A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AULA 3 Retrospectiva Histórica sobre Diferentes Concepções de Planejamento e Projetos na Educação Prof a. Dr a. Rita Borges.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AULA 3 Retrospectiva Histórica sobre Diferentes Concepções de Planejamento e Projetos na Educação Prof a. Dr a. Rita Borges."— Transcrição da apresentação:

1 AULA 3 Retrospectiva Histórica sobre Diferentes Concepções de Planejamento e Projetos na Educação Prof a. Dr a. Rita Borges

2 Características da Teoria Geral de Administração A nossa sociedade é formada por seres humanos, que vem a formar inúmeras organizações que variam de acordo com seus objetivos. Com o passar do tempo, surgiu uma ciência, que tinha por objetivo a organização dos processos para que tais organizações atinjam tais objetivos. Essa ciência chama- se Administração.

3

4 ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA de TAYLOR TAYLOR

5 FREDERICK TAYLOR(1) ( ) ORIGEM: nasceu na Pensilvânia, EUA. Família Quaker, educação básica rígida e disciplinada com conhecimentos de francês e alemão FORMAÇÃO ESCOLAR: Com 18 anos aprovado em Direito (Harvard), mas começou a trabalhar como operário em uma metalúrgica da Filadélfia. CARREIRA (1878 a 1884): Operário a engenheiro chefe Pode ser visto como: – experimentador e pesquisador; – autor e divulgador de experimentos; – formador de uma equipe e linha de pensamento

6 FREDERICK TAYLOR ( ) Crença: Acreditava que cada operário produzia um terço do que poderia produzir chamando o processo de vadiagem sistemática Razão atribuída por Taylor: – Os trabalhadores acreditavam que trabalhando mais depressa, outros trabalhadores perderiam o emprego – Os sistemas administrativos falhos da época forçavam os operários a trabalhar mais lentamente para proteger seus próprios interesses – Métodos de trabalhos empíricos vinham passando de uma geração para outra de trabalhadores (regra do polegar) Sistema de trabalho: – Análise do trabalho; – padronização das ferramentas; – seleção e treinamento dos trabalhadores; – supervisão e planejamento; – pagamento por produção Considerado: Pai da administração científica

7 ESTUDOS DE TAYLOR Administração de Oficinas Livro: Administração de Oficinas (em 1903) Objetivo: Racionalização do trabalho do operário, por meio do estudo dos tempos e movimentos. Duas fases: – Analítica (descarte de movimentos inúteis e observação de habilidosos); – Construtiva (Arquivo de movimentos elementares e tempo) Essência: – Boa administração = pagar altos salários e baixos custos de produção – Administração deve aplicar métodos científicos de pesquisa e experimento, para formular princípios e padrões de controle – Empregados precisam ser cientificamente colocados em postos com materiais e condições cientificamente selecionadas – Empregados cientificamente treinados para desenvolver aptidões – Alta administração devia desenvolver atmosfera de cooperação

8 ESTUDOS DE TAYLOR Administração Científica Livro: Princípios de Administração Científica (em 1911) Objetivo: Apresenta estudos sobre Administração Geral Contexto: Vadiagem sistemática dos operários, desconhecimento das rotinas de trabalho por parte dos gerentes e do tempo necessário para sua realização e falta de uniformidade das técnicas e métodos de trabalho dos empregados. Objetivo básico: Incrementar a produtividade do trabalhador por meio de uma análise científica sistemática do trabalho do empregado, atingindo uma maneira melhor de realizar tal trabalho, assegurando a prosperidade para o empregador, conjugada com a máxima prosperidade para os trabalhadores. Princípio da exceção: – Alta Administração=>concentração nas tarefas estratégicas – Pessoal operacional => concentração nas tarefas padronizadas e de rotina

9 Características da Administração Científica Ciência em lugar do empirismo Harmonia em vez de discórdia Cooperação, não-individualismo Máxima produção e não-restrição de produção Desenvolvimento de cada indivíduo para sua máxima eficiência e prosperidade

10 Princípios da Administração Científica Planejamento Preparo Controle Execução

11 SEGUIDORES DE TAYLOR Frank e Lilian Gilbreth ( ): – Estudos dos tempos e movimentos dos operários e o estudo da fadiga humana (e=p/r onde e=eficiência; p=produtos resultantes e r=recursos utilizados) – Propôs princípios relativos à economia de movimentos: Relativos ao uso do corpo humano Relativos ao arranjo do local de trabalho Relativos ao desempenho dos equipamentos e ferramentas Henry Gantt ( ): Sistema de pagamento por incentivo tarefa-bônus

