A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Descolonização afroasiática

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Descolonização afroasiática"— Transcrição da apresentação:

1 Descolonização afroasiática
Webster Pinheiro

2 1. Antecedentes: O imperialismo do séc. XIX ► Resultado da 2ª Revolução Industrial.

3 A decadência das potências imperialistas ao final da 2ª Grande Guerra;
2. Principais fatores que favoreceram ao processo de descolonização da África e da Ásia: A decadência das potências imperialistas ao final da 2ª Grande Guerra; Na sequência, Londres e Paris destruídas durante a II Guerra. Apesar do Plano Marshall, elas precisavam de tempo para serem reconstruídas.

4 Movimentos guerrilheiros espalhados pelas colônias africanas
O fortalecimento dos movimentos de libertação (conscientização) nacional nas colônias; Movimentos guerrilheiros espalhados pelas colônias africanas

5 As pressões da ONU e da opinião pública internacional;
Protestos contra o imperialismo

6 O posicionamento favorável das superpotências emergentes da 2ª Guerra, interessadas em estabelecer novas formas de influência.

7 3. Descolonização da Ásia
3.1. Independência da Índia (1947) Mahatma Gandhi e os princípios da desobediência civil e da não-violência ativa; A independência custou a vida de Gandhi e a divisão do país: Índia e Paquistão (Ocidental e Oriental).

8 Jawaharlal Nehru & Mahatma Gandhi
Muhammad Ali Jinnah & Gandhi

9 O surgimento de Bangladesh (1971);
Os conflitos na Caxemira: Paquistão “versus” Índia.

10

11 3.2. Independência da Indochina (1954)
Ho Chi Minh venceu a resistência francesa na Batalha de Dien Bien Phu; A independência custou a divisão da região em quatro zonas soberanas: Vietnãs (Norte e Sul), Laos e Camboja.

12 1 3 2 2 1 – Vietmihns vencem em Dien Bien Phu;
2 – Ho Chi Mihn e o general Giap; 3 – Solados franceses na Indochina. 3 2 2

13 4. A Conferência de Bandung (abril/1955)
Reuniu 29 nações afro-asiáticas que condenaram o colonialismo, o racismo e o armamentismo, além da neutralidade em relação à guerra fria. Nehru Gamal Abdel Nasser Chu En-Lai

14 5.1. A Revolução dos Cravos (abril/1974)
5. A descolonização da África 5.1. A Revolução dos Cravos (abril/1974) O processo de independência das colônias portuguesas foi favorecido pela Revolução dos Cravos, que depôs a ditadura salazarista e enfraqueceu o domínio no ultramar. Antônio Salazar A África foi sufocada por séculos de exploração Soldados portugueses com cravos nas pontas dos fuzis

15 Guiné-Bissau Angola Moçambique
Jovens oficiais do Exército português tomam Lisboa e destituem Marcelo Caetano Guiné-Bissau Marcelo Caetano substituiu Salazar, ficando no poder de 1970 a 1974. Angola Moçambique

16 5.2. Independência de Angola (1975)
Três grupos guerrilheiros disputaram a liderança da independência de Angola: o MPLA (Movimento Popular de Independência de Angola), apoiado pela URSS e por Cuba; Guerrilheiros do MPLA À direita, cubanos dão treinamento ao MPLA

17 A UNITA (União pela Independência Total de Angola) e a FNLA (Frente Nacional de Libertação de Angola), mais tarde incorporada pela UNITA, que era apoiada pelos EUA. UNITA FNLA Solados portugueses nas matas de Angola Guerrilheiros da UNITA

18 A independência de Angola foi sucedida por décadas de guerra civil entre o MPLA e a UNITA;
Agostinho Neto, médico e poeta, líder do MPLA, tornou-se o 1º presidente angolano.

19 5.3. A África do Sul e o Apartheid
Após sua independência (1961), a minoria branca (africaners) deu início ao “apartheid”, que durou até 1991, fazendo de Nelson Mandela seu maior mártir, o que lhe rendeu o prêmio Nobel da Paz, em 1993, dividido com Frederick de Klerk, o último presidente branco.

20 5.4. Independência da Argélia (1962)
A FLN (Frente de Libertação Nacional) enfrentou a resistência francesa; Em 1962, com o Acordo de Evian, o presidente Charles de Gaulle reconhece a independência argelina. Charles de Gaulle Ahmed Ben Bella Batalha de Argel, 1957

21 5.5. Independência do Congo (1960)
Patrice Lumumba, líder do Movimento Nacional Congolês, dirigiu o processo de libertação frente à Bélgica; Em 1961, Lumumba foi assassinado em Catanga e o coronel Mobutu assumiu o poder até 1997, quando Laurent Kabila o destituiu. Lumumba Mobutu Kabila

22 6. A herança do imperialismo
Fome, miséria, analfabetismo, baixas expectativa de vida e escolaridade, corrupção, dentre outras mazelas foram os rastros deixados por mais de um século e meio de exploração imperialista sobre os povos africanos e asiáticos.

23 O flagelo da fome na Etiópia

24 7. O Terceiro Mundo O demógrafo francês Alfred Sauvy foi o 1º a citar a expressão “Tiers Monde”, em 1952;

25 favela= falta de segurança
O Exército ocupa a favela= falta de segurança No Rio de Janeiro, contraste entre ricos e pobres = concentração de renda Fome, desnutrição, miséria na África Miséria na Índia

26 7.1. Che Guevara e a guerrilha na América Latina
O médico argentino Ernesto Guevara de La Serna, morto na Bolívia em 9 de outubro de 1967, tornou-se o maior ícone da luta contra o imperialismo em nosso continente;

27 7.2. As intervenções norte-americanas na América latina
Em nome da Segurança Nacional, os EUA envolveram-se nos interesses dos Estados latino-americanos tentando evitar a expansão do comunismo;

28 Apoiados pelas elites locais, forneceram suporte aos militares para que tomassem o poder e implantassem ditaduras que, durante décadas, disseminaram a repressão com prisões, torturas, assassinatos (em inúmeros casos, seguidos do rapto dos corpos), etc.


Carregar ppt "Descolonização afroasiática"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google