A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente na América Latina Benedito Rodrigues dos Santos 07 de marco de 20131 Benedito dos Santos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente na América Latina Benedito Rodrigues dos Santos 07 de marco de 20131 Benedito dos Santos."— Transcrição da apresentação:

1 O Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente na América Latina Benedito Rodrigues dos Santos 07 de marco de Benedito dos Santos Encontro MOVER PA

2 Perspectiva Histórica: Modos de Governar Crianças e Adolescentes O primeiro foi soberania paterna associada ao caritativismo religioso que perdurou durante praticamente todo o período do Brasil Colônia, de 1500 a meados de 1800; Criança – filho (a). Propriedade dos pais. Força de trabalho. Correia de transmissão da propriedade. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 2

3 Modos de governar crianças e adolescentes O segundo foi o do bem-estar das crianças associado ao filantropismo religioso e leigo vigorou, de maneira quase hegemônica no período aproximado de 1850 a 1960; – O estado adquire poderes sobre as crianças e adolescentes. – O bem-estar da criança é equiparado ao bem estar da sociedade. O capital humano. – Criança objeto das políticas. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 3

4 Modos de governar crianças e adolescentes O terceiro é o modo dos direitos da criança associado à ação emancipatória cidadã. Emergente à partir dos anos 1960, nos paises Europa, Canada e EUA e no Brasil a partir de 1990 com o ECA. – Crianças e adolescentes adquirem o direito de terem direitos. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 4

5 Gradual Conquista de Direitos na Normativa Internacional Declaração sobre proteção da criança de 1924 A primeira referência a direitos da criança num instrumento jurídico internacional data de Declaração dos Direitos da Criança de 1959 A Convenção sobre os Direitos da Criança e do Adolescente 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 5

6 Leis Nacionais de Protecao da Crianca e do Adolescente ESTUDIO SOBRE LOS FUNDAMENTOS JURÍDICOS DE LOS SISTEMAS NACIONALES DE PROTECCIÓN INTEGRAL DE LA INFANCIA EN AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE Y ESTADO DE APLICACIÓN (Alejandro Morlachetti) 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 6

7 Leis Nacionais de Protecao Apos a ratificacao da Convencao Internacional sobre os DCA aprovacao das chamadas Leis de Protecao Integral ou Codigo da Infancia e da Adolescencia Decada de 1990 Brasil (1990), Perú (1992), Honduras (1996), Costa Rica (1998), Nicaragua (1998), Bolivia (1999). 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 7

8 Leis Nacionais de Protecao México (2000), Venezuela (2000), Paraguai (2001), Equador (2003), Guatemala (2003), República Dominicana (2003), Uruguay (2004), Argentina (2005), Colombia (2006), El Salvador ( ). 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 8

9 Sistemas Nacionais de Protecao Integral da Crianca e do Adolescente Definicao: UNICEF ha definido en su estrategia de protección de la infancia, que los sistemas de protección comprenden un conjunto de leyes, políticas y servicios necesarios en todos los ámbitos sociales especialmente en el ámbito del bienestar social, la educación, la salud y la justicia para apoyar la prevención de los riesgos relacionados con la protección y la respuesta en este sentido. (UNICEF, 2008 pág. 12.). 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 9

10 Sistemas Nacionais de Protecao Integral da Crianca e do Adolescente Definicao: Según el Instituto Interamericano del Niño, un sistema de protección integral es básicamente un diseño organizacional y operativo concebido para la implementación de las políticas públicas de infancia y adolescencia y que tiene como paradigma la CDN. Este sistema trata de estructurar y sistematizar el relacionamiento entre todos los actores a los efectos de dar efectividad a los derechos reconocidos en la Convención ( INN, 2002). 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 10

11 Sistema de Protecao = Sistema de Garantia de Direitos? Terreno contestado: A Protecao da crianca e do adolescente = a protecao dos direitos da crianca e do adolescente? Existem/existiram sistemas de protecao que nao sao baseados nos direitos. Ex. Sistema Nacional de Bem Estar do Menor – SNBEM. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 11

