A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Organização e Representação da Informação (Digitalizada)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Organização e Representação da Informação (Digitalizada)"— Transcrição da apresentação:

1 Organização e Representação da Informação (Digitalizada)
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Organização e Representação da Informação (Digitalizada) Museus, Arquivos e Bibliotecas nuno oliveira Pedro Rangel Henriques Universidade do Minho

2 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD A Internet e a Web

3 Um pouco de história... Vinton Cerf Robert Kahn 1974 IP 1974 TCP
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Um pouco de história... Vinton Cerf Robert Kahn 1974 IP 1974 TCP Internet 1990 Web Timothy Berners-Lee Em 1974, quando andavamos nós por estes lados preocuapdos com revoluções de cravos, Estes 2 senhores (VC e RK) investigavam e desenvolviam protocolos para a comunicação entre compuptadores. Na verdade foi em 1973 que VC desenvolveu o Internet Protocol e RK desenvolveu o Transmission Control Protocol, divulgando apenas estas descobertas em maio de 1974, onde se ouviu falar pela primeira vez na palavra Internet como a rede global que liga todos os computadores! Apenas após período de 9 anos de estabilização e de protocolos e adaptações a estes protocolos foi possível criar a primeira grande rede baseada em TCP/IP, De onde se começou então a criar a Internet (1983) No entanto, foi em 1990 no CERN que a internet tal como a conhecemos hoje apareceu! Foi obra de Timithy Berners-Lee (tim berners lee) entretanto (em 2004, quando andavamos nós preocupados com a derrota contra a grécia no europeu de futebol) nomeado cavaleiro por sua magestade Rainha Isabel II. Inventou a world wide web, crinado a noção de websites e servidores.

4 Um pouco de história... HTML (HyperText Markup Language)
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Um pouco de história... 1º Website Info.cern.ch foi criado em hypertexto (a primeira forma básica do HTML) HTML (HyperText Markup Language) conjunto de marcas para descrever a estrutura de um documento na web. HTML foi baseado no SGML (Standard Generalized Markup Language), usada para descrever dialetos de anotação

5 XML (eXtensible Markup Language)
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Um pouco de história… Criado o W3C (World Wide Web Consortium) Inicia projeto: criar uma linguagem interpretável por software, e integrável com outras linguagens de onde nasce XML (eXtensible Markup Language) a metalinguagem para a criação de linguagens de anotação

6 Um pouco de história… Redesenho do acesso à informação!
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Um pouco de história… Redesenho do acesso à informação! Larry Page Sergey Brin 1998 A importância de uma página web: - não depende do número de acessos com que conta... - depende do número de páginas que lhe apontam (e sua importância) PageRank

7 Um pouco de história… Redesenho do uso da web WEB 2.0
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Um pouco de história… Redesenho do uso da web 2003 2004 2005 2001 2006 Jimmy Wales Wikipedia Ramu Yalamanchi Hi5 Mark Zuckerberg Facebook Steven Chen Youtube (com Chad Hurley) Even Williams Twiter Blogger (1999) WEB 2.0 Informação é criada pelos utilizadores! Cooperação!

8 Um pouco de história... Redesenho da Web
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Um pouco de história... Redesenho da Web Interoperabilidade e Cooperação WEB 3.0 ou WEB Semântica Projeto iniciado em 2001 Inteligência Artificial Dados na web interpretáveis por computadores Ontologias Anotação e Metadados Atribuição de significado aos conteúdos na web Relacionamento semântico entre dados

9 Instituições detentoras da Informação IDIs
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Aqui, instiuições são: Museus, Bibliotecas, Arquivos, etc… Confesso que esta evolução está mais presa aos arquivos mas de um forma Parece-me que a evolução se prende com a informação e não com a instituicao Instituições detentoras da Informação IDIs

10 O Documento O Documento era o centro das IDIs!
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD O Documento O Documento era o centro das IDIs! Documento visto como qualquer peça informativa O interesse nestes documentos era por parte da história

11 Evolução social e institucional
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Evolução social e institucional Evolução da sociedade Evolução das organizações, administrações e instituições Produção de informação não histórica Evolução das IDIs Históricas – informação histórica e cultural Museus, bibliotecas (e arquivos) Administrativas – preservação informação social e institucional Arquivos, bibliotecas (e museus) IDIs Mudança de pensamento/paradigma Pragmatismo Novas técnicas para organização e tratamento de informação Facilitação no acesso à informação

12 A Informação! O documento deixa de ser o foco das IDIs
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD A Informação! O documento deixa de ser o foco das IDIs A informação é o novo objeto de trabalho Tratamento de informação passa a ser visto como Ciência Primeiro no contexto dos Museus e das Bibliotecas e, posteriormente, em Arquivos Evolução conjunta da Informática e da Ciência da Informação Técnicas de Preservação, Anotação, Digitalização e Pesquisa Uniformização da Informação para interoperabilidade Etc.

