A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GÊNERO JORNALÍSTICO EDITORIAL Professora Francisca Barros.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GÊNERO JORNALÍSTICO EDITORIAL Professora Francisca Barros."— Transcrição da apresentação:

1 GÊNERO JORNALÍSTICO EDITORIAL Professora Francisca Barros

2 Definição Os editoriais são textos de um jornal em que o conteúdo expressa a opinião da empresa, da direção ou da equipe de redação, sem a obrigação de ter alguma imparcialidade ou objetividade. Parte de um fato noticiado. Os editoriais são textos de um jornal em que o conteúdo expressa a opinião da empresa, da direção ou da equipe de redação, sem a obrigação de ter alguma imparcialidade ou objetividade. Parte de um fato noticiado.

3 Reflete conhecimento, apresenta argumentos convincentes sobre o ponto de vista defendido e, muitas vezes, utiliza dados de notícias e reportagens como suporte para o posicionamento que assume. Reflete conhecimento, apresenta argumentos convincentes sobre o ponto de vista defendido e, muitas vezes, utiliza dados de notícias e reportagens como suporte para o posicionamento que assume.

4 Características Tem intenção persuasiva; Tem intenção persuasiva; Usa linguagem impessoal, em 3ª pessoa, e verbos no presente do indicativo; Usa linguagem impessoal, em 3ª pessoa, e verbos no presente do indicativo; Segue a variedade padrão da língua. Segue a variedade padrão da língua. É veiculado através dos meios de comunicação jornalísticos. É veiculado através dos meios de comunicação jornalísticos.

5 Estrutura 1º. Idéia principal ou tese: Expressa o ponto de vista do Expressa o ponto de vista do jornal; jornal; 2º. Desenvolvimento: Fundamenta a idéia principal Fundamenta a idéia principal em parágrafos argumentativos; em parágrafos argumentativos; 3º. Conclusão: Expõe uma solução para o Expõe uma solução para o problema ou sintetiza o assunto. problema ou sintetiza o assunto.

6 Exemplo de Editorial Mortes na adolescência Mortes na adolescência Infelizmente tem ganhado corpo a defesa de iniciativas com vistas a tornar cada vez mais o adolescente como um vilão 08 Ago h19min

7 1º Parágrafo - Introdução O estudo denominado Índice de Homicídios na Adolescência (IHA), divulgado na semana passada como um indicador para medir o impacto da violência nesse grupo social, apresentou dado estarrecedor. Segundo a análise, os homicídios representam 46% de todas as causas de mortes dos cidadãos brasileiros na faixa etária entre 12 e 18 anos.

8 O IHA foi desenvolvido no âmbito do Programa Redução da Violência Letal contra Adolescentes e Jovens, iniciativa coordenada pelo Observatório de Favelas e realizada em conjunto com o Unicef, Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República e o Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

9 2º Parágrafo - Desenvolvimento O levantamento avaliou ainda 267 municípios do Brasil com mais de 100 mil habitantes, chegando a um prognóstico alarmante, em que se estima que o número de adolescentes assassinados entre 2006 e 2012 deve ultrapassar 33 mil, se não mudarem as condições que prevalecem nessas cidades. Como fatores determinantes para que os jovens se tornem vítimas dessa violência inaceitável, estão raça, gênero, idade e territórios. O levantamento avaliou ainda 267 municípios do Brasil com mais de 100 mil habitantes, chegando a um prognóstico alarmante, em que se estima que o número de adolescentes assassinados entre 2006 e 2012 deve ultrapassar 33 mil, se não mudarem as condições que prevalecem nessas cidades. Como fatores determinantes para que os jovens se tornem vítimas dessa violência inaceitável, estão raça, gênero, idade e territórios.

10 O IHA sugere, como forma de combate a esse quadro, a importância da criação e da expansão de programas e ações para a educação e da promoção dos direitos de crianças e adolescentes em todo o País. Por mais que se criem, porém, ações do tipo, é impossível reverter essa situação sem que a sociedade passe a ver a questão dessas vítimas por outra ótica. Infelizmente, tem ganhado corpo a defesa de iniciativas com vistas a tornar cada vez mais o adolescente como um vilão a ser destruído quando comete um ato infracional.