12 Sistema de Protecao = Sistema de Garantia de Direitos? Com advento da Convencao e das leis nacionais inicia-se uma nova era implementacao de sistemas de protecao da crianca e do adolescente constituidos sob a nocao de direitos. O estudo dos SNPI foca-se na protecao gerada pela formulacao e implementacao de politicas publicas, em nivel Federal. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 12

13 Sistemas Nacionais de Protecao Integral na AL As solucoes encontradas sao muito variadas a respeito das instituicoes que exercem o comando, as que formulam e desenham as politicas para a infancia, as que executam e articulam a execucao das politicas e programas para infancia e adolescencia. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 13

14 SNPI Grande parte dos paises Criaram conselhos nacionais (com participacao de ministro e vice-ministros, autoridades autonomas chaves e organismos da sociedade civil). Outros paises: Possuem orgaos especificos dentro dos ministerios 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 14

15 Orgaos locais de protecao especial Consejos Tutelares de Brasil, las Juntas Cantonales de Protección de Derechos de Ecuador y los Consejos de Protección del Niño y del Adolescente de Venezuela. En el caso de República Dominicana, las Juntas Locales de protección y restitución de derechos se definen como instancias descentralizadas en el nivel municipal y con independencia en la toma de decisiones. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 15

16 Instituicao do Ombudsman = Defensor Geral América Latina la legislación de infancia ha optado mayoritariamente por la figura del Defensor general que realiza la defensa de la totalidad de derechos humanos En Colombia, la Defensoría Delegada para los derechos de la niñez, la juventud y las mujeres dentro de la Defensoría del Pueblo, En Costa Rica, la Dirección de Niñez y Adolescencia establecida formalmente como un área específica en la Defensoría de los Habitantes de la República, 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 16

17 Ombusdman – Defensor Geral En Guatemala, la Defensoría de los Derechos de la Niñez y la Adolescencia como dependiente de la institucionalidad ya existente del Procurador de los Derechos Humanos. En Paraguay, la Defensoría de la niñez y adolescencia dependiente del Ministerio de la Defensa Pública. En Nicaragua, se convoca a la creación de la Defensoría de las Niñas, Niños y Adolescentes, que es ejercido por la Procuraduría Especial de la Niñez y la Adolescencia En el caso de Perú el Código preveía la creación de la Defensoría del Niño y del Adolescente, habiéndose creado finalmente la Adjuntía para la Niñez y la Adolescencia dentro de la Defensoría del Pueblo. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 17

18 Orcamento Crianca Adolescente Na maioria das legislacoes de protecao a infancia preve dotacoes orcamentarias especificas, mas nao determina a percentagem a ser designada. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 18

19 Orcamento Crianca e Adolescente una mayor previsibilidad a la garantía de mínimos presupuestarios para el funcionamiento de los sistema de protección integral de la infancia: Argentina; Costa Rica; Costa Rica; Equador; Venezuela; Republica Dominicana. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 19

20 Integralidade criterio essencial El criterio de integralidad es esencial en el diseño de un sistema denominado de protección integral, en el sentido que exige garantizar los derechos a todos los NNA, sin discriminación alguna y no sólo a los que se consideran en situación de riesgo social o peligro. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 20

21 POSIBLE MODELO DE SISTEMA DE PROTECCIÓN INTEGRAL DE LA INFANCIA Rectoria Nacional e Recotoria Local Consejo Nacional de Carácter Deliberativo (Representación paritaria gobierno-sociedad civil) Organismos de ejecución de políticas y programas: Institución autónoma y/o adscripta a un mInisterios; Entidades de atención; Instituciones locales regionales y municipales 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 21

