A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aula X – Técnicas de análise de dados – métodos quantitativos Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aula X – Técnicas de análise de dados – métodos quantitativos Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I."— Transcrição da apresentação:

1 Aula X – Técnicas de análise de dados – métodos quantitativos Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I

2 Parte IV – Comparando amostras paulorosa@dfi.ufms.br2Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS

3 Comparando amostras O objetivo é descobrir com qual probabilidade duas amostras são equivalentes, ou seja, foram retiradas da mesma população. Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS -50-40-30-20-1001020304050 0.00 0.02 0.04 0.06 0.08 0.10 Y(X) X Amostra 1 Amostra 2 paulorosa@dfi.ufms.br3

4 Erro amostral É o erro que cometemos no cálculo da média e do desvio padrão ao tomarmos uma amostra e não a população como um todo. Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS paulorosa@dfi.ufms.br4 Duas amostras sempre terão médias e desvios padrão diferentes, mesmo que tenham sido retiradas de uma mesma população.

5 Tipos de Hipóteses Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS paulorosa@dfi.ufms.br5 Ao aplicarmos um teste a duas amostras, obteremos médias e desvios padrão diferentes. Neste caso, podemos fazer dois tipos de hipóteses: H 0 : dizermos que as duas amostras são provenientes da mesma população e que as diferenças encontradas são devidas ao erro amostral. H 1 : dizermos que as duas amostras provêm de populações diferentes e que as diferenças encontradas são reais.

6 Tipos de erros Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS paulorosa@dfi.ufms.br6 Tipos de erros Tipo I: rejeitarmos H 0 Dizermos que as amostras são diferentes, ou seja, têm origem em populações diferentes, quando elas vêm, de fato, da mesma população. Tipo II: aceitarmos H 0 Dizermos que as amostras são iguais, ou seja, têm origem na mesma população, quando elas vêm, de fato, de populações diferentes.

7 Objetivo da Análise Estatística Determinar qual a probabilidade que temos de cometer um dos dois tipos de erros. Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS paulorosa@dfi.ufms.br7 Testes Estatísticos

8 Comparando amostras paulorosa@dfi.ufms.br8Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS O que não devemos fazer Comparar amostras com base na média apenas Razão: mesmo vindo da mesma população elas serão diferentes pelo erro amostral

9 Comparando amostras (cont.) paulorosa@dfi.ufms.br9Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS O que podemos usar? Intervalos de confiança Testes Estatísticos

10 Nível de confiança paulorosa@dfi.ufms.br10Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Nível de confiança de um experimento é a margem de risco aceita pelo pesquisador de cometer um erro. Erro de Tipo II: Erro de Tipo II: O pesquisador decide que os grupos são iguais quando, de fato, eles são diferentes. Erro de Tipo II: Erro de Tipo II: O pesquisador decide que os grupos são iguais quando, de fato, eles são diferentes. Erro de Tipo I: O pesquisador decide que os grupos são diferentes, quando, de fato, são iguais. Erro de Tipo I: O pesquisador decide que os grupos são diferentes, quando, de fato, são iguais. O pesquisador rejeita H 0 quando deveria aceitar. O pesquisador aceita H 0 quando deveria rejeitar.

11 Nível de confiança paulorosa@dfi.ufms.br11Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS O nível de confiança aceito pelo pesquisador deve ser definido antes de começar o experimento. Usualmente o nível de confiança mínimo aceito é de 5 % (p 0,05). O pesquisador aceita uma probabilidade máxima de 5% de rejeitar H 0 e estar errado ao fazer isto.

12 Comparando Amostras - Intervalos de Confiança paulorosa@dfi.ufms.br12Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS É a forma mais simples de comparar duas amostras. Calculamos o intervalo de confiança para as amostras no nível de significância estatística escolhido. Verificamos se há intersecção entre os dois intervalos no nível de significância esperado. Grande intersecção significa que, provavelmente, as amostras são da mesma população.

13 Testes estatísticos Objetivam determinar a probabilidade de cometermos um certo tipo de erro. Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS paulorosa@dfi.ufms.br13

14 Testes de comparação de amostras paulorosa@dfi.ufms.br14Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Tipos de testes Paramétricos Sabemos qual a distribuição que a população segue. Não Paramétricos Não sabemos qual a distribuição que a população segue.

15 Teste de comparação de amostras paulorosa@dfi.ufms.br15Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Hipóteses sobre o sentido da diferença entre as amostras Existe diferença, mas não nos preocupamos com o sentido da diferença. Distribuição bicaudal. Distribuição unicaudal. Existe diferença, e o sentido da diferença é tomado para mais ou para menos.

16 Testes para comparação de amostras. Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS paulorosa@dfi.ufms.br16 Teste t de Student Distribuição dos escores na população segue a curva norma (teste de tipo paramétrico); Serve para a comparação entre duas amostras. Serve para a comparação entre amostras não pareadas (diferentes).