11 3º Parágrafo - Desenvolvimento Esquecem os defensores dessa visão, que nossa sociedade é extremamente autocêntrica. Fala-se mal dos adolescentes, aponta-se esse grupo social como responsável por crescentes índices de violência, mas não se leva em conta que os adultos é que estão por trás da violência cometida pelo jovem.

12 Os adolescentes perpetradores de atos infracionais respondem, como exemplo, por entre 5% e 10% dos crimes que acontecem na sociedade. Como vítimas, representam 30%. Sem contar que a violência contra os jovens é um forte componente da relação intrafamiliar.

13 4º Parágrafo - Conclusão É preciso, portanto, que os dados apresentados pela IHA sejam vistos nessa perspectiva, sob pena de estarmos camuflando uma realidade e contribuindo para reproduzir preconceitos. (Jornal OPovo – Adaptado)

14 OUTRO EXEMPLO DE EDITORIAL

15 O fim do vestibular Vai no bom caminho a proposta do Ministério da Educação (MEC) de tornar obrigatório o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Esse teste, realizado após a conclusão do antigo 2º grau, é hoje optativo. Algumas faculdades utilizam-no como parte do processo seletivo, mas fica a cargo de cada instituição definir se o faz e o peso que dará à prova.

16 A idéia por trás da obrigatoriedade é dar os primeiros passos para a extinção do vestibular, uma excrescência pedagógica a ser eliminada. É evidente, porém, que a tarefa nada tem de simples. Existe um sem-número de dificuldades teóricas e práticas à medida, mas é esse o caminho a trilhar. Basta observar que a esmagadora maioria dos países civilizados conta com algum tipo de exame final do ensino médio que é usado, ao menos parcialmente, para definir se o aluno vai ou não para a universidade e, em caso afirmativo, para qual. Na França, o teste leva o nome de "baccalauréat"; na Itália, é conhecido como "maturità"; na Alemanha, "Abitur"; e, na Suécia, "avgangsbetyg".

17 Em princípio, não há nenhuma razão para o Brasil ser uma exceção mundial, em que cada instituição de ensino superior tem de elaborar uma prova diferente para selecionar seus estudantes. O mais grave efeito colateral dessa situação é que os principais vestibulares do país acabam se tornando o ponto de referência para os "curricula" do segundo grau. Em São Paulo, por exemplo, as escolas do ciclo médio ensinam aquilo que está no programa da Fuvest, que faz a seleção da USP.

18 Essa situação é bastante indesejável. Afinal, a prova da Fuvest não foi concebida para converter-se em diretrizes curriculares, mas apenas para definir -e ainda assim apenas em princípio- quais são os melhores alunos. A obrigatoriedade e a universalização do Enem teriam pelo menos a vantagem de deixar a cargo do poder público -e não de dezenas de fundações e escolas espalhadas pelo país- a definição do programa do ensino médio. Outro benefício para os alunos é que não teriam de se submeter à maratona de provas das instituições em que pleiteiam uma vaga.

19 A transição do atual regime para o projetado, contudo, nada tem de trivial. O Enem ainda se ressente de problemas como a falta de estabilidade, ou seja, de exames com igual grau de dificuldade todos os anos. Parece também difícil que todos os alunos do país que concluem o ciclo médio façam provas de redação e as tenham corrigidas segundo critérios relativamente uniformes. E haveria obstáculos para que universidades selecionassem, segundo suas próprias especificidades e as da carreira escolhida, estudantes a partir de um exame aplicado nacionalmente.

20 Todos esses problemas, porém, podem ser contornados. Tudo indica que a idéia de tornar o Enem um exame de conclusão do ensino médio merece ser levada adiante. Fonte: Folha de S.Paulo, 18/07/2004


Carregar ppt "GÊNERO JORNALÍSTICO EDITORIAL Professora Francisca Barros."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google