22 POSIBLE MODELO DE SISTEMA DE PROTECCIÓN INTEGRAL DE LA INFANCIA Orgaos de Protección, defensa y restitución de derechos: Instituciones interdisciplinarias de protección descentralizadas Defensorías de NNA Poder judicial Especializado 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 22

23 O MODELO BRASILEIRO 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 23

24 Histórico do ECA = MDCA A constituição de um movimento em favor dos direitos da criança e do adolescente (MDCA) – o movimento das alternativas de atendimento a meninos e meninas de rua (Unicef, SAS-MPAS, Funabem). 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 24

25 História ECA = MDCA – a criação do Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua e a articulação de outras redes nacionais como Pastoral do Menor e a Frente Municipalista dos Prefeitos pela Infância. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 25

26 Histórico do ECA = MDCA 1988 – A constituição do Fórum Nacional DCA. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 26

27 As conquistas na Constituição Federal A campanha Criança e Constituinte (articulada pelo MEC, foco no 0-6 anos) A Campanha Criança Prioridade Nacional (organizações recém criadas, apoio Unicef) Inclusão dos artigos 227 e de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 27

28 A constituição do Grupo de Redação do ECA Articulação de três iniciativas: Fórum Nacional DCA – proposta para regulamentar a nova Constituição a partir da estrutura dos artigos 227 e 228. Coordenação das Curadoria do Menor do Estado de São Paulo. Revisão do Código de Menores. Assessoria Jurídica da Funabem. Anteprojeto de Normas Gerais. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 28

29 SINERGIA HISTORICA: O ECA E A CONVENÇÃO INTERNACIONAL ECA incorpora um século de conquistas em favor dos direitos da criança e do adolescente. Devido a uma sinergia histórica – a reforma legal Brasileira pós- ditadura ocorreu no mesmo momento histórico em que as Nações Unidas discutia e aprovava a Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança e do Adolescente – o ECA possibilitou que Brasil, mesmo chegando com 3 décadas de atraso no debate internacional sobre os direitos da criança, incorporasse na sua legislação nacional, um século de conquistas sociais em favor dos direitos da criança e do adolescente. Tamanha foi a compatibilidade entre o ECA e a Convenção Internacional que a ratificação da Convenção pelo Brasil não implicou em praticamente nenhuma mudança significativa na legislação nacional. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 29

30 Simbologia do ECA Expressão jurídica do Projeto Cidadão de transformação politico cultural Criança e Cidadão Adolescente. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 30

31 Simbologia do ECA Um dos primeiros rebentos do período de redemocratização do Brasil: O ECA foi um dos primeiros diplomas a regulamentar artigos da Constituição Cidadã de de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 31

32 Simbologia do ECA Um marco civilizatório na forma de conceber e tratar a criança e o adolescente. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 32

33 Direitos da Criança e do Adolescente são Direitos Humanos A vinculação do ECA à Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança o insere no campo dos diplomas legais que consubstanciam os direitos da criança e do adolescente no conjunto dos direitos humanos. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 33

34 A Força Instituinte do ECA A força instituinte do ECA inspirou a reforma de pelo menos 15 diplomas legais latino-americanos. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 34

35 Mudança de Concepção Infância Um dos aspectos mais revolucionários do ponto de vista cultural do ECA foi a instituição jurídico legal da perspectiva criança e adolescentes sujeitos de direitos. - Criança sujeito do processo pedagógico. - Criança sujeito da história. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 35

36 Mecanismos de exigibilidade dos direitos das crianças e adolescentes Tirar a lei do papel e torná-la uma realidade. Mais que norma legal uma norma cultural 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 36

37 Mecanismos de Exigibilidade dos Direitos da Criança e do Adolescente O ECA resignificou o papel dos órgãos já existentes, como a Justiça Juvenil, o Ministério e a Defensoria Pública estabelecendo suas especificidades na defesa dos direitos da criança e do adolescente. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 37

38 Mecanismos de Exigibilidade de Direitos Ele agregou à estrutura de estado dois novos órgãos: o conselho de direitos e o conselho tutelar. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 38

