A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Viabilidade Econômico Financeira de Projetos www.profhubert.yolasite.com.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Viabilidade Econômico Financeira de Projetos www.profhubert.yolasite.com."— Transcrição da apresentação:

1

2 1 Viabilidade Econômico Financeira de Projetos

3 2 - SUMÁRIO - Payback - PBS e PBD Valor Presente Líquido - VPL Taxa Interna de Retorno - TIR Valor Futuro Líquido - VFL Valor Uniforme Líquido - VUL Fluxos de Caixa Futuros Custo de Capital Leasing Descontos Formação do Preço de Venda Gestão de Custos Bibliografia

4 3 Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar

5 4 Leasing O que é uma operação de Leasing? Leasing = Arrendamento Mercantil Operação em que o possuidor de um bem (arrendador) cede a terceiro (arrendatário, cliente) o uso deste bem, recebendo em troca uma contraprestação. Pessoas físicas e jurídicas podem contratar uma operação de leasing. Ao final do contrato de arrendamento, o arrendatário pode: - comprar o bem por valor previamente contratado; - renovar o contrato por um novo prazo, tendo como principal um valor residual; - devolver o bem ao arrendador.

6 5 Leasing Prazos Mínimos de um Contrato de Leasing Não é permitida a quitaçãodo contrato de leasing antes desses prazos. A opção de compra só pode ser feita no final do contrato. 2 ANOS 3 ANOS Bens com vida útil de até 5 anos Bens com vida útil superior a 5 anos

7 6 Leasing IOF nas Operações de Leasing O IOF não incide nas operações de Leasing. Há o ISS (Imposto Sobre Serviços) Responsabilidade pelas Despesas Adicionais Seguros, manutenção, registro de contrato, ISS Serão pagas ou pelo arrendatário ou pelo arrendador, dependendo do que foi pactuado no contrato. Site do Banco Central do Brasil

8 7 Leasing Cálculo das Prestações de Leasing A = Prestação de Leasing P = Valor do bem i = Taxa de financiamento i r = Taxa do valor residual n = Prazo da operação A = P - P. i r. ( 1 + i ) n. i (1 + i ) n (1 + i ) n - 1

9 8 Leasing Cálculo das Prestações de Leasing A Prestação de Leasing? P Valor do bem $ ,00 i Taxa de financiamento2% ao mês = 0,02 i r Taxa do valor residual5% = 0,05 n Prazo da operação36 meses Exemplo: Um automóvel no valor de $18.500,00 está sendo adquirido através de uma operação de leasing com uma taxa de 2% ao mês, durante o período de 36 meses. O valor residual definido no ato da contratação será de 5% sobre o valor do automóvel, para ser pago com a prestação n o 36. Calcular o valor da prestação com e sem o valor residual.

10 9 Leasing Cálculo com a HP-12C REG CHS PV ENTER 5%CHSFV 2 i 36 n PMT$ 708,02 (Prestação com valor residual) 0 FV PMT$ 725,81 (Prestação sem valor residual) f

11 10 Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar

12 11 DescontosVencimentoVencimento DEFINIÇÃO É o custo financeiro do dinheiro pago em função da antecipação de recurso, ou seja, DESCONTO É O ABATIMENTO FEITO no valor nominal de uma dívida, quando ela é negociada antes de seu vencimento. É o custo financeiro do dinheiro pago em função da antecipação de recurso, ou seja, DESCONTO É O ABATIMENTO FEITO no valor nominal de uma dívida, quando ela é negociada antes de seu vencimento. Prazo de Antecipação de Recursos Antes do Vencimento Valor Nominal DescontoDesconto Valor Atual (-)=

13 12 Descontos TIPOLOGIA DOS DESCONTOS RACIONAL SIMPLES COMERCIAL ou BANCÁRIO DESCONTO RACIONAL COMPOSTO COMERCIAL ou BANCÁRIO

14 13 Descontos SIGLAS USADAS EM DESCONTOS DRS = Desconto Racional Simples DBS = Desconto Bancário Simples DRC = Desconto Racional Composto DBC = Desconto Bancário Composto Vn = Valor nominal Vn = Valor nominal Siglas Va = Valor atual Siglas Va = Valor atual id = Taxa de desconto id = Taxa de desconto nd = Período do desconto nd = Período do desconto

15 14 Descontos DESCONTOS SIMPLES - DESCONTO RACIONAL SIMPLES OU POR DENTRO Não é muito usado no Brasil Não é muito usado no Brasil É mais interessante para quem solicita o desconto DRS = (Vn. id. nd) / (1 + id. nd) ou DRS = Va. id. nd DRS = (Vn. id. nd) / (1 + id. nd) ou DRS = Va. id. nd - DESCONTO BANCÁRIO OU COMERCIAL OU POR FORA Muito usado nas operações comerciais e bancárias É mais interessante para quem empresta o dinheiro (Banco) DBS = Vn. id. nd

16 15 Descontos COMPARAÇÃO DOS TIPOS DE DESCONTOS SIMPLES DESCONTO RACIONAL SIMPLES x DESCONTO BANCÁRIO SIMPLES (DRS) (DBS) = DRS (Va maior que DBS) O Valor Nominal é o montante do Valor Atual. A taxa de juros é aplicada sobre o Valor Atual. Va = Vn / (1 + id. nd) DRS = Va. id. nd DRS = Vn - Va DBS (Va menor que DRS) O Valor Nominal não é o montante do Valor Atual. A taxa de juros é aplicada sobre o Valor Nominal. Va = Vn. (1 - id. nd ) DBS = Vn. id. nd DBS = Vn - Va

17 16 Descontos DESCONTO RACIONAL SIMPLES OU POR DENTRO Um valor nominal de $25.000,00 é descontado 2 meses antes do seu vencimento, à taxa de juros simples de 2,5% ao mês. Qual é o desconto racional simples? Um valor nominal de $25.000,00 é descontado 2 meses antes do seu vencimento, à taxa de juros simples de 2,5% ao mês. Qual é o desconto racional simples? DADOS: Vn = $25.000,00 nd = 2 meses id = 2,5% ao mês DRS = ? DRS = (Vn. id. nd) / (1 + id. nd) DRS = ( ,025. 2) / (1 + 0,025. 2) DRS = $1.190,4761 O título será pago no valor de $23.809,5239 ($25000,00 - $1190,4761) O título será pago no valor de $23.809,5239 ($25000,00 - $1190,4761)

