A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Comissão Permanente da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Avanços, desafios e potencialidades CONSEA - 2009.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Comissão Permanente da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Avanços, desafios e potencialidades CONSEA - 2009."— Transcrição da apresentação:

1 Comissão Permanente da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Avanços, desafios e potencialidades CONSEA

2 Atribuições da Comissão Permanente da Política de Segurança Alimentar e Nutricional ANIMAR PROCESSOS DE DEBATE NO CONSEA PARA SUBSIDIAR A PROPOSIÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO NACIONAL DE SAN; CONTRIBUIR PARA O APRIMORAMENTO DAS POLÍTICAS E PROGRAMAS EXISTENTES: ACOMPANHAMENTO, MONITORAMENTO, PROPOR CORREÇÕES DE RUMOS,...

3 De onde se fala: - O País,a natureza De quem se fala: - O povo

4 Resgatando o processo de trabalho Realização da III Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional em julho (?) de 2007 Posse da nova gestão do CONSEA nacional: dezembro de 2007 (?) Planejamento e estruturação da gestão (instituição da Mesa Diretiva e das Comissões Permanentes): início de 2008

5 PROPOSTAS DO GRUPO III SOBRE A POLITICA E O PLANO NACIONAL DE SAN 22/01/2008

6 PROPOSTAS 1) Criar um grupo de trabalho (considerando em sua composição a pluralidade do CONSEA e a presença do seu presidente) para sistematizar as propostas do Eixo 2 (Política Nacional de SAN) do relatório da III Conferência Nacional de SAN (diretrizes, princípios e propostas) à luz das atribuições do CONSEA (descritas no decreto).

7 PROPOSTAS Propõe-se que esta análise seja feita também em diálogo com temas estratégicos para a SAN no contexto do desenvolvimento, devendo ser identificadas as prioridades a serem levadas a plenária do CONSEA (considerando também quantas vezes determinados temas aparecem no relatório).

8 2) Reforçar na agenda de trabalho do CONSEA alguns temas e programas por serem considerados integradores e articuladores do debate neste campo, uma vez que afetam diferentes dimensões da SAN, tais como: Alimentação adequada e saudável Desenvolvimento sustentável/Programa Nacional de Agrobiodiversidade. Urbanização Integrada de favelas e SAN. Acompanhamento PPA Discussão PAA

9 3) O CONSEA deverá intervir de forma mais imediata em alguns temas, tais como: Reforma agrária Monitoramento PBF Regularização de Terras Solicitação de esclarecimento sobre o andamento do projeto de lei do PNAE à câmara interministerial. Acompanhamento do CONSEA no PPA.

10 4) Resgatar a proposta de Sistema de Monitoramento produzido pelo CONSEA, garantindo que sejam monitorados: os princípios da política, incluindo o DHAA, os impactos dos programas na sustentabilidade ambiental, social, econômica.

11 5) Instituir encontros ou espaços de diálogo com outros conselhos nacionais de políticas públicas. 6) Estabelecer uma ação pró-ativa do CONSEA em relação ao decreto que institui a câmara interministerial, analisando suas limitações e encaminhando propostas de mudanças.

12 7) Instituir espaços de mobilização social no âmbito do CONSEA considerando a experiência prévia da comissão permanente de mobilização (gestão anterior) 8) Instituir encontros e espaços institucionais no CONSEA para tratar do tema de etnia e raça.

13 9) Promover atividades de formação dos conselheiros do CONSEA, destinadas a titulares e suplentes. 10) Instituir mecanismos de diálogo com as políticas estaduais.

14 11) Solicitar a presidência do COSNEA o resgate do trabalho, das propostas e produtos das câmaras temáticas e grupos de trabalho do CONSEA para dar continuidade ao que foi construído na gestão anterior.

15 12) Identificar e desenvolver mecanismos de sustentabilidade da Política e do Plano Nacional de SAN, bem como uma maior integração entre os programas sociais e articulação entre os programas de transferência de renda com as demais ações de SAN.

