A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Porto Alegre - Brasil Faculdade de Psicologia Programa de Pós-Graduação em Psicologia Grupo de Pesquisa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Porto Alegre - Brasil Faculdade de Psicologia Programa de Pós-Graduação em Psicologia Grupo de Pesquisa."— Transcrição da apresentação:

1 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Porto Alegre - Brasil Faculdade de Psicologia Programa de Pós-Graduação em Psicologia Grupo de Pesquisa Processos e Organizações dos Pequenos grupos Coord. Prof. Dr. Nedio Seminotti A observação dos organizadores do processo de grupo

2 Contexto e Problema da Pesquisa zO pensamento acadêmico atual sugere que o professor não pode mais limitar-se à tarefa de dar aulas; zÉ desejável que crie um ambiente que fomente a produção de conhecimento e o desenvolvimento das consciências do/as aluno/as; zOs organizadores formais da tradição da universidade estão mais voltados para o dar aulas/transmitir conhecimentos.

3 O grupo em sala de aula zA sala de aula vista desde a perspectiva de um grupo, cujo processo é organizado por uma multiplicidade de organizadores: indivíduos, subgrupos, relações entre os subgrupos e dentro deles mesmos (SEMINOTTI, 2001); zA observação da turma como grupo privilegia as relações, os indivíduos e os sujeitos produtores e produtos do processo (MORIN, 2002).

4 O Objeto Grupo zO Grupo passou a ser uma unidade complexa (unitas multiplex), quando deixou de ser apenas um conjunto de representações, fantasias coletivas, uma totalidade dinâmica ou a soma dos indivíduos (ALVES, SEMINOTTI, 2005); zO grupo pode ser mais, ou menos que a soma das partes e, seguramente, é um objeto com propriedades distintas. É simples e complexo (MORIN, 2002); zO grupo - processo, relações, vida e fluxos intangíveis - é complexidade. Os organizadores do processo permitem a simplificação.

5 Noção de Processo zProcesso (no latim procedere é verbo que indica a ação de avançar, ir para frente (pro+cedere). É conjunto seqüencial e peculiar de ações que objetivam atingir uma meta; zAurélio: ir por diante, prosseguir. Sucessão de estados ou de mudanças; zFerrater Mora: processo se opõe à noção de polaridade. Com isso, se torna possível o movimento e, ao mesmo tempo, evita o choque, o conflito entre oposições e polaridades. A solução para contemplar as oposições é o pensamento dialético.

6 Processos grupais zPichon-Rivière (1994) parece indicar que processo de grupo é a sucessão de acontecimentos com certas denominações; zProcesso remete ao fato do próprio grupo ser uma experiência histórica expressa nas contradições que emergem no grupo (LANE, 1984; MARTÍN-BARÓ, 2003); zO processo ou a vida do grupo é imaterial, intangível que só pode ser observado, descrito e analisado segundo organizadores (SEMINOTTI, BORGES, CRUZ, 2004);

7 Processos grupais zOs processos dos grupos, mesmo que sejam imateriais, produzem sujeitos. Por ex., o clima de grupo é quase físico (LEWIN, 1948); zEmbora abstrato, o clima é reconhecido pelos participantes do grupo; zPara Ponciano Ribeiro (1993), processo tem sentido de mudança. Há uma dimensão permanente denominada matriz e outra transitória que é o processo; zO processo emerge da tensão entre a serialização e totalização (LAPASSADE, 1983).

8 Estratégias Metodológicas zDo processo o observador definirá, a priori, o que quer observar, segundo os organizadores acordados por uma comunidade qualquer; zObservar é intervir e sofrer intervenção; zAs produções do observador são descritas e fazem parte do corpus de análise (MORIN, A., 2004).

9 Estratégias Metodológicas zOrganizadores propostos por Anzieu (1993) e Kaës (1995) vem de Spitz (1996), que os tomou da embriologia; zEsta proposta tem apoio no desenvolvimento psicossexual e, por isso, permitem uma certa nomeação do processo; zBion, Pichon-Rivière, Lewin e Moreno propuseram organizadores de grupo, segundo seus pressupostos teóricos, mas não os nomearam assim.

10 Estratégias Metodológicas zNo grupo há uma multiplicidade de organizadores dos quais sublinhamos os subgrupos e as relações intra e intersubgrupos (SEMINOTTI, 2000); zA organização, desde o ponto de vista sistêmico, torna possível a conexão entre os elementos, regula e estrutura suas relações e dá coerência e sentido as interações entre as unidades (MORIN, 1982/2002).

