A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

José Orvalho1 CAF Common Assessment Framework Estrutura de Avaliação Comum.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "José Orvalho1 CAF Common Assessment Framework Estrutura de Avaliação Comum."— Transcrição da apresentação:

1 José Orvalho1 CAF Common Assessment Framework Estrutura de Avaliação Comum

2 José Orvalho2 QUALIDADE E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: REALIDADES MILENAR E SECULAR QUALIDADE: As primeiras manifestações localizam-se há dez mil anos ADMINISTRAÇÃO: Nasce com o aparecimento dos Estados - Nação DUAS REALIDADES TÃO ANTIGAS EM EVOLUÇÃO PERMANENTE, MAS QUE AINDA NÃO CONSEGUIRAM UM CASAMENTO OU UMA UNIÃO DE FACTO FELIZ. SERÁ AGORA, NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO?

3 José Orvalho3 EVOLUÇÕES DIFERENTES, COM PREOCUPAÇÕES DISTINTAS A QUALIDADE EVOLUIU DA APTIDÃO AO USO POR MOTIVOS DE SOBREVIVÊNCIA, ATÉ À EXCELÊNCIA ORGANIZACIONAL, MAS SEMPRE ASSOCIADA À PRODUTIVIDADE, COMPETITIVIDADE E ENCANTO. ORIENTAÇÃO PARA O EXTERIOR - CLIENTE ADMINISTRAÇÃO SEMPRE VIVEU PARA SUSTENTAÇÃO DO PODER POLÍTICO, EM REGIME DE MONOPÓLIO E SEM MERCADO COMPETITIVO QUE JUSTIFICASSE UMA GESTÃO AGRESSIVA E PRÓ – ACTIVA. ORIENTAÇÃO PARA O UMBIGO – DEFESA DO PODER

4 José Orvalho4 A NOVA IDEIA DA QUALIDADE: AS TRÊS FASES DO SÉCULO XX SOCIED. INDUSTRIAL A Qualidade reside no nível operacional, fazendo simples e rotineiro, para fazer perfeito; Cabe aos quadros superiores definir como fazer e ensinar; A Qualidade media-se no fim do processo, através da inspecção DEMING e JURAN A Qualidade começa nos dirigentes, através de uma boa gestão; Dirigentes e operacionais pensam em conjunto como fazer melhor; Quanto mais qualificados forem os colaboradores, melhor pensam, resolvem e evitam o erro, através do auto-controlo 1990 – 2003 …….. Estratégia global de gestão assente em 5 pilares chave: Inovação – cliente Visão estratégica Saber colaboradores Processos e tecnologia Resultados positivos p/ as partes interessadas

5 José Orvalho5 O AMBIENTE EXTERNO E AS RESPOSTAS INADIÁVEIS Administração Pública PRESSÕES ECONÓMICAS PRESSÕES POLÍTICAS PRESSÕES CULTURAIS PRESSÕES SOCIAIS

6 José Orvalho6 UMA NOVA ADMINISTRAÇÃO A PARTIR DOS ANOS NOVENTA A crise petrolífera dos anos 70 e o repensar do Modelo Social Europeu A OCDE e a publicação do relatório Administration as a Service, Public as a Client O relatório Al Gore e os livros Reinventing Government e Banishing Bureaucracy O repensar do papel do Estado e, logicamente, da Administração Pública para o séc. XXI, à luz NTIC, s e da Sociedade Global

7 José Orvalho7 A SÍNTESE DA OCDE, AL GORE, OSBORNE E GAEBLER 1.Fazer Qualidade, colocando os clientes no coração dos Serviços; 2.Os Serviços Públicos devem gerir-se por missões e resultados, não por regras, regulamentos e recursos; 3.Um princípio básico da boa gestão pública, é delegar competências e garantir mais participação dos colaboradores e outras partes interessadas; 4.Os mecanismos de mercado devem ser preferidos se os seus automatismos garantirem melhor serviço e não por questões ideológicas ou orçamentais; 5.Fomentar as parcerias entre Público, privado e Sociedade.