18 17 Descontos DESCONTO BANCÁRIO SIMPLES, COMERCIAL OU POR FORA DESCONTO BANCÁRIO SIMPLES, COMERCIAL OU POR FORA Um título de valor nominal de $25.000,00 é descontado 2 meses antes do seu vencimento, à taxa de juros simples de 2,5% ao mês. Qual é o desconto bancário simples? Um título de valor nominal de $25.000,00 é descontado 2 meses antes do seu vencimento, à taxa de juros simples de 2,5% ao mês. Qual é o desconto bancário simples? DADOS: Vn = $25.000,00 nd = 2 meses id = 2,5% ao mês DBS = ? DBS = Vn. id. nd DBS = , DBS = $1.250,00 O título será pago no valor de $23.750,00 ($25000,00 - $1250,00) O título será pago no valor de $23.750,00 ($25000,00 - $1250,00)

19 18 Descontos DESCONTOS COMPOSTOS - DESCONTO RACIONAL COMPOSTO OU POR DENTRO Conceito teoricamente correto, mas não utilizado. Conceito teoricamente correto, mas não utilizado. DRC = Vn. ( 1 – ( 1 / (1 + id ) nd )) - DESCONTO BANCÁRIO COMPOSTO OU COMERCIAL OU POR FORA Conceito sem fundamentação teórica, mas utilizado no mercado financeiro. DBC = Vn. ( 1 – ( 1 – id ) nd )

20 19 Descontos DESCONTO RACIONAL COMPOSTO OU POR DENTRO Um valor nominal de $25.000,00 é descontado 2 meses antes do seu vencimento, à taxa de juros compostos de 2,5% ao mês. Qual é o desconto racional composto? Um valor nominal de $25.000,00 é descontado 2 meses antes do seu vencimento, à taxa de juros compostos de 2,5% ao mês. Qual é o desconto racional composto? DADOS: Vn = $25.000,00 nd = 2 meses id = 2,5% ao mês DRC = ? DRC = Vn. ( 1 – ( 1 / (1 + id ) nd )) DRC = ( 1 – ( 1 / (1 + 0,025) 2 )) DRC = $1204,6401 O título será pago no valor de $23795,3599 ( $25000 – $1204,6401 ) O título será pago no valor de $23795,3599 ( $25000 – $1204,6401 )

21 20 Descontos DESCONTO BANCÁRIO COMPOSTO OU POR FORA Um valor nominal de $25.000,00 é descontado 2 meses antes do seu vencimento, à taxa de juros compostos de 2,5% ao mês. Qual é o desconto bancário composto? Um valor nominal de $25.000,00 é descontado 2 meses antes do seu vencimento, à taxa de juros compostos de 2,5% ao mês. Qual é o desconto bancário composto? DADOS: Vn = $25.000,00 nd = 2 meses id = 2,5% ao mês DBC = ? DBC = Vn. ( 1 – (1 - id ) nd )) DBC = ( 1 – (1 - 0,025) 2 )) DBC = $1234,3750 O título será pago no valor de $23765,6250 ( $25000 – $1234,3750 ) O título será pago no valor de $23765,6250 ( $25000 – $1234,3750 )

22 21 Descontos COMPARAÇÃO DOS TIPOS DE DESCONTOS DESCONTOS SIMPLES x COMPOSTOS DESCONTO RACIONAL SIMPLES Va em DRS = $ ,5239 Va em DRS = $ ,5239 Maior Valor Atual DESCONTO BANCÁRIO SIMPLES Va em DBS = $ ,0000 Va em DBS = $ ,0000 Menor Valor Atual DESCONTO RACIONAL COMPOSTO Va em DRC = $ ,3599 DESCONTO BANCÁRIO COMPOSTO Va em DBC = $ ,6250

23 22 Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar

24 Gestão de Custos CONCEITOS PREÇO Valor estabelecido e aceito pelo vendedor para transferir a propriedade de um bem ou para prestar um serviço. GASTO Sacrifício financeiro para obter um produto ou um serviço, independentemente da finalidade. Valores pagos ou assumidos para obter a propriedade de um bem. INVESTIMENTO Gasto ativado em função de vida útil e de geração de benefícios futuros.

25 Gestão de Custos CONCEITOS DESPESA Gasto despendido fora da área de produção de bem ou serviço. CUSTO Gasto despendido na produção de um bem ou serviço (Patrimônio). PERDA Valor despendido de forma anormal e involuntária. DOAÇÃO Valor despendido de forma normal e voluntária, sem intenção de obtenção de receita.

26 Gestão de Custos CONSIDERAÇÕES Custo ou despesa para o adquirente é preço para o vendedor. Preço e custo podem ser iguais. Custo sob a óptica do comprador. Preço sob a óptica do vendedor. Aquisição de matéria-prima ou de um bem do ativo permanente, por determinado preço estabelecido pelo vendedor, é um gasto (investimento) que se transformará em custo no momento da aplicação na produção para a obtenção de um novo bem. A denominação mais genérica de uma transação para aquisição de qualquer bem é um gasto, podendo ou não se constituir em custo, porém, tem um preço e acarretará um desembolso imediato ou futuro.