11 zSocioculturais (KAËS, 1995); zIntrapsíquicos (ANZIEU, 1993 e KAËS, 1995); zEmergentes ou auto-organizados (MORIN, 2001) instituídos pelas pessoas agrupadas (propriedades particulares de cada grupo). Estratégias Metodológicas

12 Organizadores do Grupo em Aula 1 Socioculturais zDizem respeito às formas de ser de uma sociedade que dispõem sobre os modos de proceder (como uma pessoa deve agir em seu cotidiano considerando os costumes, valores etc...); zNormas de relacionamento próprios de determinadas camadas sociais, gêneros, gerações etc., que auxiliam na codificação e normatização da realidade psíquica.

13 2 InstitucionaisTradicionais zSão organizadores, em sala de aula, da relação professor/a do/as aluno/as instituídos já na origem da Universidade; zSéc. XVII: Jesuítas organizavam as classes em grupos de dez indivíduos (decúria) comandados por um chefe (FOUCAULT, 2002); zApós 1762: alunos posicionados lado a lado, em fileiras, observados por um mestre (FOUCAULT, 2002);

14 zNa maioria das vezes o número de alunos em aula vai além de 40 e, as vezes, chega a uma centena; zFicam dispostos em filas um atrás do outro; zAo professor, na condição de líder formal, cabe ocupar o lugar à frente dos alunos, junto ao quadro negro; zSua principal tarefa é dar aula; É desejável que o professor faça esforços para criar um ambiente de pesquisa que fomente a produção de conhecimento e propicie o desenvolvimento pessoal do aluno. 3 Institucionais Contemporâneos

15 zA instituição organiza a sala de aula através do guia acadêmico, regimentos, resoluções, etc; zImplicitamente através da cultura universitária impregnada pelas condições sócio-econômicas a qual pertence; zProfessor dá aulas, verifica presença e se os alunos fixaram as informações, aprova/reprova etc.; zAluno-cliente cumpre as rotinas e as exigências do professor e se sente no direito de obter o certificado.

16 3 Institucionais Contemporâneos zPlanejamento arquitetônico que supõe uma organização que é respeitada pelas rotinas dos responsáveis pela limpeza e organização dos móveis da sala de aula; O Professor tem um modo particular e rotineiro de dar em aula, tornando-se, às vezes, secundários os organizadores formais, institucionais.

17 3 Institucionais Contemporâneos zAlunos influenciados pelos organizadores institucionais tendem a se organizar geograficamente (distribuição dos móveis); zSugerem a proximidade ou afastamento entre alunos, conformando subgrupos (panelinhas); zTendem a permanecer ocupando regiões fixas do ambiente físico.

18 3.1 Organizadores do Pequeno Grupo zOs alunos, os subgrupos e o grupo como uma totalidade passam a organizar seus processos com outros organizadores, além dos formais; zNa co-operação instituem e re-instituem organizadores do grupos: o enquadre, a coordenação, a tarefa, o projeto, os papéis, as lideranças, os subgrupos, os padrões de relações, as comunicações etc.; zPossibilita a criação de um ambiente que fomenta a produção de conhecimento e o desenvolvimento das consciências do/as aluno/as.

19 3.1.1 Organizadores intra- psíquicos dos pequenos grupos zAs pessoas, ao serem estimuladas a trabalhar em grupo, têm fomentadas suas fantasias, representações etc. e, ao mesmo tempo, constroem auto-organização, ou esperam que o Prof. as organize (ANZIEU, 1993; BION,1970; KAËS, 1995); zOs organizadores do grupo supõem a articulação com estágios de desorganização do grupo (KAËS,1995).

20 4 Organizadores institucionais e outros organizadores zO aluno é estimulado e orientado a buscar conhecimento em distintas fontes e a produzir conhecimento; zO professor, como líder formal e coordenador de grupo, favorece a participação do aluno no ambiente de aprendizagem e dá continência ao seu desenvolvimento pessoal; zAssim, estimula o desenvolvimento científico- tecnológico e das consciências e viabiliza que o primeiro seja efetivamente profícuo ao bem-estar humano (MORIN, 2001).

21 5 Achados da pesquisa zA pesquisa sugere que há necessidade de uma multiplicidade de organizadores para contemplar os processos desencadeados em sala de aula e sejam canalizados para os objetivos mencionados; zDas 21 turmas pesquisadas, 18 estavam organizadas na forma tradicional se auto- organizaram ao receberem a tarefa de grupo; zOs alunos quando estimulados a discutir preferem organizações distintas da tradicional.

22 OBRIGADO!


Carregar ppt "Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Porto Alegre - Brasil Faculdade de Psicologia Programa de Pós-Graduação em Psicologia Grupo de Pesquisa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google