39 Sistema de Garantia de Direitos - SGC Esses órgãos compõem um complexo sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente, que hoje já conta com: Conselhos de Direitos - cobertura 91,4% Conselhos Tutelares - cobertura 98,3% municípios possuem ambos conselhos. Movimento de crescimento: Em 1999, 55,0% dos municípios possuíam Conselhos Tutelares e 71,9%, Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente. Ao final de dez anos, a cobertura de ambos ultrapassa 90,0%, mas a quantidade de municípios que possuem Conselhos Tutelares ultrapassou a dos que possuem Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente: 98,3% e 91,4%, respectivamente. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 39

40 Sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente Centenas de defensorias públicas com núcleos especializados por segmento social ou tema. maior número de núcleos especializados encontram-se nas áreas de criança e adolescente, 796 (34,7%) ; em seguida vêm os da Mulher, 469; idoso, 420 do Meio Ambiente, 334; conflito agrário, 120; conflito indígena, 74. As defensorias públicas especializadas estão presentes predominantemente no Nordeste e Sudeste, que concentram 72% desses núcleos especializados existentes no país. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 40

41 SGD Centenas de Centros operacionais das promotorias de Justiça da Infância e da Juventude. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 41

42 SGD Dezenas de varas especializadas na infância e juventude; A PNAD de 2009 computou a existência de juizados especiais especializado no atendimento da criança e do adolescente em 821 dos municípios existentes. O que significa que estão presentes em somente em 14,7% dos municípios brasileiros. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 42

43 SGD Varas Especializadas o estudo da ABMP, demonstrou que passados duas décadas de vigência do ECA, em 2008, apenas 3,4% das comarcas possuíam Varas especializadas na infância e adolescência ( com competência exclusiva): Um total de 92 varas, para aproximadamente comarcas 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 43

44 LEGIÃO DE OPERADORES DO SGD Estima-se que nesses órgãos trabalham cotidianamente cerca de 100 mil pessoas cuja função precípua é assegurar que os direitos da criança e do adolescente sejam cumpridos. A este contingente somam-se outras centenas de milhares de técnicos trabalhando em nos órgãos de assistência, organizações não governamentais prestadores de serviço e de defesa de direitos da criança e do adolescente e dezenas de milhares de ativistas dos direitos da criança e do adolescente. Especialistas das Nações Unidas estimam que o Brasil possua o maior sistema de proteção de crianças baseado nos direitos da criança do mundo. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 44

45 Os desafios do SGDCA Parte considerável dos conselhos de direitos e tutelares ainda não consegue funcionar efetivamente por falta de estrutura e capacidade técnica e também cultura de participação da sociedade. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 45

46 Desafios do SGD As varas especializadas para a Infância e Juventude, só existem em apenas 3% das comarcas (92 unidades). A ampliação dessas estruturas para um maior número de municípios é fundamental para que se imponha na justiça a prioridade à população infanto-juvenil. P 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 46

47 Desafios do SGD Os Centros Operacionais da Infância e Juventude não são em número suficientes e nem são dotados da infraestrutura necessária 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 47

48 Os Desafios do SGD Poucas capitais brasileiras possuem Defensorias Públicas especializadas em infância e juventude, o que prejudica o exercício das garantias processuais dos adolescentes em conflito com a lei. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 48

49 Impacto do SGD e Mobilização Social? Ainda conhecemos pouco do impacto que esta legião de defensores dos direitos da criança e do adolescente e essa quantidade de órgãos vem produzindo na cidadania e crianças e adolescentes no país. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 49

50 Avanços das políticas setoriais Sem a quebra dos paradigmas tradicionais de gestão de políticas 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 50

51 Marco legal para formulacao de politicos sociais Art. 86. A política de atendimento dos direitos da criança e do adolescente far-se-á através de um conjunto articulado de ações governamentais e não-governamentais, da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 51