13 A disponibilização da informação
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD A disponibilização da informação Evolução da Web Maior disponibilidade de informação Acesso facilitado à informação Aparecimento de standards para representação de informação Facilitação da Interoperabilidade entre sistemas de informação Consequência das IDIs Necessidade de aceder/disponibilizar, pragmaticamente, Informação Aparecimento de novos tipos de “documentos” Necessidade de rever métodos de gestão de informação Desejo de troca de informação entre sistemas nas IDIs

14 Em busca da Interoperabilidade
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Em busca da Interoperabilidade

15 Uniformização de IDIs Modelo OAIS (Open Archival Information System)
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Uniformização de IDIs Modelo OAIS (Open Archival Information System) Arquitetura standard para a construção de repositórios e arquivos digitais Modelo para acesso aberto a informação a ser preservada a longo-termo

16 Comunicação entre IDIs
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Comunicação entre IDIs IDIs não necessitam mais de estar de costas voltadas IDI Troca de Informação IDI Implementação de Protocolos de Comunicação OAI – PMH (Open Archive Initiative – Protocol for Metadata Harvesting) SWORD (Simple Web-service Offering Repository Deposit) IDIs importam e exportam informação nestes standards Providers e Harvesters Auxiliam a comunicação e integração de software com agregadores de informação

17 Pesquisa Federada IDI IDI IDI IDI IDI Ponto de Acesso
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Pesquisa Federada IDI IDI IDI IDI IDI Ponto de Acesso - Um ponto de acesso - Uma questão - Resultados de procura provenientes de várias portais agregadores de informação SRU/CQL (Search Retrieval via URL / Context Query Language) Protocolo para queries de procura sobre a internet CQL define a sintaxe para a escrita de queries

18 Dados, Informação e Conhecimento
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Dados, Informação e Conhecimento

19 Dados, Informação e Conhecimento
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Dados, Informação e Conhecimento Dados Entidades sintáticas (valores, quantidades, etc.) passíveis de serem “medidas” e processados Informação Relacionamento semântico entre os dados atribuindo-lhes um significado Aprendizagem Conhecimento Estruturação e organização da informação adquirida como resultado de um processo cognitivo

20 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Informação, o segredo! A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros agradeceu, esta sexta-feira, a Pinto da Costa a oferta do estádio do Dragão para realizar a Feira do Livro do Porto. Apesar da proposta, o evento continua suspenso. notícia retirada do JN a

21 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Informação, o segredo! A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros agradeceu, esta sexta-feira, a Pinto da Costa a oferta do estádio do Dragão para realizar a Feira do Livro do Porto. Apesar da proposta, o evento continua suspenso. notícia retirada do JN a

22 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Informação, o segredo! A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros agradeceu, esta sexta-feira, a Pinto da Costa a oferta do estádio do Dragão para realizar a Feira do Livro do Porto. Apesar da proposta, o evento continua suspenso. <associação> <data> <pessoa> <estádio> <evento> <cidade> notícia retirada do JN a

23 Anotação Informação, o segredo!
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Informação, o segredo! Anotação (interna) de documentos Inscrição de notas, comentários ou marcas num documento que ajudam a clarificar/normalizar o seu conteúdo. Marcas dão significado aos dados

24 Informação, o segredo (2)!
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Informação, o segredo (2)! A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros agradeceu, esta sexta-feira, a Pinto da Costa a oferta do estádio do Dragão para realizar a Feira do Livro do Porto. Apesar da proposta, o evento continua suspenso. Título = “Feira do Livro continua suspensa após proposta de Pinto da Costa” Criador = “Jornal de Notícias” Tema = “Cultura” Descrição = “Notícia sobre a realização da Feira do Livro do Porto em 2013” Editor = “Jornal de Notícias” Data = “ ” Tipo = “Texto” Formato = “text/plain” Identificador = “http://goo.gl/i1SS5” Língua = “PT”

25 Informação, o segredo (2)!
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Informação, o segredo (2)! Enriquecimento da informação com Metadados Anotação (externa) de documentos usando Dados sobre os dados Definem a semântica dos dados externos ao documento ... que não são expressos no conteúdo do documento ...