27 Gestão de Custos INVESTIMENTO É um tipo de Gasto. Exemplos: Aquisição de Móveis e Utensílios Aquisição de Imóveis Despesas Pré-Operacionais Aquisição de Marcas e Patentes Aquisição de Matéria-Prima (futuramente virará custo) Aquisição de Material de Escritório

28 Gestão de Custos CUSTO É um tipo de Gasto. Exemplos: Matéria-prima direta (MP) ( Somente a utilizada na produção) Mão-de-obra direta (MOD) ( Salário do pessoal da produção) Depreciações (GGF) (Somente das máquinas da produção) Aluguéis (GGF) (Somente do prédio da produção) Supervisão (GGF), etc. Custo de Fabricação CF = MP + MOD + GGF

29 Gestão de Custos DESPESA É um tipo de Gasto. Exemplos: Salários e Encargos Sociais do Pessoal de Vendas Salários e Encargos Sociais do Pessoal Administrativo Energia Elétrica consumida no Escritório Gastos com Combustível e Refeições do Pessoal de Vendas Conta Telefônica do Escritório e de Vendas Aluguéis e Seguros do Prédio do Escritório

30 Gestão de Custos CUSTOS X DESPESAS C U S T O S GASTOS NA ÁREA DE PRODUÇÃO D E S P E S A S GASTOS FORA DA ÁREA DE PRODUÇÃO (ÁREAS ADMINISTRATIVA, COMERCIAL OU FINANCEIRA)

31 Gestão de Custos Diferenciando Custos de Despesas

32 Gestão de Custos Diferenciando Custos de Despesas

33 Com relação aos produtos - Custos Diretos (gastos diretamente aplicados ao produto) Ex: matéria-prima, materiais secundários e mão-de-obra - Custos Indiretos (gastos aplicados indiretamente ao produto) Ex: Energia elétrica, aluguel da fábrica, salário do supervisor CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gestão de Custos Atenção: Se a empresa só fabrica um produto todos os custos são diretos.

34 Gestão de Custos CUSTOS DIRETOS Apropriáveis imediatamente a um só tipo de produto, ou serviço, ou função de custos. matéria-prima direta; mão-de-obra direta CUSTOS INDIRETOS Ocorrem genericamente, sem possi- bilidade de apropriação direta a cada função de acumulação de custos diferente. aluguel; supervisão; energia elétrica; combus- tíveis; depreciações; água; material de limpeza PRODUTO A OU FUNÇÃO A PRODUTO B OU FUNÇÃO B PRODUTO C OU FUNÇÃO C PRODUTO A OU FUNÇÃO A PRODUTO B OU FUNÇÃO B PRODUTO C OU FUNÇÃO C Custos Diretos x Custos Indiretos

35 ABC CUSTOS INDIRETOS CUSTOS DIRETOS INICIALMENTE NÃO TÊM DESTINO DESTINO IMEDIATO Gestão de Custos Custos Diretos x Custos Indiretos

36 Com relação ao volume de produção - Custos Fixos (independem do volume produzido no período) Ex: aluguel, depreciação das máquinas, salários - Custos Variáveis (variam conforme o volume de produção) Ex: matéria-prima - Custos Semifixos (tem uma parcela variável) Ex: Salários - Custos Semivariáveis (tem uma parcela fixa) Ex: Energia Elétrica CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gestão de Custos

37 TABELA DE CUSTOS Q = quantidade; CF = custo fixo; CV = custo variável; CT = custo total; CFu = custo fixo unitário; CVu = custo variável unitário; CMe = custo médio QCFCVCTCFuCVuCMe 0100, ,00110,00100,0010,00110, ,0020,00120,0050,0010,0060, ,0030,00130,0033,3310,0043, ,00990,001090,001,0110,0011, ,001000,001100,001,0010,0011,00

38 GRÁFICOS DE CUSTOS Gestão de Custos R$ QQ Custos Fixos, Variáveis e Totais Custos Unitários CF CV CT CVu CFu CMe

39 38 Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar

40 Formação do Preço de Venda Gastos x Custos x Despesas Gastos ou Dispêndios Gastos ou Dispêndios Sacrifícios para a aquisição de um bem ou serviço com pagamento no ato (desembolso) ou futuro (criando uma dívida). Custos - São os gastos no processo de industrialização (produção). Exemplos: Matéria-prima, Mão-de-obra, Embalagem, etc. Despesas - São gastos que não contribuem ou não se identificam com a transformação da matéria-prima. Exemplos: Comissão de vendedores, Juros, Aluguel de escritório, Honorários administrativos, etc. Despesas Administrativas - Despesas de Vendas - Despesas Financeiras

41 Custos e Despesas Fixas Formação do Preço de Venda O custo é fixo quando o desembolso não varia em função da quantidade produzida (aluguel de um galpão). O mesmo raciocínio é feito para as despesas fixas (salário do gerente comercial). Unitariamente os CDFs são Variáveis Custo do Aluguel $ $ $ Quantidade (produtos)

42 Formação do Preço de Venda Custos e Despesas Variáveis O valor dos custos e despesas variáveis varia proporcionalmente à quantidade de produção (compra de matéria-prima, comissões e impostos sobre vendas) Unitariamente os CDVs são Fixos Custo da Matéria-Prima $ $ $ Quantidade (produtos)

43 Formação do Preço de Venda Margem de Contribuição É o valor resultante das vendas (líquidas de impostos) deduzidas dos CDVs. MC = MCU x Quantidade produtos vendidos A Margem de Contribuição Unitária (MCU) está relacionada a um produto. Preço unitário de venda (líquido de impostos) $10,00 (-) Custos variáveis $ 4,30 (-) Despesas variáveis $ 0,90 (=) Margem de Contribuição Unitária (MCU) $ 4,80

44 Formação do Preço de Venda Margem de Contribuição Negativa A margem de contribuição deve ser positiva. Explicação: senão quanto mais se vende, maior é o prejuízo. Alguns ramos de negócios trabalham com margem de contribuição negativa (jornais e revistas). O prejuízo é coberto pelos anunciantes. Preço unitário de venda (líquido de impostos) $ 2,00 (-) Custos variáveis $ 1,60 (-) Despesas variáveis $ 1,00 (=) Margem de Contribuição Unitária (MCU) $ (0,60)

