A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SEMINÁRIO TÉCNICO OPERACIONAL BOMBEIRO ARRECADAÇÃO DE DONATIVOS Pedro CARLOS Borges de Lira – Maj QOC BM.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SEMINÁRIO TÉCNICO OPERACIONAL BOMBEIRO ARRECADAÇÃO DE DONATIVOS Pedro CARLOS Borges de Lira – Maj QOC BM."— Transcrição da apresentação:

1 SEMINÁRIO TÉCNICO OPERACIONAL BOMBEIRO ARRECADAÇÃO DE DONATIVOS Pedro CARLOS Borges de Lira – Maj QOC BM

2 Sumário 1 Emoções Presentes nos Desastres 2 O que Fazer para a Arrecadação não Virar Outro Problema? 3 A não Necessidade de Arrecadação 4 Tipos de Donativos 5 Armazenamento dos Donativos 6 O Plano Operacional 7 Transporte 8 Entrega 9 Resíduos 10 Relatório final 11 Considerações finais

3 1 - Emoções Presentes nos Desastres DOR, ANGUSTIA, IMPOTÊNCIA, FUGA, DESINTEGRAÇÃO, MEDO, DESOLAÇÃO, PERDA, CARÊNCIA, IMPOTÊNCIA… E…

4 A SOLIDARIEDADE! A SOLIDARIEDADE É ESPONTÂNEA, VOLNTÁRIA!

5 Fonte; SEDEC

6 A comoção da sociedade no intuito da se fazer algo é sempre latente! Surge então a iniciativa de se arrecadar donativos para ajudar os afetados! Principalmente se o desastre for de grande repercussão! Na Ocorrência de um Desastre:

7 ADMISTRAR A ARRECADAÇÃO DE DONATIVOS ANTES MESMO DE COMEÇAR! 2 - O Que Fazer Para a Arrecadação Não Virar Outro Problema?

8 Desastre de grande vulto ou de alta repercussão poderá desencadear arrecadações de forma desorganizada e às vezes, desnecessária. Antecipar às Motivações de Uma Arrecadação

9 Verificar estoques de alimentos, vestuários… Prefeituras CODEC –OVG –Defesa Civil Nacional –Outros

10 A solicitação de donativos por pessoas não envolvidas com a resposta (imprensa, população, etc), poderá trazer sérias consequências para a resposta ao desastre. Definir Quem Deve Arrecadar

11 A decisão de arrecadar deve ser tomada pelo Comandante do Incidente A melhor avaliação se faz durante o levantamento dos desabrigados e desalojados (30).

12 3 - A Não Necessidade de Arrecadação deverá: Ser divulgada para: A população, A imprensa, Aos órgãos envolvidos.

13 4 - Tipos de Donativos Alimentos: Não perecíveis que já estejam prontos ou semi prontos como enlatados, pré-cozidos embalados, bolachas, leite em pó, água mineral, doces embalados, rapaduras embaladas e cestas básicas.

14 Higiene Pessoal: Pasta dental, escova de dente, sabonete, papel higiênico, absorvente, bucha para banho e saboneteira.

15 Medicamentos sem contraindicação: Analgésico, antitérmico, xarope para tosse, pomada para assadura, etc.

16 Materiais de Limpeza: Sabão de barra, sabão em pó, detergente, desinfetante, água sanitária, esponja de aço, rodo, escova, vassoura e pano de chão.

17 Vestuários: Toalha, lençol, fronha, roupa intima nova masculina e feminina, adulto e infantil, calçados e roupas em geral para crianças e adultos, todas limpas e acondicionadas de forma organizada.

18 Brinquedos: Bola, boneca, brinquedo pedagógico, carrinho e similares.

19 Móveis: Preferível não arrecadar. Se realmente for necessário: Cama, fogão, botijão de gás P13, geladeira e colchão.

20 Donativos em Espécie: Caso necessário, e possível, deve ser creditada diretamente em uma conta jurídica específica a ser definida pelo Comandante da Operação e pelos órgãos envolvidos.

21 Cuidado! Não arrecadar alimentos perecíveis, com data vencida ou próxima de vencer, fubá, sal; roupas sujas; televisores, aparelhos de sons, sofás e outros que possam ocupar grandes espaços.

22 5 - Armazenamento dos Donativos Tudo deve ser separado por afinidade: –Roupas –Alimentos –Brinquedos –Medicamentos – Materiais de Higiene pessoal –Materiais de Limpeza –Etc

23 Após a separação: Dividi-las em as cestas básicas Acondicioná-las em embalagens tipo sacos plásticas transparentes de 45 kg Identificá-las com a logomarca do CBMGO/Defesa Civil Estadual.

24 6 - O Plano Operacional Deverá conter: A forma de divulgação à população; Os tipos de arrecadações (material e/ou em espécie); Orientações para os postos de arrecadação, Logística de transportes, de acondicionamento, e de formas de armazenamentos. Seguir a Norma Operacional 01 – CBMGO.

25

26 7 - TRANSPORTE A forma a ser transportada: Posto Central Distribuição Definir no Plano Operacional Previsão de horário e rota diária aos postos de arrecadação.

27 8 - Entrega Diretamente aos afetados: De forma organizada Ainda na fase de resposta ao desastre Fiscalizar a entrega Se para outro estado ou entidade: Divulgar na mídia a entrega

28 Doações arrecadadas em Goiás para as vítimas das enchentes na Região Serrana do Rio de Janeiro. Janeiro 2.011

29 9 - Os Resíduos Geralmente são os que chegaram atrasados e não tem como entregar aos afetados –Entregar às instituições de caridades filantrópicas. Preferencialmente as reconhecidas pela OVG, de forma a dar maior transparência ao ato.

30 10 - Relatório Final Obrigatório ao Coordenador da Campanha relatando: Pontos fortes e fracos Quantidade de donativos arrecadados e distribuídos Quantidade de pessoas assistidas

31 11- Considerações finais Em um desastre de grandes proporções a arrecadação sempre estará em foco!

32 È preciso decidir o mais breve possível, e de forma correta, sobre arrecadar ou não!

33 A arrecadação precisa ser de forma organizada e planejada para não virar um outro grande problema para o Comandante da Operação!

34 OBRIGADO! A DEFESA CIVIL SOMOS TODOS NÓS Pedro CARLOS Borges de Lira– MAJ QOC SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E JUSTIÇA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS


Carregar ppt "SEMINÁRIO TÉCNICO OPERACIONAL BOMBEIRO ARRECADAÇÃO DE DONATIVOS Pedro CARLOS Borges de Lira – Maj QOC BM."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google