A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Engenharia Sanitária e Ambiental Disciplina de Parasitologia Leishmanione Visceral Leishmania donovani.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Engenharia Sanitária e Ambiental Disciplina de Parasitologia Leishmanione Visceral Leishmania donovani."— Transcrição da apresentação:

1 Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Engenharia Sanitária e Ambiental Disciplina de Parasitologia Leishmanione Visceral Leishmania donovani Ana Luísa Lopes da Cunha Ferrão Gustavo Amaro Bittencourt Lucas Lourenço Castiglione Guidoni

2 Leishmanios visceral 62 países 200 milhões de pessoas em risco 90% INDIA BLANGADESH NEPAL SUDÃO BRASIL Introdução Distribuição no mundo

3 Introdução Distribuição no mundo Local de IncidênciaEspécieDenominaçãoCaracterísticas ÍndiaL. donovani Kalazar (doença negra); febre Dum- Dum Antroponose, forma visceral e calazar Região do Mediterrâneo L. infantum Leishmaniose visceral infantil Zoonose, forma visceral América Latina L. chagasi Leishmaniose visceral americana; Calazar neotropical Zoonose, forma visceral Tabela 1 – Denominação da Leishmaniose visceral em diferentes locais, as espécies e características correspondentes.

4 Fatores de riscos Desnutrição Sistema imunológico debilitado Condições ambientais 59 mil mortos (ONU, 2001) A calazar, como pode ser chamada, em muitas pessoas infectadas não desenvolvem a doença, apresentam-se assintomáticas ou combates a doença de maneira natural. Importância

5 Década de 90 a doença no Brasil se expandiu do meio rural para o meio urbano, tendo um número recorde de casos da doença. O uso de drogas com seringas compartilhadas aumenta o número de casos e vem interferindo no modo em que a doença é transmitida. Expansão da doença novos casos por ano (Ministério da Saúde) Maioria crianças Importância

6 Quadro 1 – Perspectiva histórica da leishmaniose visceral Histórico

7 Classificação Taxonômica REINO Protista SUBREINOProtozoa FILOSarcomastigophora SUBFILOMastigophora CLASSEZoomastigophora ORDEMKinetoplastida SUBORDEMTrypanosomatina FAMÍLIATrypanosomatidae GENÊROLeishmania ESPÉCIELeishmania ssp.

8 Classificação das espécies Complexo MEXICANA: L. mexicana L. amazonensis L. pifanoi Complexo BRAZILIENSIS: L. braziliensis L. guyanensis L. panamensis Complexo TROPICA: L. tropica L. major L. aethiopica Complexo DONOVANI Leishmaniose cutânea Leishmaniose cutânea e mucocutânea Leishmaniose cutânea Leishmaniose visceral

9 Agentes Etiológicos ParasitaLocal de ocorrência Leishmania chagasiAmérica Central e do Sul Leishmania donovaniMar Mediterrâneo e Oriente Médio Leishmania infantumMar Mediterrâneo e Oriente Médio Complexo donovani – Leishmaniose visceral

10 Morfologia Aflagelada ou amastigota LOCALIZAÇÃO: Está presente nos tecidos dos hospedeiros vertebrados, principalmente os macrófagos; No homem é encontrada nos órgãos linfóides (medula óssea, baço, fígado e linfonodos) e pode ainda envolver outros órgãos como rins, placas de Peyer no instestino, pulmões e pele; Em canídeos, são encontrados em grande quantidade na pele CARACTERÍSTICAS: é arredondada, em outras palavras, é um ovóide com núcleo grande, sem flagelos, e com presença de cinetoplasto (extensão da mitocôndria)

11 Flagelada ou promastigota LOCALIZAÇÃO: É encontrada no hospedeiro invertebrado CARACTERÍSTICAS: Apresenta uma forma alongada, a qual, o cinetoplasto está localizado na extremidade do flagelo.