45 Formação do Preço de Venda Ponto de Equilíbrio É a quantidade de produtos que uma empresa precisa vender para conseguir cobrir todos os custos e despesas. PE = CDF (Custos e Despesas Fixas) MCU (Margem de Contribuição Unitária)Exemplo: Se a margem de contribuição de uma empresa é de $ 4,80 os seus Custos e despesas fixas são de $ , a quantidade de produtos vendidos necessária para cobrir todos os custos e despesas é de: PE = CDF = = unidades MCU 4,80

46 Formação do Preço de Venda Ponto de Equilíbrio É a quantidade de produtos que uma empresa precisa vender para conseguir cobrir todos os custos e despesas. Receitas Líquidas $ $ $ Quantidade de Produtos CDF CDV Ponto de Equilíbrio (PE) LUCRO

47 Formação do Preço de Venda Princípios Básicos Preço alto inibe as vendas Preço baixo não cobre os custos e despesas Com base nos custos: Preço de Venda = Custos + Despesas + Lucros Com base no mercado: A competitividade se dá pelo preço Deve-se reduzir custos e despesas para maximizar o lucro

48 COM BASE NOS CUSTOS RLU = CDVU + CDFU + LU RLU = Receita Líquida Unitária CDVU = Custos e Despesas Variáveis Unitárias CDFU = Custos e Despesas Fixas Unitárias LU = Lucro Unitário PVU = [RLU / (1 - %ICMS)] x [1 + (%IPI + %PIS)] PVU = Preço de Venda Unitário %ICMS, %IPI, %PIS = Alíquotas dos Impostos Formação do Preço de Venda

49 Com base na margem de contribuição: RLU = CDVU + CDFU + LU RLU = 5,20 + 3,60 + 0,15 RLU RLU = $10,3529 PVU = [RLU / (1 - %ICMS)] x [1 + (%IPI + %PIS)] PVU = [10,3529 / (1 - 0,18)] x [1 + (0,20 + 0,0265)] PVU = $15,4852 Com base no Método do Mark-up: Base (CDVU, CMV) x Fator Base (CDVU, CMV) x Fator (Frango cru x 2,5) Caso se deseje 15% de lucro (LU = 0,15. RLU)

50 COM BASE NO MERCADO Método do Preço Corrente Quando há muita semelhança de preços em todos os concorrentes. Método de Imitação de Preços Adota-se o preço de um produto concorrente semelhante. Método de Preços Agressivos Adota-se um preço abaixo dos concorrentes para se conquistar maior participação no mercado. Método de Preços Promocionais Preços tentadores em alguns produtos para vender outros produtos. Formação do Preço de Venda

51 50 Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar

52 AtivosInvestimentos Passivos PassivosFinanciamentos FCL FCL = Fluxo de Caixa Livre Maximizar valor ou riqueza TMA = Taxa Mínima de Atratividade TMA Técnicas Fluxos de Caixa Futuros

53 O que é decisão … No mundo corporativo, há algo vagamente conhecido como processo decisório, que são aqueles insondáveis critérios adotados pela alta direção da empresa para chegar a decisões que o funcionário não consegue entender....a origem da palavra decisão se formou a partir do verbo latino caedere (cortar). Dependendo do prefixo que se utiliza, a palavra assume um significado diferente: incisão é cortar para dentro, rescisão é cortar de novo, concisão é o que já foi cortado, e assim por diante. E dis caedere, de onde veio decisão, significa cortar para fora. Decidir é, portanto, extirpar de uma situação tudo o que está atrapalhando e ficar só com o que interessa. Fonte : Gehringer, M. (2002). O que é decisão. Revista Você S.A., janeiro de 2002, p Fluxos de Caixa Futuros

54 Conceito de investimento … Sacrificiozinho hoje … Para ter um dinheirão amanhã … Fluxos de Caixa Futuros

55 Ganhos em Finanças? Lucros? Fluxo de Caixa! Fluxos de Caixa Futuros

56 O que importa é o caixa! O lucro, dentro de critérios perfeitamente adequados, pode ser manipulado. Caixa não tem jeito. Como dizem em Wall Street, lucro é opinião; caixa é fato. Fonte : Antônio Manfredini, professor da EAESP-FGV, jornal Gazeta Mercantil, 24/09/2001, relatório As Empresas Dinâmicas, p. 01. Fluxos de Caixa Futuros

57 O que é o lucro? É um Ganho contábil Obtido por meio de: (+) Receitas de vendas (-) Custos (-) Despesas (-) IR (=) Lucro Fluxos de Caixa Futuros

58 O que é o fluxo de caixa? É um Ganho Financeiro Obtido por meio de: (+) Entradas (-) Saídas (=) Fluxo de caixa Ou por meio de: (+) Lucro (+/-) Ajustes (=) Fluxo de caixa Fluxos de Caixa Futuros

59 A resposta … Analise o dinheiro no tempo!!! Fluxos de caixa futuros Fluxos de Caixa Futuros

60 Tempo Movimentações em $ Investimento Inicial Fluxos Incrementais Valor Residual Quanto eu irei investir hoje na operação? Quanto eu irei ganhar durante a operação? Quanto eu irei ganhar ao encerrar a operação? Fluxos de Caixa Futuros Responderá se os benefícios gerados compensam os gastos realizados.

61 Aspectos importantes … Incrementos Custo de oportunidade Impostos Fluxos de Caixa Futuros

62 Pensando nos... Incrementos Fluxos de Caixa Futuros

63 Empresa de taxis Gasta cerca de $800,00 por mês para abastecer seus carros com gasolina. Pensa em investir $1.200,00 em kits para gás natural, que permitirá a troca do combustível e uma economia de 60% no valor do combustível consumido. Qual o fluxo incremental mensal da operação? Fluxos de Caixa Futuros

64 Pedra Mansa S.A. Pensa em trocar um equipamento com controle mecânico por outro eletrônico. Gastará com a manutenção do novo equipamento cerca de $4 mil por mês. Porém, economizará os cerca de $6mil mensais que gastava com o equipamento antigo. Qual o fluxo de caixa incremental da operação? Fluxos de Caixa Futuros