26 Metadados e os Documentos
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Metadados e os Documentos

27 Documentos O que é considerado um documento?
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Documentos O que é considerado um documento? Os tipos de documento são variados! Fotografia Certificado Filme Livro Página Web Relatório Fatura Artigo Científico Biografia Gravação Áudio Passaporte Cada tipo pode ser descrito de várias formas... ... depende, claramente, do contexto e da sua utilização

28 Metadados do Documento
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Metadados do Documento Três grandes tipos de metadados... Descritivos Descrevem os dados essenciais do recurso. E.g., título, autor, etc. Administrativos Descrevem dados administrativos que ajudam na manutenção do documento. E.g., a data de criação, como foi a criação, etc. Estruturais Descrevem como o recurso é composto. E.g., ordenação de páginas, organização em sistema de ficheiros

29 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Esquemas de Metadados Conjunto de metadados desenhado em específico para um dado propósito ex. descrever um determinado relatório... Tem, geralmente, um contexto de utilização associado! Definem a semântica (e sintaxe) dos metadados e seus conteúdos Podem completar-se, descrevendo um documento para vários propósitos

30 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Esquemas de Metadados - Dublin Core – para simples descrição de um documento - TEI (Text Encoding Initiative) – para anotação de textos eletrónicos (e.g., romances) - METS (Metadata Encoding and Transmission Standard) – para expressar estrutura de um objeto digital assim como para o descrever e localizar os ficheiros que o compõem - EAD (Encoded Archival Description) – para anotar dados em inventários ou índices em linha - ISAD(g) (General International Standard Archival Description ) – guias para descrever arquivos - LOM (Learning Object Metadata) – para fomentar o uso de recursos didáticos suportados por tecnologia - CDWA (Categories for Description of Works of Art) – para descrever objetos visuais como pinturas ou esculturas

31 Uma questão de Semântica
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Uma questão de Semântica

32 Nem só de pão vive o homem...
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Nem só de pão vive o homem... A anotação de documentos ajuda o humano a perceber com maior exatidão o conteúdo e o próprio documento Nesta perspetiva As marcas de anotação por si só fornecem o significado ao valor marcado E as relações semânticas que entre elas existem... Porque (melhor ou pior) o humano conhece o domínio MAS As máquinas NÃO!!! É necessário “ensinar-lhes” o domínio!

33 Organização semântica da Informação
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Organização semântica da Informação Ontologias “Uma ontologia é um artefacto que define um conjunto de conceitos, relações e axiomas para um domínio de saber específico, representando e organizando o conhecimento implícito (de forma a que um conjunto de sistemas cooperativos concordem e o partilhem).” Retirado, traduzido e adaptado de “Ontological Adaptive Integration Of Reverse Engineering Tools”

34 Organização semântica da Informação
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Organização semântica da Informação Ontologias O = (C, R, A) - C – Entidades da Ontologia - CC – Conceitos (Ex: Mãe, Pessoa, Filho, Irmão) - CI – Instâncias dos conceitos (Ex: Teresa, Nuno) - R – Relações entre entidades da Ontologia - RH – Relações taxonómicas/hierárquicas entre conceitos (Ex: Mãe ‘é_uma’ Pessoa) - RI – Relações entre conceitos e Instâncias (Ex: Teresa ‘é_uma’ Mãe) - RS – Relações não taxonómicas entre conceitos (Ex: Mãe ‘tem_filho’ Filho) - RP – Propriedades dos conceitos (Ex: Pessoa ‘data_de_nascimento’ ) - A – Axiomas. Dão consistência à ontologia e são usados para inferir novo conhecimento (Ex: “Se dois Filho têm a mesma Mãe então são Irmão”)

35 Ontologias…Metadados… Cooperação?
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Ontologias…Metadados… Cooperação? Cooperação Só haverá cooperação entre sistemas (de arquivos) se todos falarem a mesma língua! XML é a língua franca para a interoperabilidade (de informação)! Mas o conteúdo em XML pode ser interpretado de várias maneiras! Metadados Mas os metadados têm um significado bem definido! No entanto o significado depende do domínio específico... Ontologias As ontologias descrevem um domínio! Os metadados (conceitos nas ontologias) podem ser relacionados de forma unívoca numa tal estrutura... Uma vez aceites as relações inter-metadados , os sistemas podem cooperar porque se percebem mutuamente!