8 José Orvalho8 NOVOS PAPEIS DO ESTADO E EXIGÊNCIAS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTADO GARANTE ESTADO REGULADOR ESTADO PRESTADOR TENDÊNCIA PARA ENFRAQUECER ESTADOGARANTEESTADOGARANTE ESTADOREGULADORESTADOREGULADOR PRESTAÇÕES DE QUALIDADE CONTRATAÇÃO EXCELENTE CAPACIDADE REGULAÇÃO PRESTAÇÃO TERCEIROS POLÍTICAS PÚBLICAS FOMENTO

9 José Orvalho9. QUALIDADE NO TERCEIRO MILÉNIO OBRIGA A PENSAR EM 5 QUESTÕES: PESSOAS CIDADÃOS LIDERANÇA PESSOAS PROCESSOS RESULTADOS INOVAÇÃO/ CLIENTES

10 José Orvalho10 A União Europeia desperta para a Qualidade A Política Europeia da Qualidade e da Competitividade, para colocar a Europa ao nível dos USA e do Japão, fomentando os Programas da Qualidade nas empresas europeias e nas Administrações Públicas dos Quinze – 1996; Os Ministros das Administrações Públicas da U.E., criam o Quality Steering Group, em Londres – 1998 – para elaborar uma metodologia comum para lançamento de Programas da Qualidade nos Serviços Públicos Europeus.

11 José Orvalho11 O Quality Steering Group Maio de 1998 a Dezembro de 2000 COMPOSIÇÃO: Portugal, Áustria, Alemanha, Finlândia, Comissão Europeia, EIPA, EFQM, Academia Speyer; A CAF: Aprovação no Porto em Fevereiro de 2000 e apresentação em Lisboa, em Maio, na 1ª Conferência da Qualidade das Administrações da União Europeia; COMPROMISSO POLÍTICO EM ESTRASBURGO, Novembro 2000: os Ministros das Administrações Públicas, assinam o compromisso de fazer aplicar as CAF nos seus países e realizar conferências / benchmarking, de 2 em 2 anos.

12 José Orvalho12 O que é a CAF? Modelo europeu para a promoção da Qualidade e Modernização das Administrações Públicas, com base no referencial de Excelência da EFQM; Referencial para os Dirigentes Públicos que queiram melhorar o desempenho das suas Organizações, através duma metodologia de Gestão abrangente; Modelo que permite o benchmarking local, regional, nacional e internacional.

13 José Orvalho13 Vantagem da CAF Utilização simples e sem custos que qualquer Serviço pode desenvolver por si, com formação das pessoas; Baseia-se na auto-avaliação, em que todos são chamados a participar – motivação e envolvimento; Permite definir os pontos fortes e os pontos a melhorar e estabelecer objectivos e estratégias de progresso; Retrata a evolução de qualquer Organização Pública ao longo do tempo.

14 José Orvalho14 Liderança Gestão dos Processos e da Mudança Gestão das Pessoas Planeamento e Estratégia Parcerias e Recursos Resultados das Pessoas Resultados orientados para os cidadãos/clientes Impacto na Sociedade Resultados de desempenho chave MeiosResultados Aprendizagem e Inovação MODELO EFQM

15 José Orvalho15 Critérios de Avaliação Critérios de MeiosCritérios de Meios - critérios que se reportam à forma como as actividades da organização são desenvolvidas, designadamente quanto à utilização dos recursos disponíveis. Critérios de ResultadosCritérios de Resultados - avaliam o produto final das acções empreendidas, com utilização dos meios necessários, para atingir os objectivos fixados para a organização.

16 José Orvalho16 Critérios de Meios Critérios de Resultados 1. Liderança 2. Planeamento e Estratégia 3. Gestão das Pessoas 4. Parcerias e Recursos 5. Gestão dos Processos e da Mudança 6. Resultados Orientados para o Cidadão/Cliente 7. Resultados das Pessoas (clientes internos) 8. Impacto na Sociedade 9. Resultados de Desempenho-chave

17 José Orvalho17 Critério 1 - Liderança missão, a visão e os valoresComo os dirigentes desenvolvem e prosseguem a missão, a visão e os valores necessários para sustentar, a longo prazo, o sucesso da organização e os implementam através de acções e comportamentos adequados; Como os dirigentes estão pessoalmente comprometidos em assegurar o desenvolvimento e o aperfeiçoamento do sistema de gestão da organização. Sub critérios: Sub critérios: Dar orientação à Organização, desenvolvendo e Dar orientação à Organização, desenvolvendo e comunicando VISÃO, MISSÃO E VALORES; comunicando VISÃO, MISSÃO E VALORES; Implementar um Sistema de Gestão, com definição Implementar um Sistema de Gestão, com definição de funções, responsabilidades e autonomia; de funções, responsabilidades e autonomia; Motivar e apoiar às pessoas; Motivar e apoiar às pessoas; Gerir relações com o nível político e outras partes interessadas. Gerir relações com o nível político e outras partes interessadas.