65 Pensando no... Custo de Oportunidade Fluxos de Caixa Futuros

66 Um exemplo didático Com o objetivo de aumentar a sua renda, um pequeno produtor rural resolve montar uma pequena fábrica de extrato de tomates na sua propriedade, aproveitando os tomates que produzia e vendia. Fluxos de Caixa Futuros

67 Custo dos insumos Qual o custo dos tomates empregados na produção de extratos? Custo é igual à receita perdida com as vendas Custo de Oportunidade Fluxos de Caixa Futuros

68 Pensando em... Impostos e Venda de Imobilizado Fluxos de Caixa Futuros

69 Livres de impostos Um equipamento foi comprado há quatro anos por $50 mil, com vida útil de cinco anos. A alíquota de IR da empresa é igual a 30%. Se o equipamento for vendido hoje por $25 mil, qual o fluxo de caixa líquido recebido pela empresa? Fluxos de Caixa Futuros

70 Venda de imobilizado Valor de venda (-) Custo contábil Resultado não operacional (-) IR Resultado líquido Fluxo de Caixa (+) Entrada (Venda) (-) Saída (IR) Líquido Fluxos de Caixa Futuros

71 Analisando a venda Depreciação = valor / vida útil 50/5 = $10 mil por ano Registro do equipamento Custo contábil 10 Fluxos de Caixa Futuros

72 Exemplo de venda Valor de venda (-) Custo contábil Resultado não operacional (-) IR Resultado líquido Fluxo de Caixa (+) Entrada (Venda) (-) Saída (IR) Líquido ,5 10,5 (+) 25 (-) 4,50 20,50 Fluxos de Caixa Futuros

73 Os importantes e... Diferentes Fluxos de Caixa Fluxos de Caixa Futuros

74 OS diferentes tipos de FCs Fluxo de caixa livre – Ganho do negócio ou das operações Fluxo de caixa do acionista – Ganho do sócio ou acionista Fluxos de Caixa Futuros

75 Fluxo de Caixa do Acionista AtivosPassivosDívidas Patrimônio Líquido FCAKs Técnicas Fluxos de Caixa Futuros

76 Fluxo de Caixa Livre (+) Receitas (-) Custos e despesas variáveis (-) Custos e despesas fixas (sem depreciação) (-) Depreciação = Lucro Operacional Tributável (-) IR = Lucro Líquido Operacional (+) Depreciação = FCO (Fluxo de Caixa Operacional) (+/-) Investimentos líquidos em equipamentos (+/-) Investimentos líquidos em capital de giro = FCL (Fluxo de Caixa Livre) Fluxos de Caixa Futuros É uma despesa não desembolsável.

77 76 Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar

78 AtivosInvestimentos Passivos PassivosFinanciamentos FCL FCL = Fluxo de Caixa Livre Maximizar valor ou riqueza TMA = Taxa Mínima de Atratividade CMPC Técnicas Custo de Capital

79 Entendendo o... Custo Médio Ponderado de Capital Custo de Capital CMPC WACC = Weighted Average Capital Cost

80 As fontes de financiamento … INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS PC PC ELP ELP PL PL Custo de Capital

81 Separando as fontes de financiamento PC PC ELP ELP PL PL Terceiros Próprio CP LP Estrutura de Capital Estrutura de Capital Custo de Capital

82 Fontes externas Capital de terceiros É preciso considerar o benefício fiscal! Custo de Capital

83 Benefício fiscal... Empresas tributadas por lucro real Custo de Capital

84 Símbolo do custo externo Kd Custo de Capital Dívida Custo de Capital

85 Benefício fiscal Juros representam despesas financeiras Dedutíveis do IR Parte dos juros pagos retorna sob a forma de IR não pago Custo de Capital

86 Empresas Nada Deve e Algo Deve Nada DeveAlgo Deve Ativos400 Dívidas (20% a.a.) 0200 PL Passivos400 Resultado LAJIR100 (-) Juros0-40 LAIR10060 (-) IR (30%) Lucro Líquido7042 Desembolso efetivo = $28,00 Custo de Capital

87 Do custo aparente da dívida, deve ser extraído o benefício fiscal Kd = Ka. (1 - IR) Kd = Ka. (1 - IR) Custo aparente da dívida Alíquota do IR Custo efetivo da dívida Custo de Capital

88 Kd de Algo Deve Balanço Patrimonial Balanço Patrimonial Nada Deve Algo Deve Ativos400 Dívidas (20%)0200 PL Passivos400 Resultado Nada Deve Nada Deve Algo Deve Algo Deve LAJIR100 (-) Juros0-40 LAIR10060 (-) IR (30%) LL7042 Kd = Ka. (1 - IR) Kd = 20%. (1 – 0,30) Kd = 14% a.a. Kd = 28/200 Kd = 14% a.a. ou Custo de Capital

89 Para não esquecer … A Cia do Mundo Mágico possui dívidas no valor de $500 mil, sobre as quais paga juros anuais iguais a $80 mil. Sabendo que a alíquota de IR da empresa é igual a 34%, calcule: –Custo aparente da dívida –Custo efetivo da dívida Números: Dívidas = $500 mil Juros = $80 mil IR = 34% Custo de Capital Respostas: Ka = 16% Ka = 16% Kd = 10,56% Kd = 10,56%

90 Fontes internas Capital Próprio Custo de Capital

91 Lembre-se!!!! É um custo de oportunidade! A empresa não tem obrigação de remunerar os sócios! Porém, os sócios tem uma expectativa de retorno Um retorno esperado é desejado na operação! Custo de Capital

92 Símbolo do custo próprio Ks Custo de Capital Sócio Custo de Capital

93 Modelo de Crescimento Constante de Gordon e Shapiro Custo de Capital

94 Modelo de Gordon e Shapiro Ks = D 1 + g P 0 Custo de Capital Ks = Custo do capital dos acionistas (Shareholders) D 1 = Dividendo por ação no ano 1 P 0 = Preço da ação no ano zero g = Taxa de crescimento dos dividendos