52 Linhas da política de atendimento aos direitos criança e adolescente Art. 87. São linhas de ação da política de atendimento: I - políticas sociais básicas; II - políticas e programas de assistência social, em caráter supletivo, para aqueles que deles necessitem; 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 52

53 Linhas da Politica de Direitos III - serviços especiais de prevenção e atendimento médico e psicossocial às vítimas de negligência, maus-tratos, exploração, abuso, crueldade e opressão; IV - serviço de identificação e localização de pais, responsável, crianças e adolescentes desaparecidos; 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 53

54 Linhas da Polítca V - proteção jurídico-social por entidades de defesa dos direitos da criança e do adolescente. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 54

55 Linhas da política de atendimento aos direitos criança e adolescente VI - políticas e programas destinados a prevenir ou abreviar o período de afastamento do convívio familiar e a garantir o efetivo exercício do direito à convivência familiar de crianças e adolescentes; (Incluído pela Lei nº , de 2009) Vigência(Incluído pela Lei nº , de 2009)Vigência VII - campanhas de estímulo ao acolhimento sob forma de guarda de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar e à adoção, especificamente inter- racial, de crianças maiores ou de adolescentes, com necessidades específicas de saúde ou com deficiências e de grupos de irmãos. (Incluído pela Lei nº , de 2009) Vigência(Incluído pela Lei nº , de 2009)Vigência 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 55

56 Diretrizes da política de atendimento Art. 88. São diretrizes da política de atendimento: I - municipalização do atendimento; II - criação de conselhos municipais, estaduais e nacional dos direitos da criança e do adolescente, órgãos deliberativos e controladores das ações em todos os níveis, assegurada a participação popular paritária por meio de organizações representativas, segundo leis federal, estaduais e municipais; III - criação e manutenção de programas específicos, observada a descentralização político- administrativa; IV - manutenção de fundos nacional, estaduais e municipais vinculados aos respectivos conselhos dos direitos da criança e do adolescente; VI- integração operacional de órgãos do Judiciário, Ministério Público, Defensoria, Conselho Tutelar e encarregados da execução das políticas sociais básicas e de assistência social, para efeito de agilização do atendimento de crianças e de adolescentes inseridos em programas de acolhimento familiar ou institucional, com vista na sua rápida reintegração à família de origem ou, se tal solução se mostrar comprovadamente inviável, sua colocação em família substituta, em quaisquer das modalidades previstas no art. 28 desta Lei; (Redação dada pela Lei nº , de 2009) Vigência(Redação dada pela Lei nº , de 2009)Vigência VI - mobilização da opinião pública para a indispensável participação dos diversos segmentos da sociedade. (Incluído pela Lei nº , de 2009) Vigência(Incluído pela Lei nº , de 2009)Vigência 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 56

57 Políticas para infância Mortalidade infantil As crianças pobres de hoje têm mais chances de sobreviver. As taxas de mortalidade infantil declinaram nos últimos anos com queda de 46,9/1000 nascidos vivos em 1990 para 24,9/1000 nascidos vivos em Essa queda está associada a uma série de melhorias nas condições de vida e na atenção à saúde da criança em relação a questões como segurança alimentar, nutricional, saneamento básico, vacinação e modelo de atenção à saúde. Embora predominem disparidades indignantes. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 57

58 Políticas para infância Educação As crianças da geração ECA tem um maior acesso a escola, sendo que no ensino fundamental são quase 98% de acesso. Embora a universalização da educação infantil, a permanência das crianças na escola e a qualidade o ensino ainda seja um desafio para duas próximas décadas. Pesquisa Bons Conselhos: Conhecendo a Realidade (Conanda, SEDH, CEATs-FIA-USP). Estima que a universalização da educação infantil faria a demandas sobre os conselhos tutelares do pais cairem em cerca de 30%. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 58

