A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Calendários Nacionais de Vacinação. Calendário Nacional de Vacinação Calendário Nacional de Vacinação dos Povos Indígenas Calendário de Campanhas Nacionais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Calendários Nacionais de Vacinação. Calendário Nacional de Vacinação Calendário Nacional de Vacinação dos Povos Indígenas Calendário de Campanhas Nacionais."— Transcrição da apresentação:

1 Calendários Nacionais de Vacinação

2 Calendário Nacional de Vacinação Calendário Nacional de Vacinação dos Povos Indígenas Calendário de Campanhas Nacionais de Vacinação PORTARIA Nº 1.498, DE 19 DE JULHO DE 2013

3 Grupo Alvo IdadeBCGHepatite BPenta ( DTP+Hib+ Hep B) DTPVIP e VOPPneumo 10 RotavirusMeningo CFebre Amarela Tríplice Viral Dupla Adulto CriançaAo nascerDose Única Dose ao nascer 2 meses 1ª dose 3 meses 1ª dose 4 meses 2ª dose 5 meses 2ª dose 6 meses 3ª dose 8 meses 9 meses Dose inicial (1) 12 mesesReforço 1ª dose 15 meses 1º reforço Reforço com VOP Reforço 2ª dose 4 anos 2º reforço Adolescente Dose a cada 10 anos 2 doses (2) Reforço a cada 10 anos Adulto Dose a cada 10 anos 1 doses (2) Reforço a cada 10 anos Idoso Reforço a cada 10 anos Gestante3 doses (2) (1) Para residente e viajantes para Áreas com de Recomendação de Vacinação (ACRV). (2) Se não tiver recebido esquema completo, completar esquema Calendário Nacional de Vacinação

4 Calendário Nacional de Vacinação dos Povos Indígenas Grupo Alvo IdadeBCGHepatite B Penta (DTP+Hib +Hep B DTPVIP e VOP Pneumo 10 RotaMeningo C Febre Amarela Tríplice Viral VaricelaPnneum o 23 Dupla Adulto Criança Ao nascer Dose Única Ao nascer 2 meses 1ª dose1ª dose (VIP) 1ª dose 3 meses 1ª dose 4 meses 2ª dose2ª dose (VIP) 2ª dose 5meses2ª dose 6 meses 3ª dose3ª dose (VOP) 3ª dose 7 meses 8 meses 9 meses Dose Inicial 12 meses Reforço1ª doseDose Única 15 meses 1º Reforço Reforço (VOP) Reforço2ª dose 2 anosDose Inicial 4 anos2º Reforço Adolesc ente 10 a 19 anos 3 DosesDose a cada 10 anos 2 DosesReforço a cada 10 anos Adulto20 a 59 anos 3 Doses (até 49 anos) Dose a cada 10 anos 1 DoseReforço a cada 10 anos Idoso60 anos ou mais Reforço a cada 10 anos Gestante3 Doses

5 Campanhas Nacionais de Vacinação CAMPANHAGRUPO ALVO Influenzacrianças de seis meses a menores de dois anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas com 60 anos ou mais de idade, trabalhadores de saúde que exercem suas atividades em unidades que fazem atendimento para a influenza, população privada de liberdade, povos indígenas e indivíduos com comorbidade. PoliomieliteCrianças de 6 meses a menores de 5 anos Multivacinação - Todas as vacinas do Calendário de Vacinação da Criança para Atualização do Esquema Vacinal Crianças menores de 5 anos Seguimento Contra Sarampo a cada 5 anos ou de acordo com a situação epidemiológica Crianças menores de 5 anos

6

7 Objetivo A Campanha de Multivacinação é seletiva e tem como objetivo atualizar a situação vacinal dos menores de cinco anos de idade em relação às vacinas do calendário da criança. As vacinas estão destinadas àqueles que estão iniciando, continuando ou completando esquemas atrasados ou não.

8 Objetivos Específicos Aumentar as coberturas vacinais para atingir a meta adequada. Melhorar a homogeneidade das coberturas vacinais nos municípios. Manter a eliminação do sarampo e da poliomielite. Diminuir a taxa de abandono. Intensificar as ações de imunização para a administração do reforço das vacinas poliomielite (oral), DTP e 2ª dose tríplice viral. Contribuir na redução da incidência das doenças imunopreveníveis, conforme o calendário básico de vacinação das crianças menores de 5 anos de idade.

