A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Essa foto representa as seguintes formas: pose (a senhora posicionada logo à frente do quadro, com as mãos em posição de oração nos passa a mensagem de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Essa foto representa as seguintes formas: pose (a senhora posicionada logo à frente do quadro, com as mãos em posição de oração nos passa a mensagem de."— Transcrição da apresentação:

1

2 Essa foto representa as seguintes formas: pose (a senhora posicionada logo à frente do quadro, com as mãos em posição de oração nos passa a mensagem de uma pessoa devota), objeto (o quadro posicionado atrás da senhora reforça a religiosidade e nossa passa a mensagem de comparação: a santa do quadro e a santa da vida real), fotogenia (o ângulo escolhido para a foto posiciona a senhora de uma forma elevada, assim como a santa do quadro. A foto tirada de baixo faz com que a pessoa ou o objeto pareça maior, ou mais elevada do que é. Além disso, o quadro foi desfocado, mantendo a atenção na benzedeira), sintaxe (a imagem não dialoga com a legenda, porém é traduzida pelo texto, que conta a história de devoção da benzedeira). (Camila, Luiza, Maristela e Thamires)

3

4 Nessa imagem, há o processo de conotação objeto, no caso, a bacia, com roupas sendo carregada por um homem. Caso este objeto não estivesse compondo a imagem, esta teria um outro sentido possível (ou vários). A pose é outro processo de conotação. O ângulo em que foi tirada dá sentido à ideia de despedida, já que a criança, está olhando para o lado contrário à sua caminhada no colo do policial, o que dá a ideia de que está olhando para o lugar que deixa para trás. (Camila F, Gabriela e Monique).

5

6 Trucagem: alteração das cores, auréola sendo colocada propositalmente, rementendo à santidade. As estrelas que compõem a auréola, por sua vez, remetem ao símbolo do PT. Esses elementos ironizam o filme que trata da história de Lula. Sintaxe: Há um encadeamento entre as duas fotos que compõe a imagem. Em uma delas, aparece uma das cenas do filme, em que o povo clama Lula em um de seus discursos. Abaixo, a outra imagem é composta por Lula já endeusado. Esse encadeamento de fotos se refere ao texto da legenda (Laísa, Renata e Samanta). (...) Sintaxe: a imagem de Lula dialoga com o texto quando apresenta o endeusamento do político. A pose remete à controvérsia de comportamento: em uma é representado como santo e em outra como um baderneiro. (Camila, Luiza, Maristela e Thamires)

7

8 (...) Os fotografados foram estrategicamente posicionados (pose e trucagem), para dar espaço ao objeto de fundo que compõe a geração de sentidos. O objeto, por sua vez, demonstra tanto o que liga como o que separa pai e filhos: a política. O objeto que os separa é uma foto da época da ditadura, representando a luta das pessoas, como Cosiuc, comparando com a falta de luta de hoje, em jovens como Ana Maria. (Amanda, Daniel, Luis Ricardo, Luana e Thiago) Os personagens da fato, em cada extremidade (...) demonstram a ideia de distância entre as gerações e oposição de ideias. Como diz o texto, o principal fator de discordância é o envolvimento com questões políticas, representado com o objeto (quadro), ao centro (Fabiana, Mariana F.; Sofia Fucchi).

9

10 Há pose, pela imagem que remete os seus braços cruzados, que caracteriza, entre outras possibilidades, o símbolo da cruz do veneno, ou até mesmo representando a morte (...). (Beatriz, Isabela e Murilo). A foto de Cazuza trata-se de uma trucagem, por conta da luz que foi usada no rosto, a mudança na coloração de Cazuza e o foco de profundidade no pescoço bem magro. Também pode ser considerada a pose, pelo fato de ao mesmo tempo que sua posição demonstra fragilidade, defesa e morte. (Pedro, Mariana Cruz) A palavra agoniza, pela sintaxe com a foto, ajuda a reforçar a ideia de morte próxima já mostrada pela imagem. (Felipe).