16 13) Retomar o encaminhamento da reunião do grupo gestor com o CONSEA e movimentos sociais para realização de um seminário nacional do PAA, à ser organizado pelo CONSEA e financiado pelo MDS/MDA/CONAB e proposto para fevereiro/marco de 2008.

17 14) Construir a Política Nacional de SAN com recorte nos diferentes biomas, discussão de territorialidade, para identificar prioridades (ex. o tema da água no semi-árido).

18 15) No diálogo das diretrizes da política com os programas governamentais já existentes, analisar áreas onde a ação governamental não trata de forma suficiente algumas temáticas e buscar nas experiências da sociedade civil os acúmulos para construir novos programas a ações exemplares ( ex. a experiência do Programa 1 milhão de cisternas e dos Fundos Solidários)

19 Construção do processo de trabalho Discussão sobre o que caberia à CP3 realizar em relação à Política e ao Plano Nacional de SAN concretamente Instituição da Comissão de Metodologia Definição do processo de sistematização a ser assumido pelos conselheiros da CP3 Revisão da proposta e visualização da necessidade da contratação de uma assessoria para construir as condições que permitissem a definição das prioridades/sistematização por parte da CP3 das propostas da III CNSAN

20 Proposta metodológica norteadora dos trabalhos da CP3 - Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Apresentação do trabalho de sistematização Brasília, 10 de MARÇO de 2009.

21 Proposta original do fluxo de trabalho da CP3

22 Decreto 6.273, de 23 de novembro de 2007 Decreto 6.273, de 23 de novembro de 2007 Cria, no âmbito do Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN, a Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional. Lei nº , de 15 de setembro de 2006Lei nº , de 15 de setembro de 2006 [Losan] Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Portaria nº. 960, de 10 de dezembro de 2004 Portaria nº. 960, de 10 de dezembro de 2004 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA Lei da Agricultura FamiliarLei da Agricultura Familiar : Lei n /06 de Julho 2006 Decreto 6040, de fevereiro de 2007 Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Documentos – base: Instrumentos Legais

23 Documentos – base: Documentos Técnicos Relacionados à SAN Relatório Final - III Conferência Nacional de Segurança Alimentar e NutricionalRelatório Final - III Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Consea Relatório Final - II Conferência Nacional de Segurança Alimentar e NutricionalRelatório Final - II Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Consea Princípios e Diretrizes de uma Política de SANPrincípios e Diretrizes de uma Política de SAN – Consea Construindo um sistema de monitoramento da realização progressiva do Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA), no contexto do Sistema Nacional da Segurança Alimentar e Nutricional (SISAN). Relatório para discussão - GT-Indicadores e Monitoramento - Março 2007Relatório para discussão Documento Final - Alimentação Adequada e Saudável Documento Final - Alimentação Adequada e Saudável -GT-Alimentação Adequada e Saudável - Março 2007 Proposta de Diretrizes para o Desenvolvimento de um Programa IntersetorialProposta de Diretrizes para o Desenvolvimento de um Programa Intersetorial. GT-Alimentação Adequada e Saudável - Novembro 2005 Projeto de Lei sobre Alimentação Escolar - Proposta ConseaProjeto de Lei sobre Alimentação Escolar - Proposta Consea - GT-Alimentação Escolar - Março 2006 Documento Final do Encontro Nacional de Segurança Alimentar e NutricionalDocumento Final do Encontro Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - Encontro Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – setembro, 2006 Declaração do Encontro Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Memórias de Reunião da CP3 - Consea: março, abril, junho, julho, setembro, outubro, dezembro.

24 Documentos – base: Documentos Técnicos adicionais especificamente relacionados às diretrizes da PNSAN Aproximadamente 50 documentos: Exposições de motivos Recomendações Considerações Documentos técnicos Relatórios Temáticos OBS. Condicionante (acatado e decidido pela CP3): desde que representassem a integração de discussões entre governo x sociedade civil