9 Vacinar de forma seletiva crianças menores de 5 anos (4 anos 11 meses e 29 dias). Período De 24 a 30 de agosto Dia ¨D¨ 24 de agosto Meta

10 Estratégias Estarão disponíveis para esta ação todas as vacinas do calendário nacional de vacinação da criança (11). Todas as crianças menores de 5 anos de idade deverão ser levadas a um posto de vacinação para que a caderneta de saúde da criança seja avaliada e o esquema vacinal atualizado, de acordo com a situação encontrada.

11 Implantações Pneumocócica 10 valente conjugada Março de 2010 Vacina adsorvida Meningocócica C (conjugada – CRM197) Junho de 2010 Vacina Pentavalente (Difteria, Tétano, Pertussis, Hepatite B (recombinante) e Haemophilus influenza b (conjugada) Julho de 2012 Vacina Inativada da Poliomielite (VIP) Julho de 2012

12 NOVOS ESQUEMAS Tríplice Viral 1ª dose – 12 meses 2ª dose - 15 meses (Tetra Viral) VORH 1ª dose – 2 meses (1 mês e 15 dias a 3 meses e 15 dias) 2 ª dose – 4 meses (3 meses e 15 dias a 7 meses e 29 dias)

13 Uso simultâneo com outras vacinas

14 Muitas vacinas podem ser administradas ao mesmo tempo de maneira segura e efetiva. Recém nascidos tem capacidade imunológica suficiente para múltiplas vacinas. Na aplicação simultânea de várias vacinas devem ser utilizadas seringas, agulhas e sítios de aplicação diferentes. Se mais de uma vacina (IM) for aplicada em um membro, devem ser administradas pelo menos 2,5 cm de distância entre elas. Vacinação Segura

15 Contra Indicações Gerais Doenças agudas febris moderadas ou graves - Recomenda-se adiar a vacinação,com o intuito de não se atribuir à vacina as manifestações da doença. Atenção: Pacientes portadores de alguma imunodeficiência ou em uso de terapia imunossupressora ou corticosteróides podem ter a resposta imunológica reduzida.

16 EAPV Consultar o Manual de Vigilância de Eventos Adversos Pós-Vacinação. Investigar e notificar eventos que porventura possam ocorrer. EAPV graves deverão ser comunicados dentro das primeiras 24 horas de sua ocorrência.

17 EAPV Atenção especial deve ser dada à notificação de eventos adversos graves, que deverão ser investigados: Anafilaxia; Internação por 24 horas ou mais; Disfunção ou incapacidade significativa e/ou persistente (sequela); Risco de morte (necessidade de intervenção imediata para evitar o óbito); Óbitos súbitos inesperados; Outros EAPV graves ou inusitados; Erros programáticos ou operacionais.

18 Recomendações Operacionais Designar profissionais para triagem, vacinação e registro. Avaliar criteriosamente a caderneta de saúde da criança.

19 Preservação da Cadeia de frio Todas as vacinas disponibilizadas na Campanha Nacional de Multivacinação devem ser conservadas entre +2 e +8ºC. O PNI recomenda a substituição das caixas térmicas de poliestireno expandido por caixas de poliuretano, devido sua resistência, durabilidade e facilidade de higienização. Recomenda-se que sejam utilizadas, no mínimo três caixas térmicas de poliuretano, uma para o estoque de vacinas, uma para bobinas e outra para as vacinas em uso durante a vacinação. O uso de gelo em barra ou escama não é recomendado.

20 Preparo da Caixa Térmica Ambientar as bobinas reutilizáveis, em quantidade suficiente; Dispor as bobinas no fundo e paredes internas; Posicionar o sensor do termômetro no centro da caixa térmica, monitorando a temperatura até atingir o mínimo de +1ºC; Organizar os imunobiológicos no interior da caixa de maneira segura para que não fiquem soltos; Posicionar o sensor do termômetro no centro da carga organizada, garantindo a medição de temperatura precisa dos imunobiológicos; Dispor as bobinas reutilizáveis cobrindo os imunobiológicos; Lacrar as caixas com fita adesiva e identificá-las externamente; Monitorar a temperatura durante o deslocamento.

21 Resíduos em Serviços de Saúde RDC Anvisa n º 306 de 7 setembro de Resolucão da Conama nº 358 de 29 de abril de A sobra das vacinas utilizadas nos postos volantes deverão ser desprezada após uma jornada de trabalho.

22


Carregar ppt "Calendários Nacionais de Vacinação. Calendário Nacional de Vacinação Calendário Nacional de Vacinação dos Povos Indígenas Calendário de Campanhas Nacionais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google