A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

No dia 30 de abril do ano 2.000, o Santo Padre Bv. João Paulo II, na canonização de Santa Faustina, proclamou o segundo domingo da páscoa, como o domingo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "No dia 30 de abril do ano 2.000, o Santo Padre Bv. João Paulo II, na canonização de Santa Faustina, proclamou o segundo domingo da páscoa, como o domingo."— Transcrição da apresentação:

1

2

3 No dia 30 de abril do ano 2.000, o Santo Padre Bv. João Paulo II, na canonização de Santa Faustina, proclamou o segundo domingo da páscoa, como o domingo da Divina Misericórdia: "É importante, então, que acolhamos inteiramente a mensagem que nos vem da palavra de Deus neste segundo Domingo de Páscoa, que de agora em diante na Igreja inteira tomará o nome de "Domingo da Divina Misericórdia". O Santo Padre pronunciou essas palavras depois de algumas considerações sobre a misericórdia divina, devoção característica de Santa Faustina.

4 "Os dois raios, explicou- lhe certa vez o próprio Jesus, representam o Sangue e a Água. A água nos lembra o Batismo e o dom do Espírito Santo e o sangue a Eucaristia. E é o próprio Cristo que manda Santa Faustina proclamar para o mundo inteiro a misericórdia que jorra de seu coração.

5 Esta mensagem Jesus a confiou à Santa Faustina no tempo entre a primeira e a segunda guerra mundiais, tempo de grandes sofrimentos que antecipavam outros maiores ainda. Jesus disse à Irmã Faustina: A humanidade não encontrará paz, enquanto não se voltar com confiança para a misericórdia divina.

6 Desejo que conheças mais a fundo o meu amor, de que está inflamado o meu coração pelas almas, e compreenderás isso quando refletires sobre a minha Paixão. Quando de coração contrito e confiante rezares esta oração por algum pecador, eu lhe darei a graça da conversão: Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus como fonte de misericórdia para nós, eu confio em Vós.

7 A Minha misericórdia é maior que as suas misérias e as do mundo inteiro. Quem pode medir a extensão da minha bondade? Venha haurir graças dessa fonte com o recipiente da confiança. Nunca rejeito um coração humilhado. A tua miséria ficou submersa no abismo da Minha misericórdia.

8 Desejo unir-Me com as almas humanas; a minha delícia é unir-Me com elas. Fica sabendo, minha filha, que quando venho pela Santa Comunhão ao coração dos homens, tenho as mãos cheias de todas as espécies de graças e desejo entregá- las às almas, mas elas nem Me dão atenção; Deixam-Me sozinho, e se ocupam com outras coisas. Oh! Quão fico triste por não reconhecerem o Amor! Procedem comigo como alguma coisa morta.

9 As almas se perdem, apesar da minha amarga Paixão. Estou lhes dando a última tábua da salvação, isto é, a Festa da Minha Misericórdia... Fale da Minha Misericórdia, escreve, fala às almas dessa minha grande Misericórdia, põe mãos à obra. Eu estou contigo. Muitas almas se salvarão e se santificarão por esta obra.

10 Eu te indico três maneiras de praticar a misericórdia para com o próximo: a primeira é a ação, a segunda a palavra e a terceira a oração. Nesses três graus repousa a plenitude da misericórdia, pois constituem uma prova irrefutável do amor por Mim. É deste modo que alma glorifica e honra a Minha misericórdia.

11 Minha filha, fala a todo o mundo da minha inconcebível Misericórdia. Desejo que a Festa da Misericórdia seja refúgio e abrigo para todas as almas, especialmente para os pecadores. Nesse dia, estão abertas as entranhas da Minha misericórdia. Derramo todo um mar de graças sobre as almas que se aproximam da Minha misericórdia. A alma que se confessar e comungar alcançará o perdão das culpas e das penas. Que nenhuma alma tenha medo de se aproximar de Mim, ainda que seus pecados sejam como o escarlate.

12 Ó Misericordiosíssimo Jesus, infinita é a Vossa Bondade e inesgotáveis os tesouros da Vossa graça. Eu confio inteiramente na Vossa Misericórdia que está acima de todas as Vossas obras. Consagro-me a viver inteiramente no brilho explendoroso de graça e amor que brotaram do Vosso Sagrado Coração na Cruz. Desejo imitar a Vossa Misericórdia praticando as obras de misericórdia espirituais e corporais, particularmente pela conversão dos pecadores, e dando auxílio, coragem e consolação a todos os que são pobres, infelizes ou doentes. Eu me entrego e abandono totalmente à Vossa Misericórdia, para que cuideis de mim como Vossa pertença e Vossa Glória. Tudo receio da minha fraqueza, mas tudo espero da Vossa Misericórdia. Fazei que toda a humanidade conheça o abismo insondável da Vossa Misericórdia e que ponha toda a sua confiança em Vós e Vos adore para sempre. Amém. Jesus, eu confio em Vós!"

13 Texto – Diário de Santa Faustina Imagem – Google Música – Et Resurrexit_Allegro – Pe. João De Deus Castro Lobo Formatação – Altair e Graziela


Carregar ppt "No dia 30 de abril do ano 2.000, o Santo Padre Bv. João Paulo II, na canonização de Santa Faustina, proclamou o segundo domingo da páscoa, como o domingo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google