A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AULA 3 Diagnóstico e Planejamento como Instrumental Normativo Prof a. Dr a. Rita Borges.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AULA 3 Diagnóstico e Planejamento como Instrumental Normativo Prof a. Dr a. Rita Borges."— Transcrição da apresentação:

1 AULA 3 Diagnóstico e Planejamento como Instrumental Normativo Prof a. Dr a. Rita Borges

2 Será que podemos comparar a estrutura de uma escola, ou organização empresarial a imagem mostrada acima?

3 Uma organização é composta por vários elementos, que hierarquicamente organizados,ajudam a instituição como um todo, a alcançar seus objetivos.

4 Iniciando a Discussão!! Todas as peças são importantes, cada uma tem a sua função específica e contribui para que a organização atinja as suas metas e objetivos. Portanto, podemos dizer que, para se atingir o sucesso, precisamos da colaboraçãode todas as peças, que juntas formarão o grande quebra cabeça que é a organização!

5 Tipos e Níveis de Planejamento O planejamento é uma ferramenta de suma importância para qualquer tipo de organização, pois este implica a organização de objetivos e estratégias, a fim de se alcançar determinados fins.

6 Para Oliveira (2006), O planejamento pode ser conceituado como um processo desenvolvido para o alcance de uma situação desejada de um modo mais eficiente, eficaz e efetivo, com a melhor concentração de esforços e recursos pela empresa ele ainda acrescenta que eficiência é a otimização dos recursos utilizados para a obtenção dos resultados, e que eficácia é a contribuição dos resultados obtidos para o alcance dos objetivos da empresa.

7 7 Características – Objetivos e Metas – Meios para atingir os objetivos e as metas – Métodos operacionais e alocação de recursos Níveis Estratégico Tático Operacional Tipos Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Planejamento

8 8 Estratégia Organizacional Processos Organizacionais Operações Organizacional Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Planejamento

9 9 NívelPlanejamentoConteúdoPrazoCaracterísticas Institucional Intermediário Operacional Estratégico Tático Operacional Longo Médio Curto Genérico e Sintético Menos genérico e mais detalhado Detalhado e analítico Macroorientado: aborda a empresa como uma totalidade Aborda cada unidade de trabalho ou cada unidade de custo separadamente Microorientado: aborda cada tarefa ou operação isoladamente Planejamento

10 10 O planejamento tático tem por objetivo otimizar determinada área e não a organização como um todo, isto é, trabalha com decomposições dos objetivos, estratégias e políticas estabelecidos no planejamento estratégico. O planejamento tático é desenvolvido em níveis organizacionais inferiores, ou seja, é realizado no nível gerencial ou departamental, tendo como principal finalidade a utilização eficiente dos recursos disponíveis para a consecução de objetivos previamente fixados, segundo uma estratégia predeterminada, bem como as políticas orientadoras para o processo decisório organizacional. Planejamento Tático

11 11 Características Principais: – Processo permanente e contínuo; – Aproxima o estratégico do operacional; – Aproxima os aspectos incertos da realidade; – É executado pelos níveis intermediários da organização; – Pode ser considerado uma forma de alocação de recursos; – Tem alcance mais limitado do que o planejamento estratégico, ou seja, é de médio prazo; – Produz planos mais bem direcionados às atividades organizacionais. Planejamento Tático

12 12 Conceito: Representa uma tentativa da organização de integrar o processo decisório e alinhá-lo à estratégia adotada, para orientar o nível operacional em suas atividades e tarefas, a fim de atingir os objetivos organizacionais anteriormente propostos (CHIAVENATO, 1994). Planejamento Tático

13 13 Planejamento Operacional Preocupa-se com os métodos operacionais e alocação de recursos: – Detalhamento das etapas do projeto; – Métodos, processos e sistemas aplicados; – Pessoas: responsabilidade, função, atividades/tarefas; – Equipamentos necessários; – Prazos e cronograma.

14 14 Planos que especificam os detalhes de como devem ser alcançados os objetivos organizacionais globais; Detalhado e analítico; Curto prazo; Microorientado; Como fazer: – Procedimento (método); – Orçamento (recursos); – Programação (tempo); – Regulamento (comportamento). Planejamento Operacional

15 15 Análise dos objetivos Planejamento do uso do tempo Planejamento dos recursos Avaliação dos riscos Políticas e procedimentos Estrutura organizacional Estabelecimento do cronograma Elaboração do orçamento Planejamento Operacional

16 16 Análise dos objetivos Identificação das atividades Programação do trabalho Cronograma Planejamento Operacional

17 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO É um processo que consiste na análise sistemática dos pontos fortes e fracos da empresa, e das oportunidades e ameaças do meio ambiente com o intuito de estabelecer objetivos, estratégias e ações que possibilitam um aumento da competitividade da empresa.