12

13 Ciclo biológico

14

15 Hospedeiro DEFINITIVO Hospedeiro INTERMEDIÁRIO Vetor e transmissão As várias formas da doença são transmitidas de animais silvestres ou domésticos (raposas, cachorros) para o homem por intermédio da picada de mosquitos fêmeas do gênero Lutzomyia Lutzomyia longipalpis L. chagasi (Brasil) Homem Cão (Canis familiaris) Raposa (Dusicyon vetulus e Cerdocyon thous) Marsupiais - Gambá (Didelphis albiventris)

16 Parasita o baço, fígado e o linfonodo; entretanto, no desenvolver da infecção outros órgãos podem ser afetados como: intestino, sangue, pulmões, pele e rins. A pele é a porta de entrada para a infecção. Patogenia O desenvolvimento da doença depende, principalmente, da resposta imunológica da pessoa.

17 Patogenia Período de incubação: 10 dias a 24 meses, sendo que a média é de 2 a 6 meses. Sinais gerais Sinais visceraisóbito Febre, anemia, leucopenia (diminuição do nº de leucócitos), enfraquecimento. Emagrecimento, hepatomegalia e esplenomegalia,

18 Patogenia

19 Epidemiologia Uma das sete endemias mundiais de prioridade absoluta da Organização Mundial da Saúde (OMS); casos novos ao ano; Prevalência anual de 12 milhões de pessoas; Acomete principalmente crianças; Área endêmica, cães, galinheiro e outras fontes de matéria orgânica; 5 países são responsáveis por 90% dos casos de leishmaniose visceral que ocorrem em todo mundo: Índia, Nepal, Sudão, Bangladesh e Brasil.

20 Epidemiologia

21 A atual situação da leishmaniose visceral no Brasil é grave. O quadro da doença só não é mais sério, em termos de risco potencial de epidemias em centros urbanos, que o da dengue. Até o início dos anos 80, a leishmaniose visceral restringia-se a bolsões de miséria, localizados em sua maioria no Nordeste. Hoje já é realidade em capitais como Teresina, São Luís, Campo Grande, Palmas e Belo Horizonte. Epidemiologia

22 O Brasil é responsável por 90% dos casos da doença nas Américas; Endemia em expansão; Em virtude do desmatamento, da migração de populações e das mudanças sociais e ambientais ocorridas nas últimas décadas tornou-se uma doença também urbana; Aumento expressivo nas taxas de letalidade; Sua ocorrência é cíclica; De acordo com a SVS, mais de 70% dos casos ainda concentram-se no Nordeste. Em todo o país, entre cinco e dez mil indivíduos são atingidos anualmente, dos quais cerca de 10% não sobrevivem. Epidemiologia

23

24

25

26

27 Fonte: Secretaria de vigilância em saúde( SVS/MS) Epidemiologia

28

29 Fonte: Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério Público Epidemiologia

30 Detecção ativa e passiva; Programas de vigilância epidemiológica com educação da população, semelhante aos programas da dengue; Detecção e eliminação de reservatórios infectados; Inquéritos sorológicos em cães domésticos e de rua; Controle de vetores com inseticidas de ação residual. Profilaxia

31 Todo paciente com esplenomegalia febril pode ter leishmaniose visceral; Pancitopenia; Inversão albumina – globulina. Diagnóstico

32 Sorologia – Imunofluorescência Indireta (RIFI); Sorologia ELISA; Sorologia ELISA com Ag rK39 altamente específico; Detecção do DNA do parasita em tecidos de biópsia ou leucócitos no sangue periférico – PCR; Teste rápido: Kalazar-Detect com rK39. Diagnóstico

33 MedicamentoAdministração Antimoniais pentavalentes 20mg/kg/dia durante 20 a 40 dias Anfotericina B 1mg/kg/dia durante 14 a 20 dias Anfotericina B Lipossomal 3 mg/kg/dia X 7 dias EV 4 mg/kg/dia X 5 dias EV Tabela 2 – Posologia dos medicamentos indicados para tratamento da leishmaniose visceral Tratamento

34 Referências NEVES, David Pereira; MELO, A. L. de; LINARDI, P. M.; VITOR, R. W. A. Parasitologia humana. 11 ed. ATHENEU, Estudo de caso. Disponível em: ses.PDF. Acesso em: 25 fev ses.PDF Material de aula. Disponível em: df. Acesso em: 26 fev df


Carregar ppt "Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Engenharia Sanitária e Ambiental Disciplina de Parasitologia Leishmanione Visceral Leishmania donovani."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google