95 Custo de Capital A empresa Maquinaria Industrial S.A. está cotada atualmente a $5,60 (P 0 ). Sabendo que o próximo dividendo anual (D 1 ) a ser distribuido pela empresa será igual a $0,75 e que os dividendos têm crescido a uma média anual igual a 3%, deseja-se calcular o custo do capital próprio da empresa (Ks), mediante o emprego do modelo de Gordon e Shapiro. Ks = D 1 + g Ks = 0,75 + 0,03 P 0 5,60 Ks = 0,1639 = 16,39%

96 Custo de Capital O CMPC é uma ponderação entre os valores do Kd e do Ks Kd sai do Passivo do Balanço patrimonial Ks sai do Patrimônio líquido do Balanço patrimonial. Empresa ABC PASSIVO Banco A $ Banco B $ PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social $ CMPC (17.171/97.000) 17,70% TOTAL ………..….. $ CMPC (17.171/97.000) 17,70% Kd = 18,85% $2.262 Kd = 20,15% $5.239 Ks = 16,39% $9.670 Percentuais Calculados com base no IR

97 96 Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar

98 97 Payback DEFINIÇÃO DE PAYBACK Pode ser entendido como o tempo exato de retorno necessário para se recuperar um investimento inicial. Pode ser entendido como o tempo exato de retorno necessário para se recuperar um investimento inicial. É uma técnica de análise de investimentos. É uma técnica de análise de investimentos. Se o PAYBACK FOR MENOR que o período máximo aceitável ACEITA-SE O PROJETO DE INVESTIMENTO Se o PAYBACK FOR MAIOR que o período máximo aceitável REJEITA-SE O PROJETO DE INVESTIMENTO

99 98 EXEMPLO DE PAYBACK - Uma empresa está considerando a aquisição de um ativo no valor de $10.000,00 que gera entradas de caixa anuais de $4.000,00 para os próximos 5 anos (vida útil do ativo). Determinar o payback deste projeto. Dados: Investimento inicial = $10.000,00 Entradas de caixa = $4.000,00 Entradas de caixa = $4.000,00 Prazo do projeto = 5 anos ou 60 meses Prazo do projeto = 5 anos ou 60 meses Payback

100 99 EXEMPLO DE PAYBACK Resolução: Aplica-se a regra de três Aplica-se a regra de três $4.000,00 12 meses $4.000,00 12 meses $10.000,00 X meses $10.000,00 X meses X = 30 meses X = 30 mesesResposta: O Payback será de 30 meses O Payback será de 30 meses (2 anos e 6 meses) (2 anos e 6 meses) Payback

101 100 Dados: Investimento inicial = $10.000,00 Dados: Investimento inicial = $10.000,00 Entradas de caixa = $4.000,00/ano Entradas de caixa = $4.000,00/ano Prazo do projeto = 5 anos ou 60 meses Prazo do projeto = 5 anos ou 60 meses $4.000 $ Anos Anos Payback Ganho Payback Ganho $ $ Resposta: O Payback será de 30 meses (2 anos e 6 meses) Resposta: O Payback será de 30 meses (2 anos e 6 meses) Payback EXEMPLO DE PAYBACK

102 Payback Simples - PBS Análise do prazo de recuperação do capital investido, sem considerar o valor do dinheiro no tempo. Payback

103 Companhia Nana Neném Ltda. Tempo - 500,00 200,00 250,00 400,00 Cálculo do PBS PBS = /400 PBS = 2,125 anos FCs distribuído nos anos Payback

104 Vantagens do Payback Simples Simples Fácil de calcular Fácil de entender Payback

105 Perigos do Payback Simples Não considera o valor do dinheiro no tempo Miopia financeira –Visão curta –Analisa até a recuperação do capital investido Payback Descontado Outras técnicas devem ser empregadas Payback

106 A miopia do payback Tempo - 500,00 200,00 300,00 400,00... O Payback Aumentando o valor não se altera!!! Payback

107 Payback Descontado - PBD Payback Análise do prazo de recuperação do capital investido, considerando o valor do dinheiro no tempo.

108 Para considerar o dinheiro no tempo É preciso trazer todo o fluxo de caixa para o valor presente! Payback

109 Cálculo do Payback Descontado Tempo - 500,00 200,00 250,00 400,00 Considerando o CMPC igual a 10% a.a. Payback

110 Trazendo para o valor presente VP=VF÷(1+ i) n Payback VF=VP.(1+ i) n

111 Cálculo do Payback Descontado Trazendo todo o FC para o presente CMPC = 10%a.a. PBD = ,57/300,53 PBD = 2,37 anos FCs distribuído nos anos Payback

112 Juros Compostos na HP 12C Payback

113 Funções Financeiras da HP12C [n] Calcula o número de períodos [i] Calcula a taxa [PV] Calcula o Valor Presente [FV] Calcula o Valor Futuro [CHS] Troca o sinal [PMT] Calcula a Prestação Payback

114 Resolva na HP12C Pedro aplicou $400,00 por três meses a 5% a.m. (juros compostos). Qual será o valor de resgate? Tempo - $400,00 VF = ? Movimentações… n = 3 i = 5% a.m. [f] [Reg] 400 [CHS] [PV] 3 [n] 5 [i] [FV] $463,0500 Payback

115 Resolva na HP12C Qual é o valor presente para um montante de $800 no mês 4 com 8% a.m.(em juros compostos) ? Tempo VP = ? $800,00 Movimentações… n = 4 i = 8% a.m. [f] [Reg] 800 [FV] 4 [n] 8 [i] [PV] [CHS] $588, Payback

116 Calculando o PBD Voltando para o exemplo anterior … Tempo - 500,00 200,00 250,00 400,00 CMPC = 10% a.a. Payback

117 AnoFC Passos na Calculadora HP12C VPSaldo [f] [Reg] CHS [FV] 10 [i] 0 [n] PV-500, [FV] 1 [n] PV181,82-318, [FV] 2 [n] PV206,61-111, [FV] 3 [n] PV300,53188,96 PBD = ,57 300,53 = 2,37 anos FC no final do ano: 3 anos FC distribuído no ano: Payback

