A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 PROJETO FluTuA E SUA IMPLEMENTAÇÃO (Fluxos Turbulentos sobre o Atlântico) J acyra Soares Amauri Pereira de Oliveira Grupo de Micrometeorologia Grupo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 PROJETO FluTuA E SUA IMPLEMENTAÇÃO (Fluxos Turbulentos sobre o Atlântico) J acyra Soares Amauri Pereira de Oliveira Grupo de Micrometeorologia Grupo."— Transcrição da apresentação:

1

2 1 PROJETO FluTuA E SUA IMPLEMENTAÇÃO (Fluxos Turbulentos sobre o Atlântico) J acyra Soares Amauri Pereira de Oliveira Grupo de Micrometeorologia Grupo de Interação Ar-Mar Departamento de Ciências Atmosféricas Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas Universidade de São Paulo (USP)

3 2 Objetivos do Projeto FluTuA Desenvolver modelos de acoplamento oceano-Atmosfera. Estabelecer uma base de medidas de turbulência no ASPSP; Quantificar a interação oceano-atmosfera no Atlântico Tropical em escala micrometeorológica;

4 3 Motivação Científica Wainer, et al., 2003: Intercomparison of Heat Fluxes in the South Atlantic. Part I: The Seasonal Cycle. Journal of Climate. LEHQ net

5 4 Medidas convencionais não adiantam!

6 5 Interação Oceano-Atmosfera Edson et al., 1999: Coupled Marine Boundary Layers and Air-Sea Interaction Initiative:Combining Process Studies, Simulations, and Numerical Models.

7 6 Esquema da torre micrometeorológica

8 7

9 8 Torre Micrometeorológica de 10 metros, constituída de 3 gomos de 3 metros..

10 9

11 10

12 11

13 12

14 13

15 14 PPublicações relacionadas ao FluTuA Revista internacional especializada com arbitragem Wainer, I., A.Taschetto, J.Soares, A.P.Oliveira, B.Otto-Bliesner, E.Brady, 2003: Intercomparison of heat fluxes in the South Atlantic. Part I: The seasonal cycle. Journal of Climate. 16 (4), Congressos Soares, J., A.P. Oliveira, J. Servain, S. A. Bacellar, 2004: RESULTADOS PRELIMINARES DO BALANÇO DE ENERGIA SOBRE O OCEANO ATLÂNTICO TROPICAL OBSERVADO, EM 2002, DURANTE A CAMPANHA DE MEDIDAS DO PROJETO FluTuA. Submetido ao XIII Congresso Brasileiro de Meteorologia a ser realizado 29/8 a 03/9 em Fortaleza, Ceará. Bacellar, S., A. P. Oliveira, J. Soares, J. Servain, 2004: PRELIMINARY RESULTS OF THE SURFACE RADIATION BALANCE OVER THE TROPICAL ATLANTIC OCEAN. Submetido ao XIII Congresso Brasileiro de Meteorologia a ser realizado 29/8 a 03/9 em Fortaleza, Ceará. Soares, J.; A. P.Oliveira, S. A. Bacellar, A. M. Espinosa, F. V. Machado, 2003: Resultados preliminares da campanha de medidas do projeto FluTuA. In: V SEMINÁRIO SOBRE ONDAS, MARÉS E ENGENHARIA OCEÂNICA, 2003, Arraial do Cabo. Anais do V Seminário sobre Ondas, Marés e Engenharia Oceânica.

16 15 PPublicações relacionadas ao FluTuA Congressos Soares, J., A.P Oliveira, S.A.Bacellar, A.J. Machado and A.M.Espinosa, 2003: Balanço de energia sobre o oceano Atlântico Tropical observado, me 2002, durante a campanha de medidas do projeto FluTuA. X Congreso Latinoamericano e Ibérico de Meteorología. II Congreso Cubano de Meteorología. La Meteorología y el desarrollo sostenible. 3 al 7 de marzo del Habana, Cuba. Oliveira, A.P., J. Soares, S.A.Bacellar, A.J. Machado and A.M.Espinosa, 2003: Energy balance over the Tropical Atlantic Ocean. AMS 83rd Annual Meeting. 12th Conference on Interactions of the Sea and Atmosphere. Air- Sea Fluxes and Interfacial Processes. P3.3 Soares, J.; A. P Oliveira; I. Wainer, J Servain, 2001: Turbulent fluxes over the tropical Atlantic Ocean. In: WCRP/SCOR WORKSHOP INTERCOMPARISON AND VALIDATION OF OCEAN-ATMOSPHERE FLUX FIELDS, 2001, Potomac, MD, USA. Proceedings of Intercomparison and validation of Ocean-Atmosphere Flux Fields. Geneva, Switzerland: WMO, v. WCRP, p Soares, J., A.P. Oliveira, I.Wainer and J. Servain, 2001: Turbulent fluxes over the Tropical Atlantic Ocean. CLIVAR Workshop on Tropical Atlantic Variability. Paris. France. September 3-6.

