ele foi testemunha de uma das inúmeras malfeitorias de Zeus, o caprichoso e pouco virtuoso rei dos deuses.

3 Este raptou uma jovem e Sísifo contou o sucedido ao pai dela (Asopo, o deus-rio). Isso desencadeou a ira de Zeus. Para castigar Sísifo condenou-o a repetir sempre a mesma tarefa: empurrar uma pedra montanha acima, só para vê-la rolar para baixo novamente assim que conseguia colocá-la no cimo da montanha.

4 Alguns autores, consideram que, no fundo, todos os seres humanos têm uma vida semelhante à de Sísifo – rotineira, inútil, absurda e sem sentido. Terão esses autores razão?

5 Ao tentar responder a essas perguntas pense nas fotografias de Sebastião Salgado e o género de trabalho extenuante e rotineiro que elas retratam

6 O fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado é um dos repórteres fotográficos contemporâneos mais respeitados no mundo. Salgado, que foi nomeado Representante Especial da Unicef em 3 de Abril de 2001, dedicou-se a fotografar as vidas dos deserdados do mundo.

7 Império Romano O Império Romano é a fase da história da Roma Antiga caracterizada por uma forma autocrática de governo.

8 O Império Romano sucedeu a República Romana que durou quase 500 anos (509 a.C. – 27 a.C.) e tinha sido enfraquecida pelo conflito entre Caio Mário e Sulla … Caio Mário …e pela guerra civil de Júlio César contra Pompeu Sulla

9 Durante estas lutas, centenas de senadores morreram, e o Senado Romano foi renovado com legalistas do Primeiro Triunvirato e depois do Segundo Triunvirato.

10 Muitas datas são comummente propostas para marcar a transição da República ao Império, incluindo a data da indicação de Júlio César como ditador perpétuo (44 a.C.), a vitória do herdeiro de Otávio na Batalha de Áccio (2 de Setembro de 31 a.C.), ou a data em que o senado romano outorgou a Otávio o título honorífico Augusto (16 de Janeiro de 27 a.C.).

11 Otávio Augusto oficialmente proclamou ter salvo a República Romana e cuidadosamente disfarçou seu poder sob formas republicanas: cônsules continuaram a ser eleitos, tribunos dos plebeus continuaram a servir a justiça, e senadores ainda debatiam na cúria romana.

12 os cônsules eram os mais importantes magistrados: comandavam o exército, convocavam o Senado, presidiam os cultos públicos e, em épocas de "calamidade pública" (derrotas militares, revoltas dos plebeus ou catástrofes), indicavam o ditador que seria referendado pelo Senado e teria poderes absolutos por seis meses. O tribuno (em latim tribunus) era o magistrado que actuava junto ao Senado em defesa dos direitos e interesses da plebe.

13 Porém, era Otávio, e cada um de seus sucessores após ele, quem influenciava tudo e controlava as decisões finais e, em última análise, tinha as legiões para garanti-lo, caso fosse necessário.

14 O Senado romano, em latim Senatus, é a mais remota assembleia política da Roma antiga, com origem nos Conselhos de Anciãos, da Antiguidade oriental Era uma assembleia de notáveis - o conselho dos patres, ou chefes das famílias patrícias - que provinha já dos tempos da realeza romana.

15 Rigorosamente hierarquizado, constituía, sob a república (509 a. C
Rigorosamente hierarquizado, constituía, sob a república (509 a.C.-27 a.C.), a magistratura suprema, que foi mantida sob o império (27 a.C.-476 d.C.), mas com poderes bem diminuídos, passando a ser quase como a "oposição republicana", sendo os seus titulares muitas vezes alvos a abater ou a enviar para o exílio por parte de imperadores mais hostis à instituição.

16 Octávio Augusto Caio Júlio César Otaviano (Octaviano) Augusto (em latim Gaius Iulius Caesar Octavianus Augustus) foi o primeiro imperador romano.

17 Pertencia a uma das famílias mais abastadas da elite romana
Pertencia a uma das famílias mais abastadas da elite romana. Seu avô tinha sido banqueiro e o pai, Caio Otávio, foi edil e pretor em Roma e, mais tarde, procônsul na Macedônia. A mãe, Átia, era sobrinha de César e, no futuro, seria amante de Marco Antonio.

18 Incêndio de Roma - Nero O grande incêndio de Roma teve início na noite de 18 de Julho, no ano 64 d.C., no núcleo comercial da antiga cidade de Roma, em volta do Circo Máximo.