118 Payback Descontado Vantagens – Considera o valor do dinheiro no tempo – Fácil de entender Desvantagens – Maior complexidade algébrica – É preciso conhecer o CMPC – Miopia permanece Payback

119 A miopia do Payback persiste … Payback

120 Uso do Payback Payback Prazo máximo tolerável < > Aceito!!! Rejeito!!! Payback Prazo máximo tolerável Payback

121 120 Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar

122 121 DEFINIÇÃO DE VPL O VPL (Valor Presente Líquido) é o valor presente das entradas ou saídas de caixa menos o investimento inicial. O VPL (Valor Presente Líquido) é o valor presente das entradas ou saídas de caixa menos o investimento inicial. É uma técnica de análise de investimentos. É uma técnica de análise de investimentos. Se o VPL > 0 ACEITA-SE O INVESTIMENTO Taxa do Negócio > Taxa de Atratividade Se o VPL < 0 REJEITA-SE O INVESTIMENTO Taxa do Negócio < Taxa de Atratividade Se o VPL = 0 O INVESTIMENTO É NULO Se o VPL = 0 O INVESTIMENTO É NULO Taxa do Negócio = Taxa de Atratividade Valor Presente Líquido

123 122 Valor Presente Líquido EXEMPLO DE VPL - Um projeto de investimento inicial de $70.000,00 gera entradas de caixa de $25.000,00 nos próximos 5 anos; em cada ano será necessário um gasto de $5.000,00 para manutenção, considerando um custo de oportunidade de 8% ao ano. Determine o VPL: $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ anos anos $ $ REG CHS CF0 f REG CHS g CF CFj 5 Nj 8 i NPV g CFj 5 g Nj 8 i f NPV Resposta: VPL = $9.854,2007 (VPL > 0, logo o projeto deve ser aceito) Resposta: VPL = $9.854,2007 (VPL > 0, logo o projeto deve ser aceito)

124 Descrição do VPL Considera a soma de TODOS os fluxos de caixa na DATA ZERO Valor Presente Líquido

125 Trazendo para o valor presente Tempo - 500,00 200,00 250,00 400,00 Considerando CMPC igual a 10% a. a. 181,82 206,61 300,53 688,96 $188,96 Valor Presente Líquido

126 VPL na HP 12C [g] [CF 0 ] Abastece o Fluxo de Caixa do ano 0 [g] [CF j ] Abastece o Fluxo de Caixa do ano j Cuidado!!! j <= 20 !!! [g] [N j ] Abastece o número de repetições [i] Abastece o custo de capital [f] [NPV] Calcula o VPL NPV = Net Present Value Valor Presente Líquido

127 Calculando VPL na HP12C AnoFC [f] [Reg] 500 [CHS] [g] [CF 0 ] 200 [g] [CF j ] 250 [g] [CF j ] 400 [g] [CF j ] 10 [i] [f] [NPV] $188,9557 Valor Presente Líquido

128 Uso do VPL Zero > < Aceito!!! Rejeito!!! VPL Zero Valor Presente Líquido

129 Uma variante do VPL Índice de Lucratividade Índice de Lucratividade

130 Problema do VPL Medida em valor absoluto É melhor ganhar um VPL de $80 em um investimento de $300 ou um VPL de $90 em um investimento de $400? Índice de Lucratividade

131 Relativizando o VPL VP (FCs futuros) – Investimento inicial Problema: valor absoluto Não considera escala ÷ VP (FCs futuros) ÷ Investimento inicial Índice de Lucratividade ( ) Índice de Lucratividade Valor Presente Líquido ( - )

132 Associando conceitos VPL > 0 IL > 1 Índice de Lucratividade

133 Calculando o IL Tempo - 500,00 200,00 250,00 400,00 Considerando CMPC igual a 10% a.a. 181,82 206,61 300,53 $688,96 Índice de Lucratividade $500,00 IL = 1,3779 Índice de Lucratividade IL =

134 133 Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar

135 Descrição Considera a soma de TODOS os fluxos de caixa na DATA N Na HP12c não é possível utilizar a função g Nj Valor Futuro Líquido

136 $251,50 VFL Levando os valores para o futuro Tempo - 500,00 200,00 250,00 400,00 Considerando CMPC igual a 10% a. a. 242,00 275,00 400, ,50 Valor Futuro Líquido

137 Calculando VFL na HP12C AnoFC [f] [Reg] 500 [CHS] [g] [CF 0 ] 200 [g] [CF j ] 250 [g] [CF j ] 400 [g] [CF j ] 10 [i] [f] [NPV] 188,9557 [FV] $251,5000 Valor Futuro Líquido

138 Uso do VFL VFL Zero > < Aceito!!! Rejeito!!! VFLZero Valor Futuro Líquido

139 138 Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar

140 Descrição É a soma de TODOS os fluxos de caixa DISTRIBUÍDOS UNIFORMEMENTE Na HP12c não é possível utilizar a função g Nj Valor Uniforme Líquido

141 VUL = VPL distribuído Tempo - 500,00 200,00 250,00 400,00 VPL = $188,96 Para calcular os valores costuma-se usar o Excel ou a HP 12C Valor Uniforme LíquidoVUL

142 Calculando VUL na HP12C AnoFC [f] [Reg] 500 [CHS] [g] [CF 0 ] 200 [g] [CF j ] 250 [g] [CF j ] 400 [g] [CF j ] 10 [i] [f] [NPV] 188,9557 [PMT] $75,9819 Valor Uniforme Líquido