17 Número de indivíduos na amostra 1. Número de indivíduos na amostra 2. Desvio padrão da amostra 1. Desvio padrão da amostra 2. Equação para o Teste t de Student paulorosa@dfi.ufms.br17Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Média da amostra 2. Média da amostra 1.

18 Graus de liberdade (gl) paulorosa@dfi.ufms.br18Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Número de elementos na amostra 1. Número de elementos na amostra 2.

19 Valores tabelados da distribuição t de Student paulorosa@dfi.ufms.br19Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS gl Teste Unilateral 15%10%5%2,5%2%1%0,5%0,1%0,05% Teste Bilateral 30%20%10%5%4%2%1%0,2%0,1% 11,96263,07776,313712,706215,894531,821063,6559318,2888636,5776 21,38621,88562,92004,30274,84876,96459,925022,328531,5998 31,24981,63772,35343,18243,48194,54075,840810,214312,9244 41,18961,53322,13182,77652,99853,74694,60417,17298,6101 51,15581,47592,01502,57062,75653,36494,03215,89356,8685 61,13421,43981,94322,44692,61223,14273,70745,20755,9587 71,11921,41491,89462,36462,51682,99793,49954,78535,4081 81,10811,39681,85952,30602,44902,89653,35544,50085,0414 91,09971,38301,83312,26222,39842,82143,24984,29694,7809 101,09311,37221,81252,22812,35932,76383,16934,14374,5868 111,08771,36341,79592,20102,32812,71813,10584,02484,4369 121,08321,35621,78232,17882,30272,68103,05453,92964,3178 131,07951,35021,77092,16042,28162,65033,01233,85204,2209 141,07631,34501,76132,14482,26382,62452,97683,78744,1403 151,07351,34061,75312,13152,24852,60252,94673,73294,0728 161,07111,33681,74592,11992,23542,58352,92083,68614,0149 171,06901,33341,73962,10982,22382,56692,89823,64583,9651 181,06721,33041,73412,10092,21372,55242,87843,61053,9217 191,06551,32771,72912,09302,20472,53952,86093,57933,8833 201,06401,32531,72472,08602,19672,52802,84533,55183,8496 211,06271,32321,72072,07962,18942,51762,83143,52713,8193 221,06141,32121,71712,07392,18292,50832,81883,50503,7922 231,06031,31951,71392,06872,17702,49992,80733,48503,7676 241,05931,31781,71092,06392,17152,49222,79703,46683,7454 251,05841,31631,70812,05952,16662,48512,78743,45023,7251 261,05751,31501,70562,05552,16202,47862,77873,43503,7067 271,05671,31371,70332,05182,15782,47272,77073,42103,6895 281,05601,31251,70112,04842,15392,46712,76333,40823,6739 291,05531,31141,69912,04522,15032,46202,75643,39633,6595 301,05471,31041,69732,04232,14702,45732,75003,38523,6460 351,05201,30621,68962,03012,13322,43772,72383,34003,5911 401,05001,30311,68392,02112,12292,42332,70453,30693,5510 501,04731,29871,67592,00862,10872,40332,67783,26143,4960 601,04551,29581,67062,00032,09942,39012,66033,23173,4602 1201,04091,28861,65761,97992,07632,35782,61743,15953,3734 + 1,03641,28161,64491,96002,05372,32642,57583,09023,2905

20 Testes para comparação de amostras. Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS paulorosa@dfi.ufms.br20 Teste F de Fischer Usado quando podemos fazer a hipótese de que a distribuição dos escores na população segue a curva norma (teste de tipo paramétrico); Serve para a comparação entre duas ou mais amostras; Serve para a comparação entre amostras não pareadas.

21 Equação para o Teste F de Fischer paulorosa@dfi.ufms.br21Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Variância entre os grupos Variância dentro dos grupos

22 Teste F de Fischer – Cálculo da Variância entre os grupos Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS k: número de grupos; N : número total de sujeitos em todos os grupos paulorosa@dfi.ufms.br22

23 Teste F de Fischer – Cálculo da Variância dentro dos grupos Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS paulorosa@dfi.ufms.br23

24 Testes de comparação de amostras paulorosa@dfi.ufms.br24Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS Algoritmo Calcular o valor de t ou de F. Calcular o número de graus de liberdade. Escolher o tipo de distribuição (unicaudal ou bicaudal). Buscar o valor tabelado. Definir o nível de significância estatística. Valor calculado é maior que o tabelado? Aceitar H 0 : as amostras são da mesma população. Não Sim Rejeitar H 0 : as amostras não são da mesma população.

25 25Curso de Metodologia da Pesquisa – Aula 10 Prof. Paulo Rosa Curso de Mestrado em Ensino de Ciências - UFMS paulorosa@dfi.ufms.br


Carregar ppt "Aula X – Técnicas de análise de dados – métodos quantitativos Metodologia da Pesquisa em Ensino de Ciências I."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google