36 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Os nossos Projetos

37 Metadados na Pesquisa Semântica
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Metadados na Pesquisa Semântica De documentos Jurídicos! Criação de Ontologia para uma área jurídica Levantamento de metadados associados a documentos dessa área Relacionamento entre metadados e conceitos ontológicos Implementação da pesquisa de documentos baseada na ontologia Benefícios da pesquisa ontológica na obtenção de informação jurídica

38 Povoamento Automático de Ontologias
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Povoamento Automático de Ontologias A partir da anotação de documentos Jurídicos! Área jurídica do direito de família Criação de Ontologia para representar conhecimento sobre a área Utilização de processamento de linguagem natural para reconhecer padrões e anotar textos jurídicos Informação anotada usada para povoar ontologias Diminuição dos custos e esforços na construção de bases de conhecimento

39 Geração Automática de Museus Virtuais
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Geração Automática de Museus Virtuais A partir da anotação de espólio de arquivos e museus Base de dados de espólio (de museus e arquivos) anotado Ontologia geral para descrever o conhecimento anotado Construção de salas de exposição virtuais para aprendizagem a partir de especificações sobre a vistas da ontologia e os documentos anotados Navegação dirigida pela semântica Uso de browsers semânticos Projeto CoNVEM / Geny

40 Geração Automática de Museus Virtuais
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Geração Automática de Museus Virtuais

41 Geração Automática de Museus Virtuais
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Geração Automática de Museus Virtuais Projeto siME Museu da Emigração e das Comunidades (Fafe)

42 Geração Automática de Museus Virtuais
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Geração Automática de Museus Virtuais

43 Navegação Conceptual sobre Informação
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Navegação Conceptual sobre Informação Projeto Génio Espólio do Museu da Emigração e das Comunidades (Fafe) Ontologia descreve o fenómeno migratório Navegação conceptual sobre a informação navegação entre os objectos, mantendo a relação lógica definida pela ontologia Este museu virtual apresenta o espólio do Museu da Emigração e das Comunidades e de forma a permitir uma navegação conceptual (de mais alto nível) sobre a informação, foi criada e utilizada uma ontologia que descreve o fenómeno migratório. Deste modo, é possivel navegar entre os objectos expostos, mantendo a relação lógica definida pela ontologia. A partir desta página inicial é possivel observar os diversos temas sendo possivel navegar entre cada um deles, isto é, é possivel ver as relações entre os vários objectos.

44 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD

45 Navegação Conceptual sobre Informação
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Navegação Conceptual sobre Informação

46 Navegação Conceptual sobre Informação
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Navegação Conceptual sobre Informação

47 Navegação Conceptual sobre Informação
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Navegação Conceptual sobre Informação

48 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Outros Projetos

49 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Qwiki

50 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Google Art Project

51 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Sumário

52 7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Sumário Tim Berners-Lee adaptou-se à (na altura) nova tendência da comunicação entre computadores e revolucionou-a! Tal revolução levou à criação de espaços partilhados de informação, acessíveis por todo o mundo! A Web continuou a evoluir ao ponto de se estar agora a preparar para a sua terceira fase, onde as máquinas irão compreenderão o conteúdo dos recursos documentais... As IDIs e os seus profissionais também evoluíram com o tempo, adaptando-se às demandas da sociedade e à própria evolução tecnológica! A noção de anotações e metadados como o segredo para a obtenção de informação, e o seu relacionamento semântico com base em ontologias, parece estar em consonância com a noção semântica que a web quer para si. A uniformização de arquivos como repositórios de Informação, aumentam a possibilidade de cooperarem, promovendo a troca de informação (em tempos custodiada)

53 Organização e Representação da Informação
7 de Maio de 2013 18º Webinar BAD Organização e Representação da Informação Arquivos, Bibliotecas e Museus nuno oliveira Pedro Rangel Henriques Universidade do Minho


Carregar ppt "Organização e Representação da Informação (Digitalizada)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google