18 José Orvalho18 Critério 2 – Planeamento e estratégia Como a Organização implementa a sua MISSÃO e VISÃO, através de estratégia clara orientada para todas as partes interessadas e suportada em políticas, planos, objectivos e processos adequados. Sub - critérios: Obtenção de informação relacionada com necessidades presentes e futuras das partes interessadas; Desenvolver e actualizar o planeamento e estratégia, com envolvimento dos interessados no processo de decisão; Implementar o planeamento e a estratégia em toda a organização, com negociação e consenso.

19 José Orvalho19 Critério 3 - Gestão das pessoas gere, desenvolve e liberta o conhecimento e o potencialComo a organização gere, desenvolve e liberta o conhecimento e o potencial das pessoas que a compõem, ao nível individual, de equipa ou da organização no seu conjunto, por forma a garantir o êxito da estratégia e eficácia operacional. Sub - critérios: Planear, gerir e melhorar os recursos humanos; Desenvolver e usar as competências das pessoas, tendo em conta os objectivos individuais e da Organização; Envolver as pessoas, através do diálogo e da responsabilização.

20 José Orvalho20 Critério 4 – Parcerias e Recursos Como a Organização planea e gere as parcerias e os recursos internos por forma a garantir o cumprimento da estratégia, plano e o funcionamento dos processos, para optimizar os resultados. Sub - critérios: As relações de parceria sejam promovidas e implementadas, com base em acordos com parceiros estratégicos; As relações com os cidadãos/clientes sejam promovidas; A forma como o conhecimento é gerido; A forma como os recursos financeiros sejam geridos; A forma como os recursos tecnológicos sejam geridos; A forma como os recursos materiais sejam geridos.

21 José Orvalho21 concebe, gere e melhoraComo a organização concebe, gere e melhora os seus processos de modo a apoiar e inovar e garantir a plena satisfação e gerar mais valias para os clientes e outros interessados. Critério 5 – Gestão de processos e da mudança Sub – critérios: Identificar, conceber e melhorar os processos chave e de suporte, tendo em conta os objectivos e a eficácia e eficiência com vista à satisfação dos interessados; Envolver os cidadãos/clientes na concepção e melhoria dos produtos prestados; Planear e gerir a modernização e inovação da Organização.

22 José Orvalho22 Critérios de Resultados Critérios de Resultados (Criação de indicadores e Medição dos resultados) 6- Resultados orientados para o Cidadão/Cliente satisfação clientes Que resultados a organização tem alcançado relativamente à satisfação dos seus clientes. Percepção Percepção que os clientes têm da organização em termos de imagem global, serviço, produtos, acessibilidade, comunicação e capacidade de resposta. 7- Resultados das Pessoas satisfaçãocolaboradores/clientes Que resultado a organização tem alcançado relativamente à satisfação dos seus colaboradores/clientes internos.

23 José Orvalho23 8- Impacto na Sociedade satisfação comunidade local, nacional e internacional Que resultados a organização atinge na satisfação das necessidades e expectativas da comunidade local, nacional e internacional. 9- Resultados de Desempenho-Chave Que resultados a organização tem alcançado relativamente: ao desempenho planeado; à sua missão ou actividade principal; a objectivos específicos; à satisfação das necessidades e expectativas das entidades com interesses, financeiros ou não financeiros, na organização. Critérios de Resultados

24 José Orvalho24 A Auto-avaliação

25 José Orvalho25 Auto-Avaliação Acerca da Auto-Avaliação Acerca da Auto-Avaliação –Identifica pontos fortes e áreas de melhoria –Baseia-se em factos –Cria uma cultura e uma linguagem comum –Envolve os colaboradores de todos os níveis –Deve ter como objectivo a melhoria contínua Os colaboradores da organização são os que melhor conhecem o seu funcionamento mas raramente o partilham.....