59 Políticas para Infância Bolsa Família As crianças pobres da geração ECA vivem em lares que convivem com patamares de renda um pouco melhores, já que os programas de transferência de renda para famílias pobres foram alvos de um substancial incremento no governo Lula. Atualmente, das crianças em situação de pobreza, 4,7 milhões até seis anos são beneficiadas pelo PBF, o que corresponde a 10,2% do total dos beneficiários do programa, e a mais da metade das crianças pobres nesta faixa etária. No Nordeste esse percentual é de 48%, seguido pelo Sudeste, com 27%. Embora o Brasil ainda ocupe lugar em os piores índices de distribuição de renda do planeta e o Bolsa Família tenha se constituido mais uma politica setorial do que uma politica estrutural de redistribui ção de renda. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 59

60 Mais continuidades do que rupturas Escolha de um padrão de desenvolvimento para entrada no primeiro mundo e não de construção de alternativas mais humanitárias sustentáveis. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 60

61 Mais continuidades do que rupturas Pouca incidência dos conselhos de políticas setoriais ou incidência frágil e descontinua no processo de formulação dessas políticas entre as administrações. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 61

62 Mais continuidades do que desafio Os conselhos de direitos se comportaram mais perpetuadores da tradição menorista (pela ênfase na proteção especial) do que garantidores de uma política de proteção integral. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 62

63 Mais continuidade do que rupturas Políticas setoriais com pouco ou nenhum nível de articulação interna entre si mesmas. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 63

64 Mais continuidades do que rupturas Compreensão de política econômica desassociada de políticas para infância e juventude (ex. os problemas gerados pelos PAC). 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 64

65 Mais continuidades do que rupturas Ênfase na proteção especial como pouca incidência sobre as causas estruturais dos problemas. Conselhos setoriais e de direitos frágeis na garantia de continuidade das políticas e programas de promoção, proteção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 65

66 Avanços na Proteção Especial Desarticulada da Proteção Integral e sem cobertura de problemas cruciais 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 66

67 Planos temáticos (e não estratégicos) para Crianças em situação de vulnerabilidade Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, aprovado em 2000; Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil, aprovado em 2004; Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo – SINASE; Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária, aprovado em de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 67

68 Políticas Municipais para infância e adolescência Os dados da MUNIC 2009 mostram que municípios, 88,2% do total de municípios brasileiros, possuem políticas ou ações para crianças e adolescentes. Em termos absolutos, destacam-se: combate ao trabalho infantil, adotadas em municípios; políticas de lazer, municípios; atendimento à criança e ao adolescente com deficiência, municípios; e combate à exploração sexual, municípios. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 68

69 Desafios do Plano Enfrentamento Violência Sexual Sua melhor resposta até o ano 2006 foi em relação ao abuso sexual. Em 2007 e 2008 sua ênfase priorizou a exploração sexual de crianças e adolescentes. Em processo de revisão. Desafio: política de prevenção ao abuso sexual intrafamiliar e de atendimento à autores de violência sexual. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 69

70 Desafios Plano Erradicação do Trabalho Infantil O trabalho infantil sofreu uma queda de quase 60% nos últimos 20 anos. Além de equalizar as conquistas, temos ainda o desafio de retirar essas 4,8 milhões de crianças que estão hoje trabalhando. O trabalho na agricultura. Em 2007, entre as crianças de 5 a 13 anos que trabalhavam, mais da metade estava empregada na agricultura (60,7%). O trabalho doméstico e o no narcotráfico representa maiores desafios. Desafio este que a revisão do Plano de Erradicação do Trabalho Infantil em curso, certamente tomará para si. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 70

71 Desafio do Plano de Convivência Familiar e Comunitária A Implementação desse Plano tem uma longa desafio pela frente que é desabrigar as mais de 40 mil crianças e adolescentes abrigadas por motivo pobreza contrariamente ao estabelecido pelo ECA. Políticas de prevenção à violência física e enfrentamento do desaparecimento de crianças e adolescentes 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 71