25 Sobre a MATRIZ usada pelos sistematizadores Texto da proposta original e fonteAções (O quê?) Estratégias (Como?) 1) Versão completa da matriz: Tanto no DOC1 [Relatório da III CNSAN] como nos demais documentos de apoio consultados manteve-se o texto na íntegra 2) Versão compacta da matriz DOC1 [Relatório da III CNSAN] manteve-se o texto na íntegra Outros documentos de apoio: manteve-s apenas a referência documento para consulta à fonte, caso necessário Constantes explicitamente no Relatório da III CNSAN; Que venham a ser identificadas; Que complementem/ aperfeiçoem programas, projetos e atividades já existentes. Propostas explicitadas na III CNSAN; Que venham a ser identificadas; Devem orientar tanto o trabalho da CP3 no âmbito do CONSEA, como também fundamentar recomendações para a CAISAN; Poderão servir para qualificar e adequar programas e ações existentes ou a instituir, considerando os princípios e fundamentos da PNSAN.

26 DIRETRIZES 1,2,3,4,5, e 6 EM CADA DIRETRIZ FORAM IDENTIFICADAS: 1. as propostas de ações/intervenções, ajustes/aperfeiçoamento e as estratégias para sua viabilização; 2.separação ou destaque aos princípios que foram explicitados para reger algumas das propostas 3.propostas que poderão ser recomendações do Consea para outros setores (atividade que nos parece ser necessária ainda no ãmbito das CPs) 4.iIdentificação das propostas relativas aos programas definidos como basilares pelo Consea (em cada uma das diretrizes, quando aplicável). São eles: (*) Diretriz 7: Monitoramento e Avaliação da Política Nacional de SAN proposição para a CP3

27 Programas Basilares sugeridos pela CP3 1. PNAE 1. PNAE (contemplado) 2. Programa Nacional da Reforma Agrária 2. Programa Nacional da Reforma Agrária (contemplado) 3. PAT (contemplado) 4. Política (Programa) Nacional de Abastecimento 5. PRONAF 5. PRONAF pela sua importância estratégica na disponibilidade de alimentos básicos (contemplado) 6. PAA 7. Programa Bolsa Família 7. Programa Bolsa Família (contemplado) 8. SISVAN PNAN 8. SISVAN (sistema de informação basilar para monitoramento da PNSAN ); e programas e ações no âmbito da PNAN) (contemplado) 9. Programas para populações negras, povos indígenas e comunidades tradicionais 9. Programas para populações negras, povos indígenas e comunidades tradicionais; (especificidades relatar) 10. Programa Intersetorial de Alimentação Adequada e Saudável 10. Programa Intersetorial de Alimentação Adequada e Saudável (sugestão para a CP3 visto o trabalho realização pelo GT Alimentação adequada e saudável)

28 Objetivo Geral da PNSAN Assegurar o direito humano à alimentação adequada e saudável a todos os habitantes do território brasileiro promovendo a soberania e segurança alimentar e nutricional de modo que todos e todas tenham acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras da saúde, que respeitem a diversidade cultural e que sejam ambiental, cultural, econômica e socialmente sustentáveis. (Proposta em 30/07/2009)

29 A PNSAN e suas interfaces

30 A PNSAN e seus elementos PNSAN Núcleo duro de ações Outras ações* Ações intrínsecas / inerentes de SAN (essência da PNSAN) Ações setoriais com interface com a PNSAN * Recomendações do Consea para seu ajustamento e/ou priorização aos princípios fundamentos da Losan e SISAN. Conceito de SAN

31 Trabalho com a matriz pelos conselheiros revisores da CP3 Referência básica na matriz produzida pela sistematização ( propostas da III CNSAN e documentos relacionados) Material com grande amplitude e complexidade Dificuldades metodológicas para realização do recorte necessário para elaboração de uma proposta da PNSAN e do PLANO de SAN a ser encaminhada à CAISAN Decisão pelo recorte com base nas propostas da III CNSAN

32 Trabalho com a matriz pelos conselheiros revisores da CP3 Produção de uma segunda etapa de sistematização: 1) Elaboração de uma ementa de referência para cada diretriz 2) Reagrupamento Temático das Proposições 3) Elaboração das estratégias de ação com base nas proposições do Relatório da III CNSAN e da Matriz de Sistematização segundo as seis diretrizes da PNSAN:

33 Diretrizes da PNSAN (1) Promoção do acesso universal à alimentação adequada e saudável. (2) Estruturação de sistemas justos, de base agroecológica e sustentáveis de produção, extração, processamento e distribuição de alimentos. (3) Instituição de processos permanentes de educação e capacitação em direito humano à alimentação adequada e saudável e em segurança alimentar e nutricional.