12 Seguidores de Taylor (cont.) Carl Barth (discípulo mais ortodoxo de Taylor)( ): Complexos problemas matemáticos dos experimentos de corte de metais Harrington Emerson ( ): – 12 princípios da eficiência: Ideais claramente definidos (objetivos); Senso comum (bom senso) Orientação competente; Disciplina; Tratamento justo; Registros confiáveis e imediatos; Prontidão, rapidez (nas rotinas); Padrões e programações; Condições padronizadas; operações padronizadas; Instruções escritas nas práticas-padrão Recompensas pela eficiência – primeiros trabalhos de seleção e treinamento antecipando a APO

13 Seguidores de Taylor (cont.) Morris Cooke ( ): Aplicação da Administração Científica no governo e na educação. Em 1911 aplicação da teoria de taylor na prefeitura da Filadélfia. Henry Ford ( ): Grande empresário com visão prática. Seus princípios: – Produtividade (máxima produção num período); – Intensificação (giro capital com mínima imobilização do mesmo); – Economicidade (mínimo matéria-prima); A política de Henry Ford se alicerçou na produção em massa, em série e em cadeia contínua; no pagamento de altos salários e na fixação de preços mínimos para os bens produzidos. Cria a linha de montagem (1913): 1 carro a cada 84 minutos

14 CRÍTICAS AO SISTEMA DE TAYLOR Dois grupos: – Mecanização: que desestimula a iniciativa pessoal do operário, tornando-o parte da máquina, não considerando os seus aspectos psicossociais – Esgotamento físico: freqüente da ânsia em realizar mais do que previsto, para aumentar pagamento Conseqüências: – Especialização demasiada da produção do operário, tornando-o apêndice da máquina; – Destruir a iniciativa própria e relacionamento interpessoal – Atomizar o trabalho em demasia, minimizando as aptidões dos operários

15

16

17 TEORIA CL Á SSICA DA ADMINISTRA Ç ÃO Henry Fayol Henry Fayol

18 HENRI FAYOL Henri Fayol ( ), nasceu em Constantinopla e faleceu em Paris. Viveu conseqüências da Revolução Industrial e da I Guerra Mundial. Formou-se em Engenharia de minas, e entrou numa empresa metalúrgica. Em 1916 funda a Teoria Clássica da Administração.

19 Os aspectos organizacionais são analisados de cima para baixo (da direção, para execução) e do todo para as partes (da síntese para a análise), exatamente ao contrário da abordagem da administração científica. Os objetivos tanto da Administração Científica quanto da Teoria Clássica são os mesmo: a busca da eficiência das organizações. TEORIA CLÁSSICA

20 1. Funções Técnicas: relacionadas com a produção de bens ou de serviços da empresa. 2. Funções Comerciais: relacionadas com a compra, venda e permutação. 3. Funções Financeiras: relacionadas com a procura e gerência de capitais. 4. Funções de Segurança: relacionadas com a proteção e preservação dos bens e das pessoas. 5. Funções Contábeis: relacionadas com inventários, registros, balanços, custos e estatísticas. 6. Funções Administrativas: coordenam e sincronizam as demais funções. SEGUNDO FAYOL A EMPRESA TINHA 6 FUNÇÕES BÁSICAS:

21 As funções universais da Administração são: Prever: envolve avaliação do futuro e aprovisionamento em funções dele. Unidade, continuidade, flexibilidade e apreciação são os aspectos principais de um plano de ação. Organizar: Proporciona todas as coisas úteis ao funcionamento da empresa e pode ser dividida em organização material e organização social. Comandar: Leva a organização a funcionar. Seu objetivo é alcançar o máximo retorno de todos os empregados no interesse dos aspectos globais. CONCEITO DE ADMINISTRAÇÃO

22 FUN Ç ÕES UNIVERSAIS As funções universais da Administração são: Coordenar: Harmoniza todas as atividades do negócio, facilitando seu trabalho e seu sucesso. Ela sincroniza coisas e ações em suas proporções certas e adapta os meios aos fins. Controlar: Consiste na verificação para certificar se todas as coisas ocorrem em conformidade com o plano adotado, as instruções transmitidas e os princípios estabelecidos. O objetivo é localizar as fraquezas e os erros no sentido de retificá-los e prevenir a recorrência.