72 Necessidade de plano para enfrentamento da violência física contra crianças e adolescentes No conjunto de desafios de implementação ECA, o que se faz mais urgente é levar a política de direitos humanos de crianças e adolescentes para dentro dos lares brasileiros. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 72

73 Enfrentamento da Violência Doméstica os irmãos que foram mortos e esquartejados no próprio ambiente familiar em Ribeirão Pires (SP) Caso Isabela Nardoni. O caso da procuradora do Rio de Janeiro. A gravidade e dramaticidades dos fatos testemunhados este ano de 2008, demandam a expansão de campanhas educacionais como a Não Bata. Eduque e muito mais: necessitamos urgentemente o estabelecimento de políticas de prevenção da violência doméstica contra crianças e adolescentes. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 73

74 Crianças desaparecidas A constituição da REDESAP e do Cadastro Nacional foram avanços significativos. Desafios: Construção do fluxo entre Conselhos Tutelares e Delegacais de Polícia – Implementação do Cadastro 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 74

75 Desafios do SINASE: Adolescentes em conflito com a lei Quanto à execução de medidas socioeducativas em meio aberto (prestação de serviços à comunidade e liberdade assistida), o Estatuto da Criança e do Adolescente possui como diretriz da política de atendimento a municipalização. A municipalização ocorreu em 47,0% dos municípios. Contudo, o Poder Judiciário permanece como executor das medidas de meio aberto em cerca de 39,0% deles. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 75

76 Enfrentamento da Mortalidade Violenta de Crianças, Adolescentes e Jovens Pouca atuação dos governos para prevenir o massacre de adolescentes e jovens adultos. Desenvolvimento de índices, desacompanhado de políticas concretas de enfrentamento. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 76

77 Participação de Crianças e Adolescentes na Formulação de Políticas É injustificável que as crianças e adolescentes estejam alheios ao processo de formulação de políticas para elas mesmas. A 8ª Conferência estabeleceu diretrizes ousadas para incrementar essa participação. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 77

78 Responsabilidade Social das Empresas Embora os números indiquem um crescimento da chamada responsabilidade social das empresas. Estudos indicam que elas investem pequenas montas dos seus orçamentos e lucros. Precisamos comprometê-las mais com a disseminação de uma cultura de direitos humanos de crianças e adolescentes e de suas famílias e maiores investimentos. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 78

79 Divisao de Trabalho e Coordenacao da Politica para Infancia Realização de pacto político e o fluxo operacional entre órgãos do governo e órgãos colegiados (conselhos) Estruturação dos mecanismos de coordenação da Política Nacional -Orgao da SDH/ Presidencia Republica -Secretaria Especifica (ex. Pol. Mulheres) -Agencia (proposta Cristovam Buarque) 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 79

80 Política e Plano Decenal Enfim o Brasil caminha para a superação dos planos temáticos e elaboração de uma política para infância e adolescência de longo prazo. Política Nacional e Plano Decenal de Promoção, Proteção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 80

81 Diretrizes da Política Nacional e Plano Decenal EIXO 1 – PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da proteção aos direitos humanos de crianças e adolescentes no âmbito da família, da sociedade e do estado. Diretriz 02 - Universalização do acesso a políticas públicas de qualidade que garantam os direitos humanos de crianças, adolescentes e suas famílias e contemplem a superação das desigualdades, com promoção da equidade e afirmação da diversidade. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 81

82 Diretrizes da Política Nacional e Plano Decenal EIXO 2 - PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS Diretriz 03 – Universalização e fortalecimento dos conselhos tutelares, objetivando a sua atuação qualificada. Diretriz 04 - Proteção especial a crianças e adolescentes com seus direitos ameaçados ou violados. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 82

83 Diretrizes da Política Nacional e Plano Decenal EIXO III – PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 05 – Fomento de estratégias e mecanismos que facilitem a expressão livre de crianças e adolescentes sobre os assuntos a eles relacionados e sua participação organizada, considerando sua condição peculiar de pessoas em desenvolvimento. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 83