26 José Orvalho26 Common Assessment Framework Estrutura Comum de Avaliação Concebido a partir do modelo EFQM (mais simplificado) Ajuda as Administrações Públicas da UE a compreender e utilizar as técnicas de gestão da qualidade Auto-avaliação das organizações públicas numa perspectiva de melhoria continua Adequado às características dos organismos públicos Sem custos (domínio público) CAF Modelo de Auto-Avaliação

27 José Orvalho27 Em qualquer processo de avaliação é importante… Confrontar –Missão –Meios –Resultados Identificar –Pontos fortes –Oportunidades de Melhoria (aspectos críticos) Agir A avaliação só é um verdadeiro instrumento de gestão quando dá lugar a acções de melhoria

28 José Orvalho28 AUTO-AVALIAÇÃO MELHORES RESULTADOS PONTOS FORTES E FRACOS E ÁREAS DE MELHORIA IMPLEMENTAÇÃO DE ACÇÕES DE MELHORIA CICLO DA MELHORIA CONTINUA

29 José Orvalho29 REQUISITOS PARA IMPLEMENTAR - 1 Vontade de melhorarVontade de melhorar a organização, através de um diagnóstico visando a identificação dos pontos que devem ser objecto de acções de melhoria; Empenho do dirigente máximoEmpenho do dirigente máximo no processo de auto- avaliação; objectivos e resultadosDefinição clara dos objectivos e resultados que se esperam com um processo de auto-avaliação; EnvolvimentoEnvolvimento dos colaboradores e dos gestores intermédios no processo de auto-avaliação;

30 José Orvalho30 REQUISITOS PARA IMPLEMENTAR - 2 EquipaConstituição de uma Equipa (pelo menos três pessoas) responsável pela auto-avaliação, com disponibilidade para levar a cabo o exercício; Rigor e honestidadeRigor e honestidade das pessoas envolvidas no exercício; CompreensãoCompreensão do modelo; Ampla divulgaçãoAmpla divulgação na organização dos objectivos e vantagens da auto-avaliação.

31 José Orvalho31 COMO IMPLEMENTAR Decisão 1. Decisão de levar a cabo um processo de auto-avaliação; 2. Fixação dos objectivos âmbito 2. Fixação dos objectivos a atingir com a auto-avaliação e do âmbito do exercício (toda a organização ou um departamento específico); 3. Constituição da equipa 3. Constituição da equipa de auto-avaliação; 4. Divulgação dos objectivos 4. Divulgação dos objectivos da auto-avaliação no departamento ou em toda a organização (conforme o âmbito do exercício);

32 José Orvalho32 5. Envolvimento das pessoas 5. Envolvimento das pessoas (promoção da comunicação e participação); 6. Organização interna da equipa : 6. Organização interna da equipa : designação do coordenador, divisão de tarefas e esclarecimento de dúvidas; 7. Recolha da informação 7. Recolha da informação necessária ao preenchimento da grelha de auto-avaliação; 8. Análise 8. Análise dos dados recolhidos; atribuição da pontuação; 9. Divulgação dos resultados : 9. Divulgação dos resultados : pontos fortes e pontos críticos a melhorar. COMO IMPLEMENTAR - 2

33 José Orvalho33 Resumindo 3. Estabelecer, dar formação e preparar 1. Decidir e estabelecer Cronograma 2. Comunicar 4. Conduzir 5. Comunicar, avaliar e estabelecer 6. Implementar 7. Rever

34 José Orvalho34 CAF Common Assessment Framework Quadro de Pontuação

35 José Orvalho35 A PONTUAÇÃO DOS CRITÉRIOS seis níveis de avaliaçãoCada critério tem seis níveis de avaliação (0 a 5). A pontuação de cada um dos nove critérios é obtida através da média das pontuações dos sub-critérios. pontuação globalA pontuação global da organização é obtida através do somatório das pontuações dos nove critérios.