17 16 PPublicações relacionadas ao FluTuA Iniciação Científica Bacellar, A.S. e A.P Oliveira, 2002: Evolução Diurna das Componentes do Balanço de Radiação sobre o Oceano Atlântico: Resultados Preliminares do Experimento Meteorológico de 2002 do Projeto FluTuA, Resumos do 10o Simpósio Internacional de Iniciação Científica da USP, 6 a 8 de novembro de 2002, São Carlos, SP (CD-ROM). Bacellar, A.S. e A. P. Oliveira, A.P., 2003: Balanço de Radiação na superfície do Oceano Atlântico. Resumos do 8o Simpósio de Iniciação Científica do IAG/USP, São Paulo, SP, Maio de 2003, 21. Bacellar, A.S., 2003: Balanço de Radiação na superfície do Oceano Atlântico. Relatório de Iniciação Científica, IAG/USP, São Paulo, SP, Maio de Relatórios Soares, J. e A.P. Oliveira, 2003: Projeto FluTuA, Relatório enviado ao Subcomitê Científico/Ambiental; Programa Arquipélago. Soares, J. e A.P. Oliveira, 2003: Projeto FluTuA, Relatório enviado ao Subcomitê Científico/Ambiental; Programa Arquipélago. Machado, A.J., 2003: Projeto FluTuA. Relatório Interno de Atividades do Especialista em Laboratório. DCA, IAG, USP. Oliveira, A.P e J. Soares, 2002: Projeto FluTuA – Experimento de Maio de Relatório Interno. DCA, IAG, USP.

18 17

19 18 18 de junho de 1999 – Encaminhamento do FluTuA. 17 de dezembro de 1999 – Aprovado seu mérito científico pelo Sub Comitê Científico/Ambiental (SCA). Problema com a altura da Torre (30 m de altura e 9 m2 de base). 31 de janeiro de 2000 – Encaminho proposta de redimensionamento da Torre (10 m de altura e 1 m2 de base) sem comprometimento sério dos resultados científicos. 03 de abril 2000 –Comunicação do SCA da espera do parecer do CEMAVE/IBAMA sobre possível impacto ambiental. 12 de setembro de 2000 – O SCA comunica que recebeu o parecer do CEMAVE/IBAMA. Parecer será analisado em reunião de outubro. 13 a 16 de março de 2001 – I Workshop do programa Arquipélago. 19 de março de Aprovação do projeto pelo SCA. Pendência: local de fixação da Torre a ser discutido com o Subcomitê de Logística/Manutenção. 14 a 26 de maio de 2002 – Viagem ao Arquipélago (Prof. Dr. Amauri Pereira de Oliveira). Breve histórico do FluTuA

20 19 10 de janeiro a 4 de fevereiro 2004 – Viagem ao Arquipélago (alunas Saravasti de Araujo Bacellar e Georgia Codato) para tirar fotografias, medir a distância entre as Ilhas Belmonte e São Paulo e fazer medidas meteorológicas. No momento especialistas estão realizando um projeto de ligação entre a Ilha São Paulo (onde será fixada a Torre) à Ilha Belmonte. O projeto deverá ser submetido a aprovação do Subcomitê de Logística/Manutenção e, aprovado, será efetuada a colocação da Torre e equipamentos. Fevereiro de 2003 – Reunião na SECIRM entre os Coordenadores do FluTuA e o Subcomitê de Logística/Manutenção. O Subcomitê decidiu que a Torre só poderia ser colocada em um local da Ilha Belmonte, onde do ponto de vista científico seria inviável (obstruído) ou na Ilha São Paulo. Entretanto não há acesso a ilha São Paulo e o acesso terá que ser construído pela Equipe do FluTuA.