19 O fogo alastrou-se rapidamente pelas áreas mais densamente povoadas da cidade, com as suas ruelas sinuosas. O fato de a maioria dos romanos viverem em insulae, edifícios altamente inflamáveis devido à sua estrutura de madeira, de três, quatro ou cinco andares, ajudou à propagação do incêndio.

20 Existem várias versões sobre a causa do incêndio
Existem várias versões sobre a causa do incêndio. A versão mais contada é a de que os moradores que habitavam as construções de madeira, usavam do fogo para se aquecer e se alimentar. E por algum acidente, o fogo se alastrou. Para piorar a situação, ventos fortes arrastavam o fogo pela cidade.

21 Outra versão famosa, porém desmentida pelos historiadores, é de que o imperador Nero, que estaria insano ao fim da vida, ordenou o incêndio.

22 Segundo essa versão, ele teria tocado lira enquanto a cidade ardia
Segundo essa versão, ele teria tocado lira enquanto a cidade ardia. Pretenderia, depois, reconstruir Roma ainda mais majestosa. No momento do incêndio, Nero na realidade estava em outra cidade, mas assim que soube do acontecido, retornou para Roma, tendo inclusive ajudado os desabrigados

23 Coliseu de Roma Representa o culminar de uma evolução de processos técnicos e construtivos que os romanos tão bem dominaram

24 Da sua planta elíptica com 188x156 m, elevam-se quatro níveis a uma altura de cerca 50 m, estando os três primeiros ornamentados com colunas adossadas, numa sucessão de ordens que constituía um novo cânone

25

26 Foi criado um sistema que sobrepõe colunas e arquitraves à estrutura de arcos na seguinte sequência:
No primeiro a ordem toscana, que é a mais robusta No nível intermédio a jónica, mais ligeira No ultimo nível a coríntia, a mais esbelta e feminina das ordens

27 No interior desta massa gigantesca, desenvolvia-se uma complexa rede de galerias e túneis que asseguravam a evacuação do espaço, com relativa fluidez, a uma multidão que podia atingir as pessoas

28

29 O século II: urbi et orbi
Roma domina o mundo. O imperador Trajano conduz realizações no campo da arquitectura e urbanismo

30 O Fórum de Trajano, do arquitecto Apolodoro de Damasco, é o último mas o mais monumental dos cinco fóruns imperiais construídos pelos seus antecessores Datando de 110, foi a mais ambiciosa intervenção urbanística deste período

31 Arrasando uma colina que unia o Capitólio ao Quirinal para obter uma ampla superfície de construção, o Forum abre-se após um grande arco de três portas sobre uma praça de pórticos colunados

32 Ao fundo constrói a Basílica Ulpia, duas bibliotecas (uma grega outra latina) e o Templo de Trajano para o culto imperial

33

34 Frente ao templo e enquadrada numa pequena praça, ergueu a Coluna de Trajano, monumento inovador com funções funerárias e comemorativas que, em termos urbanísticos funcionava como a grande referência do amplo espaço do fórum

35

36 Adriano, homem culto, de gosto refinado e intelectual, dirigiu um governo pacífico que marcou o apogeu da criação artística imperial

37 O edifício mais inovador da arquitectura religiosa romana, e que exerceu grande influência na arquitectura europeia a partir do Renascimento, foi o Panteão, o templo de todos os deuses.

38 Outra construção imponente foi o Mausoléu que Adriano mandou construir em 130 para guardar os seus restos mortais

39 Mas onde melhor se revelou o seu diletantismo, foi na Villa Adriana de Tivoli concebida como uma autêntica cidade palácio formada por jardins exuberantes e espaços exóticos

40 ARTE ROMANA EM PORTUGAL
A PINTURA ROMANA OS FRESCOS DE POMPEIA E HERCULANO A ARTE DO MOSAICO ARTE ROMANA EM PORTUGAL 40

41 O longo sono de Pompeia e Herculano
Soterradas em lama vulcânica há quase anos, estas antigas cidades de veraneio romanas à beira do Golfo de Nápoles emergiram como uma das mais ricas descobertas arqueológicas de todos os tempos.

42 Ao alvorecer do dia 24 de Agosto de 79 d. C
Ao alvorecer do dia 24 de Agosto de 79 d.C. no tempo do imperador Tito Vespasiano, ninguém nas pequenas cidades de Pompeia e Herculano poderia adivinhar que a manhã nasceria morta. O Golfo de Nápoles estava azul e liso como um espelho. No monte chamado Vesúvio verdejavam vinhas e olivais. Não havia uma nuvem no céu.

43

44 Os prósperos aglomerados perto da Baía de Nápoles
Os prósperos aglomerados perto da Baía de Nápoles. Apanhados de surpresa os seus habitantes morreram devido aos gases vulcânicos ou imolados pelas cinzas que caíam do céu.