34 Diretrizes da PNSAN (4) Ampliação e coordenação das ações de segurança alimentar e nutricional voltadas para povos indígenas e demais povos e comunidades tradicionais definidos pelo Decreto nº 6.040, de 07 de fevereiro de (5) Fortalecimento das ações de alimentação e nutrição em todos os níveis de atenção à saúde, de modo articulado às demais políticas de segurança alimentar e nutricional. (6) Promoção da soberania e segurança alimentar e nutricional em âmbito internacional.

35 Trabalho com a matriz pelos conselheiros revisores da CP3 Atividades complementares: Identificação dos atores envolvidos governamentais e não governamentais Contribuições para o Plano Nacional de SAN (com base nos conteúdos do Relatório da III CNSAN) *Apresentação final dos conteúdos elaborados por diretriz inseridos no documento maior com finalização dessa primeira parte para apresentação à Plenária do CONSEA: Oficina de Trabalho em 30/07/2009 e Oficina na Plenária de 11 e 12/08/2009

36 Algumas reflexões sobre o processo... Dificuldades encontradas no processo de sistematização a serem consideradas na III CNSAN + 2 e no processo preparatório da IV CNSAN: 1. O teor e a formatação das 6 diretrizes da PNSAN de referência para a III CNSAN não possibilitaram a transversalidade e a elaboração de um texto que contemplasse a intersetorialidade da maneira devida, sobretudo considerando a concretude necessária para a implementação das propostas

37 Algumas reflexões sobre o processo... 2 – As propostas da III CNSAN são bastante heterogêneas, com graus de inserção, de aprofundamento e níveis de abrangência diferenciados 3 - A preocupação em se ter como referência básica as diretrizes e propostas emanadas da III CNSAN gerou um certo engessamento do processo, comprometendo a sua atualização e adaptação às demandas

38 Algumas reflexões sobre o processo... 4 – A dificuldade intrínseca ao processo de construção de uma discussão em nível teórico sobre a PNSAN sem a devida interlocução com o processo dinâmico relativo ao desenvolvimento dos programas basilares

39 Algumas reflexões sobre o processo... 5 – a dificuldade da interlocução entre as CPs em função da existência de suas agendas próprias, levando a uma falta de espaço para o compartilhamento das discussões realizadas no âmbito da CP3 e das demais CPs sobre a PNSAN e sobre os programas e ações em desenvolvimento

40 Avanços importantes Elaboração de documento norteador e instituição do GT Saúde como demanda de pactuação de encaminhamentos com o Ministro Temporão Realização do Seminário Nacional do Programa de Aquisição de Alimentos - PAA

41 Avanços importantes Sanção da Lei da Alimentação Escolar Instituição do GT Abastecimento para encaminhar a efetivação da Política Nacional de Abastecimento Trabalho e contribuições importantes das outras CPs relativas à temática da PNSAN e encaminhadas à CAISAN

42 Proposta de continuidade do trabalho Apresentação do processo de construção pela CP3 dos documentos de referência que serão utilizados para elaboração da proposta final da PNSAN e do Plano Nacional de SAN Apresentação de documento para Oficina de Trabalho no dia 11/08 destacando os aspectos básicos da PNSAN e dos seus anexos, introduzindo a discussão a ser qualificada pelas CPs

43 Proposta de continuidade do trabalho Proposta de constituição de um Grupo de Trabalho CAISAN/CONSEA para finalizar até o mês de novembro a proposta da PNSAN e do Plano Nacional de SAN com (1) objetivos, (2) princípios, (3) usuários e (4) diretrizes, estratégias, programas e ações para cada uma das diretrizes, bem como (5) responsabilidades institucionais e (6) definição de financiamento/orçamento.


Carregar ppt "Comissão Permanente da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Avanços, desafios e potencialidades CONSEA - 2009."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google