18 ETAPAS DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Negócio Princípios / Valores Missão Visão Cenários (Ameaças e Oportunidades) Forças e Fraquezas Objetivos estratégicos

19 VISÃO

20 VISÃO Aponta objetivos a serem alcançados a longo prazo. É essencial para transmitir valores e crenças de modo claro a todos os empregados. Visão é o estado que a organização deseja atingir no futuro. A visão tem a intenção de propiciar o direcionamento dos rumos de uma organização. Se a empresa não cumpre sua Missão não vai ter uma Visão mas uma ilusão, uma fantasia. A declaração da visão deve ser inspiradora.

21 Processo Estratégico Estabelecimento de Objetivos e metas a serem alcançados Objetivo = Resultado desejado que se pretende alcançar, dentro de um determinado período de tempo. Devem ser focalizados em resultado de médio e longo prazo. Meta = Objetivo de curto prazo (Máximo 1 ano, mesmo exercício).

22 Processo Estratégico Desdobramento dos Objetivos: Como cada pessoa dentro da Organização sabe o que precisa fazer para atingir os resultados ?

23

24 As modificações que este provoca nas pessoas, podem gerar a necessidade de treinamento, substituição, transferências, funções, avaliações etc.; na tecnologia pode ser apresentada pela evolução dos conhecimentos, pelas novas maneiras de fazer os trabalhos etc.; nos sistemas podem ocorrer alterações nas responsabilidades estabelecidas, nos níveis de autoridade, descentralização, comunicações, procedimentos, instruções etc.

25 O autor também enumera, quatro os princípios específicos do planejamento: 1. Planejamento Participativo- O principal benefício do planejamento não é seu produto, ou seja, o plano, mas o processo envolvido.

26 Planejamento Integrado Os escalões da corporação ou das respectivas áreas devem ter seus planejamentos integrados. Nas organizações voltadas para o ambiente, nas quais os objetivos dominam os de seus membros, geralmente os objetivos são escolhidos de cima para baixo e os meios para atingi-los, de baixo para cima.

27 Planejamento Permanente Condição exigida pela própria turbulência do ambiente, pois nenhum plano mantém seu valor com o tempo.

28 O diagnóstico e planejamento estratégicos como instrumentos normativos O planejamento pode ser conceituado como um processo desenvolvido para alcançar uma situação futura desejada, de forma mais eficiente, eficaz e efetiva, com a melhor concentração de esforços ( OLIVEIRA, 2006.

29 Diagnóstico e planejamento como instrumentos normativos: Hoje, o planejamento estratégico, representa o esforço organizado de fazer com que a empresa, a partir de uma análise interna e externa, se a deque e até supere as mudanças ocorridas no ambiente, chegando a atingir seus objetivos.

30 Podemos afirmar com isso, que um dos objetivos básicos do planejamento estratégico é diminuir o risco de se tomar uma decisão errada, pois este parte de uma previsão do ambiente, que é integrada as decisões de um plano que lhe direcionam caminhos

31 Deve-se definir qual a missão da empresa Nesta etapa, a organização deve se perguntar qual é o seu negócio e a razão pela qual quer realizar esse negócio. A segunda etapa requer a análise do ambiente externo, ou seja, a visualização das oportunidades e ameaças desse ambiente, verificando aspectos restritivos, contingenciais ou facilitadores do negócio da organização.

32 Após a análise externa, a análise interna se torna imperativa: é o momento de se verificar os pontos fracos e fortes, como recursos disponíveis, capacidades e habilidades internas. A partir dessas análises são desenvolvidos os objetivos e as estratégias propriamente ditas, que desembocarão em políticas, planos e procedimentos, a nível operacional.

33 Percebe-se aqui que, o planejamento é visto como ferramenta racional normativa, ou com a visão da sociologia, que busca explicações para os conflitos tanto da sociedade moderna, como para aqueles que ocorrem nas organizações.

34

35 Até a próxima aula!


Carregar ppt "AULA 3 Diagnóstico e Planejamento como Instrumental Normativo Prof a. Dr a. Rita Borges."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google