36 José Orvalho36 CRITÉRIO 3 – GESTÃO DAS PESSOAS O QUE A ORGANIZAÇÃO FAZ PARA: 3.1 Planear, gerir e melhorar os recursos humanos em sintonia com o planeamento e a estratégia Pontuação (0 a 5) Justificação: 3.2 Identificar, desenvolver e usar as competências das pessoas em articulação com os objectivos e metas organizacionais, individuais e de grupo: Pontuação (0 a 5) Justificação: 3.3 Envolver as pessoas através do diálogo e da delegação de responsabilidades: Pontuação (0 a 5) Justificação:

37 José Orvalho37 Ciclo PDCA Adaptação Melhoria Aprendizagem Avaliação e Revisão comparação Benchmarking Avaliação Planear acção Metodologia Implementação Estruturação Avaliação DO PLANACT CHECK

38 José Orvalho38 Quadro de Pontuação – Critérios de Meios 0. Ausência de evidências ou apenas evidência duma iniciativa1. P Iniciativa planeada - P 2. D Iniciativa planeada e implementada – D 3. C Iniciativa planeada, implementada e avaliada – C 4. A Iniciativa planeada, implementada, avaliada e revista com base em dados retirados de acções de benchmarking e ajustada em conformidade – A 5. Iniciativa planeada, implementada, avaliada e revista com base em dados retirados de acções de benchmarking e completamente ajustada e integrada na organização Plan Do Check Act ACTPLAN CHECK DO

39 José Orvalho39 Quadro de Pontuação – Critérios de Resultados 0. Não há resultados1. Os Resultados Chave estão avaliados e demonstram uma tendência estável e negativa 2. Os resultados demonstram um progresso modesto 3. Os resultados demonstram um progresso considerável 4. São alcançados resultados excelentes e são feitas comparações com os resultados obtidos dentro da organização (benchmarking interno) 5. São alcançados resultados excelentes e são feitas comparações com os resultados obtidos dentro da organização e com os resultados obtidos por outras organizações (benchmarking interno e externo)

40 José Orvalho40 EXEMPLO DE PONTUAÇÃO RESULTADOS OBTIDOS PELA ORGANIZAÇÃO Classificação da organização é de: 31,8/45 N. º Critérios 1Liderança 4 2 Política e Estratégica 3,7 3 Gestão das Pessoas 3 4 Recursos e Parcerias 3,7 5 Gestão dos Processos e da Mudança 3,9 6 Resultados Orientados para o Cidadão/Cliente 3,7 7 Resultados Relativos às Pessoas 4 8 Impacto na Sociedade 3,5 9 Resultados de Desempenhos Chave 2,3 Total Global 31.8 Total obtido por critério na organização

41 José Orvalho41 Desenvolvimento Organizacional Liderança, valores Planos e Objectivos Resultado Organização e processos Gestão de Recursos Humanos

42 José Orvalho42 Liderança Gestão dos Processos e da Mudança Gestão das Pessoas Planeamento e Estratégia Parcerias e Recursos Resultados das Pessoas Resultados orientados para os cidadãos/clientes Impacto na Sociedade Resultados de desempenho chave MeiosResultados Aprendizagem e Inovação MODELO DA CAF

43 José Orvalho43 A INTERLIGAÇÃO DO MODELO RESULTADOS EXCELENTES PARA OS CLIENTES, PESSOAS E SOCIEDADE, SÃO ALCANÇADOS ATRAVÉS DA LIDERANÇA, DE OBJECTIVOS E DA ESTRATÉGIA, COM A MOTIVAÇÃO DAS PESSOAS, BOA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS E OPTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS.

44 José Orvalho44 Também pode consultar:

45 José Orvalho45 UMA MENSAGEM FINAL A CAF É UMA METODOLOGIA SIMPLES E ACESSÍVEL AOS SERVIÇOS PÚBLICOS PORTUGUESES QUE SE BASEA NUM MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E TOTAL. A CAF PERMITE DESENVOLVER A GESTÃO PÚBLICA, AS PESSOAS, A ORGANIZAÇÃO DE PROCESSOS E ATINGIR RESULTADOS QUE SATISFAÇAM AS PARTES INTERESSADAS. VAMOS TODOS IMPLEMENTAR A CAF.


Carregar ppt "José Orvalho1 CAF Common Assessment Framework Estrutura de Avaliação Comum."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google