21 20 Dear Jacyra cc: Amauri Pereira de Oliveira I am the Science Coordinator for the UK SOLAS programme, working with Peter Liss and Casey Ryan. We now have funding from the Natural Environment Research Council for 5 year, and are beginning the detailed planning of the national programme (to involve a large number of UK research groups). One idea is to set up a monitoring station for atmospheric chemistry in the central Atlantic, either as a UK-only initiative or in collaboration with international colleagues. Your project FluTuA (Turbulent fluxes over the tropical Atlantic) with measurements at the Arquipelago de Sao Pedro e Sao Paulo is therefore of great interest to us. Do you think it feasible that the ASPSP station could be developed further, with a much wider range of instrumentation and serving as a centre for ship-based SOLAS process studies, also perhaps involving research aircraft? If you would welcome the exploration of such ideas, I would be grateful for some additional information. From: Phil Williamson To: Cc: ; ; martin johnson Sent: Wednesday, June 23, :40 PMSubject: SOLAS monitoring station - ASPSPPhil johnson PERDENDO COLABORAÇÕES!

22 21 For example: - Is access only possible by ship? (or helicopter?) How often are such visits made? - Is existing instrumentation fully automated, or does anyone remain on the island? - Could one or more containers be unloaded, to house additional equipment? - Are there facilities for generating electricity? - Are there any features of the island's location that make it particularly interesting for SOLAS science? For example, strong seasonality in biological production, upwelling, or intermittent influence of continental processes (biomass burning or dust inputs)? - Is there data on air mass trajectories, to help understand any variability that may be observed? - Have any oceanographic studies been carried out in the vicinity, particularly involving biological measurements? - How many years of "basic" meterological data already exist? - Is Brazilian support (visits for site maintenance) committed for several years ahead? Rather a lot of questions! I should emphasise that the UK SOLAS is also exploring several other options (including Ascension Island, Cape Verde, Azores and Bermuda) and that we would only proceed on this on a partnership basis - with scientific collaboration, and the UK covering its share of associated costs. I look forward to hearing from you on this Best regards Phil ********************************* Dr Phillip Williamson UK SOLAS Science Coordination Team School of Environmental Sciences University of East Anglia Norwich NR4 7TJ tel fax

23 22 Perdendo RECURSOS! I am the Science Coordinator for the UK SOLAS programme, working with Peter Liss and Casey Ryan. We now have funding from the Natural Environment Research Council for 5 year, and are beginning the detailed planning of the national programme (to involve a large number of UK research groups).

24 23 Perdendo oportunidades... One idea is to set up a monitoring station for atmospheric chemistry in the central Atlantic, either as a UK- only initiative or in collaboration with international colleagues. Your project FluTuA (Turbulent fluxes over the tropical Atlantic) with measurements at the Arquipelago de Sao Pedro e Sao Paulo is therefore of great interest to us.

25 24 Perdendo oportunidades.... Dr Phillip Williamson UK SOLAS Science Coordination Team School of Environmental Sciences University of East Anglia Norwich NR4 7TJ tel fax

26 25 Local Ideal

27 26 Local Permitido

28 27 Medida em janeiro de 2004

29 28 Posição do teleférico 16 m

30 29

31 30 8 cabos somente de segurança 4 cabos de deslizamento 2 cabos para tensionar 2 cabos para tracionar Cabos de aço galvanizados (diâmetro 3/8)

32 31 Dimensões 2x1x1 metros Tela de metal perfurado de aço inoxidável Estrutura construída em perfil L (aço inoxidável 316 ou 304) Todas as soldas realizadas com eletrodos inoxidável Caixinhas em aço inoxidável exceto as polias em plástico de engenharia Em descanso ficará amarrada ao mastro. Freio manual nos cabos de deslizamento. Idealizada para transportar 300 Kg GÔNDOLA

33 32 Tubo mecânico de aço ao carbono de alta qualidade e soldável (200 mm de diâmetro e ¼ de espessura). Após todas as peças terem sido soldadas com soldagem de alta resistência, a peça será galvanizada e lacrada. Ao final será também pintada com tinta especial para galvanizados. O mancal será todo em aço inox A base do mastro será chumbada, direcionada e nivelada em cada ilha (uso de teodolito). O tensionamento remoto será efetuado por olhais soldados a estrutura do mastro. O tensionamento será realizado utilizando um tifor (equipamento especial para tensionamento de cabos). 8 cabos somente de segurança 4 cabos de deslizamento 2 cabos para tensionar 2 cabos para tracionar MASTRO

34 33 Inteiramente em aço inoxidável, inclusive os rolamentos e parafusos. Tipo dial. Redução de 1 para 6. (Em torno de 32 voltas para ir de uma ilha a outra) Carretel (rosca para enrolar). ROLDANA

35 34

36 35

37 36

38 37


Carregar ppt "1 PROJETO FluTuA E SUA IMPLEMENTAÇÃO (Fluxos Turbulentos sobre o Atlântico) J acyra Soares Amauri Pereira de Oliveira Grupo de Micrometeorologia Grupo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google