84 Diretrizes da Política Nacional e Plano Decenal EIXO 4 – CONTROLE SOCIAL DA EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS Diretriz 06 - Fortalecimento da participação social nos processos de formulação, monitoramento e controle das políticas públicas de direitos humanos de crianças e adolescentes. Diretriz 07 - Universalização e fortalecimento dos conselhos de direitos da criança e do adolescente para assegurar seu caráter paritário, deliberativo e controlador, garantindo a natureza vinculante de suas decisões. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 84

85 Diretrizes da Política Nacional e Plano Decenal EIXO 5 – GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 08 - Fomento e aprimoramento de estratégias de gestão da Política Nacional dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes fundamentadas nos princípios da descentralização, intersetorialidade, participação, continuidade e co- responsabilidade dos três níveis de governo. Diretriz 09 – Efetivação da prioridade absoluta no ciclo e na execução orçamentária das três esferas de governo para a Política Nacional dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes, garantindo que não haja cortes orçamentários. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 85

86 Diretrizes da Política Nacional e Plano Decenal EIXO 5 – GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 10 – Qualificação de profissionais para atuarem na rede de promoção, proteção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes com especial atenção para a formação continuada de conselheiras e conselheiros dos direitos e tutelares Diretriz 11 – Desenvolvimento de um sistema nacional articulado de informação e implementação de metodologias de monitoramento e avaliação do PLANO Nacional de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes, inclusive do orçamento. Diretriz 12 – Produção de conhecimentos sobre a infância e a adolescência, aplicada ao processo de formulação de políticas públicas. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 86

87 Propostas em discussão Aperfeiçoamento do marco legal dos conselhos tutelares – Nome do Conselho Conselho de Proteção – Papel dos conselhos tutelares – Função de Conselhos Tutelares – Processo Eleitoral – Reforço da Autonomia – Mecanismos para obrigar o executivo investir na estrutura – Controle externo dos conselhos tutelares 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 87

88 Diretriz de Fortecimento dos Conselhos Tutelares Objetivo Estratégico 14 – Promover a implantação e o funcionamento de conselhos tutelares em todos os municípios, de acordo com os parâmetros estabelecidos pelo CONANDA. Meta - x % dos CTs alimentando o Sipia Web até 2012 Ou até metas anuais, partindo do pressuposto de que este é um sistema essencial e o dado estaria refletindo o funcionamento 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 88

89 Propostas para a Década Unificação do dia nacional de eleições Consolidar politica de formação continuada junto às escolas de conselhos Incrementar a participação na assessoria de elaboração dos orçamentos municipais Atuar na implementação da chamada retaguarda por meio da ação conjunta com os cmdcas e ação civil publica. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 89

90 Produção de Sentidos e Reencantamento Depois do desencantamento com as nossas velhas utopias, o melhor remédio, o caminho alternativo ao ceticismo e ao imobilismo, é operar na produção de novos sentidos. Nos da área da infância, estamos operando na produção da mais nova utopia contemporânea: a ruptura com uma sociedade adulto- centrada, por intermédio de uma luta intransigente na construção de relação de poder mais igualitárias entre adultos e crianças, particularmente dentro de nossas casas e nossas escolas. Celebrar, com intensidade, os 18 anos do ECA, servirá de alimento ritualístico a essa possibilidade de reencantamento emulada dessa nossa nova utopia. A forma de celebrar esse momento histórico em que as crianças e adolescentes começam a tomar a defesa dos seus direitos em suas mãos é necessariamente com os mais novos sujeitos de direitos da história da humanidade. 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 90

91 Agradecimentos Muito Obrigado ! 07 de marco de 2013 Benedito dos Santos Encontro MOVER PA 91


Carregar ppt "O Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente na América Latina Benedito Rodrigues dos Santos 07 de marco de 20131 Benedito dos Santos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google