23 PROPORCIONALIDADE DAS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS +ALTAS PREVER ORGANIZAR COMANDAR COORDENAR CONTROLAR OUTRAS FUNÇÕES NÃO ADMINISTRATIVAS +BAIXA

24 A Administração é o todo do qual a organização é uma das partes. A organização pode ser usada com dois significados distintos: 1.Organização como na unidade ou entidade social, na qual as pessoas interagem entre si para alcançar objetivos específicos. Ex.: A empresa. Pode ser formal ou informal. 2. Organização como função administrativa e parte do processo administrativo (como a previsão, o comando, a coordenação e o controle) neste sentido organização significa atos de organizar e estruturar. DIFERENÇA ENTRE A ADMINISTRAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

25 1. Divisão do trabalho: Consiste na especialização das tarefas e das pessoas para aumentar a eficiência. 2. Autoridade e responsabilidade: Autoridade é o direito de dar ordens e o poder de esperar obediência. A responsabilidade é uma conseqüência natural da autoridade e significa o dever de prestar contas. Ambas devem estar equilibradas entre si. 3. Disciplina: Depende da obediência, aplicação, energia, comportamento e respeito aos acordos estabelecidos. 4. Unidade de comando: Cada empregado deve receber ordens apenas de um superior. É o princípio da autoridade única. PRICÍPIOS GERAIS DE ADMINISTRAÇÃO PARA FAYOL

26 5. Unidade de direção: Uma cabeça e um plano para cada conjunto de atividades que tenham o mesmo objetivo. 6. Subordinação dos interesses individuais aos gerais: Os interesses gerais da empresa devem sobrepor-se aos interesses particulares das pessoas. 7. Remuneração do pessoal: Deve haver justa e garantida satisfação para os empregados e para a organização em termos de retribuição. 8. Centralização: Refere-se à concentração da autoridade no topo da hierarquia da organização. 9. Cadeia escalar: É a linha de autoridade que vai do escalão mais alto ao mais baixo em função do princípio do comando. PRICÍPIOS GERAIS DE ADMINISTRAÇÃO PARA FAYOL

27 10. Ordem: Um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar. É a ordem material e humana. 11. Equidade: Amabilidade e justiça para alcançar a lealdade do pessoal. 12. Estabilidade pessoal: A rotatividade do pessoal é prejudicial para a eficiência da organização. Quanto mais tempo uma pessoa permanecer no cargo, tanto melhor para a empresa. 13. Iniciativa: a capacidade de visualizar um plano e assegurar pessoalmente o seu sucesso. 14. Espírito de equipe: A harmonia entre as pessoas são grandes forças para a organização. PRICÍPIOS GERAIS DE ADMINISTRAÇÃO PARA FAYOL

28 1.A capacidade principal de um operário é a capacidade técnica. 2. A medida que se eleva na escala hierárquica, a importância relativa da capacidade administrativa aumenta, enquanto a capacidade técnica diminue. 3. A capacidade principal do diretor é a capacidade administrativa. Quanto mais elevado o nível hierárquico do diretor, mais essa capacidade domina. CONCLUSÕES SOBRE A CAPACIDADE DAS PESSOAS SEGUNDO FAYOL

29 Administração como Ciência Fayol afirma a necessidade de um ensino organizado e metodológico da Administração, de caráter geral para formar administradores, a partir de suas aptidões e qualidades pessoais. Em sua época, essa idéia era uma novidade.

30 A Teoria Clássica concebe a organização como se fosse uma estrutura, forma e disposição das partes que a constituem, além do inter- relacionamento entre as partes. TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

31 O Processo Administrativo Planejamento Organização - Dividir o trabalho - Designar as atividades - Agrupar as atividades em órgãos e cargos - Alocar os recursos - Definir autoridade e responsabilidade - Dividir o trabalho - Designar as atividades - Agrupar as atividades em órgãos e cargos - Alocar os recursos - Definir autoridade e responsabilidade - Designar as pessoas - Coordenar os esforços - Comunicar - Motivar - Liderar - Orientar - Designar as pessoas - Coordenar os esforços - Comunicar - Motivar - Liderar - Orientar Direção Controle - Definir os padrões - Monitorar o desempenho - Avaliar o desempenho - Ação corre- tiva - Definir os padrões - Monitorar o desempenho - Avaliar o desempenho - Ação corre- tiva -Estratégia global - Formular objetivos - Definir os planos para alcançá-los - Programar as atividades -Estratégia global - Formular objetivos - Definir os planos para alcançá-los - Programar as atividades

32 É a determina ç ão pr é via do que deve ser feito e quais os objetivos a atingir – decidir o que fazer e como fazer, antes de iniciar a a ç ão. O planejamento é descrito em passos, fases e tipos. A PRIMEIRA FUNÇÃO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO: PLANEJAMENTO

33 PASSOS DO PLANEJAMENTO Estabelecer objetivos Determinar os poss í veis planos alternativos de a ç ão Escolher a melhor alternativa de a ç ão Escolha definitiva do plano de a ç ão Formular os planos derivativos, de apoio ao plano b á sico Definir os meios de controle

34 OBJETIVO A ALCAN Ç AR: fixar os objetivos/ resultados desejados TOMAR DECISÕES: estabelecer as a ç ões adequadas ESTRAT É GIA GLOBAL: prever o efeito das atuais decisões no futuro PLANOS OPERACIONAIS: aplic á -los em todas as atividades atuais FASES DO PLANEJAMENTO