45 Pompeia ficou sepultada pela lava do Vesúvio dando-nos a conhecer uma importante amostra da vida quotidiana no tempo dos antigos romanos.

46 Ficaram intactas muito das suas ruas, casas e lojas
Ficaram intactas muito das suas ruas, casas e lojas. O mais surpreendente, são as formas mumificadas de homens, mulheres, crianças e animais desenterrados nesta cidade.

47 Do ponto de vista arqueológico, são significativas as descobertas em Herculano. A lava que submergiu esta pequena cidade preservou não só os murais das luxuosas casas, de mercados, mas também toda outra espécie de objectos como madeira, peles, rolos de papiros e alimentos.

48 O mais importante conjunto de pintura de toda a Antiguidade que conhecemos é proveniente de Pompeia e de Herculanum

49 FRESCOS DE POMPEIA E HERCULANO
CABEÇA DE FAUNO, SÉCULO II a.C. 49

50 PRIMEIRO ESTILO, SÉCULO II a.C.
Também designado “estilo de incrustação”, é o mais simples: painéis de estuque pintado imitando o revestimento de mármore colorido. Fórmula económica de criar sumptuosidade própria às grandes villas helenisticas

51 SEGUNDO ESTILO, SÉCULO I a.C.
Também designado “estilo da perspectiva arquitectónica”, apresenta os “efeitos de janela” com paisagens e outras figurações que pretendem criar efeitos de profundidade e “rasgar” a superfície da parede.

52 TERCEIRO ESTILO, SÉCULO I a.C. - I d.C.
Acentua o ilusionismo do segundo, acrescentando motivos arquitecturais e paisagísticos pintados, substituindo as arquitecturas naturalistas por formas ornamentais vegetalistas de inspiração oriental e africana.

53 QUARTO ESTILO, SÉCULO I d.C. (até ao ano 79)
Constitui uma síntese dos dois estilos anteriores. É o mais complexo e cenográfico: constrói espaços irreais onde o pitoresco e a fantasia contribuem para criar um ambiente de profunda exuberância e fantasia.

54 QUARTO ESTILO 54

55 A ARTE DO MOSAICO CASA DO PLANETÁRIO (ITÁLICA, SÉC. II a.C.) 55

56 A Arte Romana em Portugal

57 No início da era cristã, Roma domina definitivamente a Hispânia: impõe o latim e unifica a província com moeda, direito, padrões de peso e medidas, e até o calendário comum a Roma

58 A capital da província romana da Lusitânia é Augusta Emerita (Mérida)

59

60 Conímbriga é a cidade romana que nos proporciona um melhor conhecimento do urbanismo romano em Portugal

61

62 São conhecidas ainda outras cidades em Portugal de relativa importância como:
Miróbriga (Santiago do Cacém)

63 Salatia (Alcácer do Sal)

64 Olisipo (Lisboa) Myrtillis (Mértola) Egitania (Idanha-a-Velha)

65 Scallabis (Santarém)

66 Ebora (Évora)

67 Portucale-Castrum (Porto)
Ossonoba (Faro)

68 O Templo de Évora, com colunas caneladas coríntias e arquitrave, é o edifício do género melhor conservado da época Flaviana Outra referência é o Templo de Miróbriga, que se admite ter sido dedicado a Esculápio ou ao culto imperial e que surge destacado frente ao fórum da cidade

69 Quanto a teatros, o único conhecido é o de Olissipo (Lisboa), construído na época de Nero
Já no domínio da arquitectura doméstica, temos exemplos de insula (prédio urbano de rendimento) e domus (residências urbanas) muito bem representadas em Conímbriga

70 A arquitectura doméstica rural reproduz os modelos da cidade nas villae, tanto na sua organização funcional como na decoração em mosaico em paredes e pavimentos A construção de estradas, pontes e aquedutos ficaram como testemunhos da capacidade técnica e do sentido estético da civilização

71 Destacam-se as pontes de Ponte de Lima, de Chaves, Vila Formosa, Assureira (castro Laboreiro), Vila Ruiva (Cuba) e o aqueduto de Conímbriga

72 O mosaico foi largamente usado em todo o mundo romano como decoração, pavimentos e paredes com figurações mitológicas, marinhas ou animais, os motivos decorativos eram geométricos ou vegetais

73 A escultura privilegiou a representação de retratos imperiais ou divindades e figuras mitológicas que eram colocadas nos fóruns, templos, teatros e casas Admite-se que tenham utilizado mármore de Estremoz e de Vila Viçosa, atingindo por vezes elevado valor artístico


Carregar ppt "A Lei e a Ordem do Império"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google