A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Abordagem do paciente com tontura Ten Marcelo Evangelista LOBO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Abordagem do paciente com tontura Ten Marcelo Evangelista LOBO."— Transcrição da apresentação:

1 Abordagem do paciente com tontura Ten Marcelo Evangelista LOBO

2 INTRODUÇÃO Tontura é uma queixa freqüente em emergência Acomete cerca de 1/3 da população em algum momento da vida, incidência aumenta em idosos Acima de 75 anos é a 3ª maior causa de consulta médica

3 Definição Tontura é uma queixa complexa, pois abrange uma série de fenômenos que podem ser classificados em: Vertigem Pré-síncope Desequilíbrio Indefinido

4 Vertigem Episódios de ilusão de movimento, geralmente rotatória, decorrentes de súbito desequilíbrio da atividade vestibular Geralmente tem causa periférica Associada a náuseas, vômitos Não cessa com o fechar dos olhos

5 Pré-síncope Sensação de desmaio iminente Associada a palidez, sudorese, taquicardia Pode ter causa autonômica ou cardíaca

6 Desequilíbrio Expresso por dificuldade no caminhar Pesquisar origem central Associação com sinais neurológicos

7 Indefinido Visão borrada, queda, fraqueza, desorientação, cabeça leve Associação com parestesia em membros, hiperventilação Crises parciais complexas, parkinsonismo

8 Anamnese Queixa deve ser insistentemente investigada, perguntas diretas são mais eficazes Diferenciar causa central de periférica Modo de início (abrupto ou lento), relação com movimento ou posição, sintomas neurológicos, idade

9 Anamnese Fatores desencadeantes: mudanças na posição da cabeça, episódios espontâneos, infecção viral, stress, imunossupressão, TCE Sintomas associados: perda auditiva, dor, náusea e vômitos, sintomas neurológicos (cefaléia) Uso de substâncias: memantina, rivastigmina, antipsicóticos, antidepressivos, álcool, drogas

10 Exame Físico Sinais vitais, hipotensão ortostática, avaliação sistemas cardiovascular e neurológico.Teste da audição por diapasão ou diminuição progressiva do volume da fala. Nistagmo: horizontal, rotatório

11 Exame Físico Manobras indutoras de tontura: Hipotensão ortostática Valsalva Estimulação seio carotídeo (não no idoso) Mudança abrupta de direção Giro do pescoço Hiperventilação Manobra Dix-Hallpike

12 Causas Causas periféricas: VPPB, neuronite vestibular, hipertensão endolinfática, doença de Menière, neurolabirintite viral Causas centrais: doença cérebro-vascular (AIT circulação posterior), vertigem psicogênica esclerose múltipla, enxaqueca (basilar)

13 VPPB A vertigem postural paroxística benigna é um distúrbio vestibular de diagnóstico fácil, baseado no exame neurológico e tratado com manobras de liberação Tipicamente o paciente descreve ataques de vertigem rotatória, de curta duração e forte intensidade desencadeados por movimentos rápidos da cabeça

14 VPPB Mais freqüentes: levantar da cama pela manhã, deitar e virar na cama, estender o pescoço para olhar para o alto e fletir o pescoço para olhar para baixo Duas manobras podem ser utilizadas na pesquisa de VPPB: –Manobra de Dix-Hallpike –Manobra de posicionamento lateral

15 VPPB

16 VPPB Tratamento: manobras liberação –Ex: Manobra de Semont

17 Doença de Menière Episódios recorrentes de vertigens, náuseas, vômitos, déficit auditivo durante a crise, zumbido, taquicardia, hipertensão arterial Evolução 30 minutos a 12 horas, desequilíbrio residual por dias. Duração mínima 20 min para nistagmos horizontais e ou rotatórios para caracterizar a síndrome Diagnóstico: 2 ou mais episódios com sintomas associados

18 Enxaqueca Enxaqueca basilar: cefaléia pulsátil posterior, disartria, vertigens, zumbidos, hipoacusia, diplopia Vertigem enxaquecosa do adulto : Cerca de 40% dos pacientes com migrânea têm vertigem, cinetose e perda auditiva leve

19 Tratamento Abolir cafeína, álcool, alimentos ricos em carboidratos Síndromes vestibulares: dimenidrinato e meclizina Tratamento na emergência: pode associar benzodiazepínico, escopolamina ou atropina

20 Tratamento Tratar causas identificáveis: enxaqueca, síncope vaso-vagal, etc Avaliar necessidade de encaminhamento ao especialista

21 Conclusão Tontura é um sintoma freqüente na prática médica Engloba uma grande quantidade de manifestações, com diversas causas O seguimento do paciente, em geral, não é priorizado

22 Conclusão Benefício duvidoso com uso de : Flunarizina, Cinarizina e Ginkgo biloba Através de um "marketing" bem-sucedido, foram guinadas à posição de panacéias para o tratamento de "tonturas" (não importando etiologia) e de "esclerose cerebral". Estas drogas, não fossem pela toxicidade generosa ao nível do SNC, poderiam ser considerados placebos, pois ambas possuem eficácia questionável. Dr. Paulo Cesar Trevisol-Bittencourt, Flunarizina Induzindo Parkinsonismo

23 Bibliografia VERTIGEM DE POSICIONAMENTO PAROXÍSTICA BENIGNA Cristiana Borges Pereira, Milberto Scaff Arq. Neuro- Psiquiatr. vol.59 no.2B São Paulo June figura gifhttp://www.rborl.org.br/conteudo/acervo/Images/02- figura gif Anotações do Curso de Vertigens / Sistema Nervoso Autônomo do XXII Congresso Brasileiro de Neurologia, Recife, Agosto 2006

24 Obrigado!


Carregar ppt "Abordagem do paciente com tontura Ten Marcelo Evangelista LOBO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google