11 Semiótica Russa e Análise do Discurso

12 Mikhail Bakhtin ( ) 1929 – Marxismo e Filosofia da Linguagem Saussure: signo é a união de um significante e de um significado. Fruto de uma construção mental. Bakhtin: signo é espaço de concretização da ideologia. Fruto de uma construção político-cultural. Bakhtin e a análise do discurso de linha francesa (Pêcheux e Foucault)

13 O caminho: Saussure: Língua / Fala // Sintagma / Paradigma. Bakhtin: Os signos emergem e significam no interior das relações sociais; estão entre seres socialmente organizados; não podem, assim, ser concebidos como resultados de processos apenas fisiológicos e psicológicos de um indivíduo isolado, ou determinados apenas por um sistema formal abstrato. Para estudá-los é indispensável situá-los nos processos sociais globais que lhe dão significação.

14 Conceitos chaves da semiótica russa: Ideologia Dialogismo; Polifonia.

15 Ideologia (Marx) As relações que no nível profundo são relações de exploração (apropriação do valor gerado por um trabalho não pago) aparece como troca; a opressão, como igualdade; a sujeição, como liberdade. As relações que, no nível da superfície, apresentam-se como relações entre os indivíduos são, no nível essência, uma relação entre as classes sociais, uma que se apropria do valor produzido pelo trabalho não pago e outra que vende sua força de trabalho e é espoliada. (Fiorin, 2001, p. 27)

16 Polifonia O sentido do texto e a significação das palavras dependem da relação entre sujeitos, ou seja, constroem-se na produção e na interpretação dos textos; A relação entre os interlocutores não apenas funda a linguagem e dá sentido ao texto, como também constrói os próprios sujeitos produtores de textos. Pêcheux ( ): interdiscurso: todo conjunto de formulações já feitas e já esquecidas que determinam o que dizemos. No que dizemos, fala uma voz sem nome.

17 Dialogismo Viver significa tomar parte do diálogo: fazer perguntas, dar respostas, dar atenção, responder, estar de acordo e assim por diante. Desse diálogo, uma pessoa participa integralmente e no correr de toda a sua vida: com seus olhos, lábios, mãos, alma, espírito, com seu corpo todo e com todos os seus efeitos. (Faraco, 2006, p.72-3)

18 Combinando uma simulação como uma dissimulação, o discurso é uma trapaça: ele simula ser meu para dissimular o que é do outro. (Edward Lopes)

19 O homem fala ou é falado? A ilusão da liberdade discursiva. Pêcheux: esquecimentos – sujeito se coloca como quem diz. Esquece uma forma para reafirmar a sua. Michel Foucault ( ): Em suas casas brancas, se manifesta em profundidade como já presente, esperando em silêncio o momento de ser enunciada

20 Análise do Discurso Marxismo, psicanálise e linguística. Visa a compreensão de como um objeto simbólico produz sentidos, como ele está investido de significância para e por sujeitos. (Orlandi, 2002, p. 26)

21 O que é analisar um discurso? A análise do discurso visa a compreensão de como um objeto simbólico produz sentidos, como ele está investido de significância para e por sujeitos. Essa compreensão, por sua vez, implica em explicitar como o texto organiza os gestos de interpretação que relacionam sujeito e sentido. Produzem-se assim novas práticas de leitura. (Orlandi, 2002, p ).

22 Aspectos para a análise: Quem fala para quem? De que lugar fala? O discurso contrário é desqualificado? O que o discurso carrega dos estereótipos sobre o assunto? Contradições? Reafirmações? Palavras em sentido conotativo. Qual a função que elas desempenham? Pressupostos e implícitos? Polissemia? Polifonia? Dialogismo?

23 Rios sem discurso – João Cabral de Mello Neto Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água, em água paralítica. Em situação de poço, a água equivale a uma palavra em situação dicionária: isolada, estanque no poço dela mesma, e porque assim estanque, estancada; e mais: porque assim estancada, muda e muda porque com nenhuma comunica, porque cortou-se a sintaxe desse rio, o fio de água por que ele discorria.

24 O curso de um rio, seu discurso-rio, chega raramente a se reatar de vez; um rio precisa de muito fio de água para refazer o fio antigo que o fez. Salvo a grandiloqüência de uma cheia lhe impondo interina outra linguagem, um rio precisa de muita água em fios para que todos os poços se enfrasem: se reatando, de um para outro poço, em frases curtas, então frase e frase, até a sentença-rio do discurso único em que se tem voz a seca ele combate.


Carregar ppt "Essa foto representa as seguintes formas: pose (a senhora posicionada logo à frente do quadro, com as mãos em posição de oração nos passa a mensagem de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google