143 Uso do VUL VUL Zero > < Aceito!!! Rejeito!!! VULZero Valor Uniforme Líquido

144 143 Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar

145 144 Taxa Interna de RetornoTIR A TIR (Taxa Interna de Retorno) é a taxa de desconto que iguala os fluxos de caixa ao investimento inicial. Em outras palavras é a taxa que faz o VPL ser igual a zero. A TIR (Taxa Interna de Retorno) é a taxa de desconto que iguala os fluxos de caixa ao investimento inicial. Em outras palavras é a taxa que faz o VPL ser igual a zero. É uma sofisticada técnica de análise de investimentos. Se a TIR > Custo de Oportunidade ACEITA-SE O INVESTIMENTO Se a TIR > Custo de Oportunidade ACEITA-SE O INVESTIMENTO Se a TIR < Custo de Oportunidade REJEITA-SE O INVESTIMENTO Se a TIR < Custo de Oportunidade REJEITA-SE O INVESTIMENTO Se a TIR = Custo de Oportunidade INVESTIMENTO NULO Se a TIR = Custo de Oportunidade INVESTIMENTO NULO

146 145 Taxa Interna de Retorno EXEMPLO DE TIR - Um projeto está sendo oferecido nas seguintes condições: Um investimento inicial de $1.000,00, com entradas de caixa mensais de $300,00, $500,00 e $400,00 consecutivas, sabendo-se que um custo de oportunidade aceitável é 10% ao mês. O projeto deve ser aceito? $300 $500 $400 $300 $500 $ meses $1000 $1000 REG CHS CF f REG CHS g CF g CFj CFj CFj IRR CFj g CFj g CFj f IRR Resposta: TIR = 9,2647% a.m. (TIR < Custo de oportunidade REJEITAR) Resposta: TIR = 9,2647% a.m. (TIR < Custo de oportunidade REJEITAR)

147 O quanto ganharemos com a operação! Taxa Interna de Retorno

148 Conceitualmente... A TIR corresponde à rentabilidade auferida com a operação 0 1 ano $270 -$200 TIR = 35% a.a. Taxa Interna de Retorno

149 Analisando um fluxo com... Muitos capitais diferentes Taxa Interna de Retorno

150 Perfil do VPL Relação inversa entre CMPC e VPL Taxa Interna de Retorno TIR = 27,95% a.a. Tempo - 500,00 200,00 250,00 400,00 Taxa Interna de Retorno

151 Conceito algébrico da TIR Valor do CMPC que faz com que o VPL seja igual a zero. No exemplo anterior: quando a TIR é de 27,95% a.a. o VPL é igual a Zero. Taxa Interna de Retorno

152 Cálculo Matemático da TIR Solução polinomial … VPL = 0, K = TIR TIR é raiz do polinômio … Taxa Interna de Retorno

153 Na prática HP 12C: [ f ] [ IRR ] Microsoft Excel: =TIR(Fluxos) Taxa Interna de Retorno

154 TIR na HP 12C [g] [CF 0 ] Abastece o Fluxo de Caixa do ano 0 [g] [CF j ] Abastece o Fluxo de Caixa do ano j Cuidado!!! j <= 20 !!! [g] [N j ] Abastece o número de repetições [f] [IRR] Calcula a TIR IRR = Internal Rate of Return Taxa Interna de Retorno

155 Calculando a TIR na HP12C AnoFC [f] [Reg] 500 [CHS] [g] [CF 0 ] 200 [g] [CF j ] 250 [g] [CF j ] 400 [g] [CF j ] [f] [IRR] 27,9471%a.a. Taxa Interna de Retorno

156 155 Taxa Interna de Retorno CUIDADO COM AO CÁLCULO DA TIR f REG CHS g CFo 4000 g CFj 3000 g CFj 5000 g CFj f IRR Alguns exemplares da Calculadora HP-12c Platinum foram produzidos com erro! Teste o seu: Resultado correto: 0, Resultado incorreto: 1, (pela HP-12C Platinum)

157 Uso da TIR TIR CMPC > < Aceito!!! Rejeito!!! TIRCMPC Taxa Interna de Retorno

158 Seleção de Alternativas de Investimentos Seleção de Alternativas

159 Síntese das Técnicas Payback < Prazo TIR > CMPC VPL,VFL,VUL > Zero Seleção de Alternativas

160 Porém …. Há alternativas mutuamente excludentes, onde a aceitação de uma implica na rejeição das outras Seleção de Alternativas

161 Uma dúvida cruel … Valor ou Taxa? VPL,VUL,VFL TIR Seleção de Alternativas

162 Escolhendo a melhor alternativa Selecione apenas uma alternativa Alternativa Projeto A Projeto B Agora-1-10 Depois +1,50+11 Taxa50%10% Valor +0,50 +1,00 Seleção de Alternativas

163 Análise da Diferença (Incremento) Incremento Projeto A Projeto B -1,00 -10,00 +1,50 +11,00 50% 10% +$0,50+$1,00 B – A -9,00 +9,50 5,56% + $0,50 CMPC = 0% VPL > 0 Aceito! TIR > CMPC Aceito! Seleção de Alternativas B > A (Escolher o Projeto B)

164 Ao Comparar Alternativas Escolha com base no maior valor! Seleção de Alternativas B > A (Escolher o projeto B) Pela técnica do VPL Pela técnica da TIR

165 164 Bibliografia: ALBERTON, A.; DACOL, S. HP12-C Passo a Passo. 3.ed. Florianópolis: Bookstore, BRAGA, R. Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira. São Paulo: Atlas, BRUNI, A. L.; FAMÁ, R. A Matemática das Finanças: com aplicações na HP- 12C e Excel. Série desvendando as finanças. 1.ed. São Paulo: Atlas, v.1., BRUNI, A. L.; FAMÁ, R. As Decisões de Investimentos com aplicações na HP- 12C e Excel. Série desvendando as finanças. 1.ed. São Paulo: Atlas, v.2., GITMAN, L. J. Princípios de Administração Financeira. 11.ed. São Paulo: Harbra, GUERRA, F. Matemática Financeira através da HP-12C. 3.ed. Florianópolis: UFSC, HOJI, M. Administração Financeira: Uma abordagem prática. 5.ed. São Paulo: Atlas, SOUZA, S.; CLEMENTE, A. Matemática Financeira: fundamentos, conceitos, aplicações. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2005.

166 165 Agradecido: Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr. Retornar


Carregar ppt "1 Viabilidade Econômico Financeira de Projetos www.profhubert.yolasite.com."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google