35 Em cada n í vel hier á rquico realiza-se um tipo diferente: ESTRAT É GICO: de longo prazo – c ú pula administrativa T Á TICO: de m é dio prazo – âmbito gerencial OPERACIONAL: de curto prazo – desdobra em detalhes o planejamento t á tico TIPOS DE PLANEJAMENTO

36 A SEGUNDA FUNÇÃO: ORGANIZAÇÃO Agrupa as atividades e as aloca à s lideran ç as com autoridade para definir os meios mais indicados A organiza ç ão é descrita em componentes, princ í pios b á sicos e t é cnicas

37 Tarefas – menor unidade de trabalho Pessoas – habilidade, aptidão, experiência, interesse e pr á tica Ó rgãos – dispostos em n í veis hier á rquicos Rela ç ões – indiv í duo com o trabalho indiv í duo com a organiza ç ão indiv í duo com a organiza ç ão informal COMPONENTES DA ORGANIZAÇÃO

38 Princ í pio do objetivo – deve ser definido e compreendido por todos Da unidade de fun ç ões – devem operar em conjunto Da simplicidade – ter por base inter-rela ç ões claras e simples Das inter-rela ç ões individuais – atribuir deveres e responsabilidades, incentivos ao trabalho participativo Da autoridade – deve corresponder à responsabilidade Da subordina ç ão a um ú nico superior Do alcance do controle – limitar os contatos dirigente/ subordinado Da racionalidade – lutar contra o desperd í cio Da divisão do trabalho – em tarefas elementares para tornar f á cil Do princ í pio industrial – rela ç ões no trabalho, preservar integridade PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ORGANIZAÇÃO

39 Características deste novo mundo: Na esfera tecnológica; Na esfera econômica; Na esfera social.

40 Na esfera tecnológica: – Revolução tecnologia da informação base material = informacionalismo – riqueza, poder e códigos culturais elemento principal = tecnologia da informação ferramenta principal para reestruturação socioeconômica – possibilitou a formação de redes – maior dinamismo e flexibilidade

41 Na esfera econômica: – Meados 70: Crise capitalismo e estatismo Nova forma de capitalismo = Capitalismo informacional – globalizado – flexível – menor poder trabalhador Tecnologia: Dualidade conexão x desconexão Estatismo: – Queda União Soviética (incapacidade de assimilar o informacionalismo)

42 Na esfera social: – Final anos 60: explosão de movimentos sociais em diversos países do mundo industrializado – movimentos culturais objetivo mudar a vida e não assumir o poder crítica à cultura do consumismo curta duração, mas consistiram em fonte de idéias para várias transformações impactando sobre a economia, a tecnologia e os resultantes processos de reestruturação – Divisão sociedades: elites ativas e grupos sociais inseguros

43 Uma nova sociedade Revolução Tecnológica Reestruturação Econômica Crítica da Cultura Redefinição das relações de produção, poder e experiência Nova sociedade

44 Educação Processo pelo qual as pessoas... Adquirem a capacidade para uma redefinição constante das especialidades necessárias a determinada tarefa e para o acesso às fontes de aprendizagem dessas qualificações especializadas.

45 As teorias administrativas e os projetos em educação A administração escolar foi concebida em primeira instancia, pelos princípios pregado pela Teoria Geral da Administração (TGA). De acordo com as idéias da Teoria do Capital Humano, a educação era vista como bem de produção, indispensável ao desenvolvimento econômico, e que tinha como função preparar as pessoas para atuar num mercado em expansão que necessita de uma força de trabalho educada.

46 Os projetos educativos portanto, eram elaborados para atender a esses fins, pois segundo Saviani (2008, p. 383), nessa época a educação era concebida como um subsistema cujo funcionamento eficaz é essencial ao equilíbrio do sistema social de que faz parte.

47 O projeto educativo de escola é um documento que organiza a ação educativa, de forma integral, a longo prazo e de natureza geral e estratégica. O projeto educativo é parte integrante do planejamento educacional

48 O projeto educativo de uma escola representa um conjunto opções ideológicas, políticas, antropológicas, axiológicas e pedagógicas; pois existe uma relação, de certa forma conflitante, entre o que é estabelecido ou imposto pelo Estado, a prática implícita interna à escola e a postura intencional, ou até mesmo utópica da comunidade escolar.

49 Este projeto deve ser dinâmico, deve estar integrado a realidade onde será aplicado, deve contar com a participação de todos os componentes a comunidade escolar.


Carregar ppt "AULA 3 Retrospectiva Histórica sobre Diferentes Concepções de Planejamento e Projetos na Educação Prof a. Dr a. Rita Borges."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google